iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Dennis Prager. Leiao artigo completo no Daily Wire.

[…] Mas a facilidade com que as táticas do estado policial foram empregadas e a igual facilidade com que a maioria dos americanos as aceitou foram impressionantes.

As pessoas argumentam que um estado policial temporário se justificou por causa da suposta ameaça única à vida ,representada pelo novo coronavírus. Não acredito que os dados sustentem isso. Independentemente disso, vamos pelo menos concordar que estamos mais próximos de um estado policial do que nunca na história americana.

“Estado policial” não significa estado totalitário. A América não é um estado totalitário; ainda temos muitas liberdades. Em um estado totalitário, este artigo não poderia ser publicado legalmente e, se fosse publicado ilegalmente, eu seria preso e / ou executado.

Mas atualmente estamos vivendo com as quatro principais características de um estado policial:

No. 1: Leis draconianas que privam os cidadãos de direitos civis elementares.

Os governos federal, estadual, distrital e municipal agora estão restringindo quase todas as liberdades, exceto as de viagens e de expressão. Os americanos foram proibidos de ir trabalhar (e, assim, ganhar a vida), de se reunir em grupos (internos e externos), de se reunir em seus carros nos estacionamentos da igreja para orar e de entrar em propriedades pertencentes ao estado, como praias e parques – entre muitas outras proibições.

No. 2: Meios de comunicação que apoiam as mensagens do estado e a privação de direitos .

O New York Times, a CNN e todos os outros meios de comunicação de massa – exceto Fox News, The Wall Street Journal (somente páginas editoriais e de opinião) e talk rádio – serviram à causa do controle estatal sobre a vida de indivíduos americanos, assim como o Pravda serviu ao governo soviético. Aliás, quase não há mais dissidência no The New York Times do que no Pravda. Além disso, as plataformas Big Tech estão removendo postagens sobre o vírus e os possíveis tratamentos que consideram “desinformação”.

No. 3: Uso da polícia.

Os departamentos de polícia de toda a América concordaram em fazer cumprir essas leis e decretos, com o que só pode ser descrito como uma prontidão assustadora. Depois de me ouvir descrever a polícia convocando ou mesmo prendendo pessoas por jogar beisebol com seus filhos na praia, correr sozinhas sem máscara ou celebrar a Páscoa enquanto sentadas, isoladas, em seus carros no estacionamento de uma igreja, um policial ligou para o meu programa. Ele explicou que a polícia não tem escolha. Eles devem atender a cada despacho que recebem.

– E por que eles são despachados para uma pessoa correndo na praia ou sentada sozinha em um parque? – Eu perguntei.

Porque o departamento foi informado sobre esses infratores da lei.

– E quem contou à polícia sobre esses infratores da lei? – Eu perguntei.

Sua resposta nos leva à quarta característica de um estado policial:

No. 4: Informantes.

Como os agentes da polícia descobrem os infratores da lei, como famílias jogando softbol em um parque público, corredores solitários sem máscaras, etc.? De seus concidadãos denunciando eles.

O prefeito da cidade de Nova York, Bill de Blasio, criou uma “linha de delação”, segundo a qual os nova-iorquinos deveriam enviar às autoridades fotos de colegas nova-iorquinos que violassem qualquer uma das leis de quarentena. O prefeito de Los Angeles, Eric Garcetti, também incentivou os delatores, usando, descaradamente, o termo.

Dizem que cerca de 1 em cada 100 cidadãos da Alemanha Oriental eram informantes da Stasi, a polícia secreta da Alemanha Oriental, como retratado de maneira soberba no filme “A vida dos outros”. Seria interessante e, penso, importante, saber qual a porcentagem de nova-iorquinos denuncia seus concidadãos. Agora, novamente, você pode pensar que essa comparação não é moralmente válida, que o chamado de De Blasio aos nova-iorquinos para desempenhar um papel semelhante ao da Stasi foi moralmente justificado, dada a pandemia de coronavírus. Mas você não pode negar que é parecido com a Stasi ou que, além de identificar espiões durante a Segunda Guerra Mundial, isso é sem precedentes na história americana em qualquer lugar próximo desse nível.

Na última sexta-feira à noite, eu me reuni com seis pessoas para um jantar de Shabat. No meu programa de rádio de sexta-feira, anunciei que faria isso e, se fosse preso, valeria a pena. Nos meus sonhos mais pessimistas, nunca imaginei que, na América, jantar na casa de um amigo fosse um ato de desobediência civil, talvez até um ato criminoso. Mas é exatamente isso que acontece em um estado policial.

A razão pela qual acredito que este é um ensaio geral é que muitos americanos parecem despreocupados com isso; a força dominante na América, a esquerda, o apóia, e um dos dois principais partidos políticos foi tomado pela esquerda. Com efeito, os democratas e seus apoiadores anunciaram que usarão o poder do Estado para fazer cumprir qualquer lei que puderem para combater a crise “existencial” ainda maior do que o aquecimento global.

No site da CNN, neste fim de semana, em um dos artigos mais assustadores e fanáticos da era do fanatismo, Bill Weir, correspondente chefe de clima da CNN, escreveu uma carta aberta a seu filho recém-nascido. Nele, ele escreveu sobre seu futuro idealizado para a América: “formas completamente novas de poder, alimentação, construção, transporte, economia e política”.

Você não pode chegar lá sem um estado policial.

Se você ama a liberdade, deve ver que ela está ameaçada mais do que em qualquer momento desde a fundação da América. Isso significa, entre outras coisas, que, neste momento, um voto para qualquer democrata é um voto para acabar com a liberdade.

Dennis Prager é um apresentador de programas de rádio distribuídos em âmbito nacional e colunista. Seu último livro é “The Rational Bible”, um comentário sobre o livro de Gênesis. Seu filme, “No Safe Spaces”, chegou aos cinemas no outono de 2019. Ele é o fundador da Prager University e pode ser contatado em dennisprager.com.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise

O que Guia a Sociedade.

O perfil verificado da Turma da Mônica deu a entender – via Twitter – que Felipe Neto pode virar personagem de gibi. A palhaçada não

Leia Mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *