iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Estúpidos reduzem a guerra cultural a algozes/vítimas, o que nos levará a todos ao terror.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: .
Autoria do texto: .
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Anti-semitismo e os metamarxistas pós-modernos

Protestos pró-Hamas: vítimas, vitimadores e psicopatas hipócritas

Estamos agora expostos ao espetáculo verdadeiramente terrível de manifestações pró-Palestina generalizadas em todo o Ocidente (pró-Hamas, mais verdadeiramente) – particularmente, embora não só, em Londres, que é, agora, o lar de tantos novos imigrantes. Isto levou a uma previsível preocupação por parte daqueles que têm alertado contra a reconstrução generalizada da cultura que deverá acompanhar uma transformação tão generalizada de raça, etnia e religião. Por mais problemáticas que a imigração demasiado rápida e a política tão profundamente motivada que a permite possam ser, não é, de forma alguma, o principal problema em questão. 

Existem muitas razões pelas quais a causa palestina – e, portanto, a causa do Hamas – atraiu tanto apoio. Parte disso tem a ver com a ingenuidade descuidada e a pura negligência cega do Ocidente. Gostamos de acreditar que as diferenças nas perspectivas meramente metafísicas e religiosas podem ser facilmente ignoradas, em favor da humanidade partilhada na qual os promotores da doutrina do multiculturalismo nem sequer acreditam. Consequentemente, não levamos a sério as diferenças reais entre as pessoas (especialmente no seu pior) que causam os conflitos eternos e a atividade criminosa predatória e parasitária que mantém grande parte do mundo pobre, infeliz e mesquinho. Achamos que podemos brandir a varinha mágica da boa vontade, e toda essa variação de opinião e perspectiva simplesmente desaparecerá nas fronteiras, não deixando nada para trás a não ser a tão apregoada “diversidade” cuja busca se tornou um imperativo moral absoluto – senão, já sabe. 

Portland, 01-05-2024
Universitários depredam lojas que negociam com Israel.

Também subestimamos tolamente a persistência, a força e a astúcia dos que consideram as nossas virtudes e liberdades como vícios e acidentes históricos. Algumas denúncias mostram líderes ou antigos líderes do Hamas literalmente fixando residência em Londres – e, além disso, certamente operando com poucas restrições reais. Independentemente da verdade das afirmações específicas, ou do perigo claro e presente desses líderes, não pode haver dúvidas de que os serpentinos agentes autoritários dos nossos inimigos estão agora causando tanta perturbação quanto possível em todo o lugar nas principais cidades do mundo democrático. O exemplo atual mais pertinente é, obviamente, o dos tiranos do Irã. Somos realmente estúpidos demais para notar quem, e o que, está realmente por trás dessas manifestações massivas? 

São os bandidos pseudo-religiosos iranianos que estão aproveitando ao máximo o atual conflito em Israel, o qual fizeram todo o possível para provocar e promover. Há muito que é vantajoso, para os totalitários que desejam agarrar-se pateticamente ao seu poder no Oriente Médio e em outros locais, usar os palestinianos como bucha de canhão e aguilhões ao lado do Estado judeu, sobre o qual tudo o que há de mau na região e em toda a região o tempo pode ser tão convenientemente responsabilizado, assim como os Estados Unidos, que têm sido um apoiador tão fiável de Israel. 

Nika Shakarami, 16 anos, que tirou o hijab e cantou em público, algo proibido para iranianas. Ela foi presa, estuprada e morta em 2022. À direita: Johannah King-Slutzky, revolucionária da Columbia, entrincheirada em prédio da universidade, exigindo comida,

Precisamos de nos lembrar, embora não o façamos: os mulás iranianos estão na corda bamba. Os seus próprios cidadãos odeiam-nos furiosa e merecidamente. Além disso, estão completamente ameaçados pelos Acordos de Abraão, que estão fazendo tudo o que está ao seu alcance para desacreditar e destruir. Estes acordos históricos, há muito considerados impossíveis por uma burocracia entrincheirada e intransigente do Departamento de Estado , trouxeram a paz e a possibilidade de prosperidade cooperativa a certos países árabes/muçulmanos de longo alcance (EAU, Marrocos, Bahrein e Sudão). Os muito mais poderosos sauditas apoiavam essas iniciativas, nos bastidores: perdemos (é você, presidente Biden) uma oportunidade estelar e historicamente sem precedentes de trazê-los para o grupo pró-Israel, principalmente por causa da relutância dos democratas em dar crédito à administração Trump. com quaisquer conquistas positivas. C’est la vie – mas aqui estamos. Todo este progresso admirável, a partir do século XII, corre o risco de minar fatalmente a narrativa dos muçulmanos-contra-todos-mais-particularmente-os-judeus, da qual os psicopatas sangrentos inevitavelmente dependem para motivar o pior de si mesmos e dos seus seguidores. Assim, é do claro interesse da “liderança” do Irã colocar os judeus em Israel na ofensiva, para que o uso das suas proezas militares e estratégicas e capacidade de autodefesa possa ser transformado como – como o quê? Isso nos leva precisamente ao problema central.

Universidade de Portland, 01-05-2024.
Panfleto revolucionário pró-Gaza, pró-luta de classes

Qualquer pessoa que não tenha estado vivendo numa caverna nas últimas duas décadas compreende que estamos numa guerra cultural de profundidade e amplitude sem precedentes. Ainda não eclodiu num conflito de pleno direito, embora tenha chegado perto com o Black Lives Matters, com os protestos de 6 de Janeiro e, mais recentemente e de forma mais séria, com os massivos e acima mencionados protestos pró-Palestina que assolaram as nossas principais cidades. Por mais perturbadora que essa nuvem negra possa ser, ela tem o proverbial lado positivo: a revelação inquestionável da verdadeira natureza dessa guerra cultural, que foi um choque para muitos, incluindo os judeus liberais, recentemente denunciada, embora um tanto estranhamente, por Elon Musk. Como é possível que grande parte do meio acadêmico Ocidental (bem como os progressistas, em geral), pudesse manifestar-se em apoio ao mesmo movimento que causou aquele que foi, sem dúvida, o pior ataque planejado aos judeus desde o Holocausto? 

Para compreender isso, devemos compreender a aliança profana entre a filosofia pós-moderna e o marxismo. Vamos nos concentrar mais particularmente em Michel Foucault, que é atualmente o acadêmico mais citado do mundo, e em seu curinga, Jacques Derrida. Foucault, a própria personificação da amargura ressentida ( até por causa da alienação que sofreu por causa de suas tendências sexuais), passou toda a sua vida dobrando seu intelecto supremo em nós [substantivo, laços apertados], reduzindo toda a motivação humana à do poder e à sua “repressão” associada. 

Universidade de Portland, 01-05-2024
Depredação da biblioteca tomada por alunos anti-Israel

Para Foucault e os seus seguidores idiotas quase nietzschianos, não existe outra realidade senão a da compulsão e da força: nem responsabilidade, nem direitos, nem verdade, nem céu acima nem inferno abaixo – nada senão o todos contra todos de Thomas Hobbes. Para Foucault e sua turma, mesmo aqueles que afirmam ser motivados, digamos, pela tradição intelectual, pelo ethos liberal, ou mesmo pela tão alardeada atual Deusa da Compaixão Abrangente, estão na verdade perseguindo nada além de seus próprios objetivos estreitamente egocêntricos. Embora os pós-modernistas tenham notoriamente demonstrado um ceticismo radical em relação à validade das chamadas metanarrativas ou histórias únicas de união, eles não relutaram em adotar esta versão muito mais ampla da arrogante e ressentida narrativa marxista de vítima/vitimizador que foi particularmente atraente para muitos dos principais intelectuais franceses da época

A história, para Marx, foi melhor compreendida como a eterna batalha entre os corruptos, que têm, e os inocentes, virtuosos e oprimidos, que não têm, a agora clichê burguesia e o proletariado. O mundo, para Marx, era, em consequência, puro conflito: as suas duas classes de inimigos inevitáveis ​​enfrentavam-se pelo controle dos despojos puramente econômicos que constituíam toda a verdadeira e real preocupação dos verdadeiros e genuínos seres humanos (uma vez que todo o “ópio das massas” metafísico e religioso foi adequada e progressivamente eliminado). Isto transformou-se, sob a pressão do ethos desconstrutivo pós-moderno, no metamarxismo, que também proclama duas classes de humanidade, de forma ainda mais nítida: as vítimas (os que têm tudo e qualquer coisa) e os vitimizadores (os de quem o os vitimizadores roubaram). Esta dicotomia já não é meramente económica: ela caracteriza todas as dimensões concebíveis de categorização, sexual, de género (assim chamada), étnica, racial, atlética, estética e meritória. Em todo o lado há dinâmicas de poder e subsequente desigualdade: em todo o lado há vitimizadores do mal e vítimas virtuosas. Esta é a doutrina padrão das universidades de “elite”: professores, alunos e administradores opõem-se a ela por sua conta e risco. A partir dessas fontes, ele se espalhou por toda parte. 

Nesta paisagem de terror existencial – e, eventual e inevitavelmente, real e ativo – não há cidadãos soberanos de valor essencial inefável, trocando opiniões racionais na tentativa de trazer clareza, produtividade, generosidade e verdade à tona, capazes de cooperação civilizada. e competição. Existem apenas competidores num cenário irredutivelmente ideológico, clamando por atenção e lutando pelo poder – com os piores deles desenvolvendo e empregando até mesmo a verdadeira linguagem da liberdade, dos direitos, da responsabilidade e da dignidade humana por nenhuma outra razão, mesmo hipoteticamente possível, a não ser o seu próprio e limitado autoengrandecimento. Não há propriedade: apenas roubo. Não há mérito: apenas as definições de mérito que servem aos poderosos vitimizadores. Não existe uma luta humana intrinsecamente significativa: existe apenas as breves batalhas motivadas pela dominação de seres materiais mortais, lutando numa competição quase darwiniana inútil, avançando apenas ao atropelar arbitrariamente os outros menos afortunados. Nunca foi imaginada uma doutrina mais abrangentemente destrutiva, niilista e inevitavelmente sádica; nem um sistema de pensamento jamais justificou tão clara e assumidamente o uso de nada além da força e da compulsão. Se não há nada além do poder, só um tolo deixa de usá-lo. 

Portland, 01-05-2024
Universitários depredam lojas que negociam com Israel
Caça do Sucateiro
Aqui está uma lista de empresas/ongs que lucram de colonos de Israel por quem passaremos na marcha. Fique de olhos abertos e faça o que lhe parecer melhor.
1.000 pontos de bônus: Ache um local que não esteja na lista e chame à atenção do bloco.
Você consegue 6.000 pontos? O vencedor ganha um cheque de George Soros, um aplauso especial por ser o #1 agitador externo …e coroado o supremo supersoldado Antifa. O ganhador do 2º lugar recebe um voicemail bêbado.

Neste mundo de pesadelo ( mais verdadeiramente aquele cujos precursores imediatos provocaram os horrores absolutos de Mao e Stalin) existem apenas duas posições sociais para se ocupar: você (e o seu grupo, não há “indivíduos” neste esquema conceptual) ou são vítimas ou vitimadores. Esta é uma teoria muito simples. É, portanto, algo irresistivelmente atraente para os deliberadamente cegos, estúpidos e ignorantes, e também muito conveniente para os amargos e ressentidos: se você for bem-sucedido, sob qualquer aspecto, por qualquer padrão de comparação, então você é um vitimizador. Se não for, você é uma vítima. Uma afirmação moral rígida acompanha este ato de categorização rigorosamente preto no branco: existem apenas duas formas de conduta ou reputação moral aceitável e louvável. Se você é uma vítima, ou um “aliado”, você é a encarnação da bondade, como deveria ser evidente, principalmente por causa de sua compaixão alardeada em voz alta. Se você é um vitimizador, entretanto, tome cuidado: você é a encarnação do mal, um parasita predatório e, com razão, sujeito ao tratamento mais brutal (isso se torna um verdadeiro comando moral). 

Aqui está um aditamento, ou consequência, dessa “teoria” demente e perigosa. Tudo isto significa que não se pode identificar os vitimizadores a não ser pelo seu “sucesso”. Lembre-se: não há mérito, apenas alegações concorrentes de capacidade, num cenário competitivo de soma zero. Não existe propriedade nem posse, apenas o domínio sobre os bens materiais exercido pelos opressores. Assim, os que têm – os que têm alguma coisa, veja bem, que qualquer outra pessoa não tem – são, portanto, opressores, pelo menos ao longo dessa dimensão de avaliação. Isto é verdade para qualquer forma de sucesso, sob qualquer aspecto, por todos os padrões possíveis. Assim, a atratividade, a inteligência, a juventude, a idade, a riqueza, a educação, a posição social e muito mais (raça, etnia, crença religiosa) tornam-se dimensões de exploração e nada mais. O fato de isto fazer, literalmente, de quem tem mais do que absolutamente nada um vitimizador é sempre encoberto, até a multidão aparecer, como aconteceu. 

Se você é um vitimizador, lembre-se: você não tem nenhuma posição moral, e nenhuma punição é imerecida ou severa demais. Isto torna-se verdade mesmo que você seja “apenas” membro de um grupo vitimizador e não tenha feito nada de errado, a não ser isso, já que “indivíduo” é uma categoria que, dentro da filosofia pós-moderna, já não existe verdadeiramente. Se você for uma vítima, por outro lado, todo e qualquer ultraje moral é justificado, digno e louvável – até mesmo moralmente exigido – mesmo que você seja apenas um “aliado” auto-engrandecedor e vingativo de algum grupo marginalizado. O fato de tal latitude na ação reativa ou vingativa abrir totalmente a porta às piores ações possíveis dos piores narcisistas e psicopatas imagináveis ​​é também algo rapidamente encoberto ou ignorado pelos ideólogos vingativos da esquerda pós-moderna, muito provavelmente porque é um resultado mais intensamente desejado na mais negra de todas as fantasias ressentidas possíveis. 

Destruir propriedade não é violência.
Universidade de Portland, 01-05-2024

O que isso significa para Israel, para o Hamas, para Gaza e para a Palestina? Bem, os judeus tiveram sucesso. Esta é a fonte de sua ruína contínua. As minorias boas e que se comportam adequadamente definham, tendo um mau desempenho em silêncio. Os judeus, com a sua hipervalorização social da realização intelectual e do sucesso, têm um desempenho melhor contínua e irreprimivelmente. Isso os torna admiráveis? Não para os eternamente ressentidos, para quem qualquer sinal de sucesso é precisamente o sinal do vitimizador. Não para os que preferem assumir que tal sucesso deve ser uma consequência da conspiração nos bastidores que os judeus são sempre acusados ​​de fomentar, em vez de um resultado de capacidade e esforço genuínos. Isso não existe, lembra? – não no mundo metamarxista pós-moderno.

E não nos lembramos que os judeus foram ridicularizados precisamente como parasitas pelos Nacional-Socialistas, planejando aniquilá-los, precisamente porque o seu sucesso, economicamente e mesmo na integração, nada mais era do que prova do seu roubo e astúcia? Esta hipótese não se enquadra perfeitamente na ideia da esquerda radical de que o sucesso, por si só, nada mais é do que a consequência da compulsão e da força injustas que também caracterizam o “capitalismo”? Não é tão incrivelmente conveniente – e perigoso – que tal proposição se encaixe na história de fracassos ressentidos e narcisistas que se acham no direito, em todos os lugares, procurando justificar sua própria infelicidde patética, e muitas vezes autoimposta, buscando desesperadamente um alvo para seus consequentes despeito e ódio? E quão maravilhoso é que a narrativa vítima/vitimador justifique moralmente a destruição daqueles cujo sucesso tanto irrita? Você pode imaginar algo pior do que fornecer aos piores uma justificativa moral para seus atos de ódio mais amargos e cruéis? E mesmo os intelectuais judeus que de forma tão tola agitaram a bandeira progressista, alegando um parentesco eterno com os ressentidos e “vitimizados”, estão agora começando a ver o erro mortal dos seus caminhos.

Os Judeus são bem sucedidos – no oriente médio e noutros lugares. Contudo, para repetir, não há verdadeiro mérito para os progressistas – apenas alegações de mérito. Não existe verdadeira inovação; nenhuma produtividade e generosidade sacrificial – apenas roubo das vítimas. Assim, de acordo com os ditames do metamarxista pós-moderno, os judeus bem-sucedidos devem ser desproporcionalmente avarentos, exploradores e criminosos, pois essa é a única explicação permitida. Esta acaba por ser uma teoria muito conveniente para os líderes-bandidos iranianos, na esperança de desviar a atenção das suas próprias falhas, como tem sido sempre para esses falsos líderes e verdadeiros exploradores. Sempre foi útil tratar os judeus com repulsa e desprezo quando é hora de encontrar alguém para se culpar, e essa é uma estratégia que apela sempre ao que há de pior em todos e em todas as sociedades. 

E você deve se lembrar disto: uma vez que os psicopatas possam voltar sua atenção para os judeus, sem resistência ou consequência, qualquer um que tenha alguma coisa será o próximo. Um

O perigo da narrativa vítima/vitimador não pode ser exagerado. Foi a sua promulgação que deu origem a Lenin, Stalin e Mao. Foi a sua promulgação que deu origem à Alemanha nazista e à catástrofe absoluta de Ruanda. É uma história tão antiga quanto o tempo: o próprio Caim foi a primeira vítima, e seu bom irmão, Abel, o vitimador, merecedor da morte. O espírito de Caim, cujos sacrifícios de segunda mão são considerados deficientes eternamente, torna-se facilmente luciferiano na sua presunção, julgando tanto o homem como Deus pelo seu fracasso, descobrindo que a própria existência é deficiente, insistindo que nada a não ser o poder governa verdadeiramente. Caímos continuamente nas lisonjas desse espírito, que apela para o que é verdadeiramente mais terrível dentro dos recantos mais sombrios da nossa psique, e é muitas vezes o mais “inteligente” entre nós (e, portanto, os mais vítimas do orgulho do intelecto). que são terrivelmente atraídos. No entanto, nós o convidamos para nos possuir por nosso risco extremo.

Universitários pró-Hamas escrevem em tijolos:
“Tijolos para os meus zionistas…
para jogar em suas cabeças fascistas.”
Portland, 01-05-2024

Há centenas de milhares de pessoas marchando pela demonização dos judeus, manipulados, nos bastidores, pelos principados da ideologia do mal e pelas ações dos piores autocratas maquiavélicos do mundo. Isso aconteceu muitas vezes. Os descendentes dos antigos israelitas são os canários universais da mina de carvão [sinais de alerta]. Se permitirmos que governem, ou mesmo se movimentem sem impedimentos entre nós, os levados à loucura vingativa pela sua inveja, estaremos realmente colocando nossos pescoços em risco. Pagaremos, inevitavelmente, como as sociedades e os indivíduos que as compõem sempre pagaram por cometer este pecado mais flagrante, cobiçoso, arrogante, orgulhoso e sádico. 

Chega de estupidez e cegueira, covardes ocidentais; bons pensadores ocidentais. Os bárbaros já não estão à porta: estão lá dentro e começam a torturar os judeus. Eles não são simplesmente “os imigrantes”, de qualquer tipo, embora os que ainda aderem, pelas suas próprias razões infelizes, à mais autoritária das doutrinas fundamentalistas, estejam certamente contribuindo. Eles teriam pouca influência, no entanto, se o terreno para os seus protestos já não tivesse sido preparado pelos infelizes ​​e orgulhosos ideólogos “intelectuais” que pretendem, não menos importante, educar os nossos filhos, que, em vez disso, estão fulminando o ódio em nome da compaixão, e contaminando tudo em todos os lugares, que tenha algum valor, com a terrível acusação de exploração e opressão. A sua doutrina sangrenta, disfarçada de compaixão, deve ser identificada, compreendida e rejeitada, antes que nada reste senão o sangue. 

Imagem:
UCLA (Universidade da Califórnia, Royce Hall)
Do twitter de Jeremy Lindenfeld

nhttps://www.jordanbpeterson.com/blog/pro-hamas-protests-victims-victimizers-and-sanctimonious-psychopaths/

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

O Rosto dos Coletivistas.

Quer o ano seja 1944 ou 2024, nunca se esqueça que uma pessoa comum é capaz de sorrir e aproveitar a vida enquanto participa conscientemente

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *