iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Apanhado sobre os Apegos Inseguros e 3 tipos de terapias.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: Sprouts.
Autoria do texto: .
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui. Sprouts
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

  ÷

​Teoria do Apego

A teoria do apego argumenta que um vínculo emocional e físico ​forte ​com um cuidador principal​,​ em nossos primeiros anos de vida​,é fundamental para o nosso desenvolvimento. Se nosso vínculo é forte e estamos firmemente apegados, então nos sentimos seguros para explorar o mundo. Sabemos que sempre existe aquela base segura, à qual podemos retornar a qualquer momento. Se nosso vínculo é fraco, sentimo​-no​s apegados de forma insegura. Temos medo de sair ou explorar um mundo de aparência bastante assustador. Porque não temos certeza se podemos voltar. 

Diz-se que as pessoas que estão apegadas com segurança têm mais confiança, podem se conectar com outras pessoas e, como resultado, têm mais sucesso na vida. Pessoas com apego inseguro tendem a desconfiar dos outros, não têm habilidades sociais e têm problemas para estabelecer relacionamentos. Existe um tipo de apego seguro e três tipos de apego inseguro: Ansioso / Ambivalente, Ansioso / Esquivo e Ansioso / Desorganizado. Em resposta ao sofrimento, os 3 primeiros reagem de forma organizada, enquanto o último age de forma desorganizada. 

Para entender melhor a teoria, vamos examinar o Sr. e a Sra. Smith, que têm 4 filhos. Luka, Ann, Joe e Amy. Os Smith são pais adoráveis, que acariciam, fazem contato visual frequente, falam afetuosamente e estão sempre disponíveis para seus filhos. Mas um dia o Sr. Smith adoeceu gravemente e morreu. Para a Sra. Smith, a vida agora se torna muito difícil. Ela passa o dia todo trabalhando, enquanto ao mesmo tempo tenta cuidar de seus filhos. E tarefa impossível. 

Aos 6 anos de idade, o cérebro de Luka está​, em grande parte​,​ desenvolvido, seu caráter forte e sua visão de mundo moldada. A nova situação não o afeta muito​: ​ele sabe que sempre existe a mãe​, seu porto seguro. Ele se sente seguramente ligado. Mais tarde, ele se torna um jovem confiante e otimista. Sua autoimagem é positiva. 

Ann, de 3 anos, tem problemas para lidar com a nova falta de atenção. Para Ann, sua mãe​,​ agora​,​ age de forma imprevisível. Ela está preocupada com o relacionamento del​as e, como resultado, torna-se ​”grudenta”​. Para chamar a atenção de sua mãe, ela precisa elevar seu estado emocional e gritar. Quando sua mãe finalmente reage com uma resposta previsível, ela mesma age de forma ambivalente e não mostra seus verdadeiros sentimentos. Mais tarde na vida, os outros acham que Ann é imprevisível ou temperamental. Sua autoimagem é menos positiva. Seu estilo de apego​,​ Ansioso Ambivalente. 

Joe, de 2 anos, passa os dias com o tio, que o ama, mas acha que uma boa educação significa ser severo. Se o pequeno Joe mostra muitas emoções ou fala muito alto, seu tio fica bravo e às vezes ​o ​pun​e​. Isso assusta Joe. Ele aprende que, para evitar o medo, deve evitar mostrar seus sentimentos​, também em outras situações. Já adulto, ele continua com essa estratégia e tem problemas para se relacionar. Sua imagem de si mesmo é bastante negativa. Seu apego é: An​sioso ​Esquivo

Amy, de apenas um ano, é enviada para uma creche. O pessoal lá é mal treinado, sobrecarregado e muitas vezes muito estressado. Alguns são francamente abusivos. Amy, portanto, fica ansiosa com as próprias pessoas de quem busca segurança​, um conflito que desorganiza totalmente suas idéias sobre amor e segurança. Como ela está sentindo medo sem solução, ela tenta evitar todas as situações sociais. Como adulta, ela se considera indigna de amor. Sua autoimagem é muito negativa. O apego é ansioso desorganizado 

Nosso apego é formado nos primeiros anos de nossas vidas, uma época em que somos​ ​jovens ​demais ​para comunicar nossa ansiedade e, como resultado, podemos ​sentir altos níveis de estresse. Em seguida, nossa glândula adrenal​, um órgão situado no topo de nossos rins​, produz os hormônios do estresse adrenalina e cortisol. A freqüência cardíaca aumenta, a pressão arterial sobe e ficamos alertas. Se isso acontecer com frequência, é chamado de estresse tóxico. Tóxico porque prejudica o desenvolvimento do cérebro da criança e enfraquece o sistema imunológico. Em embriões ou em uma idade muito jovem, o estresse tóxico pode até mudar a expressão de genes, o que pode afetar nossa saúde muitas décadas depois.

Simulando uma situação estranha, podemos avaliar um estilo de apego, já com um ano de idade. Para fazer isso, deixamos a criança brincar com suas mães por alguns minutos dentro de uma sala. Então a criança é deixada sozinha. O momento chave é a reação da criança quando a mãe retorna. As crianças com apego seguro primeiro geralmente abraçam a mãe, depois podem se acalmar e, eventualmente, voltar a brincar. Crianças apegadas de maneira insegura podem ser ambivalentes e e​squivas. Algu​mans não param de chorar ou se recusam a continuar ​brinc​ando. 

Os efeitos de longo prazo de nosso apego nos primeiros anos estão bem documentados. Usando a teoria, pesquisadores da Universidade de Minnesota foram capazes de prever​,​ já aos 3 anos de idade​,​ se uma criança abandonaria o ensino médio com 77% de acerto. Em outro estudo, ​solicitou-se a alunos de graduação em Harvard​ que avalia​ssem​ o quão próximos eles se sentiam de seus pais. 35 anos depois, eles ​responderam question​ários sobre sua saúde. 91% dos que disseram ter um relacionamento bastante rompido com a mãe também foram diagnosticados com problemas de saúde, incluindo doença arterial coronariana, hipertensão e alcoolismo. Para aqueles que relataram um relacionamento afetuoso, o índice de diagnóstico de saúde ruim foi de apenas 45%. ​​

Mas há outra razão pela qual os primeiros anos merecem atenção especial. Eles são o ponto de partida para comportamentos subsequentes. Uma criança que se sente apegada com segurança aos 2 anos pode fazer amigos no jardim de infância. Sua visão de mundo é reforçada a cada interação e eles desenvolvem otimismo. Como resultado, eles estabelecem bons relacionamentos na escola, depois com os colegas e mais tarde no trabalho. Crianças com apego altamente inseguro podem perder esta oportunidade. 

O psicólogo John Bowlby, um pioneiro na teoria do apego, supostamente disse: “O que não pode ser comunicado à mãe, não pode ser comunicado a si mesmo” Em outras palavras: aqueles que se sentem apegados de forma insegura, podem não se entender muito bem. Para saber quem são e o que sentem, talvez seja necessário voltar no tempo. 

Leituras adicionais:

Em nosso estudo, essas avaliações de apego foram fortemente relacionadas a aspectos posteriores de características individuais, como dependência / independência, autoestima, autogestão e desempenho escolar, e são preditores consistentes de relações sociais posteriores, desde o envolvimento de parceiros de jogos pré-escolares até formar amizades íntimas na meia-infância, negociar as complexidades do grupo de pares adolescentes de gênero misto e lidar com a intimidade dos relacionamentos românticos adultos ( Sroufe et al., 2005b ). Quando baseadas em dados observacionais abrangentes, as ligações às vezes eram bastante fortes (por exemplo, correlações de 0,50).

Às vezes, essas ligações demonstram uma continuidade heterotípica complexa, como quando o apego evitativo na infância prediz uma maior dependência de professores e conselheiros na pré-escola e no meio da infância ( Sroufe, 1983 Urban et al., 1991 ), de acordo com a teoria de Bowlby (1973) . Assim, em vez de concluir que a dependência é instável, como foi feito no relatório Fels ( Kagan & Moss, 1962 ), há uma forte continuidade desde o fracasso em formar um apego eficaz na infância e dependência mais tarde.

Em outras ocasiões, as descobertas ilustram as características únicas de questões específicas de desenvolvimento. Por exemplo, nossas medidas de apego infantil previram certos resultados dos colegas adolescentes como fortes ou mais fortes do que previram para a meia-infância. Os vínculos eram especialmente notáveis ​​por certas características emocionais dos relacionamentos, como a capacidade de vivenciar sentimentos vulneráveis ​​( Sroufe, Egeland, & Carlson, 1999 ). Interpretamos isso em termos da relevância de questões centrais de proximidade emocional e confiança tanto na infância quanto na adolescência.

Finalmente, às vezes as previsões do apego infantil eram excepcionalmente fortes. O apego desorganizado na infância, o padrão de apego mais anômalo, estava relacionado a vários indicadores de psicopatologia na adolescência e na idade adulta, muitas vezes além de qualquer outra medida nos primeiros anos de vida (com correlações na faixa de 0,40; Carlson, 1998 ). O apego desorganizado foi proposto e confirmado como previsto pelo comportamento parental assustador ( Abrams, Rifkin, & Hesse, 2006 ; Main & Hesse, 1990 ; Jacobvitz, Hazen, & Riggs, 1997 ; Schuengel, Bakermans-Kranenburg, & van IJzendoorn, 1999) Quando os pais são simultaneamente a fonte do medo e o “refúgio de segurança” disponível, o bebê enfrenta um dilema impossível que só pode ser resolvido pela segregação da experiência e pelo colapso da organização comportamental. Liotti (1992) argumentou que essas eram experiências micro-dissociativas, servindo como um protótipo para dissociação posterior. Conforme previsto, foi relacionado em nossos dados a sintomas dissociativos em vários pontos de tempo ( Carlson, 1998 ). Da mesma forma, em nosso estudo, descobrimos que o apego desorganizado do bebê foi um preditor precoce de comportamento autole​​sivo em adultos jovens ( Yates, 2005 ). Agora descobrimos que o apego desorganizado está relacionado aos sintomas de transtorno de personalidade borderline adulto de forma mais geral ( Carlson, Egeland, & Sroufe, 2009).

Considere primeiro, por exemplo, a associação entre a variação da relação de apego na infância e o desempenho escolar posterior ou abandono escolar. Tal como acontece com outras associações, ambos os resultados foram mais fortes quando o preditor foi o composto de atendimento precoce. Aos 3 anos, o abandono do ensino médio foi previsto com 77% de acerto ( Jimerson, Egeland, Sroufe, & Carlson, 2000 ).

 Fonte:
https://docs.google.com/document/d/1v82PcEvf_G2iolc5ejPY5dQ2RtqU1Vj9V5L_iIKWUhk/edit

Três de terapias possíveis para o apego inseguro:

1. Psicanálise.
O objetivo da terapia psicanalítica é liberar emoções e experiências reprimidas, isto é, conscientizar o inconsciente. Para fazer isso, o terapeuta pode tentar trazer de volta algumas lembranças da infância, para trabalhar na causa raiz do problema.

2. Terapia comportamental cognitiva (TCC).
A TCC é uma intervenção psicossocial amplamente utilizada para melhorar a saúde mental. Em vez de tentar trazê-lo de volta no tempo, ele visa explicar o que está acontecendo dentro do seu cérebro e como lidar com sentimentos ou medos irracionais.

3. O Processo Hoffmann.
Este processo dirigido por 7-8 dias, projetado pelo psicólogo americano Hoffmann, traz os participantes de volta à infância para se reconectarem com seus pais no momento em que o apego é formado. É muito intensivo.

Imagem:
Screenshot do Youtube
https://www.youtube.com/watch?v=OrNBEhzjg8I

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Parasita Causa Ansiedade

Milhões de pessoas têm parasitas, que podem influenciar pensamentos, comportamentos, promiscuidade, enfraquecer o sistema imunológico, causar fadiga, problemas intestinais e até distúrbios mentais, mas os

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *