iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Vídeo da Prager University, sobre a saúde mental de crianças e adolescentes.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Novo vídeo da Prager University, com argumentação da psicanalista Erica Komisar.

Como terapeuta, muitas vezes me perguntam por que a depressão e a ansiedade são tão comuns entre crianças e adolescentes. Uma explicação – quase com certeza a mais negligenciada – é o declínio do interesse por Deus e pela religião.

Vejo as consequências disso em minha prática quase todos os dias. 

Esta não é apenas minha observação pessoal. Um estudo de Harvard, de 2018, envolvendo 5.000 pessoas examinou como ser criado em uma família com crenças religiosas afeta a saúde mental das crianças. 

O estudo descobriu que as crianças que frequentavam um culto religioso pelo menos uma vez por semana pontuaram mais alto nas medições de bem-estar psicológico e tinham menores riscos de doença mental.

A frequência semanal também foi associada a taxas mais altas de voluntariado, probabilidades mais baixas de uso de drogas e de iniciação sexual precoce e um senso de propósito.

No entanto, apesar de todas as evidências de que o envolvimento religioso leva a comportamentos positivos, Gallup relata que os Estados Unidos viram uma redução de 20% no comparecimento a serviços religiosos formais nos últimos 20 anos. Em 2018, a American Family Survey revelou que quase metade dos adultos com menos de 30 anos não se identificava com nenhuma religião.

Do ponto de vista puramente psicológico, essa não é uma boa tendência. 

Niilismo – a crença em nada – é um rico fertilizante para ansiedade e depressão. Em contraste, a crença em Deus – uma figura guardiã que nos ama – é uma fonte inestimável de apoio e conforto.

Os pais costumam me perguntar:

– Como posso falar com meu filho sobre a morte se não acredito em Deus nem no céu?

Minha resposta é sempre a mesma: 

– Falseie-o.

Há muitas coisas sobre as quais você não conta toda a verdade a seus filhos. Por exemplo, se seus filhos ouvirem sobre uma tragédia que ocorreu em sua comunidade, você lhes diz que isso nunca acontecerá com eles. Não temos uma bola de cristal e não podemos saber que coisas ruins não acontecerão com nossos filhos, mas os tranquilizamos com uma narrativa esperançosa.

O mesmo se aplica a acreditar em Deus e no céu.

Mesmo que você acredite que, quando sua vida acabar, seus ossos virarão pó e você partirá para a eternidade, essas crenças não ajudam as crianças, elas apenas as assustam e criam ansiedade em relação à morte e ao morrer. A crença em um Deus benevolente e um céu ajuda bastante as crianças com seu medo. 

Em nossa era atual de famílias desfeitas, pais distraídos, violência escolar e previsões de pesadelo sobre o aquecimento global, a imaginação desempenha um grande papel na capacidade das crianças de lidar com a situação. É muito melhor que as crianças usem a imaginação para construir algo positivo – como um Deus que se preocupa conosco – do que a ideia sombria e niilista de que não existe criador e protetor, nem propósito para nossa existência.

Também me perguntam com frequência como os pais podem incutir gratidão e empatia nos filhos. Novamente, a melhor resposta é o envolvimento em uma religião organizada. Todas as religiões tradicionais incentivam a gratidão e a empatia como antídotos para o senso de merecer tudo e o egoísmo. Esses são os blocos de construção de um caráter forte. Elas também protegem contra depressão e ansiedade.

Além disso, a religião oferece às crianças uma oportunidade de comunhão. Estar com pessoas que compartilham sua fé pode funcionar como uma proteção contra o vazio e o isolamento da cultura moderna. Isso é mais necessário do que nunca em um mundo onde os adolescentes podem ter centenas de amigos virtuais e poucos reais.

E a religião ajuda a ensinar às crianças atenção plena, senso de autocontrole e disciplina. Seus filhos pequenos podem não saber que estão entrando em uma casa de culto, mas sabem que devem agir de maneira apropriada quando estão lá. Eles têm que relaxar seus corpos e acalmar suas mentes.

É verdade que se você se sentir ambivalente em relação a Deus e à religião, seus filhos provavelmente seguirão seu exemplo. No entanto, se você pratica religião ou manda seus filhos para uma escola religiosa sabendo que é bom para eles, você pode se surpreender e obter algo significativo com isso também. Em outras palavras, seus filhos podem trazer você de volta à fé. Certamente vale a pena fazer um longo experimento para o bem deles e para o seu.

Considere mais um argumento: se você leva a sério a ideia de que seus filhos devem ser livres para escolher ou rejeitar Deus e a religião, eles precisam ser expostos a Deus e à religião. De que outra forma eles serão capazes de fazer uma escolha livre e informada?

Vivemos em uma sociedade competitiva e estressante que idealiza o materialismo, o egoísmo e a conexão humana virtual em vez de real. Ter uma comunidade religiosa e acreditar em Deus é o melhor antídoto para tudo isso.

Se as crianças optam por continuar a praticar como adultos, é algo que você não pode controlar. Mas pelo menos dê a eles a chance de acreditar em Deus e encontrar conforto na religião.

Eles merecem isso.

Sou a psicanalista Erica Komisar e autora de “Franguinho, o céu não está caindo: criando adolescentes resilientes na nova era da ansiedade”, para a Prager University.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

O Apego ao Velho

Minha esposa e eu somos viciados em programas de reforma. […] Nós […] apimentamos cozinhas, banheiros destruídos e trocamos espaços. Nós os invertemos, os destruimos, os consertamos

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *