iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

A homogeneidade e submissão intrínsecas ao globalismo destroem o nacionalismo

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: The Spectator.
Autoria do texto: Daniel McCarthy.
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui. The Spectator
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Israel e a formação de nações

​Depois da Segunda Guerra Mundial e do Holocausto, surgiram duas opiniões opostas sobre como evitar que tais males voltassem a acontecer. Um lado apontou para a criação da União Europeia e defendeu que o nacionalismo deve ser repudiado e condenado. A outra endossou a criação de Israel como um Estado-nação para o povo judeu, com um nacionalismo próprio.*

Este país serve como um teste decisivo para a resistência global do nacionalismo, em meio a debates sobre sua sobrevivência no contexto da ascensão do anticolonialismo desde a década de 1960. Apesar da aceitação dos estados-nação pós-colonização, os movimentos de independência foram principalmente motivados pela oposição à dominação ocidental em vez de fervor nacionalista, com muitos adotando ideologias comunistas, destacando as correntes internacionalistas de suas lutas.

Israel, no entanto, é diferente. É verdadeiramente nacionalista e, consequentemente, dizem os seus acusadores, é também colonialista. A força do anticolonialismo na Terra Santa é representada pelos palestinos, e se as perspectivas de um Estado-nação palestino plenamente funcional parecem fracas, isso apenas mostra que a nacionalidade não é realmente o objetivo: derrubar o domínio israelita – primeiro na Palestina territórios e subsequentemente dentro do que é hoje o próprio Estado Judeu – é o objetivo, não importa o que se siga.

O que os cosmopolitas mais esclarecidos imaginam não é uma solução de “estado único”, mas uma solução de “não-nação”, na qual uma população heterogênea exercerá o governo da maioria. Se os judeus não são a maioria, devem aceitar o que a democracia legisla, e não o que a sua religião ou identidade nacional exige. A única alternativa a esse majoritarismo seria um governo de uma elite secular, pós-nacional e sábia – como a do tipo que se encontra em Bruxelas. Só um regime de conhecimentos especializados desinteressados ​​pode triunfar moralmente sobre a democracia.

Isto é o que a opinião progressista prescreve também para os Estados Unidos e a Europa. Nenhuma nação tem o direito moral de fechar as suas fronteiras ou de preferir os seus cidadãos a outras pessoas. Dentro de qualquer território administrativo historicamente arbitrário, um “país”, a população no seu conjunto, sem quaisquer distinções entre pessoas, deveria ser livre para aprovar a escolha de governadores esclarecidos ou para eleger representantes não esclarecidos mas impotentes. As unidades subnacionais podem ter voz, mas não devem ter soberania: isso levaria de volta ao nacionalismo, ainda que numa escala menor do que antes.

Este é o sonho racionalista dos oponentes progressistas do nacionalismo. É claro que a realidade histórica do poder fora de uma estrutura de Estado-nação parece bastante diferente. Sem um público minimamente coeso, a democracia é fraca, se é que ela seja possível. A soberania administrativa imposta a uma população fragmentada é conhecida, tradicionalmente, como império. Mas as elites que dirigem a maioria dos impérios não estão desinteressadas em identidades fortes: tendem a estar unidas étnica, religiosamente ou de outra forma num grupo com os seus próprios interesses.

O Império Otomano, que controlou a Terra Santa durante cerca de 400 anos era desse tipo. O que se seguiria ao fim de Israel como Estado judeu não se assemelharia à União Europeia ou a outras noções ocidentais fantasiosas de ordem pós-nacional. Uma alternativa muito mais tradicional logo estaria disponível.

É claro que, no que diz respeito aos palestinos, eles sentem que já vivem sob um império. Mas o império é algo o que um povo nunca vivenciará se não conseguir organizar-se a nível nacional. O próprio Israel fornece um modelo de auto-organização nacional e, de fato, o povo judeu foi um exemplo, mesmo na diáspora. Existe hoje um Estado-nação judeu porque os judeus sobreviveram como uma nação sem Estado durante séculos.

Os judeus resistiram ao colonialismo como quase nenhum outro povo na história​ Apesar de sua resistência, Jerusalém foi destruída em 70 dC​, pelos romanos. Tácito observou as fortificações estratégicas de Jerusalém, atribuindo-as à previsão dos judeus de inimizade duradoura devido aos seus costumes, levando a preparações para cercos prolongados.

Hoje, os judeus de Israel são ameaçados pelos islâmicos do Hamas, entre outros. Na Idade Média, os judeus da cristandade com frequência foram expropriados por reis que lhes ofereciam “proteção” desde que contribuíssem o suficiente para os cofres reais; a extorsão geralmente terminava na expulsão dos judeus e no confisco total de suas riquezas. Os gregos e romanos da antiguidade, por sua vez, detestavam a religião judaica pela sua exclusividade. Os judeus quererão que Jerusalém, e Israel, sejam fortificados, não importa quem constitui os reinos e impérios à sua volta – não importa quão esclarecidos reis, imperadores e administradores se imaginem.

Os judeus precisam de uma nação, e um mundo de nações, e não de impérios, precisa de Israel.

Este artigo de Daniel McCarthy foi publicado originalmente na  edição mundial de maio de 2024 do The Spectator.

* Explicação de Yoram Hazoni, no seu livro The Virtue of Nationalism,

Imagem:
Monstera Production,
via Pexels

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

O Rosto dos Coletivistas.

Quer o ano seja 1944 ou 2024, nunca se esqueça que uma pessoa comum é capaz de sorrir e aproveitar a vida enquanto participa conscientemente

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *