iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Análise sobre as estatísticas e forma de se tratar os pacientes.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: articles.mercola.com.
Autoria do texto: Joseph Mercola.
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui. articles.mercola.com
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Muitos se referem a hospitais como “campos de morte” ou “fábricas de assassinato”.

Joseph Mercola

[…]

Em 2000, Barbara Starfield publica no JAMA um artigo com o título: “A saúde dos EUA é realmente a melhor do mundo?”. Ela mostra os dados de que os médicos eram a terceira principal causa de morte nos Estados Unidos.

[..]

Starfield tornou-se uma estatística para sua própria pesquisa. Ela morreu subitamente em junho de 2011. Seu marido, Dr. Neil A. Holtzman, atribuiu a morte aos efeitos adversos do afinador de sangue Plavix tomado em combinação com aspirina.

[…]

Holzman explicou, no Archives for Internal Medicine, que quando um paciente morre repentinamente (e não enquanto estiver em uma unidade de saúde), não há procedimento de rotina para notificar seu médico, mesmo que o paciente seja autopsiado. Portanto, as mortes súbitas são apenas em casos muito raros ligadas a efeitos adversos do tratamento médico (o mais comum dos quais são os medicamentos).

[…]

Um dos pontos de discórdia de Starfield com o sistema médico atual foi a falta de registro e estudo sistemático de eventos adversos, e sua morte destaca essa situação, pois é bem possível que tenha sido a combinação Plavix-aspirina que a tenha matado, mas se não fosse por uma autópsia e por seu marido insistir em um relatório de evento adverso, ninguém jamais saberia dessa conexão.

A própria Starfield apontou que suas estatísticas provavelmente eram muito inferiores à contagem real, pois incluíam apenas pessoas que morreram no hospital. Elas não incluíram (já que não há dados) pessoas que morreram repentinamente fora de um ambiente hospitalar, devido a um efeito colateral de drogas.

E se um número suficiente de relatórios de eventos adversos tivesse sido apresentado antes de ela tomar uma terapia combinada de Plavix e aspirina, sua vida teria sido poupada? É impossível especular, claro, mas o que está claro é que a vida de alguém acabaria sendo poupada se a notificação de eventos adversos fosse levada a sério.

[…]

Uma análise do Institutes of Medicine (IOM) de 2013, sobre as despesas de saúde dos EUA, revelou que, de cada dólar gasto em assistência médica, 30 centavos estavam sendo desperdiçado em serviços desnecessários, prestação de cuidados ineficiente, custos administrativos excessivos, preços superinflacionados, falhas de prevenção e fraudes.

[…] Esse desperdício de fundos permaneceu consistente ao longo dos anos como um exame de acompanhamento observou:

Apesar dos esforços para reduzir o tratamento excessivo, melhorar o atendimento e lidar com o pagamento excessivo, é provável que o desperdício substancial nos gastos com saúde dos EUA permaneça
[…]

Os custos totais anuais estimados de desperdícios […] representa[m] aproximadamente 25% do total de gastos com saúde…”

[…]

Em 1998, pesquisadores da Universidade de Toronto, liderados pelo professor Bruce Pomeranz, concluíram que os medicamentos prescritos corretamente e tomados corretamente eram a quarta causa de morte nos EUA 14 , 15

A análise de Pomeranz foi a maior e mais completa do gênero na época. Ao todo, eles calcularam que algo entre 76.000 e 137.000 pacientes americanos morriam a cada ano devido a medicamentos administrados corretamente.

Dois anos depois, em 2000, o IOM relatou16 que os erros médicos evitáveis ​​eram a oitava causa de morte nos EUA, matando entre 44.000 e 98.000 pessoas a cada ano.17

Isto foi seguido por um artigo de 2003 apropriadamente intitulado “Morte pela Medicina”,18 escrito pela Dra. Carolyn Dean, Gary Null, Ph.D., Dr. Martin Feldman, Dra. Debora Rasio e Dorothy Smith, Ph.D., que descreveram, em detalhes excruciantes, como o moderno sistema médico convencional americano vacilou para se tornar a principal causa de morte e ferimentos nos Estados Unidos, ceifando a vida de quase 784.000 pessoas anualmente.

Usando esses números, isso colocaria o sistema de saúde como a causa número 1 de morte nos EUA, ignorando as doenças cardiovasculares. Essas mortes iatrogênicas (ou seja, mortes resultantes da atividade dos médicos) incluem desde reações adversas a medicamentos e erros médicos evitáveis, até infecções hospitalares, cirurgias que deram errado e mortes por procedimentos médicos desnecessários.

Os autores pegaram estatísticas diretamente das revistas médicas e científicas mais respeitadas e relatórios investigativos do IOM, mostrando que, em geral, a medicina americana está causando mais mal do que bem. (Para maior clareza, a razão pela qual Dean et al. chegaram a um número muito maior do que qualquer outra pessoa, mesmo em anos posteriores, é provavelmente porque incluíram uma gama mais ampla de erros.)

Em 2010, um relatório no The New England Journal of Medicine, 19 e outro no Journal of General Internal Medicine, 20 revelou quão pouco as coisas haviam mudado desde 2003.

Por exemplo, de 62 milhões de certidões de óbito datadas entre 1976 e 2006, cerca de 250.000 mortes foram codificadas como tendo ocorrido em ambiente hospitalar devido a erros de medicação 21 e cerca de 450.000 eventos adversos evitáveis ​​relacionados a medicamentos ocorreram todos os anos.

Três anos depois, em 2013, um estudo do Journal of Patient Safety 22 , 23 , 24 , 25 concluiu que erros médicos evitáveis ​​matam de 210.000 a 440.000 pacientes por ano. Em 2016, os especialistas em segurança do paciente, da Johns Hopkins, liderados pelo Dr. Martin Makary, calcularam que mais de 250.000 pacientes morriam, a cada ano, por erros médicos – a mesma contagem de mortes encontrada em 2010.

Em 2022, a Organização Mundial da Saúde anunciou que cuidados inseguros por parte de profissionais médicos e hospitais resultam em “horríveis” 2,6 milhões de mortes a cada ano, em todo o mundo, sendo pelo menos 250.000 delas nos EUA 26 E, em julho de 2022, os Institutos Nacionais de A Health atualizou sua biblioteca sobre erros médicos, dizendo que esse número pode chegar a 440.000 – e possivelmente ainda mais devido à falta de relatórios – tornando-se ainda a terceira principal causa de morte. 27

Assim, os erros médicos são a terceira causa de morte há anos, com 10% de todas as mortes sendo atribuíveis a algum tipo de erro médico, 28 , 29 e continua sendo uma das principais causas de morte hoje, ocupando algo entre o terceiro e o primeiro lugar, dependendo do escopo dos erros médicos que você incluir em sua equação.

[…]

Em seu livro de 2008, “Overtreated: Why Too Much Medicine Is Making Us Sicker and Poorer” [Tratamentos exagerados: Porque Medicina Demais está nos Tornando Mais Doentes e Mais Pobres], 32 Shannon Brownlee observou que 180.000 americanos hospitalizados morrem todos os anos por causas amplamente evitáveis, e a pior parte disso, diz Brownlee, é que até um terço desse cuidado não melhorara em nada a sua saúde.

Normalmente, você acabará passando por certos exames médicos com base na especialidade do seu médico, não porque esse seja necessariamente o exame que você precisa. Por exemplo, se você tiver dor lombar e consultar diferentes especialistas, fará exames diferentes: reumatologistas solicitarão exames de sangue, neurologistas solicitarão testes de impulso nervoso e cirurgiões solicitarão ressonâncias magnéticas e tomografias computadorizadas.

Muitos tratamentos também são prescritos pela simples razão de que o hospital tem interesse neles. Esse é frequentemente o caso de angioplastias e certos tipos de quimioterapia, por exemplo.

Eles têm todo esse equipamento e precisam usá-lo para obter um retorno, mas também precisam tirar você de lá o mais rápido possível, para que possam receber o próximo paciente. O que se segue é um tipo de terapia agressiva do paciente, que pode terminar em desastre.

De acordo com o Escritório do Inspetor Geral (OIG) do Departamento de Saúde e Serviços Humanos (DHHS), em outubro de 2008, 27% dos beneficiários do Medicare hospitalizados foram prejudicados como resultado dos cuidados médicos que receberam, e quase metade desses casos eram evitáveis. 33 Dez anos depois, em 2018, o DHHS OIG repetiu o estudo e descobriu que 25% dos pacientes do Medicare foram prejudicados durante a internação. 34

[…]

É importante lembrar que quanto mais você assume a responsabilidade por sua própria saúde – na forma de nutrir seu corpo para prevenir doenças – menos você precisa confiar no “cuidado da doença” que passa por cuidados de saúde. Em meu artigo de aniversário, ” 25 dicas de saúde para 25 anos “, resumi algumas das estratégias que achei mais úteis.

[…]

Além disso, você pode ter um impacto na tendência do seu médico de recomendar alternativas naturais, pois quando você pergunta sobre elas, alguns profissionais de saúde de fato ouvem. Se não, então siga o seu caminho.

Lembre-se, seu médico trabalha para você, e não o contrário. Idealmente, é uma parceria, onde você trabalha em conjunto para identificar as melhores soluções.

[…]

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.