iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

O TAI é criticado por inconsistência, medições incertas, poder preditivo incerto e preocupações éticas

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: Twitter de Jordan Peterson.
Autoria do texto: Jordan Peterson.
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui. Twitter de Jordan Peterson
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

A psicologia social, com poucas exceções, é um empreendimento irremediavelmente corrupto, repleto de carreiristas, radicalmente esquerdistas, social-construcionistas, ignorantes de biologia e história, liderados por luminares da franja radical como Mazharin Banaji, arqui-promotora das idiotices essenciais do IAT [Teste de Associação Implícita], um “dispositivo de medição” que causou danos irreparáveis ​​às instituições do Ocidente, tanto acadêmicas como capitalistas.

Cuidado com os psicólogos sociais.

Jordan Peterson

Mahzarin Rustum Banaji é uma psicóloga americana de origem indiana, da Universidade de Harvard, conhecida por seu trabalho de popularização do conceito de preconceito implícito em relação a raça, gênero, orientação sexual e outros fatores.

Alguns dos principais pontos de crítica ao teste desenvolvido por ela e por Anthony G. Greenwald:

Confiabilidade e Consistência: Os críticos argumentam que os resultados do TAI nem sempre são consistentes ao longo do tempo. A pontuação de um indivíduo no TAI pode variar significativamente após o reteste, questionando a confiabilidade do teste.

Validade: Há um debate em curso sobre o que o TAI realmente mede. Embora se pretenda avaliar vieses implícitos, alguns pesquisadores argumentam que ele pode estar capturando outros fatores, como familiaridade com estereótipos ou conhecimento cultural, em vez de atitudes implícitas pessoais.

Poder Preditivo: Críticos apontam que a capacidade do TAI de prever o comportamento é limitada. Embora o teste possa indicar um nível de viés implícito, sua validade preditiva em relação ao comportamento discriminatório ou à tomada de decisões em situações do mundo real é considerada fraca por alguns pesquisadores.

Interpretação dos Resultados: A interpretação dos escores do TAI tem sido controversa. Alguns argumentam que altas pontuações no TAI são frequentemente apresentadas como evidências de preconceito profundo, o que pode não ser necessariamente o caso. Há uma preocupação de que o teste pode exagerar a extensão do viés implícito.

Implicações éticas e sociais: Alguns críticos estão preocupados com as implicações éticas do uso do TAI em vários ambientes, como emprego ou educação. Eles argumentam que confiar no TAI para a tomada de decisões pode levar a consequências injustas, com base em resultados de testes que não são totalmente compreendidos ou validados.

Fatores contextuais: O TAI tem sido criticado por ser sensível a fatores contextuais. Os resultados do teste podem ser influenciados pelo ambiente ou condições específicas sob as quais ele é realizado, o que pode afetar sua precisão e interpretação.

Falta de intervenções práticas: Embora o TAI possa revelar vieses implícitos, os críticos argumentam que há poucas intervenções ou estratégias eficazes fornecidas para mitigar esses vieses. Isso levanta questões sobre a utilidade prática do teste em abordar e reduzir o preconceito implícito.

Ênfase excessiva no viés implícito: Alguns estudiosos argumentam que o foco no viés implícito, como destacado pelo TAI, pode ofuscar a importância de abordar o viés explícito e as desigualdades estruturais que também contribuem para a discriminação e o preconceito.

Essas críticas destacam as complexidades e dificuldades associados à medição de vieses implícitos e ressaltam a necessidade de uma interpretação cautelosa e aplicação das descobertas do TAI.

Imagem:
Unsplash+

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

A Lavagem Cerebral do Ambientalismo.

O condicionamento psicológico está ocorrendo de várias maneiras e dentro de diferentes grupos de afinidade para preparar a população norte-americana* para um futuro iminente de

Leia Mais »
Psicanálise
Editorial

O Rosto dos Coletivistas.

Quer o ano seja 1944 ou 2024, nunca se esqueça que uma pessoa comum é capaz de sorrir e aproveitar a vida enquanto participa conscientemente

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *