iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Culpa-se a política para não se ter que reconhecer a dormência moral.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Matt Walsh. Leia o artigo completo no seu blog.

[…]

Há 70 anos, CS Lewis alertou que estávamos indo em direção a uma sociedade de “homens sem peito” que não têm consciência humana. 

O atirador [autor do massacre na escola] é certamente um homem sem peito. Não é um homem odioso. Ele está abaixo do ódio. Ele não consegue sentir o suficiente para odiar. Ele é uma concha vazia. Um buraco negro de uma pessoa. Ele ataca violentamente não porque sente raiva, mas porque não sente absolutamente nada.

[Segue-se, então a reação vazia e robótica do público.]. Talvez elas não tenham as mesmas tendências violentas, mas também não possuem uma consciência plenamente funcional. Não consigo pensar em outra explicação para o tipo de pessoa cuja reação reflexiva a uma onda de homicídios em massa é encontrar uma maneira de “usá-la” em uma discussão [para promover seu ponto-de-vista].

Eu não pretendo ser totalmente inocente a esse respeito. Já notei em mim a tentação de usar uma tragédia como um golpe contra meus adversários políticos. Eu percebo e fico enojado com isso. Eu acho que há uma corrente forte em nossa cultura nos puxando para este estado não humano. Estamos todos sendo transformados em sociopatas. E você não pode apontar para apenas um catalisador. Acho que a mídia social desempenha um papel. Assim como a internet, geralmente. Assim como, provavelmente, a mídia e Hollywood. O colapso da família é um fator enorme. E assim por diante. Tudo isso conspira para criar uma espécie de dormência moral. E eu acho que todos nós podemos ver um pouco disso em nós mesmos, se formos honestos a respeito.

Mas o nosso instinto de politizar também tem outra fonte, penso eu. Nós nos voltamos para a política para explicar o mal porque faz com que nos sintamos mais seguros. Se podemos colocar o mal em uma caixinha bonita; se pudermos contê-lo; se pudermos pensar em soluções fáceis; se pudermos resumir isso a um partido político, a uma política, a uma lei ou qualquer outra coisa, então não temos que enfrentar a realidade mais aterradora: que o mal está em toda parte. Em toda a nossa volta. Não apenas ao nosso redor, mas, o pior de tudo, dentro de nós.

Somos humanos, por isso não queremos acreditar que os seres humanos são capazes de tal maldade. Preferimos colocar a culpa em um objeto ou em um partido ou em uma raça ou em uma categoria de doença mental. Procuramos isolar o mal para que possamos fingir que está confinado dentro desses parâmetros. A alternativa – que o mal está sempre presente, permeando nosso mundo e se fortalecendo a cada dia – é muito aterrorizante para ser considerada.

A verdade difícil é que nunca vamos “resolver” os massacres em massa. Eles acontecem porque somos uma raça caída que habita um mundo despedaçado. Eles acontecem porque o mal é real e vive entre nós. Nenhuma estratégia, nenhuma política, nenhuma lei vai mudar isso. Há algumas coisas que podemos fazer para minimizar nossa vulnerabilidade – mais segurança nas escolas, por exemplo -, mas a fonte real do problema é muito mais profunda do que qualquer plano de ação que possamos apresentar. Eu tenho que acreditar que é possível que as coisas possam pelo menos melhorar um pouco, mesmo que nunca sejam perfeitas nesta vida. Mas nenhuma melhoria pode ser alcançada enquanto não estivermos dispostos a encarar a questão e chamá-la pelo que é.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *