iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Controle da Linguagem usado com o Pretexto de não ferir sentimentos,
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Atenção:

Esse artigo desempenha papel meramente informativo. Consulte sua autoridade médica local para receber aconselhamento apropriado.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: Breitbart.
Autoria do texto: Simon Kent.
Data de Publicação: 03 de Março de 2020.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui. Breitbart

Por Simon Kent. Leia o artigo completo no Breitbart.

Não ferir os sentimentos é um dos cuidados que se deve ter com a epidemia do Coronavírus. Assim, as pessoas devem se policiar ao usar palavras como “China”, “Wuhan” ou “Ásia”.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou um documento em que adverte as pessoas a tomarem cuidado com as palavras que usam. Usar palavras e linguagem “incorretas” pode ter um efeito negativo e estimular atitudes estigmatizantes em relação às vítimas do coronavírus.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que o “estigma” em torno do coronavírus é “mais perigoso que o próprio vírus”.

O documento especial da OMS descreve todos os protocolos aceitos ao se lidar com comentários de coronavírus. Alguns exemplos:

Não vincule locais nem uma etnia à doença, este não é um “vírus Wuhan”, “vírus chinês” ou “vírus asiático”. O nome oficial da doença foi escolhido deliberadamente para evitar a estigmatização – o “co” significa Corona, “vi” para vírus e “d” para doença, 19 é porque a doença surgiu em 2019.
2 Diretrizes de terminologia do ONUSIDA: de ‘vítima de AIDS’ para ‘pessoas vivendo com HIV’; de ‘luta contra a AIDS’ a ‘resposta à AIDS’

O estigma social no contexto da saúde é a associação negativa entre uma pessoa ou grupo de pessoas que compartilham certas características e uma doença específica. Em um surto, isso pode significar que as pessoas são rotuladas, estereotipadas, discriminadas, tratadas separadamente e / ou sofrem perda de status por causa de vínculos apercebidos com uma doença. Esse tratamento pode afetar negativamente as pessoas com a doença, bem como seus cuidadores, familiares, amigos e comunidades. As pessoas que não têm a doença, mas compartilham outras características com esse grupo, também podem sofrer estigma. O atual surto de COVID-19 provocou estigma social e comportamentos discriminatórios contra pessoas de determinadas etnias e qualquer pessoa que entenda estar em contato. com o vírus

Ao falar sobre a doença de coronavírus, certas palavras (caso suspeito, isolamento …) e linguagem podem ter um significado negativo para as pessoas e estimular atitudes estigmatizantes. Eles podem perpetuar estereótipos ou suposições negativas existentes, fortalecer falsas associações entre a doença e outros fatores, criar medo generalizado ou desumanizar aqueles que têm a doença. Isso pode afastar as pessoas de serem examinadas, testadas e colocadas em quarentena. Recomendamos uma linguagem de “pessoas primeiro” que respeite e capacite as pessoas em todos os canais de comunicação, incluindo a mídia.

Esta não é a primeira vez que Tadros alertou a comunidade global sobre sua percepção do coronavírus e alertou que o idioma deve mudar.

Ele já elogiara calorosamente a China por sua resposta ao surto, e recomendara que outras nações deveriam assistir e aprender para tirar o máximo de proveito.

Tedros rejeitou totalmente as alegações de que a paralisia burocrática e a negligência institucional da China contribuíram de alguma maneira para a disseminação global da doença.

Em vez disso, ele quer que a China sirva de modelo de eficiência e assistência médica avançada.

Ele reforçou essa abordagem quando fez outro anúncio elogiando a China, expressando confiança nas medidas adotadas para controlar a disseminação do contágio.

Siga Simon Kent no Twitter:  ou envie um e-mail para: [email protected]

Aviso Legal

O CONIPSI acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a salvar vidas. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito do novo Coronavírus, a fim de difundir somente aquelas que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.