iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Em um momento de dramática turbulência e mudança em todas as frentes da sociedade – do status do Estado-nação à política de identidade, à educação e à natureza da moralidade – surge a pergunta: Existe alguma narrativa unificadora que nos permite fazer algum sentido do caos? A resposta é sim, que a noção subjacente de identidade humana, o que significa ser um ‘eu’, foi transformada nos últimos trezentos anos. Somente quando compreendemos a dinâmica dessa transformação, podemos compreender o que está acontecendo em nosso mundo e começar a formular uma resposta útil.
Carl Trueman

[…]

A sociedade há muito defende que a atividade que prejudica os outros deve ser controlada. Em meados do século XIX, John Stuart Mill postulou o chamado princípio do dano – a crença de que a atividade que causa dano a alguém deve ser condenada ou mesmo proibida. Mas Mill se recusou a misturar dano e ofensa: ofender-se não era motivo para sanção de outro.

Em termos gerais, a sociedade concordou com essa formulação. Mas, nos últimos anos, essa formulação mudou completamente. Agora, a ofensa não é apenas considerada um dano; é considerada o principal mal em nossa sociedade.

Afinal, as lesões físicas são meramente físicas. Mas danos mentais ou emocionais, isso ameaça nosso próprio senso de identidade. Como encontramos nossa identidade em nosso próprio senso de autocriação, qualquer negação social desse sentido ameaça nossa identidade.

Como escreve Carl Trueman em “The Rise and Triumph of the Modern Self”: “A era do homem psicológico, portanto, requer mudanças na cultura e em suas instituições, práticas e crenças que afetam a todos. Todos eles precisam se adaptar para refletir uma mentalidade terapêutica que se concentra no bem-estar psicológico do indivíduo.”

Quando a autocriação individual se torna o objetivo principal de uma sociedade, as instituições devem ser destruídas – instituições, afinal, promovem um conjunto de regras que podem não conduzir à autocriação individual. O fluxo de informações deve ser reprimido – afinal, as informações podem permitir que outras pessoas tenham uma opinião diferente e objetivamente baseada sobre você da que você assume subjetivamente sobre si mesmo. Os livros devem ser queimados – afinal, os livros trazem consigo mensagens implícitas que podem ameaçar seu senso de si mesmo.

Nossa mudança social, de dano real e mensurável para dano psicológico subjetivo, nos coloca no caminho da completa devastação de nossa cultura e de nossos direitos. Agora, qualquer pessoa que ofenda – ou mesmo tenha o potencial de ofender – pode ser, e de fato deve ser, demitida. Agora, qualquer livro – não importa quão antigo ou inofensivo – pode ser, e de fato deve ser, banido. Agora, qualquer núcleo de informação – não importa o quão verdadeiro – pode ser descartado.

Essa formulação coloca todo o poder nas mãos daqueles que se ofendem mais facilmente – ou pelo menos daqueles que afirmam sê-lo. A própria ofensa é a arma. Os atos ilícitos legais exigem danos; delitos sociais exigem apenas uma reclamação de danos, sem provas.

Ninguém pode explicar como um desenho em “If I Ran the Zoo” contribuiu para o racismo real; não há incidentes registrados de um único supremacista branco citando “E pensar que vi isso na rua Mulberry” como uma fonte formadora de sua visão de mundo racista. Mas qualquer acadêmico, com um computador e um diploma em bobagens pós-modernas, pode tirar esses livros das prateleiras alegando, simplesmente, que a ofensa é possível.

No final, a única literatura permitida será a literatura que aderir aos valores de nosso mundo pós-moderno – um mundo no qual não se espera que nos conformamos com as regras da sociedade, mas se espera que a sociedade se conforme com nossos próprios atos de autodefinição.

Isso significa que seu filho está lendo “I Am Jazz”, mas nunca – nunca, Gaia proíbe! – a Bíblia. Significa adeus aos ícones culturais, grandes e pequenos – adeus a todos os vestígios do passado, repletos de seus sistemas de valores “fanáticos”.

Isso significa que os expurgos apenas começaram.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *