iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Porque as virtudes são necessárias para a sociedade

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: .
Autoria do texto: .
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Bradley J. Birzer. Leia o artigo completo no The Imaginative Conservative.  

Já foi verdade, infelizmente, que a história era escrita pelos vencedores. Agora, ao que parece, fomos muito longe na outra direção, e a história, de certa forma, é escrita pelas vítimas.

[…]

Ao examinar as mídias sociais, vejo raiva, emoção, mais raiva, sentimentalismo, vitimização e ainda mais raiva. Se a mídia social é um registro preciso, temos uma cultura atomizada e muito assustadora.

O mesmo acontece quando olho para Washington, DC. Também vejo raiva, emoção, mais raiva, sentimentalismo, vitimização e ainda mais raiva. Mas também vejo manipulação – manipulação da verdade, manipulação de pessoas e manipulação da sociedade. Imagine um grupo de pessoas que se dividiram em dois campos maniqueístas em guerra, cada um reivindicando representar melhor a República Americana, o tempo todo diabolicamente nos empurrando para dívidas ultrajantes e engenharia social.

[…]

Onde vemos a busca da virtude, ou mesmo a busca das virtudes individuais, em algum desses [academia, imprensa, pol´´itica]? A maioria dos políticos ou acadêmicos americanos pode definir a virtude ou nomear as virtudes?

[…]

Suspeito que grande parte da negligência da virtude advenha tanto de sua inconveniência para os todo-poderosos quanto da necessária dependência do livre arbítrio. “Os homens serão bons ou maus construtores, como resultado da sua boa ou má construção”, afirmou Aristóteles. “Se não fosse assim, não haveria necessidade de um professor, mas todos os homens teriam nascido bons ou ruins em seu ofício. Esse também é o caso das virtudes. ”Por mais horrível que seja, nos últimos duzentos anos, a civilização ocidental, em particular, afastou-se firmemente da crença em escolhas reais, indo em direção a determinismos de vários tipos.

As virtudes, no entanto, estão enraizadas na natureza, na criação e na vontade de Deus para nós. Elas podem ser esquecidas, ridicularizadas ou distorcidas, mas, sendo reais, verdadeiras e bonitas, nunca podem ser vencidas. Russell Kirk argumentou que a virtude “é [a] energia da alma empregada para o bem geral”. Assim, nunca há um momento ruim para lembrar as virtudes, e nossa sociedade precisa delas desesperadamente. Deus as distribui, então, de acordo com Sua vontade, por meio de sua economia da graça. “Porque, assim como em um único corpo humano, existem muitos membros e órgãos, todos com funções diferentes”, escreveu São Paulo, “então todos nós, unidos a Cristo, formamos um corpo, servindo individualmente como membros e órgãos uns para os outros .” Dons como ensinar, aconselhar ou falar“ diferem porque são designados a nós pela graça de Deus, e devem ser exercidos correspondentemente.

As virtudes pagãs

Prudência: a capacidade de discernir o bem do mal.

Justiça: dar a cada pessoa o que lhe é devido.

Fortitude: abraçar o bem, não importa o custo.

Temperança: usar os bens criados apenas para o bem.

As virtudes romanas

Trabalho: fazer o melhor possível e buscar a excelência em qualquer atividade.

Destino: aceitar o lugar na ordem das coisas.

Piedade: louvar os que vieram antes de nós – divinos e triviais.

As virtudes cristãs

Fé: acreditar em coisas invisíveis.

Esperança: acreditar que a vida de alguém tem significado e existência eterna.

Caridade: doar-se a outro.

Obviamente, muitas das palavras empregadas para as virtudes – como prudência, temperança e caridade (amor) – continuam a ter grande poder em nossa sociedade, mas pervertemos quase completamente seus significados. Tomamos prudência como timidez, temperança como abstinência e amor como luxúria. Cada uma dessas perversões é uma tragédia para a pessoa humana e para a sociedade.

Muitos de nossos maiores líderes procuraram nos lembrar das virtudes. John Adams, certamente um dos maiores fundadores americanos, argumentou que a virtude é “uma paixão positiva pelo bem público”. Além disso, servirá como “a única Fundação das Repúblicas”. Nas Notas sobre o Estado da Virgínia, Thomas Jefferson escreveu inequivocamente que a virtude “é a maneira e o espírito de um povo que preserva uma república em vigor”.

Muito antes da fundação americana, o grande senador romano e republicano Marcus Cícero adotou as virtudes e o decoro em suas cartas a seu filho Sobre as Obrigações. É preciso “acreditar que é característico de uma mente forte e heróica considerar trivial o que a maioria das pessoas considera glorioso e atraente, e desprezar essas coisas com disciplina inabalável e inflexível”. Além disso, ele enfatizou, é preciso “suportar reveses que parecem amargos ”E“ suportá-los para que você não se afaste nem um centímetro de sua natureza básica, nem um pouco do respeito próprio de um sábio”.

Embora não possamos conceder as virtudes a nós mesmos, podemos – e deveríamos e devemos – persegui-las em todas as atividades da vida: na família, na vizinhança, na igreja, na escola, nos negócios e no governo. Devemos ensiná-las a nossos filhos e incentivá-las nos outros. De fato, assim como uma vez exigimos que cada criança americana memorizasse a Declaração de Independência, deveríamos fazer o mesmo com as virtudes. Dez termos e dez definições – repetidos, explicados e usados como modelos – acabarão por devolvê-los ao discurso comum e ao bem comum. Afinal, cada um dos dez é verdadeiro e, portanto, como mencionado anteriormente, não pode ser destruído. Só precisamos nos lembrar deles para recuperar o poder que eles devem e exercerão.

Não o poder dos beligerantes, mas o poder dos justos.

O Conservador Imaginativo  aplica o princípio da apreciação à discussão sobre cultura e política – abordamos o diálogo com magnanimidade e não com mera civilidade. Você nos ajudará a permanecer um oásis refrescante na arena cada vez mais controversa do discurso moderno? Por favor, considere  doar agora .

A imagem em destaque é “Alegoria das Virtudes”, de Antonio da Correggio (1489-1534), cortesia do Wikimedia Commons .

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

Sexo é Binário

[…] Está bem documentado que outras espécies se reproduzem sexualmente e que existem machos e fêmeas em outras espécies.  […] Tomemos os organismos do humilde

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.