iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

o custo físico e social que nossa ordem social está causando às pessoas.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Artigo, de 2016, do jornalista George Monbiot, que tem uma coluna no jornal de esquerda The Guardian :

Que maior acusação a um sistema poderia haver do que uma epidemia de doença mental? No entanto, pragas de ansiedade, estresse, depressão, fobia social, distúrbios alimentares, automutilação e solidão agora atingem pessoas em todo o mundo. Os números mais recentes e catastróficos da saúde mental infantil na Inglaterra refletem uma crise global.

Há muitas razões secundárias para essa angústia, mas me parece que a causa subjacente é a mesma em todos os lugares. Os seres humanos, os mamíferos ultrassociais, cujos cérebros são programados para reagir a outras pessoas, estão sendo desmembrados. As mudanças econômicas e tecnológicas desempenham um papel importante, mas a ideologia também. Embora nosso bem-estar esteja inextricavelmente ligado à vida dos outros, em todos os lugares nos dizem que prosperaremos por meio do interesse próprio competitivo e do individualismo extremo.

[…] O sistema educacional torna-se mais brutalmente competitivo a cada ano. O emprego é uma luta até a morte com uma multidão de outras pessoas desesperadas, perseguindo cada vez menos empregos. Os modernos supervisores dos pobres atribuem a culpa individual às circunstâncias econômicas. Infinitas competições na televisão alimentam aspirações impossíveis, enquanto oportunidades reais se contraem.

O consumismo preenche o vazio social. Mas longe de curar a doença do isolamento, intensifica a comparação social a ponto de, tendo consumido tudo o mais, começarmos a nos caçar a nós mesmos. A mídia social nos aproxima e nos separa, permitindo que quantifiquemos com precisão nossa posição social e vejamos que outras pessoas têm mais amigos e seguidores do que nós.

[…] meninas e mulheres jovens alteram rotineiramente as fotos que postam, para parecerem mais suaves e magras. Alguns celulares, usando suas configurações de “beleza”, fazem isso por você sem que voce precise pedir; agora você pode se tornar sua própria inspiração. Bem-vindos, senhoras e senhores, à distopia pós-hobbesiana: uma guerra de todos contra si mesmos.

É de se admirar, nesses mundos interiores solitários, em que o toque foi substituído pelo retoque, que as mulheres jovens estejam se afogando em sofrimento mental? […] Ansiedade, depressão, fobias ou transtorno obsessivo compulsivo afetam 26% das mulheres nessa faixa etária. É assim que se parece uma crise de saúde pública.

Se a ruptura social não é tratada tão seriamente quanto os membros quebrados, é porque não podemos vê-la. Mas os neurocientistas podem. Uma série de artigos fascinantes sugere que a dor social e a dor física são processadas pelos mesmos circuitos neurais. Isso pode explicar por que, em muitas línguas, é difícil descrever o impacto de romper laços sociais sem as palavras que usamos para denotar dor física e lesão. Tanto em humanos quanto em outros mamíferos sociais, o contato social reduz a dor física. É por isso que abraçamos nossos filhos quando eles se machucam: o afeto é um analgésico poderoso. Os opióides aliviam tanto a agonia física quanto a angústia da separação. Talvez isso explique a ligação entre isolamento social e dependência de drogas .

Experimentos […] sugerem que, dada a escolha de dor física ou isolamento, os mamíferos sociais escolherão o primeiro. Macacos-prego famintos de comida e contato por 22 horas se reunirão a seus companheiros antes de comer. Crianças que vivenciam negligência emocional […] sofrem consequências de saúde mental piores do que as crianças que sofrem tanto negligência emocional quanto abuso físico: por mais hedionda que seja, a violência envolve atenção e contato. A automutilação é frequentemente usada como uma tentativa de aliviar a angústia: outra indicação de que a dor física não é tão ruim quanto a dor emocional. Como o sistema prisional sabe muito bem, uma das formas mais eficazes de tortura é a solitária.

Não é difícil ver quais podem ser as razões evolutivas para a dor social. A sobrevivência entre os mamíferos sociais é se potencializa muito quando eles estão fortemente ligados ao resto da matilha. São os animais isolados e marginalizados que têm maior probabilidade de serem abatidos por predadores ou de morrer de fome. Assim como a dor física nos protege de danos físicos, a dor emocional nos protege de danos sociais. Isso nos leva a nos reconectar. Mas muitas pessoas acham isso quase impossível.

Não surpreende que o isolamento social esteja fortemente associado à depressão, suicídio, ansiedade, insônia, medo e percepção de ameaça. É mais surpreendente descobrir a variedade de doenças físicas que ela causa ou exacerba. Demência, pressão alta, doenças cardíacas, derrames , resistência reduzida a vírus e até acidentes são mais comuns entre pessoas cronicamente solitárias. A solidão tem um impacto na saúde física comparável ao de fumar 15 cigarros por dia: parece aumentar o risco de morte precoce em 26%. Isso ocorre em parte porque aumenta a produção do hormônio do estresse cortisol, que suprime o sistema imunológico.

Estudos em animais e humanos sugerem uma razão para comer como consolo : o isolamento reduz o controle dos impulsos, levando à obesidade. Como aqueles que estão na base da escala socioeconômica são os mais propensos a sofrer de solidão, isso pode fornecer uma das explicações para a forte ligação entre baixo status econômico e obesidade?

Qualquer um pode ver que algo muito mais importante do que a maioria das questões sobre as quais nos preocupamos deu errado. Então, por que estamos nos engajando nesse frenesi de destruição ambiental e deslocamento social devoradores de mundos e autoconsumidores, se tudo o que isso produz é uma dor insuportável? Esta pergunta não deveria queimar os lábios de todos na vida pública?

[…]

Isso não requer uma resposta de política; requer algo muito maior: a reavaliação de toda uma visão de mundo. De todas as fantasias que os seres humanos nutrem, a ideia de que podemos ir sozinhos é a mais absurda e talvez a mais perigosa. Estamos juntos, ou desmoronamos.

George Monbiot é um jornalista que tem uma coluna no jornal de esquerda the Guardian. Seu tema principal é o meio-ambiente.
 Breaking the Spell of Loneliness é o álbum que George Monbiot escreveu com o músico Ewan McLennan. 

Imagem:
cottonbro, via Pexels

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.