Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Adoração, por Gentile da Fabriano.

Por Andrew Klavan. Leia o artigo completo no Daily Wire.

Para mim, o nascimento de Cristo – a encarnação do Logos de Deus – o momento em que o Deus que não podemos ver se tornou visível e o Deus que não podemos entender se tornou conhecido – é como uma bomba atômica espiritual explodindo na história. Após a explosão, existem todos os tipos de efeitos imediatos: cura, milagres, ressurreição, comportamento louco como crentes subindo em postes, segurando cobras e falando em línguas.

Mas com o tempo, a radiação, ou, neste caso, o resplendor, se espalha e cobre tudo, permeia tudo, transforma tudo em um veículo para si.

A história se torna nova. De repente, entendemos isso quando os eventos levaram à chegada do menino Cristo e os anos de Nosso Senhor levaram à segunda vinda.

A religião mudou. O que antes era uma série interminável de apelos e sacrifícios por parte do homem para Deus torna-se um veículo das Boas Novas sobre o único sacrifício que Deus fez para o homem. Ainda é religião. Ainda está cheio de regras, doutrinas e teorias. Mas agora essas regras, doutrinas e teorias transmitem e espalham as Boas Novas e são válidas apenas na medida em que contenham as Boas Novas.

E sim, os feriados se transforma. Uma celebração bruta de um evento físico como o solstício de inverno se torna, em vez disso, uma comemoração alegre do amanhecer da Luz do Mundo.

Mas o nascimento de Cristo, como o nascimento de qualquer homem, é apenas o começo.

[Um amigo observou que no Credo Niceno, falta a vida de Cristo. O credo declara que Jesus “desceu do céu; ele se encarnou pelo Espírito Santo e pela virgem Maria, e foi feito homem. Ele foi crucificado …

Tudo o que Jesus fez e disse desapareceu entre o período de uma frase e o início de outra. Meu amigo disse que era como se eles nos oferecessem o pão de um sanduíche, mas não a carne.

Às vezes, temo que muitos de nós acreditamos, por assim dizer, no pão da vida, mas não na própria vida. Somos muito rápidos em discutir um com o outro sobre a doutrina, mas um pouco lentos para voltar e entender o que Jesus estava realmente tentando nos dizer. Não quero dizer frases fora de contexto como forma de atacar pessoas com quem não concordamos. Quero dizer, ouvindo com total atenção enquanto o Logos de Deus tenta nos ensinar como nos alinharmos com Ele.

Jesus disse coisas. Ele nos disse para fazer coisas. Ele disse: “Não julgue, para que você não seja julgado.” Ele disse: “Aquele que está sem pecado que atire a primeira pedra.” Eu não acho que ele estava falando em algum tipo de código quando disse essas coisas. Eu acho que Ele quis dizer exatamente o que disse.

Ele nos disse para amar a Deus e amar nosso próximo – e também amar nossos inimigos, para que sejamos filhos de nosso Pai Celestial que faz com que o sol se levante tanto para o mau quanto para o bom. Deus ama Sua criação humana, em outras palavras, e Ele quer que ajamos como Seus filhos e a amemos também.

Eu não acho que Jesus disse essas coisas para que nos sentíssemos mal quando, inevitavelmente, falhamos em fazê-las. Eu não acho que ele as disse para que possamos dissecá-las, distorcê-las e fazê-las significar outra coisa. E, definitivamente, não acho que ele tenha dito para que possamos jogá-las na cara um do outro.

Acho que ele disse isso porque queria nos ensinar alegria. Ele queria nos dizer que, quando você sintoniza seu coração com a imensidão do amor de Deus, fica cada vez mais alegre alegre dia a dia. Não quero dizer feliz. A felicidade vem e vai. Quero dizer, abundantemente vivo, vitalmente presente, loucamente grato por estar até neste vale de lágrimas.

No Natal, o que antes era uma celebração da luz do sol e da vida abundante que ele dá à Terra, torna-se uma comemoração da Luz do Mundo e da vida abundante que Ele ofereceu a todos nós. Não apenas em Seu nascimento, porque Seu nascimento foi apenas o começo. Não apenas em Sua morte, embora Sua morte não tenha sido o fim. Sua vida, Suas obras, Suas palavras – este é o conteúdo da Encarnação. Estes são os presentes de Natal.

O céu e a Terra passarão, mas essas palavras nunca passarão. O presente da alegria é para nós, e ninguém pode tirá-lo de nós. Portanto, não se turbe o seu coração, nem tenha medo. Alegre-se. Alegre-se cada vez mais.

E tenha um feliz Natal.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise

LGBTQ Processa a Ciência.

Por Walter E. Williams. Leia o artigo completo no Daily Wire. Algumas perguntas para biólogos e profissionais da área médica: se uma pessoa tem cromossomos

Leia Mais »