iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Observações sobre o novro livro de Jordan Peterson

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
typography luck technology blur


[…]Esta é uma perspectiva crítica, pois expõe a realidade de que a ordem não é incondicionalmente boa. Ordem pode significar segurança e estabilidade, mas também pode significar tirania e uniformidade mortal. O caos pode representar perigo e incerteza, mas também pode ser uma fonte de potencial, inovação e renovação.

Como diz Peterson, “todos os estados de ordem, não importa o quão seguros e confortáveis ​​sejam, têm suas falhas”. À luz disso, precisamos ir “além da ordem” e buscar ativamente um certo grau de caos. [E] “uma estrutura ordenada tem que permitir um elemento de caos para se tornar algo novo, e até mesmo para manter sua própria sobrevivência, porque as coisas têm que se tornar algo novo à medida que avançam no tempo.”

[…] o objetivo de Peterson com este livro é nos lembrar que se promove melhor o bem-estar pela busca de um equilíbrio saudável entre caos e ordem, em vez de ceder a uma obsessão doentia com qualquer um extremo.

[…] Peterson também destacou algumas implicações culturais e políticas intrigantes de sua filosofia.

“A ordem que nos esforçamos para impor ao mundo pode se tornar rígida como consequência de tentativas imprudentes de erradicar da consideração tudo o que é desconhecido. […] Quando tais tentativas vão longe demais, o totalitarismo ameaça, movido pelo desejo de exercer controle total, onde esse controle não é possível, mesmo em princípio.”

Como Peterson explica em uma de suas palestras sobre personalidade , a tendência de aceitar a ordem muito provavelmente tem suas raízes na biologia humana. Mais especificamente, surge da sensibilidade ao nojo e da necessidade de preservar a limpeza em nossos ambientes.

[…]

Em termos arquetípicos, nos apegamos à ordem e à limpeza porque isso nos mantém protegidos do que é estranho e diferente.

Mas Peterson aponta algumas implicações ainda mais impressionantes dessa ideia. “As preocupações com a limpeza e os sentimentos de repulsa também foram relacionadas a atitudes políticas … regiões com níveis mais altos de prevalência de doenças tendem a estar associadas a níveis mais altos de conformidade social e governo autocrático.”

Como outro artigo declara: “os governos autoritários são mais propensos a emergir em regiões caracterizadas por uma alta prevalência de patógenos causadores de doenças”.

Embora não saibamos ainda se Beyond Order trata especificamente dos lockdowns, a relevância é clara. Infelizmente, embora previsivelmente, esses excessos de ordem são exatamente o que vimos em resposta à pandemia de COVID-19. De fechamentos de empresas a fronteiras fechadas e limites para ajun tamentos, as pessoas estão mais isoladas do que nunca, e tudo isso é feito em nome da limpeza.

Mas a ideologia da limpeza é uma  mitologia fragmentária porque apresenta apenas metade do arquétipo, ou seja, o lado positivo da ordem e o lado negativo do caos. Na realidade, o outro lado da história é tão importante: que lutar pela esterilidade pode chegar ao exagero.

Infelizmente, o desejo de controlar nossos vizinhos e ditar suas escolhas reflete uma visão de mundo em que as desvantagens da ordem são consideradas menos consequentes do que as desvantagens do caos. Esse paradigma pode ser atraente, especialmente em tempos de crise, mas para que a sociedade realmente prospere, ele precisa ser questionado.

Portanto, embora possamos ser tentados a abraçar o planejamento central ou mesmo o socialismo como fonte de segurança e estabilidade, precisamos reconhecer que esses sistemas despóticos e autoritários são a personificação da ordem excessiva.

Os economistas falam sobre essa ideia há muito tempo, e muitos deles apontaram que “o desejo de exercer o controle total” é uma das principais barreiras à prosperidade. Ludwig von Mises é um desses economistas, e em seu tratado Ação Humana , ele chama a atenção para os problemas de tentar impor um plano rígido e abrangente para a economia.

“Hoje em dia, é costume falar em“ engenharia social ”. Assim como o planejamento, esse termo é sinônimo de ditadura e tirania totalitária. A ideia é tratar os seres humanos da mesma maneira como o engenheiro trata as coisas com as quais constrói suas pontes, estradas e máquinas. A vontade do engenheiro social deve substitur a vontade das várias pessoas que ele pretende usar para a construção de sua Utopia. A humanidade deve ser dividida em duas classes: o ditador todo-poderoso, por um lado, e os subalternos que devem ser reduzidos à condição de meros peões em seus planos e engrenagens em sua máquina, por outro. Se isso fosse viável, então é claro que o engenheiro social não teria que se preocupar em entender as ações de outras pessoas. Ele estaria livre para lidar com elas como a tecnologia lida com madeira e ferro.”

O ponto de Mises é que a economia não deve ser vista como uma máquina que podemos controlar e dirigir. É muito mais semelhante a um ecossistema que floresce melhor quando deixado por sua própria conta.

Portanto, agora, mais do que nunca, à medida que lockdowns e mandatos obscurecem quase todos os aspectos de nossas vidas, precisamos ser cautelosos para não nos apegar à ordem, ao controle e à segurança com muita força.

Esperamos que o novo livro de Peterson trará essa mensagem à luz.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise

Padrão de Raciocínio da Esquerda

[…] Se você duvidar sempre de uma afirmação esquerdista, quase sempre estará mais perto da verdade. Empreguei essa regra para concluir que a história de conluio

Leia Mais »
typography luck technology blur
Psicanálise

O Elo entre a Limpeza e o Despotismo

[…]Esta é uma perspectiva crítica, pois expõe a realidade de que a ordem não é incondicionalmente boa. Ordem pode significar segurança e estabilidade, mas também pode significar tirania

Leia Mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *