iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Na foto, James Young, à esquerda, com seu irmão gêmeo.

Por Walt Heyer. Leia o artigo completo no The Federalist.

James, de seis anos, sob os cuidados de sua mãe em Dallas, Texas, James obedientemente vive como uma garota trans chamada “Luna”. Mas, face as escolhas, quando ele está com o pai, ele é todo menino – seu sexo ao nascer.

Em seu processo de divórcio, a mãe acusou o pai de abuso infantil por não afirmar James como transexual, pediu ordens de restrição contra ele e está tentando rescindir seus direitos parentais. Ela também procura exigir que ele pague as visitas da criança a um terapeuta que afirma os transexuais e alterações médicas nos transexuais, que podem incluir esterilização hormonal a partir dos oito anos de idade.

Eu vivi um cenário semelhante quando tinha a idade dele. Por dois anos e meio, minha avó me vestiu como menina, fez um vestido de chiffon roxo para mim. Como no caso de James, meu travestimento ocorria sob os cuidados de um adulto, mas longe da avó, eu era todo garoto com minha mãe e meu pai. Além disso, assim como James, eu entrei no consultório de uma terapeuta de gênero, que rapidamente me levou à transição.

Quando sua mãe, pediatra, levou James para aconselhamento, ela escolheu um terapeuta de transição de gênero que o diagnosticou com disforia de gênero, um conflito mental entre sexo físico e gênero percebido. A preciosa vida jovem de James depende exclusivamente do diagnóstico de disforia de gênero por um terapeuta que abraça as cores do arco-íris, afirma o diagnóstico de disforia de gênero e descarta evidências em contrário. Remova o “arco-íris” do diagnóstico e ele se desfaz sob o peso dos critérios para o diagnóstico de disforia de gênero.

O diagnóstico é crítico, pois rotular uma criança com disforia de gênero pode desencadear uma série de consequências físicas e mentais para a criança, e ter ramificações legais no caso da custódia em andamento. Entenda errado e a vida do jovem James fica irrevogavelmente prejudicada.

James não se encaixa nos critérios de disforia de gênero

Os critérios para o diagnóstico de disforia de gênero na infância são que a criança seja persistente, consistente e insistente em ser do sexo oposto. A mãe de James está “focada” no diagnóstico de disforia de gênero e ajudando na transição social. Ela usou o nome Luna para matriculá-lo como uma menina na primeira série e fornece somente roupas femininas.

Enquanto isso, o pai não está vendo sinais de disforia de gênero. Na casa do pai, James parece ser um garoto normal e não se identifica como uma menina. Lá, ele pode escolher roupas de menino ou menina, e escolhe se vestir como menino. O fato de James mudar a identidade de gênero dependendo de qual dos pais está presente torna o diagnóstico de disforia de gênero duvidoso e prejudicial.

O terapeuta de transição observou que James não é consistente, insistente ou persistente no desejo de se tornar “Luna”. Por exemplo, um dossiê arquivado na corte de Dallas diz que, sob os olhos habilidosos do terapeuta, apresentou-e à criança dois pedaços de papel, um com a palavra “James” e outro com a palavra “Luna”, e pediu para ele escolher o nome que preferia. Quando a consulta incluía apenas a mãe, James selecionava Luna, o nome e o sexo que ele usa na casa da mãe e na sala de aula da primeira série. Quando a consulta era apenas com o pai, James apontou para o nome do menino, James, não para o nome da menina.

A disparidade flagrante entre a identidade preferida de uma criança, quando na presença de um dos pais versus o outro, deve levar o terapeuta a reavaliar, talvez anular o diagnóstico de disforia de gênero e encerrar qualquer passo em direção à transição. Mas no caso de James, isso não aconteceu.

Usando um garotinho como arma de guerra

Quando James está longe de sua mãe, ele sempre rejeita a ideia de que ele é a “garota Luna” ou que quer ser uma garota. Como o tribunal proíbe o pai de vestir James como menino ou de ensiná-lo que ele é um garoto, compartilhando ensinamentos religiosos ou científicos sobre sexualidade, o pai apresenta a James opções de roupas masculinas e femininas, e James sempre escolhe, e até insiste: roupas de menino. O pai me disse: “James se recusa, violentamente, a usar roupas de menina em minha casa.” Isso não é um sinal de disforia de gênero.

Relatos de testemunhas oculares de amigos corroboram as observações do pai de que James preferia ser menino. Bill Lovell, pastor sênior da Christ Church Carrollton, escreveu : “Com base nas três ocasiões em que passei um tempo com ele, eu diria que ele age e se parece, inconfundivelmente, com um menino saudável de seis anos. … Estou orando por James, um garoto comum de seis anos de idade, um jovem de natureza doce, inteligente, amável e, neste ponto, particularmente vulnerável, envolvido em um choque titânico de visões de mundo.”

Depois de conhecer James e seu irmão gêmeo fraterno pela primeira vez, Ellen Grigsby disse: “Ambos eram ‘inteiros meninos’ e estavam se divertindo muito. Os dois meninos estavam vestidos completamente como meninos e se comportando como meninos.

Sarah Scott é uma amiga da família e mãe de três meninos, que brincam frequentemente com James e seu irmão. Ela e o marido são receptíveis em permitir que James lidere o caminho nas escolhas de gênero, como nomes, pronomes e roupas. Perguntei:

– Como você sabe que James não quer ser menina?

Sarah respondeu com vários exemplos que viu do desejo de James de permanecer menino:

Sexta-feira, 21 de setembro:  Convidamos os meninos. Os garotos se revezavam contando histórias e James inventou uma história sobre cinco garotinhos (ele, seu irmão e meus três filhos) que eram tão bons amigos que magicamente se transformaram em abóboras, para que pudessem ficar juntos no canteiro de abóboras para sempre. Ele não disse filhos. Ele se referiu específica e alegremente a si mesmo como um menino.

Sábado, 20 de outubro:  todos nós fomos passear no parque. Nós nos divertimos muito! Chovera na noite anterior. Na caminhada, James escorregou e sujou as roupas. Ele perguntou se poderia pegar emprestado alguns dos shorts dos meus meninos e se eu poderia lavar suas roupas. Eu disse “claro!”, e fui pegar algo que ele pudesse usar. Enquanto eu procurava, ele disse:

– Sabe o quê, sra. Sarah? Você não precisa pegar uma camisa, porque os meninos não precisam usá-la se estiverem com calor!

 Eu ri e disse a ele que acho que é bom ser menino! Ele disse:

-Sim, é!

Sábado, 3 de novembro:  Sua mãe foi buscar os meninos para levá-los ao jogo de futebol [de seu irmão]. James abraçou o pai e disse: ‘Te amo’. Ele se recusou a ir ao jogo de futebol como uma menina com a mãe e ficou com o pai. Naquela noite eles vieram à nossa casa.

James não mostra desejo de ser “Luna” a garota, exceto quando ele está com sua mãe. O comportamento do garoto oferece uma repreensão ardente do diagnóstico de disforia de gênero. Em todos os aspectos, esse não é um diagnóstico verdadeiro ou clinicamente correto da disforia de gênero. No entanto, a terapeuta mantém seu diagnóstico e continua a manter “Luna” no caminho da transição de gênero.

James Young e sua mãe, Anne Georgulas.

Isso é terapia ou manipulação?

Ao contrário de James, eu era adulto na época do meu diagnóstico. A vovó já tinha ido embora, mas o terapeuta, como muitos hoje, afirmou minha identidade entre os gêneros e me guiou na transição de gênero. Ele forneceu acesso a hormônios e cirurgia e logo fiz a cirurgia completa de afirmação de gênero e me identifiquei como “Laura”. Senti que minha identidade de gênero e sexo biológico estavam em desacordo, mas o que o terapeuta não considerou foram os outros fatores que motivaram meu desejo de mudar de gênero, que precisava ser tratado primeiro.

O que essa mãe está fazendo com James se parece muito com o que minha avó fez comigo ao me afirmar no vestido roxo. Minha avó não pretendia me prejudicar, mas suas ações destruíram minha infância e minha família e consumiram quase 50 anos da minha vida.

James não tem ideia do que ele precipita, ou de como sua jornada de gênero se desdobrará, mas com um diagnóstico incorreto será feio. Fiquei muito preocupado com James, porque ele não está exibindo os atributos de diagnóstico da disforia de gênero. Suas preferências de gênero não são consistentes ou insistentes, mas oscilam de acordo com a presença dos pais.

Quando James tem permissão para relaxar com os amigos, longe da mãe, ele parece natural e feliz sendo um menino. Se James realmente tivesse disforia de gênero, ele exigiria os pronomes adequados, sempre se vestiria como menina e insistentemente, persistentemente e constantemente afirmaria ser uma garota em todas as situações, não apenas com a mãe. Em vez disso, os amigos dizem que ele fazia o contrário – ele insistia em ser menino. É hora de considerar que o menino não é transexual.

O diagnóstico incorreto tem consequências terríveis

O diagnóstico incorreto da disforia de gênero acontece em todo o mundo, e a vida das pessoas é prejudicada quando isso acontece. Queria que as pessoas vissem o que vejo, que pessoas de todas as idades foram diagnosticadas incorretamente com disforia de gênero. Por isso, escrevi um livro, ” Trans Life Survivors“, que compartilha muitas histórias de erros, em primeira mão, de diagnósticos errados da disforia de gênero e seus resultados terríveis.

Os terapeutas também estão notando a crescente prevalência de pessoas que estão fazendo a detransição e voltam ao sexo de nascimento, e sugerem a necessidade de avaliações psicológicas abrangentes, em vez de acelerar a transição das crianças. O psiquiatra Scott Leibowitz concorda com e a psicóloga Laura Edwards-Leeper, que diz: “essas avaliações abrangentes são cruciais para alcançar bons resultados para jovens TGNC [transexuais e não-conformes ao gênero], especialmente os que procuram intervenções físicas, em parte porque algumas crianças que pensam que são trans em um determinado momento, com o tempo não vão se sentir assim mais tarde.”

A pediatra Michelle Cretella, diretora executiva do Colégio Americano de Pediatras, descreve o incentivo da comunidade pediátrica à mudança de sexo e tratamentos hormonais para crianças como “abuso infantil institucionalizado”.

Se não salvarmos James de um erro de diagnóstico, seu próximo passo é a castração química aos oito anos, a apenas dois anos de distância. James precisa de uma avaliação psicológica mais abrangente para explorar por que ele se identifica como uma menina com a mãe e como um menino com o pai. Quero fazer o possível para “ salvar James ” de seu pesadelo de gênero e aumentar a conscientização sobre a facilidade com que as crianças podem ser diagnosticadas e rotuladas como disfóricas de gênero, e os graves danos que podem causar em suas vidas jovens.

Um diagnóstico questionável prende uma criança vulnerável a uma identidade de gênero alternativa muito antes que ela possa entender o que está acontecendo ou para aonde isso pode levar. Cabe aos adultos observar a criança com cuidado, considerar e questionar as áreas cinzentas e, finalmente, proteger as crianças inocentes contra diagnósticos e conclusões precipitados sobre algo tão fundamental quanto sua identidade de gênero.

Walt Heyer é um autor talentoso e orador público com uma paixão por orientar indivíduos cujas vidas foram destruídas por cirurgias desnecessárias de mudança de gênero.
star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

people high aerial jump
Psicanálise

A Coragem Também é Contagiosa

Por Tim Keesee. Leia o artigo completo em Desiringgod. Coragem é justamente estimada a primeira das qualidades humanas porque. . . é a qualidade que garante todas as

Leia Mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *