iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Ao falsear a verdade, programa-se a mente para isto ser o seu padrão.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O raciocínio intelectual se compõe de racionalidade acurada, objetiva e inferencial. Quando colocamos nossos desejos acima da razão objetiva, ignoramos as evidências da verdade. Inevitavelmente, esse será o padrão em nossas mentes. Conseqüentemente, teremos um adultério intelectual, como explica John Piper em seu livro Pense:Não podemos divorciar a verdade de Cristo. A infidelidade a uma é infidelidade a outro. Cristo é o caminho, a verdade e a vida (João 14: 6). Em última análise, toda a verdade diz respeito a ele. Mas, talvez mais importante, toda a verdade também vem dEle e por meio dEle. O Cristianismo sempre ensinou que toda verdade é parte da revelação de Deus. Portanto, fugir de qualquer verdade particular é fugir daquela revelação e, portanto, fugir do Deus que a revelou. Visto que “toda verdade é a verdade de Deus”, não ousamos tratar a verdade como um bufê, selecionando e escolhendo como queremos.

A evasão da verdade é adultério intelectual por causa da própria natureza de nosso relacionamento com a verdade, em geral: não é possível persistir em escapar das verdades “mundanas” sem treinar a mente para fugir da verdade de Cristo. Nossas mentes são máquinas integradoras, que se integram de acordo com os princípios e padrões básicos que aceitamos – implícita ou explicitamente. Sacrificar-se a verdade por causa dos desejos malignos de uma pessoa em apenas uma área ou questão é estabelecer implicitamente um padrão que, de fato, afirma: Sempre que minha antipatia pela verdade for forte o suficiente, não tem problema para o meu desejo anular e suprimir a verdade. Ele programa a mente para, em última análise, curvar-se aos próprios desejos, tornando os desejos o juiz supremo da verdade. Uma vez que o desejo substituiu a razão como governante da mente, Cristo não mais será o governante da vida da pessoa, porque cada coisa verdadeira sobre Cristo e o que Ele tem a dizer serão falsamente interpretadas por meio das lentes dos desejos malignos da pessoa.

Portanto, a chave para evitar o adultério intelectual não é meramente verificar se cremos em Cristo em pontos específicos (pois se submetemos nossas mentes a desejos malignos, então podemos estar re-“interpretando” Ele sem perceber). Em vez disso, a chave é ter certeza de que não estamos submetendo nossas mentes aos nossos próprios desejos em nenhum momento. Seguindo a razão de Jesus na passagem acima [ :62-63], nosso objetivo deve ser tratar Deus e as coisas de Deus da mesma forma que tratamos tudo na vida: com razão objetiva. Quando abordamos Deus ou Sua palavra com nossas mentes, devemos fazê-lo da mesma maneira que abordamos o clima, ou nossos empregos, ou nossas notas: com uma racionalidade cuidadosa, objetiva e inferencial.1 Devemos ter certeza de que estamos abordando tudo na vida da mesma maneira; não “falseando” nada (até onde sabemos) para ceder a algum desejo irracional. Você não pode sujeitar a razão à emoção em uma área da vida e esperar que essa prática permaneça isolada. A ateia, Ayn Rand, explica isso habilmente:

“Sempre que você cometeu o mal de se recusar a pensar e a ver, de isentar do absoluto da realidade algum único pequeno desejo seu, sempre que optou por dizer: “Deixe-me retirar do julgamento da razão os biscoitos que roubei, ou a existência de Deus,2 deixe-me ter meu único capricho irracional e serei um homem de raciocínio sobre tudo o mais.”, esse foi o ato de subverter sua consciência, o ato de corromper sua mente. Sua mente então se tornou um júri fixo que recebe ordens de um submundo secreto, cujo veredito distorce a evidência para caber em um absoluto que ela não ousa tocar – e uma realidade censurada é o resultado, uma realidade fragmentada onde os pedaços que você escolheu ver estão flutuando entre os abismos daqueles que você não vê, mantidos juntos por aquele fluido de embalsamamento da mente que é uma emoção isenta de pensamento.”3

Imagem:
Escultura Verdade e Falsidade, de Alfred Stevens.
Victoria & Albert Museum, Londres.
Parte do Wellington Monument, St. Paul’s Cathedral, 1856. 
Foto de George P. Landow.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

O Apego ao Velho

Minha esposa e eu somos viciados em programas de reforma. […] Nós […] apimentamos cozinhas, banheiros destruídos e trocamos espaços. Nós os invertemos, os destruimos, os consertamos

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *