iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

mentalidade e as práticas de “liberais que ainda não estão prontos para abrir mão das restrições à pandemia.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

 

[…] parte dos que resistem a retornar à normalidade são os que se beneficiaram com lockdown: grandes varejistas como a Amazon, e funcionários públicos, como professores que não querem dar aula. Mas para algumas pessoas, a reação exagerada ao vírus tornou-se uma identidade.

A máscara, por exemplo. A justificativa quando do uso desnecessário é que é para dar o exemplo. Tem o resultado inverso de reforçar, para os céticos, a ideia de que tudo não passa de farsa.
Também os faz questionar as vacinas, já que não permitirá a volta ao normal.

Emma Green analisa o uso das máscaras:

“Para muitos progressistas, a vigilância extrema se referia, em parte, à oposição a Donald Trump.”

“progressistass que ainda não estão prontos para abrir mão das restrições à pandemia. Para este subconjunto, a diligência contra COVID-19 permanece uma expressão de identidade política – mesmo quando isso significa superestimar os riscos da doença ou estabelecer limites muito mais rígidos do que o permitido pelas diretrizes de saúde pública. Em pesquisas. democratas expressam maior preocupação com a pandemia do que republicanos. Pesosas que se descrevem como “muito progressistas” são visivelmente ansiosos.”

Esses esforços muitas vezes parecem ir além dos motivos políticos para algo mais semelhante a uma identidade espiritual. Exibições como o beijo mascarado entre a vice-presidente Kamala Harris e seu marido são mais bem compreendidas como exibições estéticas de ascetismo para provar a pureza ritual de alguém: demonstrações públicas de piedade ao culto cívico de levar COVID-19 a sério. Seu próprio excesso serve para demonstrar zelo na busca da virtude.

A religião freqüentemente exige abnegação e renúncia. As máscaras parecem ser o equivalente para os que seguem usando-as.

Talvez isso se traduza muito no comportamento pandêmico. Mas algo é necessário para explicar a extraordinária psicologia daqueles que – afirmam acreditar na Ciência!: persistir em ir ritualmente muito além do que nosso conhecimento científico sugere ser necessário para a saúde pessoal e pública.

As instruções de comportamento para a pandemia não são inéditas, nem diferentes das rotineiras, como lavar as mãos regularmente, ficar em casa quando doente, especialmente imunocomprometidos, recém-nascidos e outras pessoas vulneráveis. Enfim, apenas bom senso, nada “que exija que nos tornemos permanentemente mascarados solitários e paranóicos.”

[…] também “não podemos suspender para sempre a vida interpessoal por medo de uma mutação viral que pode ou não acontecer.”

Discussões e divergências razoáveis são uma coisa. Outra é permitir que as políticas sejam conduzidas por viciados em pandemia que estão determinados a continuar tendo sua dose de medo e falsa virtude.

As decisões governamentais com relação à pandemia são preocupantes porque afetam a vida das pessoas. Mas as decisões pessoais são preocupantes porque parecem refletir os sistemas de valores das pessoas. Quando adultos vacinados mantêm as orientações vigentes na pandemia, eles estão lidando com o trauma do ano passado, […] eles dão continuidade ao espírito do ano passado, [quando se propagandeava o ascetismo solitário como sendo dever cívico]. Para muitas pessoas, esse tipo de comportamento é uma forma de boa cidadania.[…]

Enquanto os Estados Unidos retomam a vida normal, Emma Green descreve a mentalidade que orienta o comportamento dos progressitas:

[…] Todos os dias da semana, Zachary Loeb publica quatro “poemas da peste” no Twitter – pequenas missivas sobre as manchetes e como é viver durante uma pandemia. Ele é pessoalmente progressista: ele bloga sobre tópicos como a calamitosa presidência de Trump e o futuro das mudanças climáticas. Ele também estuda a história de desastres. (“Brincando, digo aos meus alunos que minha reputação no departamento é a de Mr. Doom, mas assim que obtiver meu Ph.D., serei oficialmente Dr. Doom”, ele me disse.) Seu avatar no Twitter é a praga do médico: uma figura de bico e de cartola que viajava por cidades europeias tratando de vítimas da peste bubônica. Em fevereiro passado, Loeb começou a estocar latas de feijão; em março passado, ele deixou seu escritório e não voltou desde então. Em abril deste ano, enquanto o país avançava para metade da população recebendo a primeira dose de uma vacina e as mortes diárias caíam para menos de 1.000, seus poemas tornaram-se melancólicos. “Quando você era jovem, o velho e sábio Esopo tentou avisá-lo sobre este momento”, escreveu ele, “em que a praga é a tartaruga firme e nós somos a lebre superconfiante”.

Nathanael Blake é colaborador sênior do The Federalist e pós-doutorado no Ethics and Public Policy Center.

EMMA GREEN é uma escritora no The Atlantic , onde cobre política, políticas e religião.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise

Viciados em Epidemia

  […] parte dos que resistem a retornar à normalidade são os que se beneficiaram com lockdown: grandes varejistas como a Amazon, e funcionários públicos,

Leia Mais »
Psicanálise

A Cruzada pela Comunidade

Título de livro de Robert Nisbet em que ele mostra como indivíduos com identidades não são presa para tiranias. Por Robert Nisbet . Leia o

Leia Mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *