iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

A visão unilateral, simplista, contrária aos fatos, alimentada pelo ódio, da Universidade, nutre a violência.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: Telos.
Autoria do texto: Andrew Pessin.
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui. Telos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Minha concepção do mundo acadêmico é a de um lugar onde, na busca da verdade, as pessoas devem expressar livremente suas opiniões, mas também estar dispostas a ouvir as opiniões dos outros.

O problema não é o caos em si. Interromper as atividades do campus e criar um ambiente hostil é um comportamento que merece punição como suspensão ou expulsão. No entanto, se você realmente acredita que há um genocídio, então tome as medidas necessárias, mesmo que isso signifique enfrentar consequências.

O problema, mais profundo, está no próprio mundo acadêmico. De forma geral, adotaram toda uma narrativa que é profundamente unilateral, demasiado simplificada, ignorante da história, muitas vezes contrária aos fatos, equivocada sobre quem são os bons e quem são os maus, e movida, em última análise, pelo ódio. e intolerância, e que autoriza a violência, profunda e escandalosamente, imoral de 7 de outubro.

Portland, 01-05-2024
Universitários pró-Hamas escrevem em tijolos:
“Tijolos para os meus zionistas…
para jogar em suas cabeças fascistas.”

As manifestações pró-Israel têm uma longa tradição de apelar à paz e à coexistência, e o fato de a maioria dos universitários judeus apoiarem uma solução de dois Estados, demonstra que eles não são “anti” ninguém. Condenam o Hamas, mas não o movimento nacionalista palestino. A maioria deles também não se opõe a um cessar-fogo.

O meio acadêmico é muito menos “pró-Palestina” do que “anti-Israel”. Houve júbilo e comemoração em 7 de outubro sem um pingo ou instante de hesitação ou remorso, numerosos professores elogiaram o massacre; os meses de comícios e eventos em campus apoiando abertamente o Hamas e outros grupos terroristas, incluindo um workshop sobre “Resistência 101” com aulas de um membro do grupo terrorista proscrito Frente Popular para a Libertação da Palestina; meses de comícios em massa, palavras de ordem, mídias sociais e pichações de apoio à violência, como “Intifada! Intifada!”, “Por todos os meios necessários!”, e “Do rio ao mar, a Palestina será árabe!” e “Não queremos dois estados, queremos 1948!” – ou seja, pedindo a destruição do único estado judeu no mundo. E sobre o 7 de outubro: “Nunca se esqueça do dia 7 de outubro, isso acontecerá não uma vez mais, nem cinco mais vezes, nem mais dez vezes, nem mais cem vezes, nem mais mil vezes, mas dez mil vezes!”

Também há boicotes anti-Israel, a política explícita de “anti-normalização” (ou seja, recusar-se a falar, e muito menos cooperar com qualquer pessoa que apoie Israel) e exclusão de universitários judeus de clubes e recursos universitários. Isto equivale a uma campanha prolongada para impedir o povo judeu de defender os seus direitos e a sua segurança, para silenciá-los e exclui-los, a menos que renunciem aos seus direitos e à sua segurança. Ser “anti-sionista” ou excluir ou silenciar os sionistas é excluir e silenciar os que acreditam que os judeus têm os mesmos direitos humanos que todas as outras pessoas têm.

Ser anti-sionista é ser anti-judeu e, portanto, anti-paz: eles procuram destruir Israel; é por isso que estão tão entusiasmados com o Hamas e o 7 de outubro. Eles apoiam áudios como este, de um dos homens do Hamas ligando para seus pais no dia 7 de outubro:

TERRORISTA: Olá pai. Abra seu WhatsApp agora mesmo e veja todos os mortos. Veja quantos eu matei com minhas próprias mãos, seu filho matou judeus!

PAI: Allahu Akhbar, Allahu Akhbar. Que Deus te proteja.

TERRORISTA: Estou falando com você pelo telefone de uma judia, matei ela e seu marido, matei dez com minhas próprias mãos.

PAI: Allahu Akhbar.

TERRORISTA: Eu matei dez. Dez! Dez com minhas próprias mãos. O sangue deles está em minhas mãos! Deixa eu falar com a mamãe.

MÃE: Ah, meu filho, que Deus te proteja.

TERRORISTA: Matei dez sozinho, mãe! Mãe, seu filho é um herói. (Conversando com os terroristas no local: Mate! Mate! Mate! Mate-os!)

Eles apoiam a organização que endossa o genocídio judaico na sua carta, que tem tentado perpetrar genocídio há quase quarenta anos, que cometeu um ato desenfreado de genocídio, que eles próprios prometeram repetir quantas vezes forem necessárias: “Somos todos Hamas! Mais dez mil no dia 7 de outubro!”

O mundo está de cabeça para baixo e já passou da hora de consertar isso.

Imagem:
Aluno da Universidade de Columbia quebra as janelas da porta da frente do prédio para prender uma corrente em torno dele para impedir a entrada de autoridades como parte de uma manifestação anti-Israel, 30-05-2024. (Alex Kent/Getty Images/AFP )

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

A Lavagem Cerebral do Ambientalismo.

O condicionamento psicológico está ocorrendo de várias maneiras e dentro de diferentes grupos de afinidade para preparar a população norte-americana* para um futuro iminente de

Leia Mais »
Psicanálise
Editorial

O Rosto dos Coletivistas.

Quer o ano seja 1944 ou 2024, nunca se esqueça que uma pessoa comum é capaz de sorrir e aproveitar a vida enquanto participa conscientemente

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *