iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Relação de fatores psicológicos tanto para a causa da anorexia quanto para afirmação que se faz dos pacientes.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: .
Autoria do texto: .
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Por que esta mulher não está no hospital?

A auto-imagem do anoréxico é muito fraca e qualquer tipo de crítica ou feedback negativo dará um forte golpe em seus egos. Um anoréxico com narcisismo ficará obcecado com a imagem corporal e com as falhas percebidas. Qualquer pessoa que expresse preocupação com seu bem-estar provavelmente se tornará alvo de palavras ou comportamentos cruéis por parte dos narcisistas.

Isso faz parte do mecanismo de defesa do narcisista que protege seu ego frágil. Sua atitude arrogante, senso de direito, crítica constante ou reprimir os outros e senso de superioridade também são mecanismos de defesa. Culpar os outros por problemas ou bancar a vítima também são comportamentos comuns.

A relação entre narcisismo e bulimia pode ser complexa e multifacetada, e é essencial compreender que nem todas as pessoas com traços narcisistas desenvolverão um transtorno alimentar. Porém, existem fatores psicológicos que podem contribuir para o desenvolvimento da bulimia em indivíduos com tendências narcisistas. Aqui estão alguns exemplos de como o narcisismo pode estar ligado à bulimia de uma perspectiva psicológica:

Preocupações com a imagem corporal: Indivíduos narcisistas muitas vezes colocam uma ênfase significativa em sua aparência física e podem ser altamente críticos em relação a seus corpos. Eles podem ter uma autoimagem idealizada e um forte desejo de perfeição. Quando percebem falhas ou imperfeições em seus corpos, isso pode levar à insatisfação corporal e a um foco maior no peso e na aparência.

Validação Externa: Os narcisistas muitas vezes buscam validação externa e aprovação de outras pessoas. Eles podem acreditar que sua autoestima está ligada à sua atratividade física e à admiração que recebem dos outros. Esta validação externa pode criar pressão para manter uma determinada imagem corporal ou para se conformar aos padrões de beleza da sociedade.

Impulsividade: Alguns indivíduos narcisistas podem apresentar comportamentos impulsivos, incluindo alimentação impulsiva. A bulimia geralmente envolve episódios de compulsão alimentar seguidos de comportamentos purgativos, como vômitos ou exercícios excessivos. A impulsividade pode contribuir para o envolvimento nesses comportamentos como forma de lidar com emoções negativas ou estresse.

Controle e Autoestima: Os narcisistas normalmente desejam um alto nível de controle em vários aspectos de suas vidas. A bulimia pode proporcionar uma falsa sensação de controle sobre o corpo e o peso. Envolver-se em ciclos de compulsão alimentar pode aliviar temporariamente os sentimentos de culpa ou vergonha relacionados a comer demais, permitindo ao indivíduo recuperar a sensação de controle.

Perfeccionismo: Muitos indivíduos narcisistas têm tendências perfeccionistas e estabelecem padrões irrealisticamente elevados para si próprios. Quando eles percebem que estão aquém desses padrões, isso pode desencadear sentimentos de fracasso e inadequação. A bulimia pode se desenvolver como um meio de lidar com a ansiedade e a angústia associadas a esses sentimentos.

Regulação Emocional: Indivíduos narcisistas podem ter dificuldade em regular as suas emoções, particularmente em resposta a ameaças percebidas à sua auto-estima. Compulsão alimentar e comportamentos purgativos na bulimia podem servir como formas inadequadas de lidar com o sofrimento emocional, proporcionando alívio temporário de emoções intensas.

Identidade e autoestima: A identidade e a autoestima de uma pessoa são preocupações centrais para os narcisistas. A imagem corporal e o peso podem estar interligados ao seu autoconceito. A bulimia pode se desenvolver como um meio de atingir ou manter uma imagem corporal específica que eles acreditam estar ligada ao seu valor próprio.

É importante observar que nem todos os indivíduos com traços narcisistas desenvolverão bulimia, e o desenvolvimento de transtornos alimentares é influenciado por uma combinação de fatores genéticos, psicológicos, ambientais e socioculturais. Além disso, a relação entre narcisismo e transtornos alimentares pode variar de pessoa para pessoa. O tratamento da bulimia normalmente envolve abordar tanto o transtorno alimentar quanto quaisquer problemas psicológicos subjacentes, como o narcisismo, por meio de terapia e apoio.

Reafirmar indivíduos que são excessivamente magros ou que sofrem de distúrbios alimentares como a bulimia podem ter implicações negativas como:

Glorificação de comportamentos prejudiciais à saúde: glamorizar indivíduos perigosamente magros pode inadvertidamente incentivar comportamentos prejudiciais à saúde. Quando a magreza é retratada como um ideal ou um marcador de sucesso, pode levar indivíduos vulneráveis a buscar métodos extremos de perda de peso, incluindo distúrbios alimentares.

Pressão para se ajustar: imagens de modelos ou celebridades extremamente magras podem criar pressão para que os indivíduos se adaptem a padrões de beleza irrealistas. Essa pressão pode contribuir para a insatisfação corporal e aumentar o risco de desenvolver ou agravar transtornos alimentares.

Conteúdo desencadeador: A mídia que inclui imagens explícitas ou descrições de comportamentos alimentares desordenados pode ser um gatilho para aqueles em recuperação de transtornos alimentares. Pode reacender pensamentos e comportamentos prejudiciais, tornando o processo de recuperação mais desafiador.

Mensagens enganosas: Alguns meios de comunicação podem disseminar informações erradas ou simplificar demais questões complexas relacionadas aos transtornos alimentares. Isto pode perpetuar estereótipos e impedir uma compreensão diferenciada destas condições.

Normalização da magreza extrema: Quando a mídia mostra continuamente indivíduos perigosamente magros sem abordar os riscos à saúde associados, ela pode normalizar essa magreza extrema. Essa normalização pode fazer com que os indivíduos ignorem a gravidade do problema.

Impacto em públicos vulneráveis: Os jovens, em particular, são suscetíveis a influências. A exposição a mensagens afirmativas sobre indivíduos perigosamente magros pode impactar negativamente públicos vulneráveis, aumentando o risco de desenvolver transtornos alimentares.


Psicologicamente, os indivíduos que afirmam e elogiam indivíduos perigosamente magros com bulimia podem apresentar várias características ou motivações:

Distorção da imagem corporal: Algumas pessoas podem ter suas próprias percepções distorcidas da imagem corporal, tornando-as incapazes de reconhecer a magreza prejudicial à saúde de indivíduos com bulimia. Eles podem ver a magreza extrema como um tipo de corpo ideal devido a pressões sociais ou inseguranças pessoais.

Desejo de magreza: Aqueles que afirmam indivíduos perigosamente magros podem compartilhar eles próprios um desejo de magreza extrema e ver esses indivíduos como modelos. Eles podem acreditar que alcançar uma aparência semelhante levará ao aumento da auto-estima ou da aceitação social.

Falta de Conscientização: Algumas pessoas podem não ter consciência da gravidade da bulimia e dos seus riscos para a saúde. Eles podem não compreender o impacto físico e psicológico que o distúrbio acarreta para aqueles que o sofrem.

Influência Social: A pressão dos pares ou da sociedade pode desempenhar um papel significativo em influenciar as pessoas a afirmarem indivíduos perigosamente magros. Se o círculo social de uma pessoa promove e elogia a magreza extrema, ela pode se sentir compelida a fazer o mesmo para se adaptar ou obter aprovação.

Ignorância ou Negação: Alguns indivíduos podem optar por negar ou ignorar os sinais de bulimia em outros, intencionalmente ou não. Este pode ser um mecanismo de defesa para evitar o confronto com a realidade de um transtorno alimentar.

Influência da mídia: A mídia muitas vezes retrata a magreza como um ideal, e os indivíduos que afirmam que os indivíduos são perigosamente magros podem ser influenciados por essas representações da mídia. Eles podem acreditar que imitar esses números levará ao sucesso ou à felicidade.

Empatia e Apoio: Em alguns casos, os indivíduos podem apoiar aqueles com bulimia por um desejo genuíno de oferecer apoio e empatia. Eles podem acreditar que as suas afirmações positivas podem ajudar a aumentar a auto-estima e a recuperação do indivíduo, mesmo que esta abordagem seja equivocada.

Falta de informação: A falta de conhecimento sobre os transtornos alimentares, suas causas e consequências pode levar as pessoas a fazer comentários ou afirmações mal informadas sobre indivíduos perigosamente magros. A educação e a conscientização sobre os transtornos alimentares são essenciais para combater esse problema.

Imagem:
Instagram

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

O Rosto dos Coletivistas.

Quer o ano seja 1944 ou 2024, nunca se esqueça que uma pessoa comum é capaz de sorrir e aproveitar a vida enquanto participa conscientemente

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *