iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

C. H. Sommers, filósofa e pró feminismo de equidade analisa o conceito e consequências do modismo.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Imagem de um slide usado em sala de aula de universidade. Como nota o tuíte, trata-se de doutrinação manifestamente racista.

Microagressão é um conceito criado pelo psicólogo Derald Wing Sue. Como ele sintetiza em Microaggressões Raciais no Cotidiano. Implicações para a Prática Clínica:

 “Microagressões raciais são indignidades verbais, comportamentais ou ambientais breves e corriqueiras, sejam elas intencionais ou não, que comunicam desprezos e insultos raciais hostis, depreciativos ou negativos contra pessoas de cor. Os perpetradores de microagressões muitas vezes não sabem que se envolvem em tais comunicações quando interagem com minorias raciais / étnicas. Uma taxonomia de microagressões raciais na vida cotidiana foi criada por meio de uma revisão da literatura psicológica social sobre o racismo aversivo, a partir de formulações sobre a manifestação e o impacto do racismo cotidiano e da leitura de numerosas narrativas pessoais de conselheiros (brancos e negros) em seu despertar racial / cultural. As microagressões parecem aparecer em três formas: microinvestida, microinsulto e microinvalidação. Quase todos os encontros inter-raciais são propensos a microagressões; este artigo usa o conselheiro White – cliente de cor da díade de aconselhamento de cores para ilustrar como eles prejudicam o desenvolvimento de uma aliança terapêutica. São discutidas sugestões sobre educação, treinamento e pesquisa nas profissões de ajuda.

  Palavras-chave: microagressão, microassalto, microinsulto, microinvalidação, ambigüidade atribucional “

(grifos nossos)

Christina Hoff Sommers explica as inconsistências de Sue:


[…] De acordo com o professor Derald Wing Sue da Columbia Teacher’s College, microagressões são aqueles comentários ou gracejos diários usados pelos privilegiados para manter os outros em seus lugar.[…]


Microagressões podem parecer triviais. Mas Sue e seus colegas argumentam que elas são perigosas por causa de sua trivialidade. Com o tempo, diz a teoria, microagressões se acumulam para formar um sistema de controle invisível, implacável e degradante. O professor Sue resumiu os danos que eles infligem em seu influente tratado Microaggressões na Vida Cotidiana. “Elas esgotam a energia psíquica … produzem problemas físicos de saúde, reduzem a expectativa de vida – e negam acesso igual à educação … ”


As faculdades agiram rapidamente para proteger seus alunos. Em Berkeley, Carolina do Norte e na Universidade de Minnesota, o treinamento em microagressão é uma parte fundamental da educação em diversidade. Na
Universidade de Santa Cruz, um professor de psicologia até desenvolveu um aplicativo móvel de microagressão.


Os alunos parecem estar denunciando principalmente piadas idiotas. Por exemplo:
– Eu disse a um amigo que se identifica como sendo do sexo masculino que estou fazendo um curso chamado“ Vida das Mulheres”.
Ele disse brincando:- Então, você vai aprender a fazer um sanduíche?

Outro exemplo:”Meu amigo perguntou se eu estava bebendo no ‘Cinco de Drinko’. [uma alusão ao Cinco de Maio] isto me
ofendeu, pensar que uma batalha significativa na história mexicana se tornou uma piada.”

Caro ofendido: Não foi uma batalha significativa. Eles estavam lutando contra os franceses. Quase​ ​ninguém no México se ​importa com este feriado. É em grande parte a invenção dos distribuidores de Tequila e da cerveja Corona nos EUA.[…]

Mais de 200 faculdades estabeleceram Equipes de Reação a Discriminação, que entram em ação em resposta a microeventos no campus. A equipe de preconceito de Wisconsin-Platteville
recebeu uma dica anônima de que 3 alunas postaram uma foto potencialmente mais capaz de si mesmas no Facebook. Aqui estão elas, vestidas como os Três Ratos Cegos. A foto foi retirada.


[…]. Este novo regime de microagressão parece conferir poderes a espiões, intrometidos e repreensões. Acontece que não há nenhuma pesquisa real para comprová-lo. Em um artigo recente, o psicólogo da Emory University, Scott Lilienfeld, expõe pelo menos três falhas fatais na tese acadêmica de microagressão:

UM: Não existe uma definição coerente.
Lilienfeld não conseguiu encontrar uma definição coerente do termo “microagressão”. Parece ser alguma coisa que o Dr. Sue e seus seguidores dizem que é.

DOIS: Quais grupos se ofendem?
Os pesquisadores nunca se preocuparam em descobrir se afro-americanos, hispânicos, asiáticos, mulheres, realmente se OFENDEM com os termos de suas listas. Membros de grupos marginalizados não pensam ou reagem todos da mesma forma.

TRÊS: Nenhuma evidência para justificar alegações.
Sue e companhia afirmam que microagressões cobram um preço devastador ao longo do tempo. Ele até mencionou uma vida útil mais curta. Mas Lilienfeld não conseguiu encontrar um único estudo bem concebido ligando microagressões a esses resultados.
Derald Wing Sue respondeu à crítica de Lilienfeld. Ele reconhece​u​ todos o pontos principais de Lilienfeld. Mas ele culpa Lilienfeld por sua fixação em métodos de pesquisa elitistas favorecidos pela “sociedade dominante”, ao exigir coisas como medições válidas e evidência de causalidade, Sue diz que Lilienfeld está descartando “as experiências vividas de grupos marginalizados.”
Em suma: Sue considera a crítica de Lilienfeld, da teoria da microagressão, serem microagressivas!

Mas, espere um minuto. Eu sou uma mulher, e eu acho​ a teoria de microagressão macro-irritante. Não me incomodo quando alguém se dirige​ a minhas amigas e a mim como “You guys”. Ou quando contam piadas idiotas​ […].
Quem se importa? Eu não, e eu suspeito que a maioria das mulheres também não.
Então, estou chamando Sue por se mansplain na minha experiência de vida como alguém que se identifica como mulher . Estou chamando Sue e seus colegas de microagressores?


Sim, e es​te é exatamente o problema. A teoria é tão amorfa que não tem sentido -​ pode ser usad​a por qualquer pessoa, em qualquer lugar, para qualquer coisa. É um jogo que todos podemos jogar, mas ninguém pode​ ganhar. Então, por que jogar?

Olha, eu simpatizo com os funcionários da escola qu​e qu​erem​ que os alunos se​ja​m respeitosos uns com os outros. Eu também quero isso. Mas como a União American​a das Liberdades Civis​ diz: “Pureza verbal não é mudança social”. Equipes de re​ações​ de ​viés, informantes anônimos, aplicativos móveis – e​les ameaçam a liberdade de expressão e suprimem​ a interação humana​ normal​. A amizade é a melhor maneira de superar o preconceito, real ou imaginário.
Talvez seja a única maneira. Uma palavra para os administradores da​s​ universidade​s​: ​não ​há​ nenhuma evidência de que as microagressões estejam prejudicando seus alunos. Mas suas tentativas de erradic​á-las estão prejudicando a liberdade e a amizade. O que vocês acham ​do movimento ​da microagressão? ​Falem-me na seção de comentários. E por favor, assine a série e siga​-me no Facebook e no Twitter. Obrigad​a por assistir a Factual Feminist.

Christina Hoff Sommers é professora de filosofia. Lecionou ética na Clark University, por mais de 20 anos, depois se mudou para o Instituto de Empresas Americanas e se tornou ​escritora. Alguns de seus livros mais famosos são Who Stole Feminism? (1994) e The War Against Boys (2000), e seu trabalho mais recente é Freedom Feminism (2013), no qual ela busca recuperar a história perdida do feminismo americano, apresentando aos leitores as heroínas esquecidas do feminismo conservador. Hoff Sommers também hospeda o Podcast do Femsplainers e o popular canal do YouTube The Factual Feminist.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise

O Design do Cérebro e a Pornografia

[…] O cérebro é onde experimentamos a vida: emoções positivas de intimidade, prazer, amor e satisfação; ou sentimentos negativos, maus hábitos, compulsões destrutivas e vícios. 6 O

Leia Mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *