iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Conheça-se para Reconhecer o Mal dentro de Você

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Grandes Males

Os grandes males são facilmente identificáveis, pelo menos em retrospecto, e geralmente são o resultado (pelo menos na interpretação) do ato de outrem. Construímos memoriais intermináveis ​​para o Holocausto, por exemplo, e juramos nunca esquecer. Mas o que é que estamos lembrando? Qual é a lição que devemos ter aprendido? Não sabemos como o Holocausto aconteceu – não sabemos o que as pessoas envolvidas fizeram, ou deixaram de fazer, passo a passo, que as levou a se comportar de maneira tão terrível; não sei o que ou quem fez a sociedade alemã dar uma guinada tão terrível. Até mesmo Hitler – como Hitler poderia deixar de acreditar que estava certo, quando todos ao seu redor obedeciam às suas ordens? Não seria necessário um caráter de magnitude excepcional para se resistir à tentação do poder absoluto, gratuitamente oferecido, democraticamente concedido, inclusive,, tendo se insistido nele? Como seria possível para alguém permanecer devidamente humilde, sob tais condições? A maioria de nós tem fragilidades pessoais que permanecem limitadas por nossos ambientes sociais. Nossas tendências neuróticas são controladas pelas pessoas ao nosso redor, que cuidam de nós, que reclamam e protestam quando perdemos nosso autocontrole e levamos as coisas, em nossa fraqueza, um passo além. Se todos ao redor pensam que você é o salvador, quem resta para apontar seus defeitos e mantê-lo consciente deles? Isso não é um pedido de desculpas para Hitler: apenas o reconhecimento de que ele era humano demais. E o que essa afirmação significa? Hitler era humano; Stalin também – Idi Amin também. O que isso significa sobre ser humano? sob tais condições?

Nossas tendências tirânicas e decadências morais geralmente encontram sua expressão limitada por nossos estreitos domínios de poder pessoal. Não podemos condenar milhões à morte, por um capricho, porque não temos os recursos para isso. Nós nos satisfazemos, na ausência de tal poder, em atropelar os que estão perto de nós – e nos congratulamos por nossa virtude moral. Usamos agressão e força para dobrar outros dependentes à nossa vontade – ou, na ausência de força, usamos a doença e a fraqueza para aproveitar a força da empatia e enganar em nosso caminho para o domínio, no subsolo. Se tivesse a oportunidade, quantos de nós não seríamos Hitlers? Supondo que tivéssemos ambição, dedicação e poder de organização – o que é altamente improvável. A escassez de habilidade, entretanto, não constitui virtude moral.

Muitos reis são tiranos, ou decadentes morais, porque são pessoas – e muitas pessoas são tiranas ou decadentes morais. Não podemos dizer “nunca mais” como consequência da memória do Holocausto, porque não compreendemos o Holocausto – e é impossível lembrar o que não foi compreendido. Não entendemos o Holocausto, porque não nos compreendemos. Seres humanos, assim como nós, produziram as catástrofes morais da Segunda Guerra Mundial (e da União Soviética de Stalin e do Camboja de Pol Pot …). “Nunca se esqueça” significa “conheça a si mesmo” – significa reconhecer e compreender aquele gêmeo do mal, aquele inimigo mortal, que é parte integrante de cada indivíduo.

Das páginas 236-237.

Trecho 1: No Monturo Encontra-se: a Fundação da Terapia Moderna, aqui.
Trecho 3: Autoconsciência e Finalidade Individual, aqui.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

John Hoffman e a Teoria do Apego

  ÷ ​Teoria do Apego A teoria do apego argumenta que um vínculo emocional e físico ​forte ​com um cuidador principal​,​ em nossos primeiros anos de

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *