iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Dr Fauci.
Foto: USATSI

Por James Jeffrey. Leia o artigo completo no The Critic.


[…] O surto COVID-19 trouxe-nos mais perto [de futuros distópicos imaginados por escritores de ficção científica], ameaçando a nossa fé em um dos elementos centrais da interação humana: o contato físico.

Em um conto de 1977, o escritor […] JG Ballard descreve um mundo desconfortavelmente próximo da nossa realidade atual. Os seres humanos vivem a vida inteira em um isolamento confortável: toda interação com os outros, mesmo com suas famílias imediatas, é feita através de câmeras e telas:

“Minha própria criação, minha educação e prática médica, meu namoro com Margaret e nosso feliz casamento, tudo ocorreu dentro do retângulo generoso da tela da televisão”.

[O Dr Anthony Fauci, um dos maiores especialistas mundiais em doenças infecciosas] surgiu como a voz da resposta norte-americana ao surto, sugeriu que os apertos de mão não deveriam ocorrer no mundo pós-coronavírus.

Nancy Pelosi, presidente do Congresso norte-americano e veemente defensora do lockdown

Mas os apertos de mão podem ser apenas a ponta do iceberg de qualquer racionamento de toque que tenha que acontecer quando sairmos do lockdown. E abraços, especialmente abraços de parentes idosos que permanecerão vulneráveis ​​até que haja uma vacinação. O beijo de uma criança na bochecha de um avô agora está ameaçado?

A seguir, ponderações de Cristine Legare, professora de psicologia:

“O toque é uma parte crítica de como os humanos se comunicam, é como nos afiliamos, cumprimentamos, confortamos, cuidamos e apoiamos os outros. A falta de contato tem uma variedade de consequências psicológicas e fisiológicas negativas.”

[…]os humanos evoluíram como “animais profundamente sociais” que são, portanto, “organismos muito orientados ao tato” “[O aperto de mão] é um modo de afiliação, um gesto literal de conexão social.”

“Pense na maneira como reagimos quando as pessoas estão enlutadas após uma morte ou algo ruim que tenha acontecido, é com um abraço, ou pode ser apenas sentar ao lado da pessoa e tocar seu ombro”.

Diante de mudanças potencialmente sísmicas na maneira como interagimos – e nos tocamos -, as sociedades tradicionalmente menos táteis e mais reservadas, como o Reino Unido ou a Alemanha, acham mais fácil tolerar restrições ao toque físico e, assim, sentem menos efeitos psicologicamente negativos do que as sociedades mediterrâneas, por exemplo, que tradicionalmente tendem a ser mais exuberantes e táteis.

“É verdade que os britânicos se envolvem em toques menos casuais do que os espanhóis, por exemplo, mas compensam de outras maneiras [mas pondera sobre]a vibrante cultura de pub]…]: “Reuniões sociais podem ter uma função semelhante ao toque”.

“Não se deve subestimar o quão desesperados os outros estão por proximidade”. Legare ficou impressionada com os casos de furor indignado, especialmente nas mídias sociais, direcionado às pessoas por alardearem regras de distanciamento social. Ela diz que acha esses exemplos ilustrativos de que as pessoas – as que fazem a repreensão – não avaliam completamente como estar sozinho pode gerar tanto sofrimento para os outros.

“Há uma grande diferença entre as pessoas que se distanciam socialmente, mas têm uma família e um parceiro, e podem abraçar seus filhos ou dormir à noite ao lado de alguém, e as sozinhas que se distanciam socialmente. Não é natural não ter contato físico, os seres humanos são animais profundamente sociais.” Ela acrescenta que o confinamento solitário pode ser pior que a tortura física.

O toque físico nem sempre foi considerado tão crítico. Durante a primeira metade do século XX, muitos psicólogos acreditavam que demonstrar afeto às crianças era simplesmente um gesto sentimental que não servia a um propósito real – chegando mesmo a advertir que manifestações de afeto arriscavam espalhar doenças e contribuir para problemas psicológicos de adultos.

Mas, em uma série de experiências controversas, durante a década de 1960, com jovens macacos rhesus, o psicólogo americano Harry Harlow demonstrou os poderosos efeitos do amor, especialmente a ausência de amor, bem como o importante papel que o toque físico desempenhava.

Agora, em todo o mundo, as pessoas enfrentam a redução dessa necessidade humana básica, a fim de manter um controle sobre o COVID-19.

[…] Sobre medidas de distanciamento social, incluindo não tocar, diz Elke Weber, professora de psicologia e relações públicas, especialista em tipos de risco: “Eu não acho que as pessoas estejam exagerando neste momento, pelo contrário.
A sobrevivência ou a tentativa de permanecer vivo é outro importante impulso humano básico. A alternativa é voltar à vida como a conhecíamos e ignorar o fato de que um grande número de idosos, pessoas com excesso de peso e com comorbidades morrerão até estabelecermos a imunidade do rebanho, o que levará um tempo considerável.”

Ela observa como essa abordagem inicialmente informou a resposta do governo do Reino Unido até ser considerada inaceitável.

“Saber que alguém é amado e cuidado, mesmo sem contato físico, vale muito”, diz Weber. Ela aconselha as pessoas a “expressar nosso amor e afeto uns pelos outros e principalmente pelos vulneráveis ​​entre nossos entes queridos, de maneira a minimizar os riscos”.

“Estamos nos conectando de maneiras que não aproveitávamos antes”, diz Maria Murphy, 70 anos, cujos pais emigraram da Polônia após a Segunda Guerra Mundial. “No domingo de Páscoa, conversamos e rimos durante uma hora, via internet, com minha irmã e seu marido em Surrey, com meu sobrinho e afilhado em Katowice, na Polônia, e nossa filha e seu noivo no Colorado.”

Mas Murphy observa como essa abertura de “um mundo totalmente novo de possibilidades” nunca conseguirá substituir “a necessidade de sentar frente a frente, compartilhar intimamente, expressar reações por meio do toque e consolar com calor humano”.

É aí que entra o atrito quando se facilita o lockdown do COVID-19.

“Se nos alegrarmos em nos reunir novamente sob o mesmo teto, nos exporemos novamente a esse vírus incrivelmente transmissível”, diz Murphy. […]

Um tema comum entre os vários programas de facilitação de lockdown propostos em todo o mundo é que as pessoas vulneráveis devem permanecer socialmente distanciadas, enquanto as pessoas mais jovens e saudáveis ​​retomam uma saída mais normal .

“Nós já damos tanto valor à juventude e ao vigor na sociedade, e essa distinção artificial forçada entre idosos e enfermos e jovens e saudáveis provavelmente afetará muito algumas pessoas”, diz Stuart Wolf, da Faculdade de Medicina da Dell em Austin, Texas. “Eu não ficaria surpreso se alguns avós decidissem quebrar as regras.”

O problema com isso, ele diz, é que poderia colocar pais e netos em um dilema que poderia até arriscar um dano moral , uma agonia de julgamento interno contra si mesmo que geralmente resulta de uma ação forçada que tenha causado uma consequência negativa.

“Eles abraçam a avó para acalmar sua alma, mas colocam seu corpo em risco, ou eles se contêm, o que protege sua saúde física, mas torce o punhal emocional mais profundamente?” Wolf diz.

Ao mesmo tempo, há quem observe que redução de toque no domínio público não seria, necessariamente, uma coisa ruim.

“As pessoas com deficiência sentem muitos toques indesejados”, diz Sarah Neilson, que nasceu com paralisia cerebral e precisa usar muletas no antebraço. “Se isso significa que as pessoas vão parar de agarrar o meu braço no metrô, ônibus e trem, isso é ótimo.”

Ela também observa como, na sociedade americana, há muita pressão – especialmente entre os grupos femininos – para abraçar como forma de saudação, mesmo com “pessoas que você não gosta particularmente ou que você sabe que não gostam particularmente de você”.

“Tenho sérias reservas em abraçar alguém, a menos que realmente queira”, diz Neilson.

Enquanto as sociedades tentam determinar o novo normal em relação ao toque humano, Wolf permanece esperançoso de que “mesmo que não possamos ser tão sensíveis quanto antes, encontraremos uma maneira de nos adaptar”. Mas ele observa que mesmo a descoberta de imunidade do COVID-19 poderia atenuar ainda mais a divisão emergente entre os setores saudáveis ​​e jovens e os mais velhos e vulneráveis ​​da sociedade.

“Você pode, eventualmente, ver um cenário de alguma distopia de ficção científica, onde que cidadãos com anticorpos podem andar sem impedimentos, desde que carreguem seus documentos ou talvez um microchip”, diz Wolf.

Tais potencialidades refletem o grau de ambiguidade nas abordagens governamentais para reabrir as sociedades, especialmente no que diz respeito ao grau em que indivíduos vulneráveis ​​continuam praticando o distanciamento físico. É um [..]

[…].

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise

O “Great Reset”

Hilde Schwab, esposa de Klaus Schwab, e Charlize Theron no Fórum Econômico Mundial […] O fundador do Fórum Econômico Mundial, Klaus Schwab, enfatizou repetidamente como

Leia Mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *