iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Jovens voluntariosos e egocêntricos serão adultos despóticos e maus profissionais.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: resistthemainstream.
Autoria do texto: RTM Staff.
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui. resistthemainstream
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Alunos impediram debate por não concordar com panelista conservadora.

 ​A reitora levou 2 semanas para se pronunciar sobre a baderna dos alunos. Heather Gerken disse que foi “inaceitável”, mas também que estava dentro das regras da faculdade.
Kristen Waggoner e Monica Miller debateriam para demonstrar como uma cristã conservador e uma atéia liberal poderiam encontrar um consenso em questões de liberdade de expressão. Mas os alunos anti-conservadores impediram o painel.

Aos apelos de silêncio, obviamente para que os palestrantes pudessem falar, os alunos responderam com gritos, xingamentos, dedos do meio levantados, segundo eles, ​sua​ ‘liberdade de expressão’.

Vídeo via Free Beacon
A aluna de tranças segura o cartaz “Silêncio é morte”.

​A ​polícia ​teve que escoltar os palestrantes para fora do prédio. 

​Alunos ​em aula e professores alegaram que o​ barulho nterrompe​u aulas, exames e reuniões do corpo docente.

Os manifestantes ​criticaram Waggoner, gritando ‘proteja crianças trans’ e ‘vergonha, vergonha’ em todo o prédio da escola de direito.

Waggoner expressou horror com o comportamento dos alunos:

O futuro da profissão de advogado na América está em apuros.

Foi perturbador testemunhar estudantes de direito lançados em um frenesi irracional. Não achei seguro sair do quarto sem segurança.

Os alunos de Direito de Yale são nossos futuros advogados, juízes, legisladores e executivos de empresas. Devemos mudar de rumo e restaurar uma cultura de liberdade de expressão e discurso civil em Yale e em outras faculdades de direito, ou o futuro da profissão jurídica na América está em apuros. 

​Apesar de ​Mille​r ter caracteriz​ado a organização de Waggoner como um ‘grupo de ódio’, reiterou suas observações, dizendo que a interrupção era um ‘sinal sinistro’ para a profissão de advogado: 

Como advogados, temos que deixar de lado nossas diferenças e conversar com o advogado da oposição. Se você não pode falar com seus oponentes, você não pode ser um defensor eficaz.

A reitora afirma que os alunos que impediram o evento por meio de gritos, não violaram a liberdade de expressão. Trechos da carta:

Caros membros da Comunidade:

 […] têm todo o direito de expressar oposição. Nosso compromisso com a liberdade de expressão é claro e inabalável. Como o debate irrestrito é essencial para nossa missão, permitimos que as pessoas falem mesmo quando seu discurso é totalmente inconsistente com nossos valores fundamentais.

[…]

vários alunos se envolveram em comportamento rude e insultuoso quando o evento começou; alguns faziam barulho excessivo em nossos corredores que interferiam em vários eventos que aconteciam; e alguns se recusaram a ouvir nossa equipe.

[…]  A professora ​[…], o reitor ​[…]e outros membros da equipe não deveriam ter sido tratados como foram. Espero muito mais de nossos alunos e quero afirmar inequivocamente que isso não pode acontecer novamente. ​[…]

Como reitor​a​, estou profundamente comprometid​a com nossas políticas de liberdade de expressão e os valores que elas protegem. Protegerei a liberdade de expressão sem medo ou favor. Mas esperei para escrever para você porque são nossas conversas como comunidade que mais importam. Em nossa cultura faminta de declarações, os líderes universitários são constantemente solicitados a serem árbitros, incentivando nossos alunos a apelar para uma autoridade superior em vez de se envolverem uns com os outros e tentando pessoas de fora a inscrever instituições acadêmicas em suas próprias agendas políticas. Declarações são esperadas instantaneamente de instituições cujos valores centrais incluem deliberação e devido processo – valores que são essenciais onde, como aqui, o relato tem sido tão contraditório. E os especialistas analisam qualquer declaração para ver qual lado eles preferem quando o papel de uma universidade não é tomar partido, mas articular sua missão com clareza. Mais importante ainda, as declarações são ferramentas de ensino pobres. Aprender envolve falar e ouvir, por meio de conversas interativas em ambientes menores com mentores e colegas. Esse sempre foi nosso modelo de ensino, e só assim nossas normas podem ser compreendidas e internalizadas. Embora essas conversas não sejam visíveis para pessoas de fora, elas estão acontecendo aqui agora, e a instituição será melhor por isso.

[…] Juntos, descobriremos como nutrir um ambiente intelectual próspero, mantendo uma comunidade de igualdade e respeito mútuo. Está mais difícil do que nunca encontrar um terreno comum; as apostas são altas e os direitos de membros queridos de nossa própria comunidade estão sob ataque. Mas é essencial que mantenhamos esta comunidade unida apesar das muitas forças que procuram nos dividir. Estou animado porque, à medida que avançamos, construímos uma tradição intelectual que remonta a séculos, com um corpo docente totalmente comprometido com a missão acadêmica da Escola e alunos de todos os matizes políticos imbuídos de idealismo e inteligência. Como Decano,

Heather K. Gerken Dean e Sol & Lillian Goldman, Professor de Direito

Os alunos, bem mais eficientes que a reitoria, em dois dias após a baderna, tinham 417 assinaturas, mais de 60 % do corpo discente da faculdade, numa carta aberta emitindo apoio aos seus ‘manifestantes pacíficos’​:​

“O perigo da violência policial neste país é intensificado contra pessoas negras LGBTQ, e particularmente pessoas negras trans”, dizia a carta, que foi obtida pelo jornal. 

“O trauma relacionado à polícia inclui, mas certamente não se limita a danos físicos. Mesmo com todo o privilégio concedido a nós no YLS, a decisão de permitir a entrada de policiais como resposta ao protesto colocou o corpo estudantil queer do YLS em risco de dano.’

A carta também criticou Stith, a moderadora, por dizer aos manifestantes ‘Cresçam’ e criticou a Sociedade Federalista por sediar um evento que ‘prejudicou profundamente os valores de equidade e inclusão de nossa comunidade’. 

‘Parece loucura, para mim, que estamos neste ponto da história e algumas pessoas ainda não estão assinando imediatamente uma carta como esta. Tenho certeza que você percebe que não assinar a carta não é uma postura neutra.’  

Outros alegaram que o bullying começou antes da carta aberta, citando que alunos encheram a faculdade de panfletos que diziam que participar do painel de liberdade de expressão era um ato de intolerância:  

“Fornecer um verniz de respeitabilidade é parte do que permite que este grupo faça um trabalho que ataca a própria vida das pessoas LGBTQ nos EUA e globalmente.”

Através de sua participação, você é pessoalmente cúmplice, junto com a Sociedade Federalista, na plataforma e legitimação desse grupo de ódio.’

No entanto, como os alunos que não assinaram a petição foram externamente humilhados. não se sabe a carta reflete o pensamento da maioria. 

Para completar, a faculdade tem um programa de liderança. Do seu site:

O Programa de Liderança Tsai foi criado em parceria com um grupo dedicado de ex-alunos da Yale Law School, que estão generosamente apoiando o programa para investir na próxima geração de líderes dinâmicos. A Yale Law School é grata a esses notáveis ​​fundadores do programa por seu extraordinário compromisso e apoio aos nossos alunos.

Joseph Tsai e Clara Wu Tsai, os principais financiadores do programa de líderes da Faculdade de Yale

O site descreve candidamente o casal:

Joe Tsai ’90 é cofundador e vice-presidente executivo do Alibaba Group, uma empresa global de tecnologia da Internet com sede na China. Antes de fundar o Alibaba Group, Tsai exerceu a advocacia tributária como associado da Sullivan & Cromwell LLP e trabalhou para a Investor AB da família Wallenberg da Suécia. Tsai é governador do Brooklyn Nets da NBA e do New York Liberty da WNBA, e é presidente da arena Barclays Center, em Brooklyn, Nova York. Ele é dono de duas equipes profissionais de lacrosse indoor, com sede em San Diego e Las Vegas na Liga Nacional de Lacrosse. Ele também é um investidor na Premier Lacrosse League e no Los Angeles FC da Major League Soccer. Joe Tsai e sua esposa Clara Wu Tsai, cofundadores da Joe and Clara Tsai Foundation, são filantropos ativos que apoiam iniciativas em educação, pesquisa, reforma da justiça criminal, mobilidade econômica, artes e ajuda humanitária durante a pandemia de COVID-19. Tsai obteve seu BA da Yale College e um JD da Yale Law School.

A China consegue avançar seus tentáculos comprando posições estratégias nos países que lhe interessam. É triste pensar que não estaríamos perdendo a liberdade se as elites ocidentais tivessem princípios morais.

Leia mais em Daily Mail.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Parasita Causa Ansiedade

Milhões de pessoas têm parasitas, que podem influenciar pensamentos, comportamentos, promiscuidade, enfraquecer o sistema imunológico, causar fadiga, problemas intestinais e até distúrbios mentais, mas os

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *