iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Porque 'espaços seguros' nas universidades são uma ameaça à liberdade de expressão

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Suzanne Whitten. Leia o artigo original no The Conversation.

A ideia de as universidades serem um “espaço seguro” era, até recentemente, uma questão exclusiva dos Estados Unidos. Agora, […] as chamadas políticas de “espaço seguro” [ameaçam] o direito à liberdade de expressão nas universidades britânicas.

Intimamente vinculado ao conceito de ” sem plataforma ” – em que os palestrantes têm negada a oportunidade de falar – vários casos de espaço seguro altamente divulgados vieram à luz, incluindo a expulsão de um aluno de uma reunião por levantar a mão, a proibição de palestrantes […]e a introdução de “marechais do espaço seguro” para monitorar o comportamento nos debates.

[…]

Mas o conceito de um espaço seguro, por meio do qual aqueles com visões desagradáveis ​​ou ofensivas são impedidos de falar em uma universidade, está fundamentalmente em conflito com o rigoroso intercâmbio intelectual central para a ideia da própria academia.

Em 2016, John Ellison, reitor de alunos da Universidade de Chicago, escreveu para a nova equipe:

Nosso compromisso com a liberdade acadêmica significa que não apoiamos os chamados avisos de gatilho, não cancelamos palestrantes convidados porque seus tópicos podem ser controversos e não toleramos a criação de ‘espaços seguros’ intelectuais onde os indivíduos podem se afastar de ideias e perspectivas em desacordo com as suas.

Embora as opiniões de um palestrante possam beirar o intolerável, só podemos responder efetivamente aos seus argumentos se tivermos a oportunidade de ouvi-los em primeiro lugar.

Os defensores dos espaços seguros acreditam que eles fornecem um lugar onde vozes marginalizadas podem ser ouvidas sem discriminação. 

Em resposta, os partidários de políticas de espaços seguros apontam, com razão, a força simbólica e potencialmente legitimadora dada a um palestrante, quando lhe proporcionamos uma plataforma pública. Para eles, a escolha de quem recebe essa plataforma dentro de sua própria instituição serve como uma forma justificável de contra-discurso e visa enviar a mensagem de que não vale a pena ouvir essas opiniões para começo de conversa. Como, então, podemos esperar resolver essas questões?

Para que serve a universidade?

Subjacente a esses debates, estão divergências quanto ao “propósito” adequado de uma universidade. Como instituição, a universidade desempenha um papel único na sociedade, como local de aprendizagem e fórum de rigor intelectual. Ela vem com seu próprio conjunto de normas e costumes, muitos dos quais contrastam fortemente com os das outras instituições além de seus portões.

Em comparação com outros ambientes, como locais de trabalho ou escolas de segundo grau, os universitários devem (em teoria) ser incentivados a explorar assuntos particularmente difíceis, a correr riscos em relação a áreas emergentes de pesquisa e a debater algumas das questões mais controversas e pertinentes de nosso Tempo.

Portanto, o debate sobre espaços seguros desemboca diretamente na questão de para que serve uma universidade. Os defensores do conceito de espaços seguros citam seu nobre objetivo de corrigir injustiças do passado para empreendimentos futuros: vozes, antes silenciadas e marginalizadas, agora, por meio de espaços seguros, têm a oportunidade de serem ouvidas e continuar seus estudos, livres de assédio ou abuso.

Também chave para a defesa de espaços seguros é a ideia de que grupos vulneráveis ​​podem modelar para si uma área, na sua instituição anfitriã, na qual eles podem definir suas próprias normas e costumes – novamente algo anteriormente negado àqueles de certas subseções da sociedade. “Espaço seguro” é um termo conhecido há muito tempo em relação a grupos exclusivamente femininos, organizações LGBTQ +, grupos de minorias étnicas e negras e assim por diante. Ele permite que os membros se reúnam e discutam sem a ameaça de serem silenciados ou discriminados por grupos historicamente dominantes.

Seguro x grátis

O debate em torno de um “choque” entre espaços seguros e liberdade de expressão no campus, diz respeito à ideia de que a própria universidade deve ser um espaço seguro para todos. Como isso está em conflito direto com a raison d’être da academia, como ponto de encontro de divergências rigorosas, é claro que as universidades estão sofrendo com sua própria crise de identidade, auxiliadas e estimuladas pela descrição desses choques nas redes sociais.

[…]

Essa reconfiguração dos parâmetros do espaço seguro em si tem outra coisa em mente – convidar certos oradores que têm pontos de vista ofensivos ou odiosos de alguma forma perpetua um ambiente hostil no campus universitário.

O que é necessário é um conjunto de princípios básicos comuns aos quais todos os lados devem aderir. Se as universidades estão realmente comprometidas com a liberdade de expressão, isso significa fazer um esforço conjunto para aumentar a representação e tomar medidas que incluam vozes marginalizadas ou silenciadas.

Significa introduzir políticas claras de “direito de resposta”, nas quais palestrantes polêmicos devem ter seus pontos de vista questionados, em vez de potencialmente rebatidos ou autorizados a não serem questionados. Em termos de legitimação, isso se determina, amplamente, pela natureza do próprio convite; incluir um palestrante em um painel de debate é uma coisa, dar a eles um título honorário ou uma série de palestras é outra.

Acima de tudo, as universidades precisam trabalhar mais para impor medidas formais para combater a discriminação e o assédio no campus, como mostrou o recente caso de discurso de ódio na Universidade de Nottingham Trent Enquanto essas ocorrências chocantes não forem levadas a sério pelos administradores, não está claro como podemos garantir a liberdade de expressão para todos os alunos.

É mais fácil do que nunca para interesses especiais espalhar desinformação sobre questões vitais. Para informar o público sobre o que realmente está acontecendo, ajudamos os especialistas a se aprofundar nos fatos. Não podemos fazer este trabalho sem a sua ajuda. Por favor, ajude-nos – mesmo uma doação de $ 5 por semana ajuda a manter as luzes acesas e nossa importante operação funcionando.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

people high aerial jump
Psicanálise

A Coragem Também é Contagiosa

Por Tim Keesee. Leia o artigo completo em Desiringgod. Coragem é justamente estimada a primeira das qualidades humanas porque. . . é a qualidade que garante todas as

Leia Mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *