iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Kyle Smith. Leia o artigo completo no National Review.

Uma das palavras de ordem do momento é “badass” (durão). É curioso observar mulheres jovens aplicando o rótulo a si mesmas (embora pareça ser como aqueles,como “intelectual” e “herói”, que só podem ser concedidos por outras pessoas), mesmo quando elas se desintegram publicamente à menor transgressão percebida. Você pode realmente ser “durona” se você ao mesmo tempo declara estar traumatizada por um encontro ruim, ou por um homem dizer que achava você atraente, ou por ser interrompida por um homem em uma reunião? Muitas vezes, a autoproclamada nos diz que alguma infração cotidiana masculina a deixou sem ar, sem fala, ou com náuseas ou incapaz de trabalhar. Por que as mulheres “fortes e confiantes” de hoje costumam mostrar publicamente fraqueza e incapacidade de lidar com isso?

Porque, como disse George Will, a vitimização confere privilégios. Em outras palavras, ser sensível, agora, transforma você numa arma. Chris Matthews fez uns dois galanteios para uma mulher no trabalho; isso “minou minha capacidade de fazer bem meu trabalho”, relatou a mulher, como se tivesse sido agredida ou passado por uma lavagem cerebral; e os sindicatos da MSNBC foram obrigados a aceitar, na atual atmosfera de caça às bruxas, a sua ridícula palavra de que aquele tinha sido um evento arrasador. Matthews foi demitido. Demitir era, realmente, o único remédio adequado? Nem desculpas, nem suspensão – apenas um haraquiri on line ritual não seria suficiente? 

Quando jovem, passeando pelas ruas de Manhattan no início dos anos 90, a escritora Meghan Daum atraía comentários sexuais indesejados de trabalhadores da construção civil. Sua resposta era virar um dedo médio indiferente e continuar seu caminho. Ser capaz de rir ou ignorar o comportamento grosseiro é um sinal de força que as mulheres mais jovens estão reformulando como “patriarcado internalizado”. Daum se recusa a ver os homens como uma ameaça coletiva. Quem se comporta mal é um “constrangimento para si mesmo”, ela escreve. “Suas agressões não eram pessoais nem políticas. Eles eram apenas idiotas.”

Daum, nascida e criada feminista, que participou de marchas em nome da Emenda dos Direitos Iguais e Roe v. Wade e nunca, em sua vida, votou em um republicano, está agora com quase 40 anos. Em O problema com tudo : minha viagem através das Novas Guerras Culturais, ela aconselha as jovens feministas trêmulas e provocadas de hoje: “Cresça”. Ser mulher acarreta certos custos, ela concorda, mas também muitos benefícios contrabalançados. A feminilidade tóxica existe tão certamente quanto a variedade masculina. Negociar situações sexuais constrangedoras ​​ou desagradáveis ​​é algo que os adultos precisam aprender a fazer, ela sustenta, e dificilmente acontece que apenas as mulheres saiam dessas situações com arrependimentos. Por que a mulher que escreveu um artigo de vingança pornográfica, de 3.000 palavras, sobre seu encontro ruim com Aziz Ansari não conseguiu simplesmente interromper o encontro desagradável enquanto ele acontecia? Por que ela não “ficou de pé com as duas pernas e saiu pela porta”, como disse, de forma memorável, Bari Weiss, do New York Times? Não é ser muito valentona ficar calada e passiva num encontro sexual e dai ser furiosamente desagradável depois. “Você não é uma durona” era o título original do livro de Daum.

Daum examina o cenário do ultraje feminista com descrença: os Estados Unidos podem ser, realmente, um dos dez piores países do mundo para mulheres? Assim, alegou uma pesquisa da Thomson Reuters de 2018 com “especialistas em questões femininas”, ou seja, feministas profissionais. Os gorros de vagina da Marcha das Mulheres de 2017 não eram um pouco assustadores? Os alunos de Harvard ficaram realmente “inseguros” com la presença de um reitor e advogado que eles perseguiram por participarem da defesa legal de Harvey Weinstein? Vale a pena zangar-se com “manspreading” e “mansplaining”? Daum se pergunta se “o próprio feminismo é um pânico moral”, uma vitimização performativa que não faz bem a ninguém. Recordando uma amiga que enfrentou uma situação (repulsiva) envolvendo mau comportamento sexual masculino no trabalho na década de 1990, ela repete um conselho útil: “Troque de cadeira e siga em frente”.

Da estabilidade da meia-idade, Daum olha para trás, com seus 20 e poucos anos, com uma perspectiva sábia sobre a dinâmica sexual. Ela costumava almoçar com um homem mais velho que ela achava que poderia promover sua carreira. Almoços se transformaram em jantares e jantares se transformaram em algo parecido com encontros. As coisas nunca se tornaram sexuais, mas a possibilidade pairava no ar e, a certa altura, ele a convidou para sua casa para um fim-de-semana. Ela recusou e ele pediu desculpas por convidar. Daum hoje entende que estava alavancando seu poder sexual, provocando o homem mais velho, para ajudar suas perspectivas de carreira. Se houve um desequilíbrio de poder aqui, não é óbvio quem teve a vantagem. Ela cita as “inúmeras maneiras pelas quais as mulheres freqüentemente têm poder sobre os homens: no uso do sexo como ferramenta de manipulação, na dinâmica daq criação dos filhos, hoje, a capacidade de interromper uma conversa citando privilégios masculinos. . . . A dinâmica do poder muda entre todos os tipos de pessoas o tempo todo.” A visão feminista de conquistadores masculinos e vassalas femininas forçadas a executar suas ordens ou suportar seus abusos não chega nem perto da verdade. Engraçado como o abuso psicológica é, hoje em dia, uma suposta especialidade masculina. “Na minha experiência de vida”, Daum escreve, “as habilidades das mulheres de abuso psicológico geralmente excedem, em muito, as da maioria dos homens.” Ouça ouça. “As habilidades de iluminação de gás das mulheres geralmente excedem em muito as da maioria dos homens.” Ouça ouça. “As habilidades de iluminação de gás das mulheres geralmente excedem em muito as da maioria dos homens.”

Daum lida com um certo fascínio por um grupo de contrários que ela chama de “Free Speech YouTube” e outros chamam de “Intelectual Dark Web”. Principalmente, são pensadores e podcasters que questionam a esquerda de dentro da cidadela – Bret Weinstein, John McWhorter, Joe Rogan e Sam Harris – embora alguns sejam conservadores como Jordan Peterson. Não é que ela concorde com tudo o que dizem; ela apenas gosta da estranheza da conversa. Infelizmente, tanta coisa foi descartada que, à esquerda, é quase um ato de rebelião alguém manter o equilíbrio intelectual, reconhecer que as coisas não são tão ruins e que vamos nos atrapalhar. Ela escreve tristemente: “Tão encantados com a nossa indignação nos extremos, esquecemos que a maior parte do mundo existe no quase inquestionável meio”.

Quão estranho deve parecer não mudar as crenças de alguém e, apesar disso, ser tratado como um apóstata. Escreve Daum: “Me acorde quando acabar.”

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise

O “Great Reset”

Hilde Schwab, esposa de Klaus Schwab, e Charlize Theron no Fórum Econômico Mundial […] O fundador do Fórum Econômico Mundial, Klaus Schwab, enfatizou repetidamente como

Leia Mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *