iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Criados como centros de conhecimento, agora treinam como viver num Estado totalitário

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Os efeitos sociais da tomada de poder do COVID universitário serão sentidos quando os alunos deixarem a faculdade e entrarem no mercado de trabalho.

Os campi universitários norte-americanos haviam imposto regras extremas contra a microgestão. Agora acrescentaram medidas muito restritivas com relação ao vírus chinês.

Apesar de as mensalidades serem caríssimas e o estudo remoto, e muito inferior ao presencial, os alunos são impedidos de usar os serviços e instalações pelos quais estão pagando. 

Muitas universidades proíbem os alunos de receber hóspedes em seus dormitórios. Outros até instalaram câmeras de segurança nos corredores voltadas para as portas dos moradores para monitorar a aderência. 

A maioria das instituições tem dormitórios de isolamento ou, como alguns alunos os chamam, “prisões de isolamento”, onde os alunos positivados para COVID são forçados a viver sozinhos por duas semanas. 

Muitos alunos devem usar máscaras o tempo todo, inclusive ao ar livre e em academias. 

Apesar de os dados do COVID sugerirem, fortemente, que estar em forma e saudável é essencial para se proteger do vírus, as universidades “pró-ciência” mantêm ginásios fechados. Elas berram para “seguir a ciência” como se a ciência fosse uma religião sem crescimento, questionamento ou margem de erro, mas no fim, só elas não podem ser questionadas. 

Na University of Wisconsin – Madison, os alunos são forçados a fazer os testes COVID a cada quatro dias. Do contrário, perdem o acesso aos prédios da universidade. Para os testes, os alunos devem baixar um aplicativo, que muitos acreditam ser uma invasão de privacidade. Connor Hess,um aluno explicou que, embora a universidade afirme não os estar rastreando, o aplicativo pede constantemente aos alunos que ativem os serviços de localização “opcionais”. O aplicativo usa Bluetooth para monitorar se grupos de alunos estão se reunindo e quem são os alunos. Disse Hess:
“Eles estão rastreando nossos movimentos. Eles dizem que só têm serviços de localização para que agora você possa ver onde estão os locais de teste, mas não sei se acredito totalmente nisso”.

Se você perder os testes há “consequências administrativas”. As punições incluem não poder usar o Wi-Fi do campus, ser impedido de acessar suas transcrições e proibido adicionar ou abandonar aulas. 

Os alunos também podem ser colocados em “liberdade condicional”, que será anotada em seu histórico escolar e afetará sua possibilidade de estudar no exterior. No final, as consequências por não seguir estritamente os regulamentos do COVID da universidade levam à suspensão. Sistemas disciplinares semelhantes foram implementados em universidades de todo o país. 

Como muitas outras faculdades, minha escola, a Universidade de Chicago, criou uma “lista de delatores”, na qual os alunos podem denunciar anonimamente colegas de classe por terem uma pequena reunião ou não usarem uma máscara corretamente. 

Os alunos denunciados às autoridades universitárias em todo o país por terem amigos tiveram suas matrículas suspensas, foram expulsos do alojamento universitário e até mesmo suspensos. Este software soviético é divisivo e perturbador e muitas vezes é aplicado de forma injusta e às vezes usado por alunos para atingir colegas de quem eles não gostam ou para se vingar. 

Um grupo de nove calouros da Universidade de Chicago foi denunciado à lista de informantes depois de tirar uma foto em frente a um dos prédios da universidade. Depois que a foto foi postada nas redes sociais, o grupo foi notificado por não ficar a dois metros de distância, embora os alunos estivessem do lado de fora e todos os alunos na foto usassem uma máscara. A maioria dos calouros retratados eram membros do Chicago Thinker, um jornal estudantil conservador / libertário no campus. 

Tamanho é o medo de ser humilhado ou assediado socialmente, no campus, por violações do COVID que, quando perguntei aos alunos da foto denunciada se eu poderia compartilhá-la neste artigo, todos disseram não e pediram que eu não usasse seus nomes neste artigo. Os poucos que aceitaram falar comigo disseram que temem chamar mais atenção para si próprios e para a polêmica. Mais importante ainda, os alunos têm medo de serem discriminados por futuros empregadores.

Os alunos explicaram que as apostas são altas. Após uma infração adicional, como a foto notificada, eles podem ser expulsos dos alojamentos. Um calouro disse que está preocupado se for identificado, ele será “implacavelmente ridicularizado nas redes sociais” e “provocará os esquerdistas a me denunciarem maliciosamente por despeito”. (O pronome masculino singular é usado aqui para maior clareza da frase, mas os alunos anônimos neste artigo podem ser mulheres.)

Um dos alunos na foto concordou, dizendo que não sabe quem os denunciou, mas percebeu que a punição não é aplicada igualmente a alunos esquerdistas no campus, que geralmente não têm medo de ser denunciados e se envolveram com os tumultos do Black Lives Matter no campus sem sofrer nenhuma consequência. 

“Cheira a segmentação quando você sabe que os alunos esquerdistas não temem as repercussões quando postam vídeos deles próprios queimando coisas em propriedades privadas, enquanto os alunos conservadores e sem máscara devem ter medo de tirar uma foto mascarada do lado de fora, na qual têm apenas 1,5 metro à parte ”, disse o aluno.

“A histeria em torno das restrições do COVID gerou um ambiente de julgamento e medo tão extremos que não podemos nem funcionar como seres humanos normais sem estar no limite”, disse o primeiro aluno. “É preocupante que as pessoas estejam monitorando você e preenchendo relatórios apenas por tirar uma foto com amigos, o que, claro, é algo que todo mundo faz no campus”.

Um dos calouros conservadores estava com tanto medo de ser mencionado que me enviou este e-mail frenético após uma conversa cordial por telefone em que prometi não postar a foto do grupo:

Bem-vindo à nova ordem mundial, onde os americanos vivem sob um sistema de crédito social como o que o Partido Comunista na China usa para controlar seu povo. A cada Snapchat e retweet, as pontuações sociais são atualizadas e alteradas.

Se você aderir à ortodoxia de esquerda, ficará bem. Se você se desviar da norma, será punido social e profissionalmente. Os jovens de hoje estão perfeitamente cientes disso. Eles obedecem, em vez de se rebelarem – até mesmo alulnos conservadores e libertários. É nossa nova realidade. 

Enquanto a geração de hoje é complacente e submissa em face do exagero da universidade em suas vidas pessoais, as feministas da década de 1960 se rebelaram contra regras onerosas e intrusivas. Antes do movimento feminista dos anos 1960, as mulheres nas faculdades estavam sujeitas a decretos universitários excessivos e sexistas . Elas tiveram que aderir a códigos de vestimenta estritos e toques de recolher. Os pais das alunas tinham que preencher um formulário articulando a permissão específica para sua filha deixar o campus durante o ano letivo e eles tinham que incluir como ela poderia viajar e com quem ela poderia ficar. Essas regras contribuíram para uma revolução cultural. 

A renomada acadêmica feminista americana, professora e crítica cultural Camille Paglia esteva na faculdade durante esses tempos repressivos e esteva na linha de frente do movimento feminista dos anos 1960. Ela se juntou a outras mulheres de seu tempo na luta contra as regras paternalistas sobre a vida de estudantes universitários adultos – especialmente mulheres.

Ao longo dos anos, ela tem sido uma crítica veemente de como o feminismo moderno mudou e abraçou a paparicação, o monitoramento e a intrusão de administradores universitários nas vidas e relações interpessoais nos campi universitários, especificamente em resposta à propaganda histérica da “cultura do estupro”.

Paglia, professora da University of the Arts da Filadélfia, desde 1984, explica como o ativismo dos anos 1960, ao contrário do esquerdismo moderno, “desafiou, repreendeu e restringiu a autoridade na busca pela liberdade e igualdade”. Os alunos queriam “menos vigilância e paternalismo, não mais”. Os esquerdistas e feministas modernos, por outro lado, minam ativamente a liberdade intelectual e a diversidade nas universidades americanas e retrocederam a avanços importantes feitos durante os anos 1960.

Enquanto estudantes amantes da liberdade, como Paglia, expulsaram a administração autoritária da vida pessoal dos estudantes adultos, os esquerdistas de hoje os convidaram a voltar, com ferramentas de vigilância assustadoras.

A verdade é que as regras opressivas do COVID, muitas das quais violam as liberdades civis, são uma extensão dos sufocantes códigos de discurso e espaços seguros tão populares nos campi universitários. A liberdade de expressão já foi a “principal arma” da esquerda, de acordo com Paglia. Os alunos esquerdistas de hoje imploram por mais regulamentação e entregam seus colegas que não se submetem. Sentindo-se desamparados e em menor número pelas vozes dos guerreiros da justiça social no campus, a maioria dos estudantes universitários fica apavorada, submetendo-se e silenciando.

Este ano, a Universidade de Chicago me forçou a assinar um “Reconhecimento e Atestado de UChicago sobre COVID-19” de quase 2.000 palavras ou a ter minha carteira de aluna desativada. Se você precisar de mais provas de que os administradores universitários estão infantilizando universitários adultos, aqui está um trecho do acordo COVID-19 que tive que assinar:

Concordo que a Universidade pode divulgar violações deste atestado e de outros protocolos ou orientações relacionadas ao COVID-19 estabelecidas pela Universidade e pelas autoridades de saúde pública aos meus pais, responsáveis ​​legais e outros terceiros, conforme permitido pela Lei de Privacidade e Direitos Educacionais da Família

É o que acontece quando as universidades têm mais administradores e advogados do que professores. Durante anos, Paglia advertiu que “a burocracia do campus inchada, fortalecida por regulamentações federais intrusivas”, é o punho poderoso que esmaga a liberdade nas universidades. 

Os efeitos sociais da tomada de poder do COVID universitário serão sentidos quando os alunos deixarem a faculdade e entrarem no mercado de trabalho. Os recém-formados irão aumentar o número crescente de jovens aterrorizando executivos e colegas de trabalho com ameaças de justiça social e extorsões. O restante dos americanos ficará impotente diante da intimidação esquerdista, tendo sido dessensibilizados, na faculdade, a regras e regulamentos opressores, que invadem suas vidas pessoais e liberdade individual.

Este artigo foi publicado originalmente no Chicago Thinker.Evita Duffy é estagiária no The Federalist e júnior na University of Chicago, onde estuda história americana. Ela adora o Meio-Oeste, os esportes lenhadores, a escrita e sua família. Siga-a no Twitter em @ evitaduffy_1Foto Pexels / Foto

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *