iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: .
Autoria do texto: Eduardo Levy.
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
“Nenhum homem é uma ilha,
 inteira em si mesma.
 Cada um é um pedaço do continente,
 uma parte do principal.
 Se um torrão de terra é levado pelo mar,
 a Europa fica diminuída.
 como se fosse um promontório.
 Como se fosse a tua própria mansão
ou a de teu amigo.
 a morte de cada homem me diminui,
 porque sou parte na humanidade.
 Portanto, não mande perguntar
 por quem os sinos dobram,
 eles dobram por ti.”

John Donne

Às vezes, fico com peninha de mim mesmo. Então me lembro do Viktor Frankl saindo do campo de concentração, crente de que o pior já passara, para descobrir que sua mulher não existia mais, seu pai não existia mais, sua mãe não existia mais, seus irmãos não existiam mais, seus amigos não existiam mais, sua casa não existia mais, seu local de trabalho não existia mais, seu país não existia mais, seu mundo não existia mais. Lembro que a vida de todo ser humano, até outro dia, incluía períodos de guerra, fome e peste, e que eu fui poupado disso pela época e lugar em que nasci, por piores que eu os considere. Lembro que até outro dia era mais ou menos esperado que os homens morressem jovens na guerra e as mulheres morressem jovens no parto. Lembro dos tormentos inimagináveis que acometiam as figuras da mitologia grega, muitas vezes sem a mais mínima culpa por parte delas. Lembro de Hamlet listando os sofrimentos pelos quais todo ser humano, até um príncipe como ele, passa: As agonias do amor não correspondido, a morosidade da justiça, a insolência dos superiores, o escárnio que os sem valor dedicam ao mérito paciente e os milhares de choques naturais de que a carne é herdeira. Lembro o destino que Sócrates teve pelo crime de saber o que os outros não sabiam. E lembro, é claro, que até o Filho de Deus, no auge de sua agonia, sozinho, desamparado, lançou aos céus em desespero uma pergunta sem resposta. Neste ponto, paro de frescura, levanto-me e vou trabalhar.

A cultura nos mostra, por um lado, que os nossos sofrimentos, que julgamos tão penosos e tão únicos, não são nossos, mas da humanidade inteira. Não nos acometem porque há algo de errado conosco, mas porque somos humanos. De outro, que mesmo esses sofrimentos que tanto nos doem, perto daqueles que já acometerem outras pessoas, são pequeninos, quase bobos. Assim, podemos encará-los como encaramos uma dor de barriga ou uma gripe: Fatalidades da nossa condição que não estão sob nosso controle e que nos cumpre tolerar com paciência e serenidade. A cultura nos tira do nosso isolamento e nos revela que o tormento que julgávamos ser só nosso é de todos.

Se no nosso tempo, que oferece menos causas externas para o sofrimento do que qualquer outro, as pessoas parecem sofrer mais que em todos os outros, creio que a abismal falta de cultura que o caracteriza, a ausência completa de modelos circulantes da normalidade humana, sem dúvida é um fator de peso nisso. Qualquer sofrimento diminuto dói dez vezes mais quando estamos convencidos de que as outras pessoas estão rindo enquanto só nós, por um defeito nosso, choramos.


Foto:

Viktor Frankl na Disney World

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Parasita Causa Ansiedade

Milhões de pessoas têm parasitas, que podem influenciar pensamentos, comportamentos, promiscuidade, enfraquecer o sistema imunológico, causar fadiga, problemas intestinais e até distúrbios mentais, mas os

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *