iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Por Dennis Prager. Leia o artigo completo aqui.

David Brooks, do The New York Times, escreveu uma coluna sobre um estudo acadêmico sobre a quase completa falta de vocabulário moral entre a maioria dos jovens americanos. Abaixo estão alguns trechos do resumo de Brooks sobre o estudo, conduzido pelo “eminente sociólogo de Notre Dame Christian Smith”, de americanos, de 18 a 23 anos.

“Quando solicitados a descrever um dilema moral que tivessem enfrentado, dois terços dos jovens não conseguiram responder à pergunta nem descreveram problemas que não fossem, de maneira alguma, morais …

“O pensamento moral não entrou em cena, mesmo considerando coisas como dirigir embriagado, colar na escola ou trair um parceiro …

“A posição padrão, para a qual a maioria deles voltou várias vezes, é que as escolhas morais são apenas uma questão de gosto individual …

“Como alguém disse: ‘quero dizer, acho que o que torna algo certo é como me sinto a rspeito. Mas pessoas diferentes sentem de maneiras diferentes, então eu não poderia falar em nome de mais ninguém sobre o que é certo e errado …'”

“A moralidade já foi revelada, herdada e compartilhada, mas agora é vista como algo que surge na privacidade do seu próprio coração.”

Desde a faculdade, estou convencido de que os “estudos” ou confirmam o que o bom senso sugere ou dizem que eles estão enganados. Percebi isso quando vi um estudo atrás do outro, mostrando que meninos e meninas não eram inerentemente diferentes um do outro, e que eles agiam de maneira diferente apenas por causa de educação sexista.

Este último estudo, citado por David Brooks, confirma o que os conservadores sabem há uma geração: os padrões morais foram substituídos por sentimentos. É claro que os da esquerda acreditam nisso somente quando um escritor de um grande jornal liberal cita um “eminente sociólogo”.

O que é desconcertante no artigo de Brooks é que, em nenhum lugar da importante coluna, ele menciona a razão dessa tendência perturbadora, a saber, o secularismo.

A classe intelectual e a esquerda ainda acreditam que o secularismo é uma benção total. Eles estão errados. O secularismo é bom para o governo. Mas é terrível para a sociedade (embora ainda seja preferível à má religião) e para o indivíduo.

Uma das principais razões é o que o secularismo faz com os padrões morais. Se os padrões morais não estão enraizados em Deus, eles não existem objetivamente. O bem e o mal não são mais reais do que “gostoso” e “repugnante”. Eles são simplesmente uma questão de preferência pessoal. Um dos principais filósofos liberais, Richard Rorty, ateu, reconheceu que, para o liberal secular, “não há resposta para a pergunta ‘por que não ser cruel?'”

Com a morte dos padrões baseados-em-um-Deus-judeu-cristão, as pessoas simplesmente substituíram esses padrões por sentimentos. Milhões de jovens americanos foram criados por pais e escolas com “Como você se sente a respeito disso?” como o único guia para o que eles deveriam fazer. O coração substituiu Deus e a Bíblia como um guia moral.

E agora, como Brooks aponta, vemos os resultados. Um grande número de jovens americanos nem sequer pergunta se uma ação é certa ou errada. A pergunta pareceria alienígena. Por quê? Porque a pergunta sugere que existe um certo e errado fora deles. Assim como não há Deus superior a eles, também não há moralidade superior a eles.

Quarenta anos atrás, comecei a escrever e dar palestras sobre esse problema. Foi então que comecei a perguntar aos alunos se eles salvariam primeiro seu cachorro ou um estranho se ambos estivessem se afogando. A maioria sempre votou contra o estranho, porque, eles explicaram, amavam seu cachorro e não amavam o estranho.

Eles seguiram seus sentimentos.

Sem Deus e as religiões judaico-cristãs, o que mais existe?

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *