iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Quem são as pessoas que nos contam o que a ciência diz?

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: .
Autoria do texto: .
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

O que é um cientista?

[…] Um médico me acusou de não acreditar na ciência. Suas últimas palavras antes de irmos para um intervalo comercial foram: “Sou um cientista”.

Dado que eu não sou um cientista, ele assumiu que o comentário iria me persuadir – ou pelo menos persuadir muitos ouvintes – de que eu não estava qualificado para discordar dele.[…]

– Eu não me importo – respondi. – É irrelevante. Os cientistas deram à ciência um nome ruim.[…]

Eu não presumo mais, quando leio uma declaração de um cientista, que a declaração é baseada na ciência. Na verdade, acredito que estou mais comprometido com a verdade científica do que muitos cientistas.

[…]

Quando a Associação Médica Americana e uma infinidade de médicos nos dizem que os seres humanos, ao contrário de todos os outros animais acima de algumas espécies reptilianas, “não são binários”, ou seja, nem macho nem fêmea, a afirmação “eu sou um cientista” perde o sentido.

Em meados de 2020, no auge da pandemia do COVID-19, quando a comunidade médica exigia o distanciamento físico, o uso de máscaras e o fechamento de empresas e escolas, mais de mil profissionais de saúde anunciaram que os protestos contra o racismo que estavam ocorrendo na época. – eventos sem distanciamento social, muitas vezes sem máscaras, muitos gritos e pessoas “tossindo incontrolavelmente” (descrição do New York Times) – eram medicamente necessários.

Jennifer Nuzzo, epidemiologista da Johns Hopkins, tuitou: “Devemos sempre avaliar os riscos e benefícios dos esforços para controlar o vírus. Neste momento, os riscos de saúde pública de não protestar para exigir o fim do racismo sistêmico excedem em muito os danos do vírus”.

Mais de 1.000 profissionais de saúde assinaram uma “carta aberta defendendo uma resposta de saúde pública antirracista às manifestações contra a injustiça sistêmica ocorrendo durante a pandemia do COVID-19”.

A carta dizia, entre outras coisas: “Não disperse os protestos sob o pretexto de manter a saúde pública para as restrições do COVID-19” e rotulou de “racismo generalizado … o principal problema de saúde pública”. Isso é uma hipocrisia de esquerda, não é ciência.

[…]

Que tal a crueldade de não permitir que os moribundos fossem visitados por entes queridos, mesmo que usassem máscara, mesmo que concordassem em usar um traje de proteção? Isso melhorou sua visão do julgamento médico dos cientistas?

Depois, houve a oposição da comunidade médica americana à terapêutica, descartando a hidroxicloroquina e a ivermectina (ambas usadas com zinco) como fraudes, apesar do testemunho de vários médicos de que salvaram a vida dos pacientes com COVID-19 quando usados ​​​​adequadamente. Os conselhos médicos estaduais de todo o país ameaçaram revogar a licença médica de qualquer médico que prescrevesse esses medicamentos para tratar o COVID-19 – apesar de esses medicamentos estarem entre os medicamentos prescritos mais seguros disponíveis.

Já em julho de 2020, Harvey Risch, MD, Ph.D., professor de epidemiologia da Escola de Saúde Pública de Yale, escreveu na Newsweek:

Eu mesmo conheço dois médicos que salvaram a vida de centenas de pacientes com esses medicamentos, mas agora estão lutando contra os conselhos médicos estaduais para salvar suas licenças e reputações. Os casos contra eles não têm nenhum mérito científico.

Como resultado da oposição da comunidade médica americana à terapêutica, escreveu Risch, “dezenas de milhares de pacientes com COVID-19 estão morrendo desnecessariamente”.

Médicos nos EUA inteiro estavam essencialmente dizendo aos pacientes com COVID-19: “Vá para casa, descanse e espere para ver se o seu COVID-19 piora. Se você não consegue respirar, venha ao hospital onde podemos colocá-lo em um ventilador.” Os ventiladores, rapidamente ficou claro, eram uma sentença de morte virtual para pacientes com COVID-19. E então eles morreram sozinhos.

Outro exemplo do declínio da seriedade sobre a ciência entre os cientistas foi o diretor do National Institutes of Health, Francis Collins, exortando seus colegas a boicotar qualquer conferência científica de “alto nível” que não tenha mulheres e minorias sub-representadas em espaços de palestras.

E outra: Heather Mac Donald relatou que em 2020, “O NIH anunciou uma nova rodada de ‘Suplementos de Pesquisa para Promover a Diversidade na Pesquisa Relacionada à Saúde’. Laboratórios de ciências acadêmicas poderiam obter dinheiro federal adicional se contratassem pesquisadores ‘diversos’; nenhuma menção foi feita a qualificações científicas relevantes  (itálico acrescentado).”

Quantos cientistas protestaram contra o fechamento de escolas por quase dois anos? Alguns, como os que assinaram a Grande Declaração de Barrington, mas a maior parte da comunidade científica ficou em silêncio. Em outras palavras, os cientistas ajudaram a arruinar a educação de milhões de crianças americanas, para não mencionar o aumento sem precedentes da depressão, uso de drogas e suicídio entre os jovens.

Essas são apenas algumas das razões para não levar “eu sou um cientista” tão a sério quanto antes.

Mas pode haver dois consolos:

Uma é que a mesma regra agora se aplica a ‘sou professor’, ‘sou professor’, ‘sou rabino’, ‘sou padre’, ‘sou pastor’, ‘sou jornalista, ‘ e ‘Eu sou um médico.’

A outra é que há exceções. Graças a Deus.

Fauci em seus escritório com quadros de fauci
Dr Fauci em seu escritório, com quadros que retratam Fauci. Foto via meaww.com

Quem é o cientista Anthony Fauci?

Dr Anthony Fauci conduziu as políticas contra o Covid, nos EUA, desacreditar o tratamento precoce foi uam das principais.

Ao longo de sua carreira de 50 anos como burocrata do governo, o Dr. Fauci serviu consistentemente aos seus próprios interesses, da Big Pharma e dos militares – enquanto falhava com o público americano.

No livro O verdadeiro Anthony Fauci: Bill Gates, Big Pharma e a guerra global contra a democracia e a saúde pública, Robert F. Kennedy, por meio de uma pesquisa minuciosa e meticulosa, revela fatos sobre o Dr. Fauci que devem alarmar todos os americanos que se preocupam com o país, e com o futuro que seus filhos herdarão.

O livro esclarecedor de Kennedy revela como Fauci:

  • Falhou tristemente ao longo de sua carreira de 50 anos com o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID) para abordar a causa, prevenção e curas para a epidemia explosiva de alergias e doenças crônicas.
  • Sabotou tratamentos terapêuticos não patenteados seguros e eficazes para a AIDS.
  • Violou leis federais para permitir que seus parceiros farmacêuticos usassem crianças pobres e de pele escura como ratos de laboratório em experimentos mortais com AIDS e quimioterapias contra o câncer.
  • Irá lucrar pessoalmente com as vendas da vacina COVID da Moderna, co-desenvolvida pela Moderna e NIAID.
  • Promove a “captura da agência” – a subversão da democracia e da saúde pública pela indústria farmacêutica.
  • Fez parceria com o Pentágono para aprovar experimentos de “ganho de função” financiados pelos contribuintes para criar superbactérias pandêmicas em laboratórios mal regulamentados em Wuhan, China e outros lugares, sob condições que quase certamente garantiram a fuga de micróbios armados como SARS-CoV-2.

Para você que acha que essa história não tem nada a ver com o Brasil, lembre-se que as políticas públicas de enfrentamento ao Covid foram emuladas das norte-americanas.

Imagem:
Fauci viola sua imposição a respeito do uso de máscaras. Foto: USATSI.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.