iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Só o cristianismo provê um quadro onde somos verdadeiramente responsáveis ​​por nossos pensamentos e ações

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Psicologia Cristã – Introdução
A psicologia cristã pode parecer, à primeira vista, uma contradição em termos. Especialmente depois de examinar as psicologias marxista, humanista e pós-moderna e tocar em outras teorias da psicologia secular, você pode ser tentado a concluir que a psicologia é uma disciplina indigna de sua atenção. William Kirk Kilpatrick declara corajosamente: “Se você está falando sobre o cristianismo, é muito mais verdadeiro dizer que a psicologia e a religião são fés concorrentes. Se você se apegar seriamente a um conjunto de valores, logicamente terá que rejeitar o outro.” 1

O que Kilpatrick diz é verdade. Mas quando ele usa o termo psicologia, ele está se referindo especificamente à psicologia secular. Ele pode fazer essa generalização porque as escolas seculares de psicologia (baseadas no trabalho de Sigmund Freud, 2 BF Skinner, IP Pavlov, Carl Rogers, Abraham Maslow, Erich Fromm e Jacques Lacan) abrangem praticamente toda a psicologia moderna.

Só porque tantas falsidades florescem no reino da psicologia (por exemplo, que os seres humanos são apenas animais físicos sem essência vital, alma ou espírito, ou que a mente é apenas outro nome para o cérebro físico) não significa que os cristãos devam abandoná-la. Em vez disso, os cristãos devem levar a verdade de Deus a uma disciplina enganosa. A psicologia, fiel à sua origem (do grego “psique”), é o estudo da alma – e nenhuma cosmovisão, além do, cristianismo tem uma visão mais verdadeira do reino espiritual. Como diz Kilpatrick:

Em suma, embora o cristianismo seja mais do que uma psicologia, é uma psicologia melhor do que é a psicologia. 3

Psicologia Cristã – Termos Compatíveis
Cristianismo e psicologia são compatíveis pela simples razão de que a cosmovisão cristã bíblica contém uma psicologia. Como Charles L. Allen apropriadamente aponta: “A própria essência da religião é ajustar a mente e a alma do homem… Curar significa levar a pessoa a um relacionamento correto com as leis físicas, mentais e espirituais de Deus”.4 Homens e mulheres criados “à imagem de Deus” (Gênesis 1:27) requerem uma visão de mundo que reconheça o significado do espiritual. O cristianismo sustenta que Deus é uma pessoa, e que nossa pessoalidade está, de alguma forma, relacionada à Sua pessoa. Plantinga coloca assim: “Como devemos pensar a respeito das pessoas humanas? Que tipo de coisas, fundamentalmente, elas são? O que é ser um humano, e o que é ser uma pessoa humana, e como devemos pensar sobre a pessoalidade?… O primeiro ponto a notar é que, no esquema cristão das coisas, Deus é a pessoa principal, o primeiro e principal exemplo de pessoalidade… e as propriedades mais importantes para a compreensão de nossa personalidade são as propriedades que compartilhamos com ele.”5 Em outras palavras, como Moreland e Rae dizem: “Há algo sobre a forma como Deus é que é como a forma como somos”.6

Timothy Chan, via unsplash.com

É lógico que a magnífica criação de Deus exigiu raciocínio, planejamento, arte e execução — todas as qualidades que homens e mulheres compartilham com seu Criador. À medida que Deus revela mais de Si mesmo fora da ordem criativa (revelação geral) e na ordem redentora (revelação especial), encontramos uma Pessoa com personalidade, amor, misericórdia e graça – novamente, qualidades que são compartilhadas, em quantidades limitadas, com o raça humana.

Psicologia Cristã – A Existência da Alma
O cristianismo reconhece a existência do sobrenatural, incluindo uma consciência dentro de nós que é mais do que um epifenômeno do cérebro. As declarações da Bíblia sobre corpo, fôlego de vida, alma, espírito, coração e mente sugerem uma ontologia dualista (ou estudo do ser),7 isto é, a visão de que a natureza humana consiste de dois tipos fundamentais de realidade: física (material ou natural) e espiritual (sobrenatural). A declaração de Cristo sobre se temer aquele que pode colocar “alma e corpo” no inferno (Mateus 10:28) e a declaração de Paulo sobre corpo, alma e espírito (1 Tessalonicenses 5:23) reforçam a distinção entre nossas qualidades materiais e espirituais. A Bíblia não nega o corpo; simplesmente diz que somos mais do que apenas um corpo físico.

Sir John Eccles, um dos neurofisiologistas mais respeitados do mundo, acredita que o dualismo da mente e corpo é a única explicação para muitos dos fenômenos da consciência. Uma das razões pelas quais Eccles chega a essa conclusão é a “unidade de identidade” do indivíduo. Paul Weiss explica:

Embora eu saiba que estou mudando constantemente – todas as moléculas estão mudando, tudo em mim está sendo transformado substancialmente – não obstante, existe minha identidade, minha consciência de ser essencialmente o mesmo de 20 anos atrás.  Por mais que eu tenha mudado, a continuidade da minha identidade permaneceu ininterrupta.8

A questão é que, como a substância física do cérebro está em constante mudança, nenhuma unidade de identidade poderia existir se a consciência fosse uma condição totalmente dependente do cérebro físico. Algo mais do que o cérebro físico – algo espiritual ou sobrenatural – deve existir.

A memória humana é outra faceta do argumento da unidade-de-identidade que apóia a existência de uma alma, coração ou mente sobrenatural. Arthur Custance escreve:

O que a pesquisa mostrou até agora é que não há uma relação exata de um para um entre qualquer fragmento de memória e as células nervosas nas quais ele deveria estar codificado.9

Ben Mack, via pexels

Sem qualquer conceito de alma, os humanistas, marxistas e pós-modernistas têm dificuldade em explicar a unidade de identidade e memória. Ainda outro problema que você aprenderá nos próximos capítulos é como a posição materialista explica o livre-arbítrio. Somente uma visão de mundo que postule algo diferente do ambiente manipulando a máquina física humana pode explicar o livre-arbítrio. O dualismo cristão fornece uma base melhor para a psicologia porque defende a integridade de nossa mente e de nosso livre arbítrio.

Psicologia Cristã – Natureza Humana Decaída
Quando se trata de psicologia cristã, uma compreensão adequada da natureza humana não termina com a afirmação da existência de um espírito, alma, coração e mente dentro de nós. A posição cristã continua para definir a natureza humana como inerentemente falha por causa da decisão de Adão e Eva de desobedecer a Deus no Jardim do Éden. Essa compreensão de nossa tendência pecaminosa é fundamental para entender nossa natureza humana e nossos processos mentais.

Nossa revolta contra Deus causou uma mudança dramática e destruidora da realidade em nosso relacionamento com o resto da existência e até com nós mesmos. Essa mudança tem ramificações severas para todos os aspectos da realidade, incluindo a psicologia. Na verdade, nossa natureza pecaminosa – nosso desejo de nos rebelarmos contra Deus e nossos semelhantes – é a fonte de todos os problemas psicológicos de acordo com a visão cristã. Francis A. Schaeffer diz: “O problema psicológico básico é tentar ser o que não somos e tentar carregar o que não podemos carregar. Acima de tudo, o problema básico é não estar disposto a ser as criaturas que somos diante do Criador.”10 Em vez disso, queremos ser Deus. A condição de criatura é muito confinante, especialmente quando se trata de fazer as regras – o que em grande parte é o cerne da questão. Lembre-se, é o coração que diz que Deus não existe (Salmo 14:1). É o coração que é enganoso e perverso (Jeremias 17:9).

Essa visão é crucial para a teologia cristã porque nos permite entender nossa tremenda necessidade do poder salvador de Cristo. É crucial em um nível menor, também, para a psicologia cristã. Para entender a natureza humana corretamente, o psicólogo deve entender que temos uma tendência natural de nos revoltarmos contra Deus e Suas leis. Se a visão cristã da natureza humana estiver correta, somente o cristianismo pode desenvolver uma psicologia verdadeira, significativa e viável, porque somente o cristianismo reconhece o problema do coração, da mente e da vontade em relação a Deus. Além disso, somente o cristianismo fornece uma estrutura na qual somos verdadeiramente responsáveis ​​por nossos pensamentos e ações. Diz Paul Vitz:

O grande benefício da doutrina do pecado é que ela reintroduz a responsabilidade por nosso próprio comportamento, a responsabilidade pela mudança assim como dá significado para a nossa condição.11



Somente a psicologia cristã percebe a natureza humana de maneira consistente com a realidade e capaz de falar com nossos problemas mais difíceis: problemas do pecado. A psicologia cristã vê homens e mulheres não apenas como físicos, mas também como espirituais; como moralmente responsáveis perante Deus; como criados à imagem de Deus; e como tendo se afastado rebeldemente de seu Criador. Somente o cristianismo está preparado para enfrentar o problema que surge, necessariamente, de nossa natureza pecaminosa: a existência da culpa.

Psicologia Cristã – Conclusão
A visão cristã da natureza humana ou o que significa ser um ser humano é complexa porque inclui termos como alma, espírito, mente, coração, vontade, consciência e intuição.12 Além disso, os cristãos que entendem adequadamente a natureza humana talvez nunca precisem buscar aconselhamento profissional: eles podem manter o bem-estar espiritual permanecendo em submissão a Cristo. Os cristãos ou acreditam em Deus quando Ele diz que lidou com o problema do pecado por meio do sacrifício de Seu Filho, ou não.

Julia Volk, via pexels

Schaeffer esboça uma abordagem simples para o que ele chama de “higiene psicológica positiva”: “Como cristão, em vez de me colocar em prática no centro do universo, devo fazer outra coisa. Isso não é apenas certo, e deixar de fazê-lo não é apenas pecado, mas é importante para mim, pessoalmente, nesta vida. Devo pensar segundo Deus, e devo querer segundo Deus”.13 “Querer segundo Deus” não é nos ter em muito alta conta, “mas com humildade cada um considere os outros superiores a si mesmo” (Filipenses 2:3).

Na verdade, o conselho de Paulo no livro de Filipenses vale muitas visitas ao consultório do psicólogo: Nada seja feito por contenda ou vanglória; que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus; faça todas as coisas sem murmurações e disputas; alegrai-vos no Senhor; cuidado com os maus trabalhadores; seja a vossa moderação conhecida de todos os homens; todas as coisas que são verdadeiras, honestas, justas, puras, amáveis, de boa fama, pensem nessas coisas.

A escolha entre a psicologia cristã e todas as outras escolas psicológicas é clara. Como Kilpatrick diz:

Nossa escolha… é realmente a mesma escolha oferecida a Adão e Eva: ou confiamos em Deus ou aceitamos a palavra da serpente de que podemos nos transformar em deuses.14

Notas:

Renderizado com permissão do livro Understanding the Times: The Collision of Today’s Competing Worldviews (Rev. 2 ª ed), David Noebel, Summit Press, 2006. Compliments of John Stonestreet, David Noebel, and the Christian Worldview Ministry at Summit Ministérios . Todos os direitos reservados no original.

1 William Kirk Kilpatrick, Psychological Seduction (Nashville, TN: Thomas Nelson, 1983), 14.
2 Para uma discussão completa da psicologia de Freud, ver Armand M. Nicholi, Jr., The Question of God: CS Lewis and Sigmund Freud Debate God , Amor, Sexo e o Sentido da Vida(Nova York, NY: The Free Press, 2002). Este trabalho é a substância de um curso na Universidade de Harvard com o Dr. Armand M. Nicholi, Jr., no qual ele contrasta a visão de mundo de CS Lewis com a de Sigmund Freud.
3 Kilpatrick, Sedução Psicológica, 15-16.
4 Charles L. Allen, God’s Psychiatry (Westwood, NJ: Revell, 1953), 7 (itálico adicionado).
5 Alvin Plantinga, “Advice to Christian Philosophers,” Faith and Philosophy 1 (julho de 1984): 264-5. Citado em JP Moreland e Scott B. Rae, Body & Soul: Human Nature & the Crisis in Ethics (Downers Grove, IL: InterVarsity Press, 2000), 24.
6 Moreland e Rae, Body & Soul,158.
7 JP Moreland e William Lane Craig, Philosophical Foundations for a Christian Worldview (Downers Grove, IL: InterVarsity Press, 2003), 175: “A ontologia geral é a mais básica da metafísica, e há três tarefas principais que compõem esta ramo do estudo metafísico. Primeiro, a ontologia geral se concentra na natureza da própria existência. O que é ser ou existir? A existência é uma propriedade que algo tem? etc.”
8 Arthur Koestler e JR Smythies, eds., Beyond Reductionism (Londres, Reino Unido: Hutchinson Publishers, 1969), 251-2. Para uma discussão atualizada sobre identidade, veja Moreland e Craig, Philosophical Foundations, 290f.
9 Arthur C. Custance,Man in Adam and in Christ (Grand Rapids, MI: Zondervan, 1975), 256. Veja também Wilder Penfield, The Mystery of the Mind (Princeton, NJ: Princeton University Press, 1975).
10 Francis Schaeffer, As Obras Completas de Francis Schaeffer, 5 vols. (Westchester, IL: Crossway Books, 1982), 3:329.
11 Paul Vitz, Psychology as Religion (Grand Rapids MI,: Eerdmans, 1985), 43.
12 Para um relato de alma, espírito, mente, coração et. al., ver JP Moreland e Scott B. Rae, Body & Soul: Human Nature & the Crisis in Ethics (Downers Grove, IL: InterVarsity Press, 2000).
13 Schaeffer, Obras Completas, 3:334.
14 Kilpatrick, Sedução Psicológica, 233.

Im

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.