iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Simon Ruda é especialista em influência e mudança comportamental. Ele trabalha na interseção da ciência comportamental com análise de dados, estratégia e comunicação.

Por mais de 15 anos, Simon liderou equipes de consultoria em questões complexas e de grande visibilidade. Seus clientes incluem ministros de gabinete e altos funcionários de governos europeus, latino-americanos e do Oriente Médio, bem como das Nações Unidas e do Banco Mundial.

Ruda foi cofundador, Diretor Sênior e Membro do Conselho da Equipe de Insights Comportamentais e desempenhou um papel fundamental na conversão da primeira ‘Nudge Unit’* do governo do mundo em uma consultoria de ciência comportamental líder de mercado. Ele deu palestras em todo o mundo sobre como as organizações podem resolver seus desafios com soluções práticas de ciência comportamental.


Ruda, responsável por mudar o comportamento do público por meio da ciência comportamental e da psicologia – publicou um editorial no Unherd criticando o governo por abusar do trabalho de sua equipe durante a pandemia e “ transmitindo voluntariamente” medo ao público a tal ponto que beirava a “propaganda** estatal”. Eis um trecho:

“Na minha opinião, o erro mais flagrante e de longo alcance cometido na resposta à pandemia foi o nível de medo transmitido voluntariamente ao público. Inicialmente incentivado a aumentar a conformidade pública, esse medo parece ter posteriormente impulsionado as decisões políticas em um ciclo de feedback preocupante…

“O empurrãozinho tornou a influência estatal sutil palatável, mas misturado com um estado de emergência, nós, inadvertidamente, sancionamos a propaganda estatal?

A ciência comportamental na política pode nos ajudar a melhorar a vida das pessoas, mas não devemos nos tornar complacentes… com o potencial de danos não intencionais”

Ruda ainda tem muito a dizer da Unidade Nudge, embora acrescente que “ foco na “ciência” [foi] vislumbrado ” durante a pandemia. “Não devemos ficar complacentes”, diz ele…

A ‘Nudge Unit’ da Number 10, inicialmente, fora criada para incentivar mudanças comportamentais positivas no público britânico sem a necessidade de coerção ou legislação, mas, durante a pandemia, foi transformada em arma a fim de criar alarmismo. Diz Ruda:

“Na minha opinião, o erro mais flagrante e de longo alcance cometido na resposta à pandemia foi o nível de medo transmitido voluntariamente ao público.

Esse medo parece ter impulsionado, posteriormente, as decisões políticas em um ciclo de feedback preocupante”, acrescentou, observando que tais ações equivaliam a “propaganda sancionada pelo Estado”.

O cientista comportamental disse que uma obsessão com números diários de casos passou a dominar o pensamento, servindo para espalhar ainda mais o medo.

Esse processo incluiu o exagero grosseiro da ameaça representada pelo COVID e a produção de propaganda lúgubre e alarmista para assustar a população e levá-la à subserviência.

“Uso do medo para controlar o comportamento na pandemia do Covid foi ‘totalitário’, admitem cientistas.”

Cientistas no Reino Unido que trabalham como conselheiros do governo admitiram usar o que agora reconhecem como métodos “antiéticos” e “totalitários” de incutir medo na população para controlar o comportamento durante a pandemia.

Foto das covas propagandeadas pelo prefeito de São Paulo, Bruno Covas.

O London Telegraph relatou os comentários feitos por membros do Scientific Pandemic Influenza Group on Behavior (SPI-B) [Grupo Científico sobre Comportamento de Gripe Pandémica], um subcomitê do Scientific Advisory Group for Emergencies (Sage), [Grupo de Aconselhamento Científico para Emergências] o principal grupo consultivo científico do governo.

O relatório cita um briefing de março de 2020, quando o primeiro lockdown foi decretado, que afirmava que o governo deveria aumentar drasticamente “o nível percebido de ameaça pessoal” que o vírus representa porque “um número substancial de pessoas ainda não se sente suficientemente ameaçado pessoalmente. ”

Um cientista do SPI-B admite que “em março [2020], o governo estava muito preocupado com a conformidade e achava que as pessoas não gostariam de ser trancadas. Houve discussões sobre a necessidade de medo para incentivar a conformidade, e foram tomadas decisões sobre como aumentar o medo”.

Reino Unido usou táticas de propaganda [doutrinação] para assustar o público a fim de se conformarem ao Covid.

O cientista não identificado acrescentou:

“A maneira como usamos o medo é distópica.
O uso do medo definitivamente tem sido eticamente questionável. Tem sido como um experimento estranho. Em última análise, saiu pela culatra porque as pessoas ficaram com muito medo.”

Sem dúvida, a campanha de medo funcionou.

No verão de 2020, o britânico médio pensava que 6-7% da população do Reino Unido havia morrido de coronavírus, um número equivalente a cerca de 4,5 milhões de pessoas.

Na época, o COVID-19 havia matado cerca de 40.000 vidas.

Governo britânico usou táticas de medo “propagandísticas” para assustar o público e levá-lo à conformidade em massa

O governo britânico usou táticas de medo “propagandísticas” para assustar o público em conformidade em massa durante o primeiro bloqueio do COVID, de acordo com um cientista comportamental que trabalhou em Downing Street.

* Nudge – empurrar com gentileza, normalmente com o cotovelo, a fim de chamar a atenção de uma pessoa para algo.
persuadir com gentileza.

** Propaganda  (s.) – 1718, “comitê de cardeais encarregados de missões estrangeiras da Igreja Católica”, abreviação de “Congregatio de Propaganda Fide“., congregação para a propagação da fé”, um comitê de cardeais estabelecido em 1622, por Gregório XV, para supervisionar missões estrangeiras. A palavra é propriamente a fem ablativa. gerundivado latim propagare “avançar, estender, espalhar, aumentar”.

Conseqüentemente, “qualquer movimento ou organização para propagar alguma prática ou ideologia” (1790). O sentido político moderno (“disseminação de informação destinada a promover um ponto de vista político”) data da Primeira Guerra Mundial, não originalmente pejorativo nem implicando preconceito ou erro deliberado. Significa “material ou informação propagada para o avanço de uma causa, etc.” é de 1929.



Fonte:
www.teneo.com/person/simon-ruda/

order-order.com/2022/01/13/no-10-behaviour-unit-founder-slams-government-for-using-nudge-theory-inappropriately/

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.