iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Princípios vinculantes superiores podem libertar do vitimismo e levar ao desenvolvimento.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Justiça é fazer o que é certo; é por isso que na Bíblia, a mesma palavra grega para “justiça” também é traduzida como “retidão”. Os justos são os retos: aqueles que têm o coração certo e fazem o que é certo.

Mas o que determina o que é justo, o que é certo? Em qualquer atividade ou sociedade, é a lei dessa organização.

No boxe, é justo socar a cara de alguém; no beisebol, é injusto fazer isso.

Na auto-estrada na Alemanha, é certo e justo dirigir a mais de 160 km / h; nos EUA, é errado ou injusto fazer isso.

A Bíblia está repleta de pedidos de justiça: justiça aos oprimidos, pobres, necessitados, desabrigados e estrangeiros.

Mas, para entender a justiça da Bíblia, é preciso entender a lei de Deus. Deus é Criador; Ele constrói a realidade: espaço, tempo, energia, matéria, vida. A vida e a saúde são construídas para operar sob suas leis. Desvie-se delas e a lesão, dor, sofrimento e eventual morte se seguem.

Assim, Deus intervém justamente para salvar e curar. Mas como Ele faz o que é certo, que é salvar e curar? Ao escrever Sua lei em nossos corações e mentes (Hebreus 8:10), que significa restaurar o coração e a mente do pecador de volta à harmonia com a forma como a vida é construída para operar. Outra maneira de dizer isso é: transformar um inimigo em amigo, tirar um coração de pedra e colocar um coração terno, pegar pecadores e transformá-los em santos, pegar exploradores e transformá-los em protetores, pegar egoistas e transformá-los em altruístas. A justiça de Deus é curar, consertar e restaurar.

Os seres humanos não podem criar a realidade, então criamos regras que chamamos de “leis” e depois usamos o poder, com ameaças de punição, para fazer cumprir essas regras. Quando ouvimos pedidos de justiça, nunca é para transformar um inimigo em amigo, mas para punir o considerado delinquente. É usar o poder da força para infligir punição ao transgressor. É assim que todos os governos humanos funcionam: se você acelerar, o estado inflige uma multa; se você cometer furto, o estado o aprisionará; se você cometer assassinato, o estado poderá executá-lo. A justiça humana não é transformar inimigos em amigos, mas matar nossos inimigos – ou pelo menos fazê-los sofrer a punição acordada.

O governo de Deus não é como o governo humano. Jesus disse que Seu reino não é deste mundo (João 18:36). Deus disse que Seus caminhos não são como os nossos; eles estão tão acima dos nossos como o céu está acima da terra (Isaías 55: 9). A justiça bíblica nunca diz respeito a punir o opressor, mas libertar os oprimidos e transformar inimigos em amigos.

  • Defender os pobres e órfãos; faça justiça aos aflitos e necessitados (Salmo 82: 3).
  • Limpem-se. Pare com todo esse mal que eu vejo você fazendo. Sim, pare de fazer o mal e aprenda a fazer o que é certo. Faça com que a justiça seja feita – ajude os oprimidos, dê os direitos aos órfãos e defenda as viúvas (Isaías 1:16, 17).
  • É o que o Senhor diz à dinastia de Davi: “Faça justiça todas as manhãs às pessoas que julgar! Ajude aqueles que foram roubados; resgate-os dos seus opressores ” (Jeremias 21:12).

A Bíblia está cheia de chamados para fazer justiça, para fazer o que é certo para com aqueles que estão em desvantagem. Mas que método Deus quereria que empregássemos para fazer justiça aos que são tratados injustamente? É sempre pela aplicação da verdade, amor e liberdade nos relacionamentos interpessoais; pessoas ajudando pessoas, uma pessoa se conectando e ajudando outra. Devemos amar nossos vizinhos como a nós mesmos (Mateus 19:19).

Deus tem um objetivo maior para nós do que apenas o alívio imediato do sofrimento (embora Ele não queira que soframos), em vez disso, Deus tem um objetivo eterno. Ele quer curar e salvar todos os Seus filhos humanos do pecado, para que possam viver para sempre com Ele. Para fazer isso, eles devem voltar ao conhecimento dEle.

Culpado Verdade Inocente

E como as pessoas chegam ao conhecimento de Deus? Por meio de pessoas que conhecem Deus e o compartilham com outras pessoas. Quando amamos em ação – alimentamos, vestimos, abrigamos, adotamos, visitamos, curamos – nos conectamos com as pessoas e compartilhamos o amor de Deus! O indivíduo que está sendo ajudado sente que é apreciado, amado e tem valor para outro ser humano. Colocar o amor em ação chega ao coração; supera vergonha, culpa, medo, insegurança; e abre o coração daqueles a quem você ministra para ouvirem sobre o nosso Deus do amor.

Além disso, quando conhecemos pessoas e nos importamos o suficiente com elas para investir em suas vidas, o processo nos muda. Nossos preconceitos são apagados, nossos viéses expurgados, nosso fanatismo eliminado, nosso medo substituído pelo amor, crescemos e nos tornamos mais parecidos com Jesus. Isso também faz parte do plano de Deus para curar Seus filhos humanos.

A armadilha da justiça social

Mas o que acontece quando retiramos o cristão amoroso, a pessoa que ministra, a comunidade compassiva da igreja e, em vez disso, inserimos uma burocracia, uma agência sem rosto, um sistema de atendimento automático sem nome? O plano de Deus – Seu sistema de justiça no qual os corações são endireitados, nos quais o medo, o egoísmo e o ódio são substituídos por amor e confiança – é atrapalhado?

Deus nunca instruiu que as agências humanas tirassem de pessoas com corações indispostos e dessem àqueles em necessidade. Por quê? Porque esses métodos são os métodos de coerção – os métodos do mundo, o método bestial. E o que a coerção faz? Destrói a confiança, incita a rebelião, causa divisão e obstrui o amor curador.

Em relação aos impostos estaduais, Jesus disse: “Dê a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus” (Mateus 22:21). Jesus não argumentou contra o pagamento de impostos, e nem eu. O que Jesus fez é fazer uma distinção clara entre Deus e o estado, e eu também. Nosso dever cristão e nosso dever cívico não são os mesmos. Não podemos cumprir nosso dever para com Deus inserindo o estado no processo. Sempre que substituímos o cristão amoroso, a igreja compassiva, por agências estatais, corrompemos o plano de cura de Deus. Por quê? Porque os governos humanos sempre trabalham com leis impostas; eles sempre coagem, e esses métodos são uma violação do desígnio de Deus para a vida. Seria como tentar curar uma ferida usando veneno – só piora.

Considere estes cenários:

  1. O que acontece quando uma pessoa recebe comida, roupas, abrigo ou atenção médica de pessoas que se preocupam com elas, que as conhecem e que estão interessadas em seu bem-estar como humano – pessoas que querem vê-las crescer, se desenvolver e retornar à independência e autonomia?
  2. O que acontece quando abolimos a pessoa responsável e substituímos por uma agência estadual que envia um cheque mensal para a conta bancária da pessoa em necessidade; o dinheiro, obtido não de doações de quem ama, mas tirado dos que não estão interessados ​​em ajudar?

Qual sistema tem mais probabilidade de aumentar o amor fraternal? Qual sistema tem maior probabilidade de reduzir conflitos? Qual sistema tem maior probabilidade de curar feridas da sociedade? Qual sistema é mais provável que ajude o indivíduo a conhecer a Deus e vivenciar a vida eterna?

  1. O que acontece quando um órfão é colocado em uma instituição estatal ou em um orfanato em que os pais adotivos recebem dinheiro do estado?
  2. O que acontece quando um órfão é adotado e se torna parte de uma família que o ama e que sacrifica seus próprios recursos para prover para ele?

Qual sistema tem mais probabilidade de aumentar o amor fraternal? Qual sistema tem maior probabilidade de reduzir conflitos? Qual sistema tem maior probabilidade de curar feridas da sociedade? Qual sistema é mais provável que ajude o indivíduo a conhecer a Deus e vivenciar a vida eterna?

Quando Rute e Naomi estavam sem comida, como o sistema de Deus providenciou sua comida? Elas poderiam obter comida de graça, mas como? Elas tiveram que procurar por isso. Existe uma diferença entre recolher, trabalhar no campo para coletar sua própria comida e recebê-la sem esforço? No caso de Ruth, ela conheceu o proprietário, que a conheceu e se casou com ela – e ela se tornou mãe e ancestral de Cristo. Que diferença faz no coração, na mente e no caráter da pessoa necessitada quando participa de sua própria recuperação?

O sistema de Deus conecta pessoas com pessoas, administrando justiça social por meio de indivíduos que têm em seus corações o amor ao próximo, a hospitalidade, a oportunidade, o resgate, a alimentação e a roupa. Esse sistema, construído sobre o amor um pelo outro, não apenas ministra às necessidades imediatas dos oprimidos, mas também eleva todas as partes e cria laços de amor, afeto e fraternidade. Os motivos de Satanás de medo, ódio e desconfiança são eliminados dos corações e mentes quando os métodos de Deus são colocados em prática.

“Quem fez?” Justiça
“Por que ele fez?” Justiça Social

Mas quando afastamos o indivíduo amoroso, o cristão amável, a igreja compassiva e, em vez disso, inserimos o estado sem rosto e sem coração, substituímos os métodos de Deus pelos métodos do estado e, em vez de trazermos união, amor e cura, incitamos divisões sociais, aumentamos a guerra de classes e fragmentamos a sociedade.

Finalmente, e o mais importante, o objetivo final de Deus não é apenas viver melhor neste mundo de pecado: “De que servirá um homem se ele ganhar o mundo inteiro, mas perder sua alma?” (Mateus 16:26). Não – amar nossos vizinhos, fazer justiça social pessoa a pessoa, é o meio pelo qual Deus combate o pecado e espalha Seu remédio que cura corações e mentes e leva as pessoas à salvação eterna. É por isso que o cristão não deve entregar a justiça social ao estado.

Um dos fundadores da igreja adventista entendeu claramente que não podemos conquistar outros para a causa de Deus usando os métodos deste mundo. Ela escreveu o seguinte no livro O Desejado de Todas as Nações, e seria bom que todos nos lembrássemos:

O governo sob o qual Jesus viveu era corrupto e opressivo; por toda parte havia abusos de grito – extorsão, intolerância e crueldade. No entanto, o Salvador não tentou reformas civis. Ele não atacou abusos nacionais, nem condenou os inimigos nacionais. Ele não interferiu na autoridade ou administração dos que estão no poder. Aquele que foi nosso exemplo manteve-se distante dos governos terrenos. Não porque Ele era indiferente às aflições dos homens, mas porque o remédio não estava apenas em medidas humanas e externas. Para ser eficiente, a cura deve atingir os homens individualmente e regenerar o coração (p. 509).

O objetivo de Satanás é obstruir o plano de cura de Deus – incitar o medo, o egoísmo, o ódio – fazer com que as pessoas lutem entre si, nos dividir e nos conquistem. Uma das estratégias mais sinistras do diabo é promover sua causa do mal sob o disfarce da justiça. Nada é mais adaptado para alcançar maior divisão na sociedade e o avanço do ódio, amargura, ressentimento, hostilidade e obstruir o amor de Deus do que o atual movimento de justiça social, que procura se apossar dos reinos do governo para forçar suas práticas sobre a sociedade.

A igreja deve subir para um padrão mais elevado que o do estado; o cristão deve adotar um método mais nobre que o dos governos; o amado de Cristo deve praticar uma justiça mais pura do que a do guerreiro da justiça social política. Devemos praticar a justiça do reino de amor de Deus, no qual nós, como indivíduos, amamos cada ser humano como a nós mesmos – buscando elevá-los aos mais altos níveis possíveis de desenvolvimento divino. Somente quando amamos os outros com amor divino, a cura ocorre.

Portanto, que o cristão tome cuidado: o atual movimento de justiça social nos EUA é uma armadilha que tenta suplantar a missão da igreja com a coerção do estado. Mas se a igreja sucumbir ao engano e procurar promover a justiça social por meio do poder do estado, nem a igreja nem o estado se beneficiarão. Só vamos megulhar em mais conflitos.

Faça justiça – mas faça do jeito de Deus!

Timothy R. Jennings, MD, é psiquiatra, psicofarmacologista mestre, palestrante internacional, membro ilustre da American Psychiatric Association e membro da Southern Psychiatric Association. Ele é presidente e fundador dos Ministérios Come and Reason e atuou como presidente das Associações Psiquiátricas do Sul e do Tennessee. O Dr. Jennings é autor de muitos livros, incluindo Mas é Simples Assim? (Simples Demais), The God-Shaped Brain , The God-Shaped Heart e The Aging Brain .

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

O Apego ao Velho

Minha esposa e eu somos viciados em programas de reforma. […] Nós […] apimentamos cozinhas, banheiros destruídos e trocamos espaços. Nós os invertemos, os destruimos, os consertamos

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *