iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Sentimentos, mentiras e orgulho impedem que se receba e que se extenda a graça.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Muitos aconselhados acreditam que Deus perdoou transgressões passadas, mas eles mesmos não perdoaram (ou “não conseguem perdoar”). Como conselheiros, devemos confrontar esse pensamento injusto de que eles devem perdoar a si mesmos, pois impede que os aconselhados vivenciem o perdão e a purificação que Deus prometeu.  

Eis aqui algumas manifestações de falsa teologia em relação ao perdão: 

1.Culpa e Vergonha – A culpa é o resultado de não ceder à convicção por parte do Espírito Santo com relação ao pecado. A culpa pode se tornar tão intensa, até mesmo para os crentes, que os aconselhados não apenas acreditam que simplesmente fizeram algo errado, mas sim que colocaram em risco seu status diante de Deus. O diabo quer envergonhar as pessoas; portanto, ele, repetidamente, grita mentiras em suas mentes: eles são perdedores, fracassos, decepções, a fim de impedi-los de se concentrar na verdade de Deus: eles são escolhidos, redimidos, perdoados e amados (Efésios 1:4-6). 

2. Dúvida – Mesmo após terem confessado os pecados, os aconselhados podem não sentir o peso da culpa aliviado, levando-os a pensar que não foram totalmente perdoados. As dúvidas surgem quando os sentimentos não são congruentes com a Verdade. A Bíblia, nossa fonte da Verdade absoluta, nos diz para confiar no Senhor – não em nossos sentimentos ( Jeremias 17:9-10 ). 

3. Orgulho – Apesar da confissão dos pecados, acreditar na sinceridade do perdão de Deus pode ser difícil. Alguns podem não aceitar a simplicidade de colocar sua confiança em Deus para serem salvos. Eles podem abraçar um sistema antibíblico baseado em obras, tentando ser “bons” para receber o favor de Deus, e/ou podem oferecer uma penitência de auto-expiação em troca de perdão completo. Eles devem ter cuidado para não exaltar seu próprio conhecimento e julgamento acima da sabedoria e governo soberano de Deus ( 2 Coríntios 10:5 ). 

4. Salvação Obstruida – Se os aconselhados não se perdoarem por seus próprios pecados devido à culpa e vergonha, então eles também podem raciocinar que Deus é incapaz de perdoá-los. Isso faz com que a salvação pareça impossível. As emoções insistirão que os aconselhados são indignos de ser amados, e a dúvida os tornará inutilizáveis. Todos esses elementos podem fazer com que eles se perguntem se perderam a salvação, ou duvidem se alguma vez foram salvos. Mas a Bíblia ensina que o pecado de um crente nascido de novo é perdoado e não será usado contra eles (Salmo 103:1-2 , 8-11). As Escrituras confirmam ainda que nada pode separá-los de seu Pai celestial (Jo 10:28). 

Alguns conceitos bíblicos de perdão ajudarão a dissipar a mentira de que precisamos perdoar a nós mesmos.  

  1. Todo pecado é contra Deus. Toda transgressão é cometida contra um Deus santo (Romanos 3:23 , Salmo 51:4). O pecado fere os outros e causa dor e sofrimento a si mesmo. Mas toda iniqüidade é uma violação da lei de Deus. O pecado quebra a comunhão com Deus, e esse relacionamento primário precisa ser corrigido antes que qualquer outro relacionamento possa ser reconciliado (Isaías 59:1-2 ; Salmo 32:1-5). Depois disso, os aconselhados podem precisar buscar o perdão daqueles que eles ofenderam e feriram com seus pecados.  
  2.  A graça de Deus não é apenas para a salvação. A salvação é pela graça de Deus (Efésios 2:8), assim como andar pela fé e viver uma vida de obediência ao Salvador (Salmo 84:11). A graça que Deus estende através do perdão é a mesma graça necessária para perdoar os outros. É preciso primeiro ser um recipiente do perdão de Deus para conceder o perdão. 
  3. O perdão de Deus é relacional. Deus amou cada pessoa primeiro, e é por isso que Ele enviou Seu Filho, Jesus Cristo, para morrer pelos pecados do mundo (João 3:16). O amor de Deus é eterno, e nada pode separar os crentes de Seu amor (Romanos 8:35-39). Pedir perdão dos pecados não é uma transação comercial impessoal, mas sim um ato íntimo de amor, misericórdia e graça que Deus estende aos Seus. Insistir em “perdoar a si mesmo” pelo pecado mancha a natureza pessoal do relacionamento de cada homem com o Senhor.  

Quando um aconselhado está tentando desesperadamente perdoar a si mesmo, às vezes é porque ele quer remover esses sentimentos poderosos e desconfortáveis ​​de remorso e arrependimento. Seus pecados ferem aqueles ao seu redor, e as consequências podem ser desagradáveis ​​e difíceis de se lidar. Mas a resposta não está no desejo orgulhoso de remover os sentimentos e as consequências aprendendo a perdoar a si mesmo; é seguindo os princípios que Deus comunicou claramente em Sua Palavra.  

1. Humilhe-se. – em humildade, receba a graça de Deus (Tg 4:6). 

2. Confesse seu pecado a Deus e se arrependa. – Confissão significa concordar com as acusações feitas contra você. Arrependimento é desviar-se do pecado para Deus. Peça a Deus para revelar o pecado – presente e passado – e então reconheça esse pecado e seja específico (Salmo 51:3). 

3. Peça perdão aos outros. – A culpa persistente após a confissão do pecado a Deus pode ser uma indicação da necessidade de buscar o perdão dos outros. (Mateus 5:23-24). 

4. Confie na Palavra de Deus . – Ser perdoado não é um sentimento; é uma escolha acreditar que a Palavra inerrante de Deus é verdadeira e confiável. Se Ele diz que você está perdoado, então você está perdoado (1 João 1:9). 

5. Faça as alterações e avance. – A culpa continuará se não houver fruto de arrependimento do pecado. A Palavra de Deus dá instruções sobre como fazer essas mudanças confessando e abandonando os velhos caminhos, mudando a perspectiva para se conformar aos caminhos de Deus e então construindo novos hábitos e comportamentos piedosos (Romanos 12:5Efésios 4:22-24). 

6. Guarde seu coração. – Fique atento aos ataques do inimigo. Os esquemas de Satanás distraem e impedem os cristãos de servir ao Senhor. Jesus advertiu Seus discípulos a vigiar e orar (Marcos 26:41). Satanás é um enganador, tentador e acusador implacável (1 Pedro 5:8). 

7. Discipline seus pensamentos. – Não insista no pecado passado. Vergonha e arrependimento estão enraizados no pensamento “se ao menos”. Pivote seu pensamento de volta para a verdade de Deus como revelada nas Escrituras. Paulo admoesta os santos a não olharem para trás, mas a avançarem no crescimento espiritual (Filipenses 3:13-14), e então manterem o espírito pacífico que Deus dá gratuitamente, colocando fardos em oração e disciplinando pensamentos. (Filipenses 4:6-8). 

8. Ande na Graça de Deus . – Viva de acordo com a graça abundante que Deus providenciou. Sua graça é o que permite confiança e obediência à Sua Palavra. Ele lhe deu tudo do que você precisa. (2 Coríntios 9:8 ; 2 Pedro 1:3). 

Um modelo secular de aconselhamento apoiará e promoverá o conceito de “perdoar a si mesmo”, mas a Palavra de Deus não. Esse pensamento prejudicial desloca Deus como Juiz e, em última análise, nega o propósito da cruz. Não é pelas obras do crente que seus pecados são perdoados, é pelo sangue de Cristo. Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo as riquezas da sua graça; Efésios 1:7)  

Imagem:
Maria Orlova, via Pexels

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.