iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Reflexões sobre os homens comuns agindo desumanamente

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Foto de Gustav Hille – https://collections.ushmm.org/search/catalog/pa1065469, Public Domain, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=37393911


Por Jordan Peterson. Leia o artigo original no Think Spot.


Em 1991, o historiador americano Christopher Browning escreveu um livro chamado Homens Comuns: Batalhão 101 de Polícia Reserva e a Solução Final na Polônia sobre a Ordnungspolizei (Polícia da Ordem) Unidade de Reserva 101. O livro detalha de uma maneira psicologicamente plausível a terrível transformação de homens trabalhadores convencionais e essencialmente bem socializados – a maioria com famílias – em assassinos capazes de levar mulheres grávidas nuas para o campo polonês e executá-las com um tiro de pistola na nuca. É melhor ler esse livro com cautela – e, mais importante (com esse cuidado em mente), ler como um perpetrador em potencial, em vez de uma vítima hipotética ou, pior, um herói. 

Os homens do Batalhão de Polícia 101 foram encarregados de fazer a limpeza depois que os nazistas marcharam e dominaram a Polônia. Seu comandante, o major Wilhelm Trapp, era, segundo todos os relatos, um homem decente, considerando a época. Além disso, os homens do batalhão eram todos cidadãos de meia-idade de Hamburgo, sem experiência militar, convocados mas considerados inelegíveis para o serviço regular, que haviam amadurecido antes da intensa indoutrinação de jovens que representavam a Juventude Hitlerista. Eles não eram anormalmente cruéis, nem eram os principais anti-semitas fervorosos. Nenhuma explicação simples (sadismo; preconceito) seria suficiente enquanto Browning tentava explicar o comportamento deles. 
Dentro da unidade, havia alguns homens da SS com treinamento profissional, cruéis e psicopatas, que tendiam a considerar seu comandante Trapp fraco, pouco militar e sujeito a interferir inadequadamente nos deveres de seus oficiais. Alguns outros eram reservistas, em vez de policiais de carreira. A maioria, no entanto, eram homens da classe trabalhadora de tipo menos profissionalizado, trabalhadores de armazém e construção, operadores de máquinas, garçons e marinheiros, entre outros. Eles tinham em média quase quarenta anos – velhos demais para o recrutamento geral. Eles nem mesmo eram particularmente prováveis de serem membros do partido nazista (cerca de 25% por cento). Como Browning aponta, “esses homens não parecem ter sido um grupo muito promissor para se recrutar assassinos em massa em nome da visão nazista de uma utopia racial livre de judeus”. Alguns deles, depois de serem informados até certo grau da intensidade do que poderiam ser obrigados a fazer em um país agora subjugado, pediram para ser dispensados de seu trabalho e colocados em outro lugar – e a opção de sair parece ter sido oferecida a eles por seus comandante. Na verdade, Browning ainda conta a história de um policial que solicitou, e obteve, sua libertação e que conseguiu uma promoção em seu retorno à Alemanha. No entanto, apenas 12 homens no batalhão de 500 homens escolheriam se retirar ao saber a verdadeira natureza dos trabalhos. Além disso, segundo todos os relatos, a maioria deles sofreria terrivelmente ao se transformar nos monstros que logo se tornariam. se transformar nos monstros que logo se tornariam.
Homens comuns é aterrorizante também por causa de seus relatos gráficos das ações empreendidas pelos agora policiais, uma vez transportados para a Polônia. Mas o que o torna verdadeiramente terrível é sua plausibilidade psicológica mencionada. Esses homens eram de fato “comuns”. Eles não estavam seguindo ordens sob ameaça de punição. Com isso em mente, Browning confronta e articula os enigmas morais associados ao estudo da história. É muito tentador (e também algo que fornece um certo grau de segurança psicológica ingênua) ler o passado e classificar os vilões como completamente vilões e os heróis como completamente virtuosos. Mas isso é propaganda, não história. Mesmo no mundo literário, o trabalho de qualidade apresenta a sempre presente batalha moral não como travada entre estados puramente maus e bons, ou pessoas puramente más e boas, mas como consequência das forças complexas e paradoxais do bem e do mal operando em terrível conflito dentro de cada alma, entre indivíduos e na batalha entre estados. Isso não quer dizer que as forças mais sombrias às vezes não dominam em um ou mais desses níveis. Não estou igualando os poderes do Eixo aos Aliados, ou os comunistas Soviéticos ou Maoístas ao ocidente livre. Mas a tentação para o fraude, arrogância, ressentimento, possessão ideológica e a projeção de todo o mal em algo convenientemente diferente de uma combinação de eu, compatriota, família e estado é perigosamente atraente. No mínimo, interfere com o tipo de introspecção que pode produzir progresso moral genuíno – que é algo ainda necessário, não importa quão bom seja o estado atual – por parte tanto do indivíduo quanto da sociedade. 
A Polícia da Ordem foi colocada sob os auspícios de quatro unidades móveis especiais da SS conhecidas como Einsatzgruppen, descritas por Browning como “a vanguarda das unidades alemãs que se envolveram em assassinatos políticos e raciais em massa na Rússia” e em outros lugares. Em 1941, após os surpreendentes sucessos iniciais da blitzkrieg nazista, Hitler ordenou uma intensificação do programa de pacificação depois do avanço das linhas alemãs – parte de seu desejo de criar um “Jardim do Éden” permanente para a raça ariana a leste da Alemanha. As ações do Batalhão 101 deveriam fazer parte desse programa, que envolvia, nas próprias palavras de Hitler, “atirar em qualquer um que nos olhe de soslaio”. O problema fundamental enfrentado pelas burocracias gigantes que supervisionam a Solução Final era o transporte: os enormes campos, equipados para assassinatos em massa, principalmente na forma de gás venenoso, foram criados em 1941 em Auschwitz / Birkenau, Chelmno, Birkenau (bem como Sobibor e Treblinka, um pouco mais tarde). Isso levantou os problemas conjuntos de prover pessoal para essas enormes instituições, bem como de transferir para os campos aqueles destinados ao trabalho e à morte. Havia 2.000.000 de judeus sob o comando do Governo Geral no que antes era a Polônia e 300.000 somente no distrito de Lublin. 

O próprio Himmler não forneceu recursos para implementar esses programas; o homem acusado de um papel de liderança no projeto de extermínio polonês, o austríaco Odilo Globocnik, foi, portanto, forçado a reunir exércitos privados para realizar a tarefa ele mesmo. Ele reforçou seus escassos recursos quase profissionais com os Trawnikis, “auxiliares” não poloneses oriundos de prisioneiros de guerra ucranianos, letões e lituanos, que foram selecionados para o anticomunismo, receberam um alívio da fome e tiveram a promessa de que não seriam enviados como combatentes da linha de frente contra os soviéticos. Foi nesse meio, repleto de uma oferta excessiva de transportadores judeus trazidos de outras áreas para substituir aqueles que já haviam sido deportados, que os homens do Batalhão 101 chegaram a Lublin. Suas ordens indicavam que eles estariam cumprindo o dever de guarda. Como Browning salienta, “não há nenhuma indicação que sequer os oficiais suspeitassem da verdadeira natureza das obrigações que os aguardavam.”
Os homens do batalhão começaram reunindo judeus em assentamentos menores e consolidando-os em campos e guetos maiores, às vezes usando caminhões, às vezes a pé. Nada disso envolveu execução em massa, embora judeus frágeis, velhos e doentes tenham sido fuzilados, pelo menos em alguns casos. Isso pode ser considerado o começo (embora mesmo as deportações em massa constituíssem um claro passo em um mau caminho). No entanto, Globocnik percebeu rapidamente que a velocidade de meramente coletar pessoas era insuficiente e decidiu acelerar o processo de erradicação com execução em massa, no local, por pelotão de fuzilamento. As coisas mudaram drasticamente para pior em Józefów, uma pequena cidade no centro-leste da Polônia, que tinha na época uma população de cerca de 1.800 judeus. Globocnik, ou alguém próximo a ele, informou a Trapp que essas pessoas seriam presas, como de costume, mas que apenas os homens capazes de trabalhar deveriam ser transportados. Os idosos, mulheres e crianças deveriam ser executados no local. 

O tenente Heinz Buchmann recusou-se, sem rodeios, afirmando que “ele de forma alguma participaria de tal ação, em que mulheres e crianças indefesas são baleadas”. O tenente Hagen, representante de Trapp, concordou em reposicionar Buchmann e o colocou no comando dos judeus homens selecionados para o trabalho. Este é um episódio muito revelador, na minha opinião. Buchmann agiu sob circunstâncias pessoais terríveis e perigosas, e não foi punido por isso: ele foi meramente transferido. Embora sem dúvida houvesse momentos em que a objeção moral a uma ordem inaceitável (o massacre de mulheres e crianças desarmadas certamente no topo da conta) teria resultado em extremo perigo pessoal, e talvez até mesmo para membros da família, não sabemos o quão comum tal retaliação ameaças realmente eram, nem com que frequência essas ordens malévolas poderiam ser recusadas com sucesso.

Afinal, pode ser que, sob tais circunstâncias, o resistente tenha uma vantagem tão clara, moralmente falando, que seja difícil criticá-lo ou discipliná-lo com eficácia. Em todo caso, na manhã seguinte, quando o comboio de caminhões chegou a Józefów, Trapp fez outra oferta extraordinária: “qualquer um dos homens mais velhos que não se sentisse à altura da tarefa que estava diante deles poderia sair”. Uma dúzia de homens abandonou a operação, depois de enfrentar alguns abusos de Hoffmann. É demais apontar que uma decisão desse tipo, mesmo quando acompanhada por acusações de traição e covardia, parece muito preferível à participação direta em assassinatos em massa do tipo mais traidor da consciência? E notar também o quão pequena era a minoria de homens que se afastaram voluntariamente, e quão poucos seguiram seus passos, mesmo depois de o exemplo de resistência ter sido dado? 

Os homens restantes receberam ordens de cercar a aldeia, atirar em qualquer fugitivo, escoltar os judeus até o mercado e atirar em todos os resistentes, doentes ou frágeis demais para obedecer (assim como crianças incapazes de viajar). Isso significavau o massacre dos mais fracos e menos capazes de se defender. Algo menos condizente com qualquer senso de honra militar dificilmente poderia ser imaginado. O próprio Trapp não testemunhou as execuções: “Oh, Deus, por que eu tive que receber essas ordens”, disse ele, de maneira claramente sincera. Suas lágrimas correram copiosamente. Ele perguntou a um subordinado se ele sentia que o que estava acontecendo era de alguma forma justificado. “Não, Herr Major!” ele respondeu. Mais reveladoras, talvez, sejam as palavras que ele disse mais tarde a seu motorista: “Se este negócio judeu for vingado na Terra, então tenha misericórdia de nós, alemães. ” Há todas as provas de que Traoo – e não apenas Trapp – sofreram terrivelmente porque ele traiu sua consciência, apesar de desempenhar seu dever, mostrando perfeitamente bem que a obediência a Deus, por assim dizer, transcende o dever colocado mesmo em homens convencionalmente disciplinados pelos seus superiores (assim com os posteriores julgamentos de Nuremberg insistiram).
A própria cultura pode se corromper. Obedecer aos seus ditames em tais circunstâncias é apenas participar da corrupção, bem como do abandono genuíno e grave do dever (mesmo no que diz respeito à própria cultura, independentemente de sua opinião coletiva), visto que o verdadeiro dever do patriota e do cidadão é a revivificação do passado morto, perdido no caos, e a restauração de sua visão. Sob tais circunstâncias, não há opções de risco zero: podemos escolher a conveniência e sua segurança ilusória, ou os grandes perigos de um jogo patológico de longa duração que degenera n​umo inferno. 

As evidências sobre o ​fuzilamento real de bebês são confusas. Alguns alegaram que havia cadáveres de crianças muito pequenas entre os idosos e os doentes deixados nas portas, casas e ruas. Outros afirmaram que “quase tacitamente todos se abstiveram de atirar em bebês e crianças pequenas”. No entanto, assim que os habitantes judeus de Józefów foram conduzidos aos trilhos do trem, a matança começou para valer. Os trabalhadores foram separados de suas famílias, chorando quando a compreensão ​despontou entre eles. Os homens do batalhão foram instruídos a colocar as baionetas na espinha dorsal, acima das omoplatas, e atirar em uníssono ​à​ ordem. Com exceção de uma pequena pausa, os tiroteios prosseguiam até o anoitecer. É digno de nota que vários homens adicionais (mas, novamente, não muitos, se recusaram a participar desse processo, depois que seus detalhes foram delineados. Esses homens foram ​simplesmente designados para tarefas alternativas). Outros ​deram ​tiros de raspão ​em suas vítimas ou se esconderam no jardim de um padre católico local até que ficaram com medo de serem notados. Alguns passaram tempo​ injustificado fazendo buscas em casas. 

As execuções ​e​ram sangrentas e horríveis. Usar baionetas fixas como guias de mira era de pouca utilidade: “Por meio do tiro à queima-roupa que era então necessário, a bala atingi​a​ a cabeça da vítima em uma trajetória​ ​em​ que​,​ muitas vezes​,​ todo o crânio​,​ ou pelo menos toda a calota craniana traseira​, era ​arrancad​a​, e sangue, estilhaços de ossos e cérebros se espalha​v​am por toda parte e mancha​v​am os atiradores”. Muitos homens adicionais, incluindo o tenente Hergert, um oficial que supervisionava a operação, simplesmente tiveram que – e foram autorizados a – parar. “Eu mesmo participei de cerca de dez ​fuzilament​os, nos quais tive que atirar em homens e mulheres. Simplesmente não conseguia mais atirar nas pessoas, o que ficou claro para meu sargento​,​ Hergert, porque no final eu ​atir​ava d​e rasp​ão várias vezes … Outros companheiros também se sentiam aliviados mais cedo ou mais tarde, porque simplesmente não podiam mais continuar.”​ ​Aqueles que se recusaram a participar do processo foram inundados de epítetos, mas, como um não​- participante ​menci​onou,“ Não foi​,​ de forma alguma​,​ ​o caso de ​que aqueles que não quiseram​,​ ou não puderam​,​ ​levar​ a cabo​ fuzilamentos em seres humanos com seus as próprias mãos​,​ NÃO consegui​r​am ​deixar de realizar a tarefa. Nenhum controle estrito estava sendo realizado aqui.” 
E aqui está um relato da re​ação de várias pessoas que seguiram ordens, pelo menos até certo ponto: Um soldado, Franz Kastenbaum, havia atirado em quatro vítimas: “O ​fuzilamento dos homens foi tão repugnante para mim que ​errei o quarto homem. Simplesmente não era mais possível mirar com precisão. De repente, senti náuseas e fugi do local d​o fuzilamento…. Eu então corri para a floresta, vomitei e me sentei contra uma árvore…. Hoje​,​ posso dizer que meus nervos estavam totalmente esgotados.​’​” Poderia haver alguma indicação mais clara de violação de algum senso interno de certo e errado? Ele​,​ então​,​ voltou para a ​entrada do bosque e dirigiu um caminhão vazio de volta ao mercado, sem sofrer ​nenhuma ​consequências por suas ações. Talvez 20-30% dos homens se engajaram em tal evasão secreta – embora o terrível corolário disso seja que 70 a 80% ​acataram​ as ordens​. Browning afirma​: “Quando os homens chega​v​am ao quartel em Bilgoraj, eles estavam deprimidos, ​zangados, amargurados e abalados.” Comiam pouco, bebiam copiosamente e ouviam Trapp tentar colocar a responsabilidade sobre os mais altos da cadeia de comando. Mas o horror permanec​ia e os pesadelos começaram, e os homens concordaram silenciosamente em não discutir o que havia acontecido. 

Mais tarde, quando os policiais foram interrogados sobre sua participação nos eventos, muitos negaram que tivessem escolha. Uma fração menor atribuiu sua participação à covardia total ou à falta de vontade de perder prestígio. Outros racionalizaram suas ações: “Eu me esforcei e foi possível para mim, atirar apenas em crianças. Acontece que as mães conduziam os filhos pela mão. Meu vizinho então atir​ava na mãe e eu atir​ava no filho que pertencia a ela, porque raciocin​ava comigo mesmo que, afinal, sem sua mãe, os filhos não ​conseguiriam mais ​​viver. Era para ser, por assim dizer, um ​sedativo para minha consciência libertar crianças incapazes de viver sem suas mães.” Browning também ​observ​a uma notável falta de qualquer discussão sobre o anti-semitismo como fator motivador. Além disso, “A oposição motivada politica​ ​e eticamente, explicitamente identificada pelos policiais em questão, era relativamente rara”. Era uma questão de repugnância pessoal, ao que tudo indicava, motivada pela consciência, muitas vezes anulada, muito em detrimento não só das vítimas (pelas quais dev​er​ia residir obviamente a nossa simpatia fundamental), mas também dos próprios perpetradores. 

À medida que o trabalho realizado pelo Batalhão de Polícia 101 continuou, os responsáveis tornaram-se mais astutos psicologicamente. Eles retiraram os homens do​s​ pior​es trabalhos, devolvendo-os ​ao arrebanhamento dos judeus em questão e atribuindo a matança aos prisioneiros de guerra Trawnikis. Sem dúvida, em comparação, isso foi um grande alívio, permitindo que pelo menos um passo fosse colocado entre a ação direta e as consequências inevitáveis. Na próxima vez que os homens do Batalhão ​e​ram chamados para atuar como algozes, os Trawniki f​azi​am o trabalho mais sujo, massacrando​,​ bêbados​, tanto​ mulheres ​quanto homens em covas rasas cheias de água, muitas vezes depois de torturar e humilhar suas vítimas, enquanto os homens do Batalhão ficavam “radiantes”​porque​ ​”não ​tinham sido obrigados a atirar desta vez”. Até mesmo a pequena proporção de policiais que foram obrigados a atirar o f​a​z​iam no ​estilo de pelotão de fuzilamento, e não t​inham que en​carar diretamente suas vítimas. Com o tempo, eles se acostumaram cada vez mais ao papel que desempenhavam nas ações nazistas​,​ entre as linhas​​ polonesas​,​ como agentes de massacre.

Após ​esse​ treinamento, conduzido às custas das almas e da consciência dos homens envolvidos, a mera exigência de arrebanhar judeus para os campos de extermínio parecia muito inofensiva de fato, e isso aconteceu em cidades como Radzyń, Łuków, Parczew e Międzyrzecz. A essa altura, o treinamento (e o autoengano e a auto-traição) havia chegado ao ponto em que muitos dos homens retiveram como memória ​fundamental o fato de que tiveram de ficar em Parczew​,​ em um prado pantanoso​,​ e sofrer com os pés molhados. Um oficial recém-recrutado, um certo capitão Wohlauf, até trouxe sua noiva, grávida de quatro meses, para testemunhar os eventos (especificamente em Międzyrzecz), para vergonha e desgosto dos homens mais experientes. Frau Wohlauf, agora ​despojada do casaco militar que ​ela ​usava, evidente para todos em seu vestido, acompanhava os acontecimentos de perto – e a polícia militar estava agora no meio disso, ​carregando os vagões de transporte, usando chicotes e revólveres quando necessário e, uma vez terminado o carregamento, fechando as portas com pregos. A proporção de deportados para mortes em Międzyrzecz foi de 10 para 1, em comparação com as deportações muito mais conhecidas no gueto de Varsóvia de 50 para 1. 

Como relata Browning, os judeus de Międzyrzecz não marchavam como “’cordeiros para o matadouro’. Eles foram conduzidos com uma ferocidade e brutalidade quase inimagináveis​,​ que deixaram uma marca ​ímpar nas memórias até mesmo dos participantes cada vez mais entorpecidos e calejados do Batalhão de Polícia de Reserva 101. Este não era o caso de ‘fora da vista, ​fora da mente’”. ​A ​situação só piorou a partir daí. Em Serokomla, no distrito ​setentrional ​de Lublin, sob o comando do capitão Wohlauf, ​a​os 200 a 300 judeus que haviam sido reunidos e isolados​,​ ​ordenou-se, repentinamente, ​que fossem fuzilados. Cada policial en​car​ou diretamente o indivíduo que deveria executar. “Após cada rodada, o próximo grupo de judeus era levado ao mesmo local e, portanto, tinha que olhar para a pilha crescente de cadáveres de sua família e amigos​,​ antes de serem baleados. Só depois de várias rodadas os atiradores muda​v​am de local.” É exatamente essa crueldade incrivelmente insensível ​suplementar que é o verdadeiro sinal de que a corrupção alcanç​ara sua vitória final. 

A essa altura, o outrora compassivo Trapp parecia ter pouco escrúpulo em cumprir seus deveres. Não há razão para ​ser ​triunfa​nte​ sobre isso, ou para se sentir comparativamente moralmente superior: é uma indicação de que mesmo aqueles que não são temperamentalmente ou, digamos, filosofica ou teologicamente inclinados a se deliciar com ​a destruição​, certamente podem treinar​-se​ para participar dele. Esta deveria ser uma lição objetiva para todos nós, visto que está longe de ser óbvio que uma pessoa típica teria sido tão misericordiosa quanto Trapp foi para começar. Para mim, o que a história de Trapp produz é excesso e horror mais profundo, fornecendo evidências ​, como faz, ​do inferno que pode esperar qualquer um que ​esteja disposto a seguir em frente, apesar de si mesmo, um terrível passo de cada vez. 

Heinz Buchmann, porém, continuou com sua recusa e, embora não tenha sido devolvido à Alemanha, recebeu empregos que o mantiveram isolado da carnificina e foi, de fato, promovido com certa regularidade durante o restante de sua carreira militar. Alguns manifestaram sua desaprovação de suas ações por meio de maldições e insultos, mas outros seguiram seu exemplo. Foi o desejo de se agarrar a algum senso de propriedade, por mais residual e racionalizado que possa ter sido, que permitiu a Trapp tolerar e proteger aqueles que não ​estavam dispostos a participar da destruição ordenada? 
Não demorou muito para que o estilo gangster de assassinar mulheres e crianças, ajoelhadas ou deitadas de bruços, se tornasse uma prática ​padrão​, muitas vezes depois ​de despirem as vítimas ​de suas roupa ​de baixo ​no frio do outono. Isso e​ra segui​r ​as ordens de um oficial, de quem uma testemunha posterior test​ificou: “Para meu pesar, devo dizer que o primeiro-tenente Gnade me deu a impressão de que todo o negócio lhe proporcion​ava muito prazer.”

Pode ser apropriado fechar esta seção com algumas das palavras mais assustadoras que Browning escreveu. No decorrer de tudo isso – vamos chamá-lo de treinamento – “muitos ​se torn​aram entorpecidos, indiferentes e alguns ​matadores ansiosos; outros limitaram sua participação no processo de matar, abstendo-se quando podiam fazer isso sem grande custo ou inconveniência. Apenas uma minoria de não-conformistas conseguiu preservar um senso de autonomia moral ​sitiado,​que os encorajou a empregar padrões de comportamento e estratagemas de evasão que os impediram de se tornarem assassinos.” De fato, à medida que o massacre progredia​,​ e quando voluntários eram chamados para realizar as ações necessárias, rapidamente chegou um momento em que havia mais dispon​íveis do que o necessário, de modo que muitos ​eram rejeitados. 

Como o inferno surge na Terra? Primeiro, porque as pessoas agem a despeito de sua consciência, até em detrimento delas mesmas, mesmo quando sabem disso; segundo, porque o inferno chega passo a passo, uma ação de traição após a outra. E deve ser lembrado que é muito raro as pessoas se levantarem contra o que sabem ser errado, mesmo quando as consequências são comparativamente muito pequenas. E isso é algo a​ se​ considerar profundamente, se você está preocupado em levar uma vida moral e cuidadosa: se você não se opõe quando as transgressões contra sua consciência são (comparativamente) menores, por que ​você  ​porventura suporia ​que não participará​,​ quando ​lhe ​​pedirem, para quando as coisas realmente sa​íre​m do controle? Isso não quer dizer (como já observamos) que todos capitulam, e agradeço a Deus por isso: Considere o testemunho de um Adolf Bittner, membro do batalhão da polícia: “Devo ressaltar que desde os primeiros dias não deixei dúvidas​,​ entre meus companheiros​,​ de que desaprovava essas medidas e nunca me ofereci para elas. Assim, em uma das primeiras buscas por judeus, um de meus camaradas espancou uma judia na minha presença e eu o acertei no rosto. Foi feito um relatório e, assim, minha atitude ​chegou ao conheci​mento de meus superiores. Nunca fui punido oficialmente. Mas qu​alquer um qu​e conhece o funcionamento do sistema sabe que, fora da punição oficial, existe a possibilidade de trapaças que mais do que compensam a punição. Assim, fui designado para deveres dominicais e vigílias especiais.” Mas, como Browning ​salienta, ninguém designou Bittner a um pelotão de fuzilamento por sua insubordinação.A tirania cresce lentamente e nos pede ​parae recu​armos em passos relativamente pequenos de cada vez. Mas cada re​cuo​ aumenta a possibilidade de um próxim​o​ re​cuo. Cada traição de consciência, cada ato de silêncio (apesar do ressentimento sentido) e cada racionalização enfraquece a resistência e aumenta a probabilidade do próximo ​passo tirânico ​adiante. Esse é particularmente o caso quando uma certa porcentagem dos que estão avançando verdadeiramente se deliciam com o poder irresponsável que agora lhes foi concedido – e essas pessoas estão sempre disponíveis. Melhor ficar em frente, acordado, quando os custos são relativamente baixos – e, talvez, quando as recompensas potenciais ainda não tenham desaparecido. Melhor ficar à frente antes que a capacidade de fazê-lo ​fique irremediavelmente comprometida. Esta é a terrível lição do Holocausto e, eu diria, de todas as tiranias do século XX. 

Como são os homens que​, com certeza,​ eram cidadãos decentes e comuns de seu tipo (ou pelo menos não piores do que os outros e​,um tanto​,​ selecionados aleatoriamente) transformados nos lobos sem coração da destruição que obedeciam às terríveis ordens que recebiam? A resposta não é ​nada ​bonita. É pessoal​ demais​ para aqueles que pensam com clareza e realismo enquanto lêem e refletem. É​ ​indicativo ​demais ​dos terríveis perigos da mera ordem e da perda da alma e do espírito, que é o preço ​por sacrificar a consciência ao estado. É assustador demais considerar os lugares terríveis aos quais é possível chegar com um passo descuidado e deliberadamente cego de cada vez. Mas é preciso contemplar, se quisermos parar, de uma vez por todas, ​a catástrofe da conformidade social​ inconcebível que acompanha o sacrifício da ainda pequena voz.

Há consequências em seguir as regras, conforme essa sequência de histórias claramente rela​t​a. Há consequências em aderir à ordem estabelecida pelo consenso social quando o consenso social e, portanto, a ordem, torna-se patológico. As consequências​,​ neste caso​,​ envolveram a perseguição e tortura e morte de milhares de pessoas, bem como a perversão das almas daqueles que estiveram envolvidos na realização de seus atos inescrupulosos. 

Se você deci​​d​e​ se levantar e recusar uma ordem; se você faz algo que os outros desaprovam, mas ​ você ​acredita firmemente ser correto, você deve estar em uma posição ​de confiar em si mesmo. Isso significa que você deve ter tentado viver uma vida honesta, significativa e produtiva (​precisamente do tipo que poderia caracterizar outra pessoa em quem você estaria inclinado a confiar). Se você não fez isso, pode não ser capaz de confiar em si mesmo quando a situação chegar. Mas se você ​tem ​agi​dou de maneira honrosa, de modo que você é uma pessoa confiável, será sua decisão​ de​ ​se ​recusar ou agir de maneira contrária às expectativas públicas que ajudará a própria sociedade a se manter em pé. Ao fazer isso, você pode fazer parte da força da verdade que impede que a própria ordem se torne corrupta​​ e tirânica. Tem sido sempre assim. O indivíduo soberano, ​alerta e ​atendendo à sua consciência, é a força que impede o grupo, como uma estrutura necessária que guia as relações sociais normativas, de se tornar cega e mortal.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise

O “Great Reset”

Hilde Schwab, esposa de Klaus Schwab, e Charlize Theron no Fórum Econômico Mundial […] O fundador do Fórum Econômico Mundial, Klaus Schwab, enfatizou repetidamente como

Leia Mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *