iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Quando a preguiça a vaidade e a vigarice se encontram.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Origem e usos de primum non nocere

por Cedric M. Smith, no pubmed.ncbi.nlm.nih.org


A chamada injunção hipocrática de não causar danos tem sido um axioma central para a farmacologia clínica e para a educação de estudantes de medicina e pós-graduação. […]
Acredita-se que o autor não foi Hipócrates nem Galeno. Pesquisas de escritos que remontam à Idade Média revelaram o aparecimento do axioma expresso em inglês, juntamente com seu latim único, em 1860, com atribuição ao médico inglês Thomas Sydenham. Comumente usado no final de 1800 até as primeiras décadas de 1900, era quase exclusivamente transmitido oralmente; raramente apareceu impresso no início do século XX. Discute-se sua aplicabilidade e limitações como guia para a prática ética da medicina e da pesquisa farmacológica. Apesar das insuficiências, continua a ser um lembrete poderoso de que toda decisão médica e farmacológica carrega o potencial de danos.

Um colega anestesista no hospital era preguiçoso e medroso. Hábil no discurso, já quarentão, havia feito um curso mais ou menos e sua passagem pela residência enlouquecera seus preceptores.

Quando queria enrolar deitava uma falação entremeada com termos técnicos e jargões. O objetivo dele era livrar-se do trabalho. Falava uma baboseira danada e encaixava uma “pressão da artéria pulmonar” aqui, outra “homeostase” ali, salpicando algumas frases em latim sem ligação com a conversa tipo “primun non noccere”.

Eu tinha uma preguiça danada dele e o evitava sempre. Um dia ele estava dando uma preleção para um grupinho e eu fiquei observando de longe. Então percebi que ele era útil! Funcionava como um detector de idiotas. Era fácil. Os colegas que o aplaudiam eram pobres em conhecimento e podiam ser considerados “perigosos”. Ao contrário, aqueles que percebiam o ardil mostravam saber alguma coisa da clínica. Usei-o durante muito tempo com sucesso. Nunca falhou. Útil para detectar de onde viriam os problemas e para saber quando eu teria que recomeçar um atendimento do início sem confiar em nada que o “admirador” do colega enrolador tinha feito.

Imagem:
Seus serviços não são mais necessários por Ron Lach, via Pexels

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

Como Tratar a Culpa na Perspectiva Cristã

Muitos aconselhados acreditam que Deus perdoou transgressões passadas, mas eles mesmos não perdoaram (ou “não conseguem perdoar”). Como conselheiros, devemos confrontar esse pensamento injusto de que

Leia Mais »
Psicanálise
Editorial

Por Que Optar pela Psicologia Cristã?

Psicologia Cristã – IntroduçãoA psicologia cristã pode parecer, à primeira vista, uma contradição em termos. Especialmente depois de examinar as psicologias marxista, humanista e pós-moderna e

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.