iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

O Politicamente Correto impede o ciclo do novo, do repúdio à unanimidade.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email



JK Rowling disse que uma mulher trans não é mulher. Ricky Gervais fez um comentário com a mesma ideia. Foram acusados de serem transfóbicos.

O termo que implica um medo irracional, mas é usado para condenar quem não aprova a ideia do transexualismo.

Por Theodore Dalrymple. Leia o artigo completo no Jewish World Review.

Os usuários do termo não fazem distinção adequada entre duas perguntas: a natureza dos transexuais e como as pessoas devem se comportar em relação a eles.

Uma questão de verdade – se uma mulher transexual não é, em nada, inerentemente diferente de uma mulher biológica – é transformada em uma questão de lealdade a uma nova doutrina, cuja não aceitação, em sua totalidade, é tomada pelo pensamento-correto como uma marca de mau caráter ou caráter maligno e más intenções, de modo que quem não aceitá-la seja excomungado por todas as pessoas decentes, sofra discriminação e lhe seja negado emprego.

Aqui, a questão não é se Rowling e Gervais estão certos, embora a maioria das pessoas ache que estão, embora também temam cada vez mais reconhecer isso em público (um sinal de totalitarismo crescente, aliás).

A questão, em vez disso, é se eles tinham o direito de dizer o que disseram como parte do debate público normal. A reação ao que eles disseram sugere que o apego dos grupos de pressão à liberdade de expressão é muito fraco. Eles preferem emitir fatwas.

Um livro de farmacologia, que usei quando estudante, sugeria uma história natural de um medicamento recém-descoberto. Primeiro, foi aclamado como uma cura milagrosa; então, como seus efeitos colaterais foram descritos, foi repreendido como veneno mortal; finalmente, foi considerado útil em alguns casos.

Cada vez mais em nossos dias, as idéias sociais parecem passar por estágios análogos, mas diferentes. Primeiro, elas são absurdos demais para serem acalentadas; depois são promovidas e propagandeadas; finalmente, tornam-se artigos obrigatórios de fé. O ciclo parece ter um acelerador embutido. Mas continua sendo verdade, como dizia o bispo Butler, que “tudo é o que é e não outra coisa”.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Coronavírus (COVID-19)

O Vírus Chinês Abala a Saúde Mental

Médico psiquiatra, professor titular do departamento de psiquiatria da Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo, o professor Jair de Jesus Mari ministrou

Leia Mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *