iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

"O oposto de mau não é bom, é amor." Henry Cloud

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: .
Autoria do texto: Joshua Shrum.
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

“Meus pais me batiam quando eu era criança e eu não fiquei traumatizado”, disse o homem cuja ex-parceira o denunciou por violência física.
“Quando eu era criança, me deixavam chorando sozinha até adormecer e era tão ruim que eu não saía”, disse o homem que passa longas horas nas redes sociais, o que afeta seu sono.
“Castigaram-me quando criança e estou bem”, disse o homem que, sempre que se engana, diz a si mesmo palavras de desprezo, como forma de autopunição.
“Quando eu era criança, eles tiveram mão de ferro sobre mim e eu sofro de um trauma chamado ‘educação’,” disse a mulher que ainda não entende por que todos os seus parceiros acabam sendo agressivos.
“Quando eu era inconstante, quando criança, meu pai me trancava em uma sala sozinha para aprender, e hoje eu agradeço”, disse a mulher que sofreu ataques de ansiedade e não sabe explicar por que tem tanto medo de ficar trancada em espaços pequenos.
“Meus pais me disseram que iam me deixar sozinha ou me entregar a um estranho quando eu fizesse pirraça e eu não tenho traumas”, disse a mulher que orou pedindo por amor e perdoou repetidas infidelidades para não se sentir abandonada.
“Meus pais me controlavam apenas com o olhar e veja como eu me saí bem”, disse a mulher que não consegue manter contato visual com figuras de ‘autoridade’ sem se sentir intimidada.
“Quando criança me vinguei do cabo de ferro e hoje sou um homem bom, até profissionalmente”, disse o homem cujos vizinhos o acusaram para a polícia de se embebedar, bater em objetos e gritar com sua esposa.
“Meus pais me forçaram a seguir uma carreira que me traria dinheiro e veja como estou bem de vida”, disse o homem que sonha com a sexta-feira todos os dias porque está desesperado em seu trabalho, fazendo algo, todos os dias, que não é o que ele sempre desejou.
“Quando eu era pequena, me forçaram a sentar até que toda a comida acabasse e até me alimentaram à força, não como aqueles pais permissivos” afirmou a mulher que não entende por que não consegue ter uma relação saudável com a comida, e na sua adolescência veio a desenvolver um transtorno alimentar.
“Minha mãe me ensinou a respeitar seus bons chancletazos até o ponto”, disse a mulher que fuma 5 cigarros por dia para controlar sua ansiedade.
“Agradeço a minha mãe e meu pai por cada golpe e cada punição, porque, se não, quem sabe o que teria acontecido comigo”, disse o homem que nunca foi capaz de ter um relacionamento saudável, e cujo filho constantemente mente para ele porque tem medo.
E assim vamos pela vida, ouvindo pessoas que se dizem pessoas boas sem traumas, mas, paradoxalmente, em uma sociedade cheia de violência e pessoas feridas.

Leia o artigo de Henry Cloud em O Oposto de Mau não é Bom

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Transpai é a Nova Identidade

Este homem está conversando com seu filho imaginário no metrô. Você deve afirmar sua identidade de transpai ou você é um fanático de extrema direita

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *