iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Controvérsia no estudo da máscara COVID-19 destaca confusão da ciência durante uma pandemia

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: .
Autoria do texto: .
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Artigo condensado de Stephanie Soucheray. Leia o artigo original no CIDRAP (Centro de Pesquisa e Política de Doenças Infecciosas).

Um grupo de pesquisadores enviou uma carta à Proceedings of National Academy of Sciences ( PNAS ) solicitando a retirada de um estudo que, supostamente, mostrava que o uso de máscara era a intervenção mais eficaz para diminuir a propagação do COVID-19 na cidade de Nova York.

Os cientistas criticaram a metodologia do estudo.

O artigo: “Identificando a transmissão aérea como a via dominante para a disseminação do COVID-19”, afirma: “Depois de 3 de abril, a única diferença nas medidas regulatórias entre Nova York e os Estados Unidos está no uso de máscaras, em 17 de abril, em Nova York.”

O grupo de cientistas, muitos das universidades de Stanford e Johns Hopkins, se ofenderam com essa conclusão e disseram que é comprovadamente falso em vários aspectos: outras partes do país exigiram o uso de máscaras, e diferentes partes dos Estados Unidos tiveram diferentes graus de “confinamento.”

“Embora as máscaras sejam quase certamente uma medida eficaz de saúde pública para prevenir e retardar a disseminação do SARS-CoV-2, as alegações apresentadas neste estudo são perigosamente enganosas e carecem de qualquer base de evidência”, escreveram eles na carta em que também solicitam retratação. “Infelizmente, desde sua publicação em 11 de junho, este artigo foi distribuído e compartilhado amplamente nas mídias tradicionais e sociais, onde suas alegações estão sendo interpretadas como uma ciência rigorosa”.

Noah Haber, ScD, um pós-doutorado na Universidade de Stanford, disse:

“As implicações políticas deste artigo são imediatas, por isso esperamos que a resposta seja proporcional às decisões que precisam ser tomadas”.

Haber disse que ele e seus colegas não estão discutindo a utilidade das máscaras, mas apontando que o estudo em questão não pode avaliar a eficácia das políticas de máscara em relação a outras políticas:

“Há um número enorme de erros graves no jornal”. Infelizmente, esse não é um problema novo na ciência, mas as apostas são muito maiores do que antes.”

Haber disse que o artigo também destaca os problemas da ciência em meio a uma pandemia causada por um novo vírus: Um volume enorme e sem precedentes de estudos foi publicado sobre o COVID-19. Infelizmente, porém, muitos não se sustentam e são metodologicamente defeituosos.

“Em circunstâncias normais, o debate de um ano filtraria o trigo do joio, mas tudo está acontecendo tão instantaneamente agora”, disse ele. 

David Kriebel, professor de epidemiologia, não concorda com uma retratação no momento. Para ele, o artigo não foi um fracasso do processo de revisão por pares, mas no entendimento dos limites da ciência durante uma pandemia:

“O tipo de ciência sobre a qual estamos falando – e o público ficou tão notavelmente informado – é a ciência aplicada que está sendo usada para informar a tomada de decisões em grande escala. Esse tipo de ciência é realmente bem diferente em aspectos importantes do trabalho de geólogos, químicos ou astrônomos. Ela tem uma urgência; deve ser traduzida para milhões de pessoas, e rapidamente”.

Kriebel disse que geralmente a ciência é autocorretiva, dispondo de tempo suficiente. Atualmente, porém, não há tempo suficiente para a ciência se corrigir quando está sendo usada para elaborar políticas de saúde pública. Ele disse que esse é um problema para os formuladores de políticas que confiam demais na ciência com “C maiúsculo” para justificar decisões.

“Na verdade, não é útil que os cientistas se escondam atrás de uma cortina de certeza. Há incerteza sobre máscaras. Mas isso não significa que não devamos usá-las”, disse Kriebel. Em vez de clamar por estudos científicos que confirmem a exigência do uso de máscaras, Kriebel defende mais transparência nas mensagens de saúde pública:

“Eu diria: ‘O uso de máscaras é a nossa melhor decisão no momento, e diremos se conseguirmos mais evidências”.

Tanto Kriebel quanto Haber concordam que as máscaras provavelmente oferecem um nível de proteção, mas, no momento, não há como distinguir o quanto de proteção as máscaras oferecem versus o distanciamento físico de um metro ou mais, ou a lavagem das mãos. E concluiu:

“O mundo está muito mais confuso do que gostaríamos de admitir. Nós fazemos o nosso melhor e admitimos nossa incerteza.”

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

Sexo é Binário

[…] Está bem documentado que outras espécies se reproduzem sexualmente e que existem machos e fêmeas em outras espécies.  […] Tomemos os organismos do humilde

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.