iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

A narrativa dominante leva a uma identidade contingente

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entrevista do historiador, e pastor, Carl Trueman, sobre seu último livro, A Ascenção e o Triunfo do Eu Moderno: Amnesia Cultural, Individualismo Expressivo, e a Estrada para a Revolução Sexual. Seu foco mais recente são as questões históricas que cercam o desenvolvimento de noções de personalidade humana, uma vez que se conectam ao desenvolvimento de costumes sociais e tribalismo político.

RD: Ken Myers uma vez me disse que a maioria dos apologistas cristãos tenta explicar o cristianismo ao mundo moderno, mas no Mars Hill Audio Journal , eles vêem sua missão como explicar o mundo moderno ao cristianismo. Esse é o espírito do seu livro. Por que isso é necessário?

CT: Muitos cristãos operam com paradigmas errados para entender o que está acontecendo ao seu redor, particularmente na área da revolução sexual. Isso significa que podemos não compreender totalmente o significado do que vemos ao nosso redor e também atrapalha nosso testemunho. Assumimos que a revolução sexual visava – visa – expandir o cânone do comportamento sexual aceitável. Não é isso. Na verdade, trata-se de uma mudança/ deslocamento fundamental em como entendemos nossa humanidade. O sexo, agora, é entendido como central para a identidade, não simplesmente uma atividade. A menos que entendamos isso, não veremos a profundidade do problema que enfrentamos, nem seremos capazes de nos envolver de forma significativa com os que são as vítimas da revolução. Minha esperança é que meu livro ajude os cristãos, e de fato outras pessoas preocupadas com a direção que nossa cultura está tomando, a compreender exatamente o que está acontecendo e o que está em jogo. Tomara que isso os ajude a começar a formular respostas apropriadas.

Muitos cristãos, hoje, ficam envergonhados com o ensino sexual cristão tradicional, e o vêem como uma bola e uma corrente que a igreja precisa perder para poder atrair as pessoas contemporâneas. Por que isso está errado?

É errado porque presume que o ensino sexual cristão trata, simplesmente, de comportamento e, como tal, pode ser relativizado como um papel das convenções de sociedades particulares, sem significado universal. No entanto, isso é incorreto teologica e antropologicamente. Teologicamente, não consegue ver que o sexo é uma analogia de Cristo e da igreja. Antropologicamente, não consegue ver que nossa ética sexual está diretamente relacionada ao nosso entendimento do que significa ser uma pessoa humana. Aceitar a narrativa sexual contemporânea é aceitar duas noções (não obviamente consistentes): que o desejo sexual constitui nossa identidade; e que a atividade sexual nada mais é do que recreação, cuja moralidade não é intrínseca ao ato, mas meramente determinada pela concessão ou recusa do consentimento. Nenhuma delas é compatível com as noções cristãs ortodoxas da personalidade humana. A primeira trivializa o que significa ser humano; a última trivializa o que o sexo representa. Nenhum cristão pode fazer qualquer uma dessas coisas e afirmar que ainda representam a ortodoxia.

Por que parece que quando as pessoas desistem da ortodoxia sexual cristã, mais cedo ou mais tarde desistem do próprio cristianismo?

Sem dúvida se o que quero dizer na resposta anterior estiver correto, então este se torna o resultado mais provável. Abandonar a ortodoxia sexual cristã não é simplesmente ampliar o cânone de práticas sexuais aceitáveis. É revisar os principais elementos teológicos e antropológicos da fé cristã. E uma vez que você fizer isso, você estará no caminho certo não apenas para revisar a fé, mas para transformá-la, na melhor das hipóteses, em pouco mais do que os gostos morais da cultura contemporânea. Você pode muito bem expressar isso na linguagem da piedade cristã tradicional, mas na verdade está separando essa linguagem do conteúdo cristão tradicional. Infelizmente, a doutrina e a ética cristãs simplesmente não devem ser decididas por grupos de foco, nem devem ser reflexos ou afirmações do gosto popular.

Muitos de meus amigos cristãos ponderados não conseguem entender por que ou como essa revolução total no sexo, na família e na identidade sexual nos atingiu tão rapidamente. Mas se você olhar para ela em termos de antropologia cultural – isto é, sobre como pensamos de forma tão diferente sobre o que significa ser uma pessoa agora, um eu – faz sentido. Por que?

A aparência de velocidade é, na verdade, um tanto enganosa. Claro, o colapso específico dos costumes sexuais tradicionais aconteceu muito rapidamente, mas esta é simplesmente a mais recente, embora dramática, manifestação cultural da noção normativa do eu que vem se formando ao longo de um extenso período de tempo na cultura ocidental. A mudança para o espaço interior, para os sentimentos, como fundamento da identidade, foi feita por Rousseau e seus herdeiros, no movimento romântico. Esses sentimentos foram sexualizados por Freud e seus seguidores, que viram o desejo sexual como o aspecto mais fundamental de nossa identidade e, assim, transformaram o sexo, de algo que fazemos, para o que somos. E os últimos cinquenta anos foram construídos com base no trabalho de homens como Wilhelm Reich e Herbert Marcuse, que deram o passo óbvio uma vez que a identidade está alicerçada no desejo sexual: a liberação sexual se torna uma parte fundamental da liberação política. A narrativa é, obviamente, mais complicada – tecnologia, cultura popular, etc., todas desempenham seu papel. Mas o ponto básico é que a revolução sexual não é um fenômeno isolado, mas sim um sintoma de desenvolvimentos profundos e duradouros dentro da cultura ocidental.

Você destaca que os conservadores sociais apontam para o “individualismo expressivo” como a fonte de tanta desordem hoje, mas eles não conseguem ver como eles também são individualistas expressivos. O que você quer dizer e por que isso importa?

O individualismo expressivo é a ideia de que cada um de nós encontra nossa humanidade dentro de nós mesmos e nos vemos como mais autênticos quando a expressamos externamente. Talvez o exemplo mais extremo, na sociedade atual, seja uma pessoa transexual que só sente que é realmente quem é quando pode agir em público de acordo com o gênero como sente ser por dentro. Mas todos nós somos indivíduos expressivos porque é o próprio ar cultural que respiramos. O libertário radical opera com a mesma noção de autonomia individual. A pessoa religiosa escolhe ser religiosa e então escolhe qual religião seguir. Todos nós vemos nossas roupas e nossos pertences como expressões de nós mesmos. Cada um de nós pode encontrar alguns exemplos de individualismo expressivo mais aceitáveis, de bom gosto ou “normal” do que outros, mas todos nós, como consumidores ocidentais democráticos, estamos envolvidos, no fenômeno em um nivel profundo.

Uma coisa que fica evidente ao ler este livro é a enorme importância da história para entender por que as coisas são como são. Suponho que isso seja sempre verdade, mas é desconcertante para mim como tantos de nós modernos somos desinteressados ​​pela história. Por que isso acontece, e por que isso prejudica a igreja ao tentar formar e discipular os jovens?

Charles Taylor ressalta em A Secular Age que a modernidade se apresenta como o surgimento natural do que os seres humanos realmente são. Isso ajuda a explicar parcialmente, por exemplo, por que a ciência se tornou uma força tão poderosa em nossa concepção intuitiva do mundo. Mas o que a modernidade realmente está fazendo é implantar uma narrativa dominante que nos cega para a construção histórica que é a modernidade e, por exemplo, a gama de identidades às quais ela confere legitimidade, todas elas realmente contingentes/eventuais historicamente. Os que foram educados em versões desta narrativa – seja aquela que vê a história como uma história de progresso e melhoria ou um conto de opressão e desgraça, da qual o presente agora está nos liberando – serão pouco inclinados a ver o passado como uma fonte de sabedoria e suas próprias identidades como menos do que naturais e absolutas. É interessante notar que parte da hostilidade inicial ao meu livro alegou que ele é perigoso para os gays – contudo, tive o cuidado de ser imparcial em minha análise. Meu crime, eu suspeito, é que apliquei ao movimento LGBTQ + a abordagem que ele aplica aos outros e mostrei, dessa forma, a contingência histórica, até mesmo a novidade, de suas identidades constituintes que ele lutou tanto para naturalizar.

Seu livro destaca três filósofos contemporâneos que você acredita serem particularmente importantes para a compreensão da condição moderna. Resumidamente, você poderia dizer quem eles são e por que são importantes?

Philip Rieff, um sociólogo freudiano, é a chave de minha narrativa porque viu a importância do surgimento da cultura terapêutica. O “triunfo do terapêutico”, como ele o chama, é o seu termo para descrever um mundo que torna a satisfação psicológica pessoal do indivíduo o centro de sua imaginação moral. O resultado é que a cultura mais ampla é reconfigurada de tal forma que qualquer coisa que possa impedir isso – digamos, as categorias tradicionais de moralidade sexual – tenha que ser desmantelado. Talvez os exemplos mais óbvios dos últimos dias tenham sido fornecidos pelo ensino superior, em que os professores se viram em apuros por fazer os alunos se sentirem “inseguros” simplesmente porque apresentaram ideias das quais os alunos discordam. Os debates em curso sobre liberdade de expressão e liberdade de religião são emblemáticos da natureza terapêutica de nossa cultura.

Charles Taylor me deu o insight fundamental de que nossas patologias culturais contemporâneas são funções da natureza do eu – da maneira como intuitivamente pensamos sobre nós mesmos em relação ao mundo ao redor. Sua identificação dos românticos como fazendo o movimento chave, para dentro, em direção ao sentimento e sensação, definindo como pensar a si mesmo no mundo moderno é extremamente importante.

O insight de Alasdair MacIntyre – de que o discurso moral moderno carece de qualquer metanarrativa acordada e, portanto, é realmente uma batalha entre diferentes preferências emocionais – foi importante para mim porque ajudou a explicar a futilidade dos debates morais atuais, e por que eles tendem a se transformar, muito rapidamente, em mútua recriminação e acusações de fanatismo irracional. A alegação da Suprema Corte em Estados Unidos v. Windsor, de que as objeções religiosas ao casamento gay estavam enraizadas no animus constitucional e, portanto, nada mais do que homofobia, é um exemplo clássico.

Carl R. Trueman

Nietzsche, Marx e Darwin são familiares para muitos leitores como pensadores do século 19 que o fizeram muito para diagnosticar e moldar a mente moderna. Achei sua discussão sobre os românticos esclarecedora. Como eles se encaixam no quadro?

Os românticos são importantes porque aprofundam e elaboram o movimento de Rousseau, para o espaço psicológico interno, como a fonte de nossa humanidade e individualidade. Curiosamente, alguns deles também antecipam muitas das tendências culturais de nossos dias: Shelley e Blake, por exemplo, atacam o casamento tradicional e o cristianismo ortodoxo no qual ele então se baseava, e também defendem o amor livre. Os românticos fazem isso por meio de meios artísticos: poesia, romance, música, pintura – que têm apelos diretos, emocionais e estéticos. Ao fazer isso, eles iniciam o processo pelo qual as convicções da elite cultural começam a se infiltrar na sociedade e, apelando principalmente para a imaginação e as emoções, têm influência de uma forma muito mais pungente do que qualquer argumento ou tratado filosófico de peso poderia já fez.

No início do livro, você diz que não está escrevendo com espírito de lamento. Por que você achou necessário dizer isso?

A lamentação é popular nos círculos cristãos. Na verdade, isso não é monopólio da época atual. Como historiador da igreja, encontro exemplos do clamor de “O tempora! Ó mores! ” ser perenes resistentes da vida da igreja ao longo dos tempos – provavelmente o resultado do fato de que os cristãos sempre esperam a perfeição, mas nunca a encontram nesta terra. Hoje, em particular, à medida que a imaginação moral da cultura se torna mais antitética à do cristianismo, a tentação de lamentar é particularmente aguda. Mas isso é problemático em pelo menos duas frentes. Primeiro, pode, na verdade, apenas ser mais um sintoma de uma cultura terapêutica mais ampla. A lamentação pode, estranhamente, fazer com que nos sintamos melhor sobre nós mesmos, ao nos reassegurar da nossa superioridade, que vemos o problema e, portanto, não podemos ser parte dele. Mas também é bastante preguiçoso. Se passarmos o tempo todo lamentando, nunca começaremos realmente a reagir com ações que possam fazer a diferença. Aprendi, assistindo Robby George durante meu ano em Princeton, que a resposta aos contratempos não é passar muito tempo chorando, mas, em vez disso, dizer: “OK, isso é ruim – então o que podemos fazer para melhorar as coisas? Como devemos reagir?” Portanto, escrevi meu livro não como um lamento, mas como uma peça de análise cultural que, espero, esclareça as questões para que os cristãos possam começar a pensar de maneira informada sobre o que podemos esperar e como podemos reagir.

O sociólogo religioso Christian Smith disse que, se a igreja deseja ter esperança de falar às gerações mais jovens, ela terá que abandonar o moralismo e começar a falar à sua imaginação. Não pensei que ele quisesse dizer que a igreja deveria abandonar seus ensinos morais, mas, sim, apresentar o cristianismo como algo mais do que um código moral. Com base em seu trabalho neste livro, Smith está no caminho certo?

Sim. O moralismo e, de fato, a retórica marcial da guerra cultural não repercutem na nova geração. Para ser franco, dado o quão culturalmente marginalizada a igreja está se tornando, esta não é nada mais do que uma postura machista, até mesmo um tipo de terapia que simplesmente permite que alguns sintam que são importantes e fazem a diferença quando na verdade não fazem. Mas é melhor nos concentrarmos em fazer nosso protesto, contra a cultura secular mais ampla, de maneiras mais positivas. É aí que entra a comunidade: as igrejas precisam construir comunidade em torno de um ensino cristão claro, adoração cristã séria e amor cristão prático. Bem feitas, essas coisas podem agarrar a imaginação porque oferecem uma visão de algo melhor do que as comunidades frágeis e as satisfações superficiais do consumismo. Dizer às pessoas que a forma como vivem é errada não tem nenhuma plausibilidade a menos que seja colocada contra o cenário de uma visão de algo melhor.

Você foi pároco e preparou jovens para o pastorado. Quais são as coisas mais importantes para os pastores saberem hoje sobre ministrar às pessoas nesta cultura? E para os cristãos leigos? As coisas podem parecer muito complexas e avassaladoras.

Obviamente, o evangelho não mudou, então a primeira tarefa do pastor é ensinar todo o conselho de Deus. Mas quando se trata de questões éticas, particularmente aquelas relacionadas a questões de sexo e pessoalidade, é importante que o pastor não presuma que todos na congregação pensam da maneira que ele pensa. Um ensino claro sobre esses assuntos, que mostre como eles se relacionam com todo o conselho de Deus, é vital. Não podemos ensinar essas coisas de maneira atomística. Quanto aos cristãos leigos, eles também devem ser incentivados a se informarem sobre essas questões. Poucos têm tempo para ler um livro de mais de 400 páginas sobre o assunto (!), Mas existem bons lugares para encontrar boas explicações e críticas da cultura hoje – TAC , First Things, Public Discourse, etc. Leia com sabedoria, com freqüência e bem.

Onde você encontra esperança? A resposta padrão, e a resposta correta, é “somente em Cristo”, mas dê-nos algo mais tangível. Você acha que o Cristianismo pode sobreviver à modernidade?

Sim, acho que a igreja pode sobreviver. Em primeiro lugar, Deus prometeu muito. Caso encerrado. Mas isso não é desculpa para complacência. Acho que a comunidade é uma grande parte da resposta, como você argumenta em The Benedict Option  e novamente em Live Not By Lies. Se a narrativa básica do seu trabalho e do meu livro estiverem corretas, então veremos uma crescente instabilidade e empobrecimento da vida comunitária no futuro. E as pessoas anseiam por comunidade. É aí que a igreja, com um credo, código e culto definidos, pode realmente fazer a diferença para as pessoas. Podemos ser a comunidade que as pessoas desejam, não em seus termos, é claro, mas, não obstante, de uma maneira que dê dignidade e significado à sua humanidade de uma forma que outras alternativas não podem dar, por mais que tentem. Isso vai ser difícil – como um inglês notório, quase estremeço só de pensar! – mas necessário. Afinal, o próprio Jesus disse que assim todos saberão que vocês são meus discípulos: pelo amor que vocês têm uns pelos outros. Em outras palavras, comunidade, informada pela doutrina cristã, adoração e amor, é a melhor ferramente evangelística que há.

O livro, novamente, é The Rise and Triumph Of The Modern Self , de Carl R. Trueman.

SOBRE O AUTOR

Rod Dreher é editor sênior do  The American Conservative. Um veterano de três décadas de jornalismo de revistas e jornais, ele também escreveu três best  sellers do New York Times – Live Not By Lies , The Benedict Option e  The Little Way of Ruthie Leming -bem como  Crunchy Cons   e  Como Dante pode salvar sua vida. Dreher mora em Baton Rouge, Louisiana.

Fonte:
www.gcc.edu/Home/Staff-Directory/Staff-Detail/renowned-christian-scholar-carl-trueman-to-join-faculty

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

O Apego ao Velho

Minha esposa e eu somos viciados em programas de reforma. […] Nós […] apimentamos cozinhas, banheiros destruídos e trocamos espaços. Nós os invertemos, os destruimos, os consertamos

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *