Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Cartoon de Steve Breen.

por Ben Shapiro, no National Review.

Ruth Marcus defendeu o aborto de bebês com síndrome de Down nas páginas do The Washington Post . Marcus defende sua própria autonomia moral como aspirante a agente da morte: “Posso dizer sem hesitação que, por mais trágico e horrível que fosse um aborto no segundo trimestre, eu teria interrompido a gravidez se o resultado do teste fosse positivo. Eu teria sofrido a perda e seguido em frente”.

A verdade é que Marcus percebe isso. Ela apenas está disposta a acabar com essa vida porque ela não acredita que tais vidas devam existir. Ela enfrenta o governo que “obriga uma mulher a dar à luz uma criança cuja capacidade intelectual será prejudicada, cujas escolhas de vida serão limitadas, cuja saúde pode estar comprometida”. Nessas palavras, pode-se ouvir a exclalmação de desaprovação do Juiz Oliver Wendell Holmes em Buck vs. Bell(1927), o caso da Suprema Corte que aprova leis estaduais que forçam a esterilização de “incapazes”: “É melhor para todo o mundo se, em vez de esperar para executar descendentes degenerados por crime ou deixá-los morrer de fome por sua imbecilidade, a sociedade pudermimpedir os que são manifestamente incapazes de continuar sua espécie. . . . Três gerações de imbecis já bastam”.

Marcus se consola em sua imoralidade citando a dos outros – “Eu não estou sozinha. Mais de dois terços das mulheres americanas escolhem o aborto em tais circunstâncias. “Mas o comportamento imoral não se torna moral por sua trivialidade. A escravidão já foi comum. Isso não a tornou mais justificável.

E no final, ela admite realmente por que abortaria o bebê: conveniência. “Eu vou ser franca aqui: essa não era a criança que eu queria”, escreve ela. “Você pode me chamar de egoísta, ou de coisa pior, mas estou em boa companhia”. Não é meramente egoismo assassinar um feto pelo crime de ter um QI baixo. É monstruoso. Mas essa monstruosidade torna-se comum quando acreditamos que os outros aprovaram nosso vício. Marcus continua enfatizando o fato de que outros pensam como ela, assim como os professores de Milgram provavelmente apontaram para os pesquisadores que lhes ordenavaque aumentassem a tensão.

O mal vive entre nós. Está em nossos próprios corações. Todos podemos nos tornar os torturadores de Milgram; todos podemos nos tornar esterilizadores de Holmes; todos podemos nos tornar aborcionistas de Marcus. Tudo o que é preciso é uma grama de aprovação social e um monte de indignação justa. Os seres humanos são coisas egocêntricas; preferimos acionar o interruptor para um inocente do que inconveniente-nos. Enquanto não reconhecermos nossas próprias fragilidades, sempre correremos o risco de cair no pântano moral.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Divulgação

Bible Journaling na SBB

Bible Journaling é uma técnica para estimular a leitura e o estudo da Bíblia Sagrada.  Consiste em destacar versículos na Bíblia, anotando ideias, sentimentos e ensinamentos.

Leia Mais »