iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

A epigenética explica como os hábitos se formam e se perdem.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Timothy Jennings. Leia o artigo completo em Tmschattanooga.com

Novas pesquisas fascinantes sobre o cérebro oferecem uma percepção cada vez maior de como nosso relacionamento de fé com Deus nos muda, incluindo nossos cérebros, até o nível do DNA.

O cérebro humano está em constante estado de fluxo. Não apenas a experiência de vida altera os circuitos do cérebro, mas novas pesquisas revelam que a experiência de vida altera a expressão genética do cérebro. E essa mudança na expressão gênica pode ser passada para nossos filhos, netos e bisnetos.

Se você considerar seu DNA como uma grande biblioteca de informações, a codificação epigenética (epi significa acima e genético significa DNA, então epigenético significa acima do DNA) instrui a biblioteca quais “livros” (sequências de genes) abrir e quais manter fechados. Se você considerar que cada “livro” contém uma receita, são as instruções epigenéticas que determinam quais “receitas” são “feitas”, ou seja, o que cada célula se torna e como ela funciona.

Quando os circuitos neurais estão ativos, a atividade no circuito causa mudanças epigenéticas que produzem proteínas que tornam o circuito mais forte, ramificam novas conexões, recrutam novos neurônios para o circuito e até fazem novos neurônios para o circuito. Mas quando um circuito neural está ocioso, são fornecidas diferentes instruções epigenéticas e a proteína indutora de crescimento não fica mais disponível. Em vez disso, produz-se uma proteína que mata os circuitos neurais, de modo que, com o tempo, um circuito ocioso é podado lentamente.


Neurônios piramidais simulados por computador pelo Prof. M. Hausser / UCL. Crédito: Dr Hermann Cuntz & Prof. Michael Häusser, UCL. CC BY-NC

Compreendendo isso, temos uma visão de como os hábitos se formam e se acabam. O envolvimento constante em certos padrões de comportamento ativa os mesmos circuitos que causam alterações no DNA que produzem proteínas, que fortalecem o circuito específico que corresponde ao comportamento. Por outro lado, ao interromper o comportamento e deixar o circuito inativo, a expressão do DNA realmente muda e, com o tempo, o circuito será removido novamente.

Agora vamos considerar vícios e, finalmente, o que a conversão pode fazer.

O que constitui um vício? A definição que achei mais precisa ao descrever um vício é:

O envolvimento compulsivo em comportamentos que trazem recompensa a curto prazo, mas destruição a longo prazo.

Considere esta definição e vários vícios: álcool, tabaco, drogas, jogos, comer em excesso, vício em pornografia ou sexo, compras, etc. Todos têm como processo raiz uma recompensa de curto prazo, mas com o tempo, lenta destruição.

Em um nível neurológico, nosso circuito de recompensa faz parte de nosso cérebro “primitivo” (sistema límbico) e é chamado de Nucleus Accumbens (NA). É aí que sentimos prazer, seja em atividades saudáveis ​​ou não.

Deus concebeu o cérebro para o prazer, mas sempre por meio do córtex pré-frontal e caminhos que curam, enobrecem e promovem um maior desenvolvimento. A ativação saudável de nosso NA ocorre após uma corrida de 8 km (fissura do corredor), quando finalmente captamos a solução para um problema intelectual, quando nos aplicamos a uma tarefa ou desafio e, depois de muito trabalho e disciplina, temos sucesso, quando vivenciamos um relacionamento de amor saudável ou o nascimento de nosso filho. Sempre que estamos em harmonia com a lei do amor de Deus, somos destinados a sentir prazer ou alegria, o que resulta, simultaneamente, em caráter cada vez mais maduro e semelhante a Cristo.

Os vícios (e o pecado) ativam os caminhos da recompensa diretamente, sem primeiro ativar o córtex superior e, portanto, resultam em danos ao córtex superior com subsequente aumento da impulsividade, perda de autocontrole, maior egocentrismo e destruição de caráter.

Além disso, quando uma pessoa está envolvida em comportamentos viciantes, não só os circuitos neurais primitivos são fortalecidos e o córtex superior enfraquecido, a expressão do gene epigenético se altera. Essa expressão gênica pode ocorrer tão rapidamente quanto o primeiro uso de uma substância química.

A ciência do cérebro demonstrou que mesmo a primeira “dose” de cocaína ou metanfetamina altera um gene específico nos neurônios do cérebro, que antes estava adormecido. Torna-se ativo e começa a produzir uma proteína chamada cocaína-anfetamina-reativa-transcrita (CART). Essa proteína, uma vez produzida, causa aumento do desejo por mais cocaína e anfetaminas. [1] Se alguém parar de usar a substância ilegal, o gene será desativado e o CART deixará de ser produzido. Porém, se alguém voltar a usar a substância, o gene será ativado novamente e produzirá quantidades significativas de CART, tornando mais difícil atingir uma futura abstinência.

Sabemos, há anos, que os vícios ocorrem nas famílias. Ou, dito de outra forma, quanto mais ancestrais tivermos com vícios, maior o risco de ter problemas com vícios. Por quê? Porque as mudanças na expressão genética se passam para as gerações subsequentes. Foi assim que Deus nos projetou para funcionarmos. Fomos criados com a capacidade de nos adaptar e mudar com base em nossas escolhas e experiências. Quando escolhemos ações não saudáveis, sofremos alterações em nossas instruções epigenéticas e as repassamos para nossos filhos. Deus advertiu que os que O odeiam sofrerão as consequências negativas passadas por três e quatro gerações de sua família, mas os que O amam vivenciarão misericórdia e amor.

“Você não fará para si um ídolo na forma de qualquer coisa acima no céu ou abaixo na terra ou abaixo nas águas. Você não deve se curvar a eles ou adorá-los; pois eu, o Senhor teu Deus, sou um Deus zeloso,  punindo os filhos pelos pecados dos pais até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam , mas demonstrando amor a milhares de gerações daqueles que me amam e guardam meu mandamento . Êx 20: 4-6 (NVI)

Quando odiamos a Deus e nos envolvemos em comportamentos pecaminosos, incluindo vícios, passamos essas mudanças para nossos filhos, netos e bisnetos. Por quê? Porque aqueles que odeiam a Deus não permitirão que Ele entre em suas vidas para curar o que seus pecados fizeram. Mas para aqueles que O amam e abrem seus corações e mentes ao Seu Espírito, a Bíblia promete a cura não apenas de caráter, mas também de circuitos cerebrais (corpo). Isso incluiria mudanças na expressão gênica.

E se o  Espírito  daquele que ressuscitou Jesus dentre os mortos está vivendo em você, aquele que ressuscitou Cristo dentre os mortos também  dará vida aos seus corpos mortais através do Espírito dele , que vive em você. Romanos 8:11 (NVI)

O Espírito seria dado como um agente regenerador , e sem isso o sacrifício de Cristo teria sido inútil. O poder do mal vinha se fortalecendo há séculos, e a submissão dos homens a esse cativeiro satânico era incrível. Só se poderia resistir ao pecado e superá-lo por meio da poderosa agência da Terceira Pessoa da Divindade, que viria sem energia modificada, mas na plenitude do poder divino. É o Espírito que efetua o que foi operado pelo Redentor do mundo. É pelo Espírito que o coração é feito puro. Por meio do Espírito, o crente se torna um participante da natureza divina. Cristo deu Seu  Espírito como um poder divino para superar todas as tendências, hereditárias e cultivadas, para o mal, e para impressionar Seu próprio caráter em Sua igreja.  – Desejado de todas as épocass, pág. 671

A promessa de Deus depende de não se ter outros deuses, o que significa que devemos voltar à verdade sobre Deus. A ciência do cérebro mostrou que, quando adoramos um Deus de amor, nosso córtex superior fica mais forte e o sistema límbico se acalma. Mas todos os conceitos de deus falso ativam o sistema límbico e falham em curar o córtex superior.

Além disso, ao conhecermos e confiarmos que Deus é como Jesus revelou:um Deus de amor genuíno, sentimos a presença de Seu Espírito, que traz um poder sobrenatural para nossa cura. O homem convertido começa a exercer autogoverno, restrição e esquivação de comportamentos destrutivos anteriores. Isso resulta em maior ativação do córtex superior e menor ativação do cérebro primitivo. Através dessa experiência diária, a expressão gênica mudará e, com o tempo, a estrutura cerebral mudará. Se continuarmos nesse caminho saudável, podemos transmitir benefícios a nossos filhos e, por meio de um relacionamento de confiança com Deus, quebrar a cascata de conseqüências herdadas, transmitidas por nossos ancestrais.

Como regra, todo homem intemperado, que cria filhos, transmite suas inclinações e más tendências aos seus descendentes; ele lhes dá doenças a partir de seu próprio sangue inflamado e corrompido. Licenciosidade, doença e imbecilidade são transmitidas, como herança de aflição, de pai para filho e de geração em geração, e isso traz angústia e sofrimento ao mundo. – Vida saudável, pág. 57

Essa é a descrição daqueles que odeiam a Deus e não permitem Sua presença curadora nem seguem Seus métodos em suas vidas. Mas para aqueles que passam a confiar em Deus, narra-se outro resultado:

Uma conversão genuína muda tendências para o erro hereditárias e cultivadas. A religião de Deus é um tecido firme, composto de inúmeros fios e entrelaçado com tato e habilidade. Somente a sabedoria que vem de Deus pode completar esse tecido. – Maranatha, pág. 237

Para aqueles que, apesar da história familiar de vícios, conhecem a Deus, podem vivenciar a vitória sobre sua própria hereditariedade e, talvez, transmitir uma melhor possibilidade para seus filhos:

Quanto mais nobres os objetivos, maiores as dotações mentais e espirituais e melhor desenvolvidos os poderes físicos dos pais, melhor serão os equipamentos de vida que eles proporcionam aos filhos. Ao cultivar o que há de melhor em si, os pais estão exercendo influência para moldar a sociedade e elevar as gerações futuras. – Ministério da Cura, pág. 371

Que Deus maravilhoso nós servimos!


[1] Kelz, Max B., et al. “A expressão do fator de transcrição FosB no cérebro controla a sensibilidade à cocaína.” Nature 401, 272 – 276 (16 de setembro de 1999) DOI: 10.1038 / 45790.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *