iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

A indústria precisa potencializar ao máximo a droga para que os usuários não consigam abandonar o vício.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: texto adaptado de tabletmag.com.
Autoria do texto: Leighton Woodhouse.
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui. texto adaptado de tabletmag.com
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Dra Libby Stuyt é uma psiquiatra com 30 anos de experiência em dependência severa de drogas. Nos últimos 5 anos, comparando os usuários de metanfetaminas com os que usavam apenas cannabis, ela constatou que os últimos apresentam os casos mais agudos de psicose, alguns acompanhados de “violência severa”:

Comecei a ver pessoas com os piores sintomas de psicose que já vi. E os piores delírios que eu já vi.

Profissionais de saúde em todo o país estavam vendo episódios semelhantes. Seus pacientes também estavam chapados apenas com cannabis.

À medida que a maconha era legalizada, bilhões de dólares fluíram para a nova indústria de produtos à base de cannabis fumáveis, comestíveis e bebíveis. Médicos e parentes de viciados dizem que a maconha foi transformada numa droga pesada, como cocaína ou metanfetaminas. O uso crônico leva aos mesmos resultados comumente associados a essas substâncias mais duras: overdose, psicose, suicídio. No entanto, tem sido comercializado como uma espécie de elixir e vendido como doce para adultos.

Anos atrás, Dr. Roneet Lev foi contra a prescrição excessiva de analgésicos opióides como OxyContin. Agora, ela acredita que está vendo a mesma coisa novamente: as alegações ilusórias de benefícios médicos, a negação de efeitos adversos:

Da Big Tobacco à Big Pharma à Big Maconha – são as mesmas pessoas e o mesmo padrão.

Dra Roneet Lev, médica da medicina da dependência

O THC é um composto químico que ocorre naturalmente na planta da maconha, que induz euforia e altera a percepção da realidade dos usuários. Na década de 1960, as coisas que os hippies fumavam tinham menos de 2% de THC. Nos anos 90, estava mais perto de 5%. Em 2015, era mais de 20%.

A maconha de hoje, vendida on-line e em dispensários, é processada de forma que o produto final tem até 95% ou 99% de THC. Conhecido como “dabs”, isso é o que as pessoas colocam em suas canetas vape, e em estados como Califórnia e Colorado é totalmente legal e facilmente disponível para crianças. A dra Stuyt coloca em perspectiva a proporção:

Mais de 10% de THC coloca você em risco de psicose, vício, suicídio, síndrome de hiperêmese de cannabis [vômitos constantes e graves] – todas essas coisas que o THC de alta potência está fazendo.

“Alta potência” descreve quase todos os produtos de cannabis vendidos nos Estados Unidos hoje, a grande maioria dos quais tem mais de 15% de THC .

Hoje, os adolescentes estão “enxugando” um produto que é muito forte, e muitas vezes o fazem várias vezes ao dia. Nesse nível de potência, o impacto da droga no cérebro de um usuário pertence a uma categoria de risco totalmente diferente do que fumar um baseado ou tomar um cachimbo de uma flor de maconha cultivada intensivamente. É altamente viciante e, com o tempo, há uma chance significativa de deixá-lo louco.

Se você já fumou maconha e ficou irracionalmente ansioso porque todo mundo estava olhando para você e sabe que você está chapado, o que você sentiu foi um sintoma leve de psicose induzida por cannabis. Se você experimenta essa paranóia e continua fumando regularmente, especialmente com os produtos de THC de alta potência de hoje, e especialmente se você é jovem, há uma boa chance de eventualmente sofrer um surto psicótico completo; 35% dos jovens que apresentam sintomas psicóticos, de acordo com outro estudo, eventualmente ter tal episódio. Se você continuar usando depois disso, corre um risco decente de acabar permanentemente esquizofrênico ou bipolar. A cannabis tem, de longe, a maior taxa de conversão para esquizofrenia de qualquer substância – maior que metanfetamina, maior que opióides, maior que LSD.

Um em cada 20 usuários diários pode esperar desenvolver esquizofrenia se não parar.

Dra. Christine Miller, especialista em transtornos psicóticos.

Sobre abandonar os produtos de THC dessa potência, a dra Stuyt considera “quase impossível”:

Existe uma síndrome de abstinência definitiva que inclui irritabilidade, raiva, ansiedade, desejos maciços, não se consegue dormir, não se consegue comer.

E é ainda mais difícil porque muitos usuários acreditam que é bom para eles.

Kevin Bright sofria de depressão e ansiedade. Começou a fumar maconha por volta dos 15 anos para se automedicar. À medida que sua tolerância aumentava, ele começou a usar concentrados de THC. Ele estava constantemente irado. Então, começou a desenvolver delírios completos. Tentou suicídio várias vezes, até conseguir.

Kevin tinha um vício intenso em drogas, mas em sua imaginação, ele estava apenas tomando remédios, e uma indústria de US$ 13 bilhões estava lhe dizendo que ele estava certo.

Meu filho comprou a ideia [de que era remédio].
[…] que remédio você recebe de um médico que é 100% sempre aprovado, que você pode obter de 10 a 15 minutos on-line, pode tomar o quanto quiser por ano, nunca mais precisa voltar para renová-lo?

Bart Bright, pai de Kevin

Não existe uma “prescrição” para a cannabis medicinal. Em vez disso, você pode obter uma “recomendação” de um médico. Explica Ben Cort,

Para obter uma recomendação, você pode acessar sites e ser aprovado em menos de 10 minutos. Com essa recomendação, você pode adquirir um cartão de maconha medicinal licenciado pelo estado. Nos estados onde o uso recreativo de cannabis é legal, você não precisa do cartão para comprar produtos de cannabis, mas o cartão o isenta de certos impostos – é basicamente um cartão de desconto para usuários de alta frequência.

A recomendação deste médico normalmente não tem validade, não tem dose, não tem duração e não muda entre as fronteiras estaduais. É basicamente, “Tome o quanto quiser quantas vezes quiser até sentir o que quer.”

Ben Cort, diretor de um centro de recuperação de vícios.

Em um dispensário, não há distinção entre produtos de cannabis feitos para serem consumidos por diversão e aqueles criados por suas supostas propriedades curativas.

A cannabis é vendida, e entregue em domicílio, na forma de um baseado, flor, vape, concentrado, biscoito, brownie, noz de milho, milho caramelo, biscoito de queijo jalapeño, barra de arroz crocante, macaron , mordida de pretzel, cereais, tintura, xarope, seltzer, chá gelado, chá de ervas, tônico, suco de maçã, ponche, mocktail, refrigerante, limonada, agua fresca, pó, goma, hortelã, chocolate, goma, bálsamo, pomada, bomba de banho, sal, óleo, gel de banho ou sabonete.

Esses produtos são todos vendidos como “medicamentos”, sem serem aprovados pela FDA. Os vendedores dão conselhos médicos, apesar de não existir evidências de que esses produtos tenham algum valor medicinal.

O Dr. Robin Murray, pesquisador psiquiátrico, especializado em esquizofrenia induzida por cannabis, diz:

As empresas farmacêuticas estão sempre fazendo testes de drogas para ver se essa nova droga ajuda ou não.
Por que as empresas de cannabis fariam isso? Elas estão indo tão bem sem os testes. O teste pode mostrar que não foi útil. Portanto, eles não têm incentivo para fazer esses testes.

Explica a dra Stuyt:

Isso não é remédio. Este THC de alta potência não foi estudado como medicamento. Mas porque é permitido ser fortemente comercializado e anunciado como medicamento, as pessoas acreditam que é seguro. E então eles acreditam que é remédio. E quando você toma remédio para um problema crônico, você toma todos os dias. Às vezes você toma o dia todo. E isso o torna viciado nisso. E então você está em constante abstinência.

O potencial do mercado

As indústrias que foram pioneiras no negócio da dependência -tabaco, álcool e produtos farmacêuticos – têm um sucesso colossal. Hoje, as três investem pesadamente em cannabis.

O futuro da indústria em que esses investidores estão apostando agora está focado em famílias como a de Aubree Adams.

O filho mais velho de Aubree começou a usar produtos legais de cannabis na oitava série. No ano seguinte, estava viciado. Tornou-se psicótico:

Comportamentos violentos e de automutilação, não conseguia nem regular o humor – chorando obsessivamente, inconsolável, paranoico com as coisas, pensando que as pessoas estavam atrás de nós.

Aubree Adams

Ele tentou matar seu irmão mais novo várias vezes. Aubree teve que largar o emprego para ficar em casa para protegê-lo. Seu filho mais velho tentou suicídio. Começou a vender maconha e acabou nas ruas. Ele foi espancado. Alguém ameaçou atirar na casa da família.

Quando Aubree tentava fazer o filho parar, ele dizia:

É remédio, mãe. Você é a única que não está usando, mãe. Talvez você precise começar a usá-lo, mãe. Você se sentirá melhor. O que você está dizendo é mentira, mãe. É tudo propaganda ideológica, mãe.

Enquanto assistia a tudo isso, o marido de Aubree começou a usar secretamente maconha também, acreditando que isso acalmaria sua ansiedade. Ele foi a um dispensário e reclamou de ataques de pânico. O balconista prontamente lhe ofereceu conselhos médicos espúrios, recomendando flores de maconha com 24% de THC. O marido de Aubree começou a consumir maconha regularmente enquanto sua família estava desmoronando e caiu em um padrão de depressão e ideação suicida.

É um padrão comum: as pessoas começam a consumir cannabis para corrigir sua ansiedade, mas a retirada do THC instiga a ansiedade em vez de aliviá-la. Styut explica:
As pessoas pensam: “Ah, são meus sintomas. É por isso que eu preciso. Estou ansioso e está tratando minha ansiedade’. Não: é aabstinência que está causando sua ansiedade.

É um ciclo vicioso que é ótimo para os negócios. Na raiz do equívoco está o mito de que a “cannabis”, como existe hoje, é uma substância segura, natural e medicinal. Mas se as pessoas encarassem os produtos de THC de alta potência, de hoje, da mesma forma que encaram as drogas pesadas, muito menos pessoas cairiam sob sua influência – e é por isso que é tão importante para a indústria que eles não encarem da forma correta.

Todo mundo sabe que metanfetamina é ruim. Não há um usuário que não ache que a metanfetamina seja ruim. Você pesquisa a América, cerca de 65% deles vão te dizer que não há nada de errado com a maconha.

Ben Cort

E agora esses americanos estão enfrentando uma onda de publicidade corporativa dizendo que eles estão certos.

Concluimos com Stuyt:

Esta é uma indústria com fins lucrativos. E eles lucram com o vício.

Imagem:
MART PRODUCTION, via Pexels.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Parasita Causa Ansiedade

Milhões de pessoas têm parasitas, que podem influenciar pensamentos, comportamentos, promiscuidade, enfraquecer o sistema imunológico, causar fadiga, problemas intestinais e até distúrbios mentais, mas os

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *