iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Como os psicólogos usaram o medo, humilhação e aprovação para condicionar as pessoas.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

AVISO:
Propaganda, aqui, não tem o sentido do usado em português

Propaganda, em inglês, tem o sentido de disseminação de informação destinada a promover um ponto de vista político. *

[…] As guerras não acontecem por acaso.

Elas são sempre prenunciadas por uma operação de propaganda* destinada a suavizar o alvo, desgastar as pessoas, enfraquecer sua determinação de lutar.

As operações mais bem-sucedidas se resumem a esta estratégia simples: identificar seu inimigo, segregar, isolar e, em seguida, aniquilar.

Piers Robinson, codiretor da Organização para Estudos de Propaganda, é um es pecialista internacionalmente reconhecido em propaganda, mas não qualquer propaganda. Seu foco é no conflito e na guerra e no papel da propaganda dentro dessa estrutura. Ele também é um pesquisador associado do Grupo de Trabalho sobre Propaganda e a ‘Guerra contra o Terror’ de 11 de setembro e atuou como conselheiro de líderes da OTAN.

[…]

“Covid-19 é, provavelmente, uma das maiores operações de propaganda que vimos na história por causa da natureza global e dos recursos investidos nela”, disse Robinson. “Ficou muito claro desde o início que a propaganda estava sendo empregada.”

Nos Estados Unidos, um dos principais pontos de propaganda tem sido o Dr. Anthony Fauci e a sua elevação, por parte da mídia, ao status de um deus, prestando atenção em cada palavra sua e nunca o pressionando para fornecer dados que sustentem seus pronunciamentos que dão guinadas constantemte. Cada governo ocidental tem sua versão do Fauci, lançando informações confusas e em constante mudança, destinadas a manter a população desequilibrada, com medo e confusa.

Um público temeroso, atordoado e cansado é menos capaz de resistir ao conjunto estonteante de políticas draconianas vindas dos governos, de regras de máscara e testes incessantes a quarentenas das pessoas saudáveis ​​e vacinas obrigatórias em massa.

Em seu último esforço para preparar os americanos para uma tirania médica ainda maior, Fauci apareceu na TV nacional em 8 de agosto e disse que “uma enxurrada” de novas prescrições de vacinas da Covid está caindo assim que as injeções obtiverem a aprovação do FDA, o que ele espera. acontecer já no próximo mês.

As empresas já estão se acumulando. A Forbes relatou em 8 de agosto que as empresas não estão apenas ameaçando demitir os não vacinados; eles estão começando a adicionar uma sobretaxa especial de até US $ 50 para os funcionários, descontando-a dos contracheques dos que recusarem a injeção experimental.

Fauci, literalmente, aterrorizou o público americano por 18 meses, enfraquecendo-o com uma dieta constante de propaganda.

O que nos leva de volta a Robinson, que tem décadas de estudos na arte da propaganda em tempos de guerra.

Depois de assistir ao vídeo acima, veja meus relatórios recentes sobre este tópico e você começará a entender como a narrativa de Covid foi cuidadosamente controlada desde o início, com um final de jogo claro em vista:

Robinson documenta como o governo britânico buscou aconselhamento especializado de psicólogos comportamentais sobre como usar a mídia para manipular a opinião pública, aumentando o nível de medo em torno da pandemia de Covid.

Ele citou documentos do governo do Reino Unido, de março de 2020, fazendo referência a grupos especializados em psicologia aplicada. Eles ajudaram o governo a elaborar um plano de propaganda para impulsionar uma narrativa, baseada no medo, com o objetivo de causar mudanças comportamentais. Um desses grupos foi o SPI-B ou Independent Scientific Influenza Group on Behaviors [Grupo de Influenza Científico Independente sobre Comportamentos].

“A parte principal da estratégia de mudança comportamental do SPI-B, que parece ter sido adotada, foi ‘persuadir por meio do medo’”, disse Robinson.

A seção de persuasão do documento declara: “Um número substancial de pessoas ainda não se sente pessoalmente ameaçado o suficiente”.

O Apêndice B dos documentos lista 10 opções que podem ser usadas para aumentar o distanciamento social do público.

Cartaz caluniando judeus a fim de fomentar ódio contra eles:
Um judeu é uma fraude – seu único inimigo.
Carne de rato, água suja no leite, massa de pão amassada com os pés.

A opção 2 aconselha: “Use a mídia para aumentar a sensação de ameaça pessoal”.

As recomendações do SPI-B foram de aumentar a sensação de ameaça pessoal e ” usar mensagens emocionais contundentes”. Isso incluiu slogans como:

  • “Qualquer um pode pegar. Qualquer um pode espalhar.”
  • “Não coloque seus amigos e sua família em perigo.”
  • “Fique em casa por sua família. Não coloque suas vidas em perigo.”
  • “Se você sair, pode espalhar. Pessoas vão morrer.”

O uso de manchetes histéricas na mídia foi outra grande parte da estratégia.

A Big Tech rapidamente concordou em censurar todas as narrativas concorrentes que se opusessem à abordagem baseada no medo.

Se isso não funcionasse, os psicólogos defendiam táticas de vergonha e aprovação.

Os psicólogos do SPI-B sabiam que o medo por si só não convenceria a todos. A mensagem precisava ser adaptada para levar em consideração as diferentes “alavancas motivacionais”.

Assim, o documento sugeria usar tanto a aprovação quanto a desaprovação social, com a compulsão governamental como respaldo, da seguinte forma:

  • Opção 6: Use e promova a aprovação social para os comportamentos desejados.
  • Opção 7: Considere promulgar legislação para obrigar os comportamentos exigidos.
  • Opção 8: Considere o uso de desaprovação social por não cumprimento.

Como se fosse uma deixa, a narrativa dos “heróis e covidiotas” começou a aparecer no “noticiário”.

A palavra “covidiotas” foi cunhada na primavera de 2020 pela The Economist , a revista oficial da elite globalista do mundo. A revista descreveu os “covidiotas” da seguinte forma:

“O termo“ covidiota ”descreve toda e qualquer pessoa que se comporta de maneira estúpida ou irresponsável à medida que a epidemia se espalha. Em algum momento do início de março, a palavra nasceu e, quase tão rápido quanto o vírus se espalhou, também ocorreram casos de comportamento covidiótico.”

O governo dos EUA participou de discussões semelhantes sobre como controlar a narrativa da mídia sobre a Covid no Evento 201, em outubro de 2019, dois meses antes de o vírus ser descoberto na China.

Na Alemanha, estratégias de propaganda igualmente insidiosas foram documentadas no chamado “Papel do Pânico” , um documento que vazou do Departamento do Interior alemão que mostra que a população foi deliberadamente levada ao pânico por políticos e pela grande mídia.

Entre outras coisas, o Documento do Pânico pede que as  crianças se sintam responsáveis ​​”pela morte dolorosa e torturada de seus pais e avós se não seguirem as regras do corona”, isto é, se não lavarem constantemente as mãos, colocarem usar máscaras e evitar o contato com os avós.

Dados científicos mostram que as crianças não são propagadores eficientes do vírus, mas isso não poderia interromper a narrativa baseada no medo. Elas estavam mascarados e socialmente distantes, suas escolas fechadas, suas vidas sociais destruídas, levando a um número recorde de suicídios de adolescentes.

Tornou-se óbvio, para Robinson, que as respostas extremas do governo nada tinham a ver com saúde pública.

“O que está ficando cada vez mais claro é que não se trata de uma crise de saúde”, disse ele. “Estamos vendo mudanças profundas em nossa sociedade.”

As mudanças incluem tudo, desde a introdução de moedas digitais e passaportes de vacinas com códigos QR que podem ser escaneados, até a regulamentação de cultos religiosos e de pequenos negócios.

O Fórum Econômico Mundial [FEM] aproveitou, imediatamente, a pandemia de Covid como uma “oportunidade” para mudar a estrutura econômica, política e social do mundo livre. As elites do WEF, das Nações Unidas, da família real britânica, do Vaticano, do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional não esconderam sua empolgação com a “oportunidade” que veio com uma pandemia global. Na verdade, eles foram muito abertos sobre isso, escrevendo livros, fazendo discursos e participando de vídeos promocionais chamativos postados no YouTube.

“O que parece que temos aqui são atores políticos explorando as circunstâncias para objetivos políticos, econômicos e sociais”, disse Robinson. “É certamente muito claro, por exemplo, organizações como o Fórum Econômico Mundial tiveram uma visão muito específica desde o início sobre como responder à Covid e tiveram uma visão muito específica para o futuro, falando sobre a Quarta Revolução Industrial, cidades inteligentes e assim por diante, e parece que atores como esse estão usando e explorando a Covid para uma reestruturação política, econômica e social substancial. ”

O papel da propaganda torna-se então fundamental porque condiciona as pessoas a aceitar essas mudanças drásticas sem nenhum escrutínio ou debate público, “porque as pessoas estão pensando que tudo se trata de um vírus e estão com medo. Portanto, todas as mudanças transformadoras estão se alastrando sem nenhuma análise. Isso é muito, muito perigoso. Uma população aterrorizada forneceu uma grande oportunidade para pessoas com agendas que têm o poder de perceber isso.

“Portanto, estamos entrando em um território bastante preocupante agora, em termos de como os governos estão se comportando”.

Quem fala contra a propaganda passa a ser tratado como o “outro”.

O vírus, agora, se torna um motor para levar a sociedade a passaportes de vacina, um sistema de identificação digital e um sistema de pontuação de crédito social, semelhante ao que é usado na China para manter as pessoas seguindo a linha do governo.

“Tudo isso parece girar em torno de uma grande reestruturação da sociedade, grande redistribuição da riqueza, muito mais controle, muito menos democracia”, disse Robinson.

O papel da máscara

Laura Dodsworth, em seu livro A State of Fear: How the UK Government Weaponized Fear during the Covid-19 Pandemic [Um Estado de Medo: Como o Governo RU Transformou em Arma o Medo, durante a Pandemia de Covid-19], entrevistou psicólogos comportamentais que trabalham para o governo do Reino Unido. O que ela descobriu foi surpreendente: a máscara era principalmente para manter os níveis de medo das pessoas elevados.

Cartum de Gui Venables

“Manter o vírus na vanguarda das mentes das pessoas”, disse Robinson. “Os cientistas do comportamento admitiram que é sobre isso, principalmente, de que a máscara se trata. Não se trata de proteger as pessoas de um vírus, mas de gerenciar sua percepção do vírus.”

Os governos estabeleceram linhas de delação, nos Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Austrália e em todo o mundo anteriormente livre, dividindo ainda mais suas populações e colocando amigos e familiares uns contra os outros.

“Este conceito de divisão e controle está se tornando mais aparente. Estamos começando a ver isso nas últimas semanas em termos de vacinação obrigatória ”, disse Robison.

Manchetes como esta do LA Times são comuns: “Surgem casos de COVID-19 no condado de LA, impulsionados por não vacinados ‘extremamente egoístas’.”

Freqüentemente, a mídia faz campanha para ainda mais restrições do que as atualmente postas em prática pelo governo, como impedir os não vacinados de voos aéreos, restaurantes, lojas e basicamente todos os locais públicos, até mesmo eventos esportivos ao ar livre e concertos.

Culpar os não vacinados pelos surtos contínuos da pandemia está em toda parte.

“Isso deveria lembrar algo para qualquer pessoa que tenha o conhecimento mais básico da história. Você começa a falar sobre segregação, começa a falar sobre pessoas que são impuras, não saudáveis, não vacinadas versus vacinadas”, disse Robinson.

Nenhuma dessas políticas se baseia em dados científicos.

“Todos os epidemiologistas sensatos que ouço são muito claros de que essa ideia de que os não vacinados espalham o vírus não é cientificamente precisa, mas esse é o tipo de mensagem que está sendo comunicada por pessoas que vêm empurrando a agenda desde o começo”, disse Robinson. “E isso vai criar divisões, e já estivemos neste tipo de lugar na história e termina muito mal quando começamos a segregar as pessoas e começamos a usar essa linguagem. Mas, assustadoramente, esta é a linguagem que está sendo usada pelas pessoas que têm pressionado restrições draconianas, vacinas, nos últimos dois anos”.

O ex-comentarista da Fox News, Piers Morgan, por exemplo, acessou o Twitter na semana passada e sugeriu que deveria ser negado tratamento médico aos não vacinados.

“Sabemos, pela história, que esse tipo de conversa pode levar a lugares muito, muito sombrios”, disse Robinson. “Muitas das coisas que estamos vendo, a necessidade de portar passaportes especiais, por exemplo, têm paralelos na Alemanha dos anos 1930.

“Muitos cientistas eminentes e confiáveis estão sendo, agora, difamados na mídia por causa de suas opiniões anti-lockdown ou por questionar as vacinas da Covid. A difamação informal é, certamente, uma grande parte do que está acontecendo. Este deve ser mais um sinal de alerta para aqueles que pensam que tudo está bem e que não há problemas por aí. As pessoas deveriam se perguntar: por que cientistas muito eminentes desde o início [ como o Dr. Peter McCullough e o Dr. Robert Malone ] estão sendo difamados, censurados, cancelados e excluídos dos debates? Isso diz algo a você. Isso mostra que não é uma resposta racional que está acontecendo. Esta é uma resposta propagandeada. E está sendo realizado calando as pessoas, humilhando-as, difamando-as e assim por diante ”.

Todas as instituições cúmplices na guerra de propaganda

Os jornalistas convencionais operam em estreita proximidade com pessoas no poder político. Eles freqüentam os mesmos grupos e reuniões sociais.

“Eles compartilham basicamente a mesma perspectiva”, observou Robinson. “Eles dependem um do outro para obter informações. Portanto, os jornalistas não são tão críticos quanto deveriam ser e não são tão independentes quanto deveriam. Portanto, não deve nos surpreender que, quando se trata de Covid, eles estejam relutantes em ir contra a narrativa do governo.”

Os acadêmicos também tendem a se autocensurar. Eles se deparam com a pressão dentro das instituições para “permanecer dentro do programa”, levando a uma mentalidade de pensamento de grupo.  

“Estamos vendo legisladores e parlamentos sendo incrivelmente tímidos e não se envolvendo no tipo de escrutínio democrático em que deveriam se envolver”, disse ele. “Portanto, acho que estamos vendo todas as instituições em nossa sociedade curvando-se para essa campanha de propaganda.”

Ele disse que a esperança está em novos partidos políticos que estão se levantando contra o sistema, mas é muito cedo para dizer se eles ganharão a força necessária para reverter a maré de autoritarismo em nações que têm uma longa história de liberdade.

“A maioria de nossas instituições democráticas estão esvaziadas. Precisamos recuperar a democracia”, disse Robinson.

Os que lutam pela resistência têm uma pequena janela para passar sua mensagem, educar o público e conter a maré.

“Em toda a minha vida, nunca experimentei nada tão preocupante e tão extremo quanto o que estamos vendo no momento”, disse Robinson. “Você não vai poder contar com o seu político local nem com a grande mídia para de repente pegar este assunto. Estamos em uma fase em que as pessoas precisam se mobilizar e é isso que estamos vendo. E isso significa não depender de seus partidos políticos tradicionais ou estabelecidos.”

Os crescentes movimentos de protesto na França e na Itália precisarão continuar a se intensificar e se espalhar para além da Europa se quiserem ter sucesso.

As pessoas devem sair e começar a se organizar e se comunicar com grupos com ideias semelhantes. Essa é a chave, na opinião de Robinson.

“Teremos que ver como isso evolui, as pessoas saindo às ruas e os novos partidos políticos que representam essas opiniões. Isso vai começar a mudar o curso do que estamos vendo?”

O pressentimento de Robinson é que sim, mas pode-se sentir sua hesitação em se tornar otimista demais.

“Eu meio que tenho um sentimento em meu próprio coração, talvez apenas meu instinto, que é tão extremo o que está sendo proposto: bloqueios e vacinação de crianças, pessoas sendo forçadas a vacinar. Isso é tão extremo que, à medida que isso avança, o número de pessoas dispostas a se organizar e ingressar em novos partidos aumentará.

“Não podemos ver com certeza o que vai acontecer. Minha estimativa no momento é que a propaganda em torno da Covid 19 é uma bolha bastante frágil.

“Na minha carreira pesquisando e expondo propaganda, nunca vi esse número de pessoas acordando.

“Todos os sinais de alerta estão tocando para qualquer pessoa que tenha conhecimento de história e conhecimento de propaganda, como os governos nem sempre operam no melhor interesse de suas populações. Todos os alarmes estão tocando, e estamos em tempos extremamente perigosos, infelizmente, e muito preocupantes para o futuro.”

Então, qual é o fim do jogo?

“Existem alguns grandes jornalistas investigativos por aí, que relataram sobre o Fórum Econômico Mundial e a ideia de que o jogo final é uma reestruturação da sociedade, que envolve mais controle sobre os indivíduos e suas vidas pelo Estado”, disse Robinson.

“Existem muitas teorias por aí. Mas uma coisa é clara: tudo isso parece estar levando a um verdadeiro fim para a liberdade adequada. Se você tem um passaporte de vacinação, que você precisa para entrar no supermercado, você não está mais livre.”

As moedas digitais são outra coisa que parece estar para acontecer.

“Isso proporciona uma tremenda mudança de poder para os governos”, disse ele. “Isso tudo é muito antidemocrático. Se você pensa que democracia e liberdade são geralmente coisas boas, e eu sou um deles que pensa, tudo isso é extremamente preocupante.

“Estamos em um momento crucial … pode acontecer de qualquer maneira. É por isso que as pessoas devem se mobilizar e perceber que algo está errado além da Covid-19.”

Quanto aos códigos QR nos passaportes de vacinas, “todos deveríamos ter aprendido uma lição depois do 11 de setembro, com o Patriot Act, vigilância, monitoramento de tudo, e os governos, se conseguirem se safar, vão explorar tudo isso.”

Vendo o que está escrito na parede, alguns resistentes já estão falando em comprar áreas de terra e formar comunidades autossustentáveis ​​que existem fora da rede.

“Espero que não chegue a esse ponto”, pensou Robinson.

APOIE O JORNALISMO INDEPENDENTE: Leo Hohmann depende exclusivamente dos leitores para apoiar seus relatórios investigativos. Você pode enviar uma contribuição de qualquer tamanho c / o Leo Hohmann, PO Box 291, Newnan, GA 30291 ou através do cartão de crédito abaixo.

*

propaganda  (s.)

1718, “comitê de cardeais encarregados de missões estrangeiras da Igreja Católica”, abreviação de “Congregatio de Propaganda Fide“., congregação para a propagação da fé”, um comitê de cardeais estabelecido em 1622, por Gregório XV, para supervisionar missões estrangeiras. A palavra é propriamente a fem ablativa. gerundivado latim propagare “avançar, estender, espalhar, aumentar”.

Conseqüentemente, “qualquer movimento ou organização para propagar alguma prática ou ideologia” (1790). O sentido político moderno (“disseminação de informação destinada a promover um ponto de vista político”) data da Primeira Guerra Mundial, não originalmente pejorativo nem implicando preconceito ou erro deliberado. Significa “material ou informação propagada para o avanço de uma causa, etc.” é de 1929.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

John Hoffman e a Teoria do Apego

  ÷ ​Teoria do Apego A teoria do apego argumenta que um vínculo emocional e físico ​forte ​com um cuidador principal​,​ em nossos primeiros anos de

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *