iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Problemas emocionais são subprodutos de pensamento distorcido.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: denisonforum.org.
Autoria do texto: Lane Ogden.
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui. denisonforum.org
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

[…]

Agora, vamos procurar entender melhor como a mente funciona, a interação de nossos pensamentos e sentimentos e os contrastes entre o que as pessoas mentalmente saudáveis ​​e mentalmente doentes fazem. Em última análise, buscaremos a resposta para o que a Bíblia diz sobre saúde mental.

Como sua mente funciona

Implícita na saúde mental está a ideia de uma “mente sã”. Sanidade significa ter a capacidade de funcionar de maneira saudável. Isso significa que você é capaz de gerar respostas “não deprimidas” ou “não ansiosas” a estresses e desafios. A saúde mental requer a capacidade de determinar e abraçar a realidade. Uma pessoa mentalmente saudável é controlada pelo pensamento racional e pela verdade, em vez do medo, desesperança ou outras emoções dolorosas, mas transitórias.

Afinal, somos “homo  sapiens.”  Sapiente  significa que somos capazes de pensamentos profundos, de sabedoria, de intelecto e de razão. Você tem um cérebro grande, o que o torna intrinsecamente capaz de ser um pensador, de ser inteligente e lógico. Sua mente pode direcionar suas escolhas, pensamentos, comportamentos e sentimentos. Este é o seu superpoder, a ferramenta dada a você uma vez que você foi feito à imagem de Deus.

Ter uma mente sã significa ser caracterizado por um bom senso racional. Ser mentalmente saudável é viver plenamente na realidade. De fato, parece óbvio que, deliberada ou inadvertidamente, escolher acreditar em uma falsidade é uma armadilha para problemas. Na medida em que você acredita em algo que não é verdade, você corre risco. Quanto mais você acredita em distorções e mentiras, mais você está aberto às consequências dessas crenças equivocadas. Por exemplo:

  • Se você acredita que pode pular da janela de um escritório no segundo andar sem se machucar, está se colocando em risco.
  • Se você considera verdade (a própria definição de uma crença) que você nunca deve cometer um erro, então você está preparado para se sentir inútil quando suas imperfeições humanas emergem.
  • Se você acredita que não se pode realmente confiar em ninguém , seus relacionamentos serão prejudicados.

A ansiedade e a depressão podem, portanto, ser consideradas com precisão como subprodutos do pensamento distorcido: de acreditar em mentiras em vez de na verdade. Por outro lado, a saúde mental exige e, se caracteriza por, viver na verdade com um mínimo de defesas ou distorções.

Aqueles que lutam contra a depressão são comumente atormentados por pensamentos como: “No fundo, sou horrível e de alguma forma defeituoso”. Ou: “Eu deveria ser perfeito”. Se você aceitar esses pensamentos como verdadeiros ou permitir que eles não sejam averiguados, inevitavelmente você vivenciará os sentimentos que acompanhariam essa distorção se ela fosse verdade. Seria razoável esperar-se sentimentos como tristeza ou desesperança, talvez até pensamentos suicidas.

Por que não? Em seu pensamento irreal, inadvertidamente você exagerou a realidade de sua situação desanimadora. Então sua emoção seguiu proporcionalmente. O tempo todo, seu cérebro está constantemente gerando pensamentos consistentes com sua apreciação distorcida da verdade – porque é exatamente assim que seu cérebro (e o meu) funciona. Esses pensamentos maliciosos e falsos levam à depressão.

Da mesma forma, aqueles que lutam contra a ansiedade geralmente são atormentados por pensamentos de vulnerabilidade e ameaça, como: “Será horrível se ela não gostar de mim” ou “Seria horrível se eu cometer um erro”. Se você aceitar isso como verdade ou permitir que não sejam investigados, inevitavelmente terá os sentimentos que acompanhariam essa distorção se fosse verdade. Seria razoável esperar-se sentimentos como medo, pânico e o impulso de evitar ou escapar.

De novo, por que não? Em seu pensamento irrealista, você inadvertidamente exagerou o verdadeiro perigo. Então sua emoção seguiu proporcionalmente. O tempo todo, seu cérebro está constantemente gerando pensamentos consistentes com sua apreciação distorcida da verdade. Esses pensamentos maliciosos e falsos também geram ansiedade.

Como seus pensamentos e sentimentos interagem

Por design, a parte do seu cérebro que pensa e a parte que sente não são as mesmas. Anatomicamente, elas são literalmente separadas. Para o homo sapiens, a fisiologia é tal que as partes pensantes dominam, ou dirigem, as partes dos sentimentos. No entanto, muitas vezes estamos muito mais conscientes e focados na emoção do que nos pensamentos que criaram a emoção. Em outras palavras, os sentimentos são um produto dos pensamentos.

Sentimentos dolorosos (por exemplo, depressão, ansiedade) resultam de pensamentos que geram sentimentos dolorosos. Sentimentos agradáveis ​​(por exemplo, paz, alegria, esperança) resultam de pensamentos que geram sentimentos agradáveis. As partes do sentimento não são “racionais”. Claro que não são; são sentimentos! Os sentimentos não agem; eles reagem, aos pensamentos. As emoções são resultado, estão à mercê e dependem da precisão dos pensamentos. Quando os pensamentos se tornam distorcidos e não são verdadeiros ou racionais, eles inevitavelmente produzem sentimentos distorcidos e potencialmente prejudiciais. Os sentimentos dolorosos que chamamos de problemas emocionais são o produto de padrões de pensamento irracionais.

Pensamentos:

  • estão corretos ou incorretos
  • são precisos ou imprecisos
  • são reflexos válidos ou inválidos da realidade
  • têm valor moral
  • estão certos ou errados
  • são verdadeiros ou falsos 

Em contraste, as emoções são subprodutos dos pensamentos. Conseqüentemente, as emoções não têm valor moral — são apenas sentimentos, nem certos nem errados. Certamente, alguns são mais desejáveis ​​do que outros. Prefiro me sentir feliz do que triste, mas não é “errado” sentir-se triste. Esse sentimento pode ser inútil, desnecessário ou desproporcional à situação, mas sentir-se triste não é moralmente errado. Sentimentos são apenas sentimentos.

No entanto, a parte do seu cérebro que importa, em termos de onde suas emoções vão em resposta a esses pensamentos, não sabe discernir a diferença entre um pensamento verdadeiro e um falso. Assim, uma emoção é gerada como se seus pensamentos fossem precisos, mesmo quando distorcidos.  

Por exemplo, se você acredita que seu cônjuge não a ama mais , você terá os sentimentos que acompanham essa circunstância, sem levar em conta os verdadeiros sentimentos dele. “Como [um homem] pensa em seu coração, assim ele é” ( Pv 23:7). No entanto, argumentei acima que, na medida em que você aceita algo falso como verdade, você está em perigo, e a saúde mental requer viver na verdade. Para ser mentalmente saudável, você  deve  dizer a verdade a si mesmo. Você perderá a saúde mental na medida em que não disser a verdade a si mesmo.

No entanto, vivemos em uma época que rejeita, cada vez mais, a ideia de que a verdade objetiva e indiscutível sequer existe. Muitos preferem acreditar que tudo é relativo, que a sua verdade pode ser diferente da minha verdade. Muitos veem a resposta para a pergunta: “Como isso está funcionando para você?” como critério crítico. Se está funcionando, então é um bom pensamento. Se não está funcionando, é um mau pensamento. 

Em  2 Tim 3:16, Paulo nos diz que “toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a educação na justiça”. A Escritura foi dada por inspiração de Deus – a fonte suprema da verdade – e é útil para corrigir nosso pensamento. Neste ponto, os cristãos estão em contraste direto com a nossa cultura. Parte da definição de ser um cristão é submissão e aceitação da verdade de Deus ao invés da nossa própria.

Se você quer viver na realidade, você deve considerar a perspectiva do seu Criador. Você deve aceitar sua definição de verdade.

Para aumentar seu nível de saúde mental, você deve aumentar seu nível de pensamento saudável. Mas há esperança de que qualquer um de nós possa realmente fazê-lo?

Se sim, como?

Como aumentar seu pensamento saudável

A anatomia e fisiologia do seu grande cérebro significa que ele está gerando pensamentos de forma independente e espontânea o tempo todo. Isso é simplesmente o que ele faz e deve fazer. Certa vez, tive um paciente que descreveu de forma precisa e sucinta seu cérebro como “secretando” pensamentos. Quais são esses pensamentos – o conteúdo do que sai de seu cérebro – está fora de sua escolha ou controle consciente, talvez até mesmo de sua percepção.

No entanto, isso é vital perceber: você certamente tem um impacto sobre o que acontece com esses pensamentos  depois  que eles aparecem. É aí que está o seu poder. Mas o outro lado da faca de dois gumes pode aparecer, e você não consegue usar seu poder para intervir. Se você quer se sentir diferente, você deve pensar de forma diferente.

Na ausência de um esforço intencional para mudar, seu cérebro tende a desenvolver padrões de pensamento ou sistemas de crenças que se tornam arraigados ou automáticos. Você tende a continuar a pensar da maneira que a vida – eventos, circunstâncias e professores – o ensinou a pensar. Você fica preso no que pode ser chamado de hábitos de pensamento e tende a aceitá-los sem questionar (se, de fato, você estiver ciente deles).

Na ausência de intervenção, seu cérebro tende a seguir qualquer pensamento que surja. Afinal, é o que seu cérebro lhe disse, então deve ser correto, certo? Isso soa verdadeiro para você. E, uma vez que você acredita em algo, você tende a reunir dados de reforço e ignorar coisas que podem contestar sua maneira confortável, bem ensaiada (embora, talvez, infeliz) de pensar. Então, já que você teve o pensamento, ou sempre o pensou, ou foi ensinado por pessoas ou eventos da vida poderosos a pensá-lo, esse pensamento é inevitavelmente verdadeiro e você deve continuar a pensá-lo, certo?

Certamente não!

Esse grande cérebro está constantemente secretando, e você simplesmente não escolhe o que salta para fora. Parte de sua humanidade significa que você é falho e terá algumas mentiras prejudiciais disfarçadas de verdade. Esse é um produto de se viver em um mundo caído. Martin Luther é creditado por ter dito: “Você não pode impedir que os pássaros voem no ar sobre sua cabeça, mas certamente pode impedi-los de construir um ninho em seu cabelo”. Um amigo terapeuta tinha um adesivo de pára-choque que dizia: “Não acredite em tudo o que você pensa”. Você deve patrulhar de forma ativa e vigilante seus pensamentos e avaliar a verdade. Se você espera melhorar sua saúde mental, precisa melhorar a veracidade de sua maneira de pensar. 

Como?

Primeiro, considere essa perspectiva.

Seu grande cérebro gosta de informação. Ele quer crescer e fazer um trabalho cada vez melhor deproteger você e atender às suas necessidades. Você nutriu esse cérebro nos últimos minutos por sua atenção a este texto. A simples aquisição de novas informações e a determinação de aplicá-las já o colocou no caminho da saúde. Você agora está de posse de princípios psicológicos, de uma maneira de pensar sobre saúde mental, que é consistente com a verdade biblicamente sã e objetiva. Nunca mais você precisa ficar confuso sobre o que está gerando sofrimento emocional, é um pensamento distorcido.

Em segundo lugar, os pensamentos podem ser conceituados com precisão como conversas em seu cérebro que você está tendo consigo mesmo.

Todo mundo tem essas conversas, embora o “volume” possa ser muito baixo, até que você intencionalmente começa a ouvir. No entanto, o que acontece no nível dessas conversas é extremamente poderoso para determinar seu estado emocional ou sua saúde mental. É possível sintonizar com mais eficácia essas conversas e até mesmo começar a alterá-las.

Observe que as mesmas “regras” que se aplicam em suas conversas com outras pessoas também se aplicam em conversas com você mesmo. Você pode dizer ao seu amigo que ele é defeituoso, detestável e irrecuperável, mas não deve surpreendê-lo se, ao fazer isso, assim você prejudicá-lo e o seu relacionamento. Da mesma forma, você não pode permitir que esses pensamentos ocorram sem oposição em sua conversa consigo mesmo, e depois se perguntar por que isso prejudica você e o relacionamento que você tem consigo mesmo. A regra geral é que, se você não disser isso para alguém com quem você se importa e para quem deseja o melhor, você não pode dizer isso para si mesmo. Mentiras não averiguadas inevitavelmente causam danos. Se não for consistente com a verdade bíblica, tem que desaparecer.

Se seu objetivo é ser mentalmente saudável, você deve se esforçar em todas as coisas para dizer a verdade a si mesmo e intencionalmente preencher sua mente com a verdade. Você tem que desafiar e alterar quaisquer pensamentos que o levem a uma diminuição da saúde e a um aumento na probabilidade de depressão e ansiedade. Você tem que levar cativos padrões de pensamento destrutivos. Você tem que ensinar a si mesmo uma nova habilidade. Você tem que substituir as distorções automáticas e profundamente arraigadas (mas dinâmicas e em constante mudança) pela verdade. Você tem que, como  Rm12:2  adverte, renovar sua mente.

Terceiro, se você vai mudar alguma coisa, primeiro precisa descobrir o que precisa ser mudado.

Em outras palavras, você deve começar a sintonizar ou ouvir essas conversas de forma eficaz. Na minha experiência, cada um de nós parece ter uma configuração de “volume” que é nossa norma. Alguns parecem estar naturalmente conscientes dos pensamentos que seus cérebros geram mais do que outros, ter uma configuração padrão mais alta. Outros podem estar tão alheios que duvidam que essas conversas estejam acontecendo. Independentemente de onde você começa, é possível aumentar o nível do som. Existem duas maneiras de começar esta parte do trabalho que leva a um aumento em sua consciência.

Você já começou a primeira. É simplesmente compreender a verdade intelectual de que essas conversas estão ocorrendo e comprometer-se a fazer um esforço sincero, incluindo o investimento de energia envolvido em encontrá-las. Você tem que trabalhar em ouvir para se tornar um “ouvinte ativo”.

Faça um pequeno experimento mental onde quer que esteja agora. Fique quieto e ouça, por um momento, qualquer som ambiente ao seu redor. Eu consigo ouvir um ruído branco, o ar saindo do sistema de aquecimento, meu relógio batendo, um carro passando do lado de fora e um rouxinol, nenhum dos quais eu estava ciente quando comecei a digitar esta frase.

O que você consegue ouvir?

Então, de forma semelhante, sintonize-se com seus pensamentos. Ensine-se a ouvir melhor. Pratique. Exerça sua vontade. Ensine um novo truque a um cachorro velho. O que você está dizendo a si mesmo em conjunto com os sentimentos que deseja mudar? Capture-os e anote-os. Este é um processo contínuo que exige esforço e vigilância.

O segundo é menos preciso do que realmente ouvir e escutar, mas ainda é bastante funcional. Envolve lógica dedutiva. Se os pensamentos causam sentimentos e você está tendo alguns sentimentos, especialmente aqueles dolorosos e indesejados, então você sabe que está tendo pensamentos geradores de sentimentos dolorosos. Quando você tem um “surto” de emoção, isso é um sinal de que você acabou de ter um pensamento. Você pode fazer o caminho para trás. A lógica dedutiva nos diz que se os pensamentos causam sentimentos e você tem um sentimento, você teve um pensamento. Agora volte atrás. Siga essa trilha! Que pensamento você deve ter tido para produzir a onda?

Depois de ouvir seus pensamentos, você está em posição de apreciar, avaliar e tomar decisões sobre eles.

  • O que você está ouvindo é verdade?
  • É um pensamento que você aconselharia os outros a ouvirem, tolerar ou até mesmo abraçar?
  • É algo que você gostaria de aninhar em sua cabeça?
  • É algo que você se sentiria confortável se os outros soubessem que você está pensando nisso?

Se a resposta for não, o pensamento está criando um problema para você. Está prejudicando sua saúde mental. Deve ser enfrentado. Você tem que substituir mentiras e distorções pela verdade.

O que você sugere que um amigo diga a si mesmo em vez da distorção? O que o seu eu precisa ouvir que é edificante e não destrutivo?

Mais importante, o que Deus diria?

Versículos bíblicos sobre saúde mental

  • “Portanto, preparando suas mentes para a ação e sendo sóbrios, depositem sua esperança totalmente na graça que será trazida a você na revelação de Jesus Cristo”. – 1 Pedro 1:13
  • “Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for justo, tudo o que for puro, tudo o que for amável, tudo o que for de boa fama, se houver alguma excelência, se houver algo digno de louvor, pensem nessas coisas.” – Filipenses 4:8
  • “Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que, experimentando, possais discernir qual é a vontade de Deus, o que é bom, agradável e perfeito.” — Romanos 12:2
  • “Você mantém em perfeita paz aquele cuja mente está fixa em você, porque ele confia em você.” — Isaías 26:3
  • “Coloque sua mente nas coisas que são de cima, não nas coisas que são da terra.” — Colossenses 3:2
  • “Destruímos argumentos e toda opinião altiva levantada contra o conhecimento de Deus, e levamos todo pensamento cativo para obedecer a Cristo.” — 2 Coríntios 10:5
  • “Seja sóbrio; esteja atento. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge, procurando alguém para devorar”. – 1 Pedro 5:8

Renovar a mente é uma tarefa contínua, dinâmica e em constante mudança. Requer ouvir as mentiras, pegá-las e substituí-las pela verdade. Renovar sua mente pode ser feito, mas requer compreensão, trabalho, vigilância e comprometimento. 

Mas a saúde mental é a recompensa.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Parasita Causa Ansiedade

Milhões de pessoas têm parasitas, que podem influenciar pensamentos, comportamentos, promiscuidade, enfraquecer o sistema imunológico, causar fadiga, problemas intestinais e até distúrbios mentais, mas os

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *