iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

A tendência de procurar infracções morais e punir as pessoas que são consideradas como as tendo cometido.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: .
Autoria do texto: .
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Artigo explora o “vigilantismo quotidiano”: a tendência de se procurar infracções morais e punir as pessoas que são consideradas como as tendo cometido. Dois preditores do vigilantismo cotidiano:
1. Crenças grandiosas sobre a benevolência de alguém
2. Sadismo

Sumário do artigo:

Os vigilantes monitorizam o seu ambiente social em busca de sinais de transgressã o e administram punições não autorizadas àqueles que consideram estarem violando leis, normas sociais ou padrões morais. Nós investigamos se a disposição de se tornar um vigilante pode ser prevista por autopercepções grandiosas sobre a comunalidade (narcisismo comunal) e o prazer da crueldade (sadismo). Conforme hipotetizado, os resultados demonstraram que ambas as variáveis ​​estão positivamente relacionadas com tornar-se um vigilante, conforme medido por relatos de comportamento passado e previsto do vigilante (Estudo 1) e por tendências de disposição em relação ao vigilantismo (Estudos 1 e 2). Descobrimos também que o narcisismo e o sadismo compartilhado previram a eficácia percebida das ações de vigilante exibidas por outros (Estudo 2) e a intenção de se envolver em vigilantismo após testemunhar uma violação de norma (Estudo 3). Finalmente, o Estudo 3 também demonstrou que a tendência dos narcisistas e sádicos compartilhados de se tornarem vigilantes pode variar com base nas consequências esperadas da violação da norma observada.

Por que o narcisismo comunal motiva as pessoas a se tornarem Vigilantes

O narcisismo coletivo é um traço de personalidade que descreve uma percepção inflada dos atributos prosociais da pessoa (Gebauer et al., 2012). Embora os narcisistas comunais possuam os mesmos auto-motivos centrais de grandiosidade, direito e ganho de poder típicos dos narcisistas agenticos, eles procuram validar essas auto-percepções exageradas no domínio comunal (Gebauer et al., 2012; Nehrlich et al., 2019). Apresentamos a crença dos narcisistas comunais em um escopo ampliado de responsabilidade pessoal, juntamente com suas auto-percepções grandiosas de moralidade no domínio comunal, predispõe-nos a vivenciar um sentido intensificado da posição psicológica e talvez mesmo um dever moral para perseguir a justiça. Apoiando essa possibilidade, a pesquisa mostra que os narcisistas comunais relatam estar moralmente indignados com a injustiça em maior medida do que aqueles que são mais baixos nesse traço (Yang et al., 2018). Além disso, porque os vigilantes às vezes ganham benefícios reputacionais por defender os outros de malfeitores, narcisistas comunais podem achar o papel de vigilante atraente por causa da perspectiva de ganhar afirmação e admiração dos outros (Barclay, 2006; Halmburger et al., 2017). Para muitas pessoas, uma reação comum ao observar transgressões sociais que não as afetam diretamente é a inação, também conhecida como efeito espectador (Fischer et al., 2011; Petty et al., 1977). No entanto, hipotetizamos que indivíduos ricos em narcisismo comunal são menos propensos a serem espectadores e mais propensos a se tornarem vigilantes porque isso pode satisfazer os objetivos orientados para a comunidade que eles valorizam, bem como o seu desejo de serem reconhecidos pela sua moralidade superior.

Esta última explicação reconhece que, embora os narcisistas comunais possam parecer movidos por motivos prosociais quando se tornam vigilantes, eles também podem ser motivados por um desejo de admiração, em vez de uma preocupação genuína com o bem-estar dos outros. O narcisismo comunal tem sido positivamente ligado à prosocialidade auto-percebida (Yang et al., 2018), níveis declarados de engajamento cívico (Nehrlich et al., 2019), pró-ambientalismo (Naderi, 2018), e auto-visões comunitárias explícitas (Fatfouta et al., 2017), no entanto, quando métodos de avaliação mais objetivos foram usados, essas associações foram enfraquecidas (Fatfouta & Schröder-Abé, 2018; Naderi, 2018; Nehrlich et al., 2019). Estes resultados levantam a possibilidade de que o narcisismo comunal pode ser um estilo superficial de auto-apresentação que pode se manifestar por meio de ações aparentemente prosociais (Barclay, 2006).

Por que o sadismo motiva as pessoas a se tornarem Vigilantes

O sadismo se define como o prazer de infligir crueldade aos outros, independentemente de qualquer justificativa ou contexto (Paulhus & Dutton, 2016). O prazer da crueldade distingue o sadismo de outros motivos que também poderiam infligir danos por meio da punição a outros, como a violência egoísta (ou seja, a vingança), como um meio para alcançar um objetivo socialmente aceitável (ou seja, autoproteção), ou do idealismo moral (i.e., fazer justiça) (Baumeister, 1999). Indivíduos com uma disposição sádica extraem satisfação hedónica de ver outros sofrerem (Buckels et al., 2013). Apoiando esta visão, estudos mostram que sádicos não clínicos são mais propensos a prejudicar uma pessoa inocente, envolverem-se em humilhação verbal, intimidação e trolling, e desfrutar de formas mais violentas de mídia e entretenimento por si mesmas (Buckels et al., 2014; van Geel et al., 2017).

As propensões naturais de se sentir mal ao infligir dor aos outros e às forças sociais que desestimulam a agressão geralmente restringem o uso da punição pelas pessoas, na vida cotidiana. Mesmo as pessoas que estão legitimamente autorizadas a punir (por exemplo, polícia, gerentes, juízes) geralmente hesitam em fazê-lo (Berman & Kupor, 2020; Cushman et al., 2012; Greene et al., 2001). Contudo, as pessoas se punem o tempo todo de várias maneiras e há situações que podem fazer com que a punição pareça menos indesejável ou talvez obrigatória. Para os sádicos, essas fontes externas de desinibição são menos necessárias para superar a hesitação de punir. De fato, Trémolière e Djeriouat (2016) demonstram que, frequentemente, o sadismo é acompanhado por julgamentos morais anômalos que podem permitir que as pessoas justifiquem ou ignorem o afeto negativo antecipado derivado de prejudicar os outros. Quando a crueldade é hedonicamente recompensadora, as pessoas com tendências sádicas podem ver o vigilantismo como uma oportunidade para satisfazer o desejo de infligir dor em alguém sem incitar a condenação social. É mesmo possível que eles sejam elogiados por suas ações, por observadores, o que pode racionalizar ainda mais a crueldade.

Nossos argumentos sugerem que, embora narcisista e sádicos comunais possam ter motivações diferentes para ajudar ou prejudicar os outros, ambas as disposições aumentam a probabilidade de se tornar um vigilante. Em outras palavras, elas têm um efeito aditivo na vontade de se tornar um vigilante. Para as pessoas que são altas em uma disposição, mas baixas na outra, o potencial para se tornar um vigilante não está ausente, mas as motivações para fazê-lo serão reduzidas.

[…]

Uma diferença individual que pode amplificar o efeito do sadismo é a tendência para a vitimização interpessoal (Gabay et al., 2020), definida como a crença de que alguém foi vitimado em relacionamentos passados. Chen e colegas (Chen, Ok, & Aquino, 2022) mostraram que as pessoas que tendem a se ver como vítimas também têm maior probabilidade de se tornarem vigilantes. Uma previsão com base na sua descoberta é que a crença na vitimização passada poderia fornecer aos sádicos uma racionalização adicional para satisfazer o seu desejo de crueldade, tornando-se um vigilante. Assim, pode ser que um sádico que também acredita ter sido vitimado com frequências seja particularmente propenso a procurar oportunidades para punir os violadores das normas em muitos domínios. Além disso, se um sádico for suficientemente autoconsciente e estratégico, poderá ser capaz de disfarçar as suas tendências sádicas punindo pessoas que acredita que outros considerariam merecedoras de punição. Essa possibilidade é a premissa do popular programa Dexter, que narra as atividades do personagem principal homônimo que reconhece ser um sádico psicopata, mas, deliberadamente, tenta direcionar suas inclinações assassinas para administrar a pena capital a pessoas que ele acredita terem escapado da justiça após cometerem crimes hediondos. Pela forma como ele é retratado na série, não está claro se Dexter também é um narcisista comunal.

Dexter é um exemplo extremo de até onde o vigilantismo pode ir se não for controlado. Suspeitamos que a maioria das pessoas não se inclina a agir como punidores não autorizados, mesmo quando observam alguém violando uma norma social. O que a nossa investigação sugere é que pode haver uma combinação particular de traços de disposição que poderia tornar mais fácil para algumas pessoas superar esta tendência geral. De um ponto de vista prático, nossas descobertas também contribuem para a nossa compreensão de por que alguns indivíduos podem estar mais propensos a se envolver em policiamento moral on-line e em humilhação pública que envolve punir um suposto violador da norma, o que pode informar discussões sobre as condições subjacentes ao surgimento d “cultura de cancelamento”.

Dexter é uma série de televisão americana de drama criminal e suspense centrada em Dexter Morgan.
Dexter é um especialista forense que passa o dia solucionando crimes e a noite cometendo assassinatos.

Nossos estudos apresentam algumas limitações que devem ser reconhecidas. Primeiro, embora o uso de uma abordagem autobiográfica no Estudo 1 seja consistente com pesquisas anteriores sobre comportamentos morais (por exemplo, Baumeister et al., 1990; Stillweli & Baumeister, 1997), a precisão das memórias autobiográficas pode ser influenciada por fatores como viéses da memória e desejabilidade social. Além disso, a abordagem autobiográfica resulta, inerentemente, em interpretações subjetivas do que constitui o comportamento do vigilante. Este problema provavelmente afetaria qualquer tentativa de estudar vigilantes, uma vez que o que constitui um ato de vigilantismo depende muito do contexto e do julgamento dos observadores. Tentamos reduzir um pouco da subjetividade ao fornecer aos nossos participantes uma definição de vigilante, mas reconhecemos que os exemplos que os participantes geraram não são estritamente comparáveis. Em segundo lugar, não avaliamos uma das nossas características definidoras de um vigilante, como a de ser motivado a examinar o ambiente em busca de sinais de irregularidades, nem observamos o comportamento real do vigilante. Finalmente, embora tenhamos encontrado evidências de que o narcisismo e o sadismo comunal interagem com a gravidade das consequências para prever as intenções de se tornar um vigilante, há, sem dúvida, muitos outros fatores situacionais que podem amplificar ou extinguir os efeitos do narcisismo e do sadismo comunitário encontrados em nossos estudos.

Imagem:
Arno Senoner via Unsplash

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

O Sentido da Vida

We need another great flood. pic.twitter.com/LyE4Ryrmg5 — Ian Miles Cheong (@stillgray) July 8, 2024 – Que tal ser um gato? – Humm…bom, eu sei exatamente

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *