iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Alicerce das ciências humanas e, quiça, das biológicas é pedófilo estuprador.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Foucault é o estudioso mais citado na área de ciências humanas. Suas inclinações homossexuais e subsequente morte por AIDS, em 1984, são bem conhecidas. Acontece que sua natureza era muito pior do que as casas de banho BDSM de São Francisco: enquanto trabalhava na Universidade de Tunis, ele pagou meninos árabes tunisianos, de 8 anos, para sodomizá-los em cima de lápides. E a mídia sabia disso.

Quais são as Acusações?

A Wikipedia – aquela fossa terrível de ativismo partidário – tem uma seção característicamente pequena e linguisticamente higienizada sobre o comportamento perturbador de Foucault:

“Foucault foi um defensor vocal do sexo consensual adulto-criança menor de idade e da pedofilia, considerando-os sinais da libertação de ambos os atores. Em 1977, junto com Jean-Paul Sartre, Jacques Derrida e outros intelectuais, Foucault assinou uma petição ao parlamento francês pedindo a descriminalização de todas as relações sexuais “consensuais” entre adultos e menores de 15 anos, a idade de consentimento na França. Ele também escreveu uma carta aberta, no Le Monde, em defesa de três pedófilos condenados. Foucault foi descrito pelo Windsor Star como um “guru da pedofilia”.

Era muito, muito pior. Como a Academia sabia, não era apenas uma “ideia” que ele tivera.

Em um artigo de março de 2021, o The Times (com acesso pago) detalha as afirmações horríveis de Guy Sorman:

O filósofo Michel Foucault, um farol da ideologia “acordada” de hoje, tornou-se a mais recente figura francesa proeminente a enfrentar uma avaliação reconhecendo seu abuso sexual de crianças.

Um colega intelectual, Guy Sorman, desencadeou uma tempestade entre os “intelectos” parisienses com sua alegação de que Foucault, que morreu em 1984, aos 57 anos, era um estuprador pedófilo que fez sexo com crianças árabes enquanto viveu na Tunísia, no final dos anos 1960.

Sorman, de 77 anos, disse que visitou Foucault com um grupo de amigo,s em uma viagem de férias de Páscoa, no vilarejo de Sidi Bou Said, perto de Túnis, onde o filósofo morava em 1969. “Crianças pequenas corriam atrás de Foucault dizendo ‘E eu ? Me leve, me leve’”, lembrou ele […] em uma entrevista ao The Sunday Times.

“Eles tinham oito, nove, dez anos, ele estava atirando dinheiro neles e dizia ‘vamos nos encontrar às 22h no lugar de sempre’.” Este, ao que parece, era o cemitério local: “Ele faria amor lá nas lápides com meninos. A questão do consentimento nem foi levantada.”

Sorman afirmou que “Foucault não teria ousado fazer isso na França”, comparando-o a Paul Gauguin, o impressionista que fez sexo com meninas que pintou no Taiti, e André Gide, o romancista que perseguia meninos na África. “Há uma dimensão colonial nisso. Um imperialismo branco.”

Sorman diz que lamenta não ter denunciado Foucault à polícia na época ou denunciado na imprensa, chamando seu comportamento de “ignóbil” e “extremamente feio moralmente”.

Mas, acrescentou, a mídia francesa já sabia do comportamento de Foucault. “Havia jornalistas presentes naquela viagem, havia muitas testemunhas, mas ninguém escrevia artigostórias assim naquela época. Foucault foi o rei filósofo. Ele é como o nosso deus na França. ”

Original: https://www.thetimes.co.uk/article/french-philosopher-michel-foucault-abused-boys-in-tunisia-6t5sj7jvw

O significado de um homem tão mau

A influência de Foucault está em toda parte. Ele é uma figura anticristo psicopata para os religiosos, como a laia de Aleister Crowley. Para a Academia, ele é um gênio filosófico que gerou os movimentos LGBT e de gênero.

Suas principais obras incluem:

  • Loucura e Civilização (1961)
  • O Nascimento da Clínica (1963)
  • A Ordem das Coisas (1966)
  • A Arqueologia do Conhecimento (1969)
  • Disciplina e Punição (1975)
  • História da Sexualidade (1976)

A tese essencial de Foucault era o poder (“subjetivação”). Força, força e mais força. Tudo tinha a ver com poder. As instituições nos controlam por meio de seu poder sobre o conhecimento e a linguagem; o poder pode ser usado para definir o conhecimento. O que sabemos é determinado pelos poderosos.

Daí o axioma, conhecimento = poder.

Pelo menos duas gerações de acadêmicos o adoram como uma figura divina. Milhares de artigos em periódicos mencionam as palavras “Seguindo Foucault …” .

“Loucura e Civilização” analisou como vemos a insanidade. Seu “Nascimento da Clínica” detalhou hospitais e psiquiatria. “Discipline and Punish” é uma crítica ao sistema prisional. “Archaeology of Knowledge” discute como o que dizemos e pensamos é uma “prisão” e, finalmente, “History of Sexuality” descreve suas idéias sobre como a “expressão sexual alternativa” fora do casamento familiar supostamente desenvolveu-se.

(Mais: https://theconversation.com/explainer-the-ideas-of-foucault-99758 )

Simplificando, as idéias de Foucault são o arcabouço intelectual da cruzada do Liberacionismo.

Todo esquisito, todo acadêmico maluco, todo estranho, todo criminoso, todo degenerado, encontra as raízes de suas justificativas intelectuais no cérebro deste homem profundamente mau.

Entre aqueles que foram amplamente influenciados por Foucault estavam Giorgio Agamben (“biopoder”), Edward Said (“Estudos Pós-coloniais”), Pierre Bourdieu (antropologia), Gilles Deleuze (metafísica), Talal Asad (“Antropologia Cultural’), David Halperin (“Teoria Queer”), Hubert Dreyfus (AI), Paul Rabinow (Antropologia), Jacques Rancière (neo-marxismo), Félix Guattari (“Esquizoanálise”) e Stephen Greenblatt (“Novo Historicismo”),

O Templo de Foucault é uma lista impressionante de fraudes intelectuais.

Uma menção especial: Teoria Queer e Estudos de Gênero

Uma discípula de Foucault é especificamente prevalente em nossa própria era: a matriarca lésbica dos estudos marxistas de gênero Judith Butler. Adjacente à ativista trans (e ex-química) “Julia” Serano, credita-se a ela ter desenvolvido o desdobramento da sociologia da “Teoria Queer” que se fundiu com os “Estudos das Mulheres” (isto é, Teoria Crítica e Feminismo) que produziu o monstro do “Gênero Estudos”.

Há poucas coisas que você pode dizer sobre Butler que lhe fazem a justiça adequada: perdendo apenas em fraude acadêmica para Robin DiAngelo, vencedor do prêmio de “pior escrita”, autor de absurdos ridículos e pretensiosos como “performatividade”.

“Se o caráter imutável do sexo for contestado, talvez este construto chamado ‘sexo’ seja tão culturalmente construído quanto o gênero; na verdade, talvez já tenha sido sempre gênero, com a consequência de que a distinção entre sexo e gênero acaba por não haver distinção de maneira nenhum.”

Total, total absurdo.

Não há homenagem mais adequada a alguém com o caráter de Foucault.

Butler é o autor de “Gender Trouble: Feminism and the Subversion of Identity” (1990) que tem como tese uma das idéias mais idiotas até então, formada como filho bastardo de Freud, de Beauvoir, Lacan, Derrida e São Foucault. Essa ideia de sexo biológico, gênero e sexualidade são “performances” involuntárias ao longo do tempo coagidas de técnicas “disciplinares”, ao invés de ter alguma coisa a ver com a biologia humana.

É uma “obra” tão obscura e bizarra que pertence a um museu na seção “WTF”. A certa altura, ela declara que o incesto é “uma fantasia cultural generalizada”.

É daí que nossos “acadêmicos” tiram suas noções atuais de ativismo “trans”. Há uma razão pela qual essas pessoas não conseguiram chegar à prática acadêmica real ou não foram aprovadas nas aulas de ciências básicas.

Esse link é explorado posteriormente em várias entradas de diário “meta”, como http://wrap.warwick.ac.uk/1965/ .

Por que isso é importante?

A única coisa mais séria do que o estupro de uma criança é o assassinato de uma criança. É muito importante.

À medida que o pensamento de direita se desvia para a demagogia, o pensamento de esquerda tende para a religiosidade e o primitivismo. O que os torna diferentes é que as últimas posições têm sua saída religiosa no conservadorismo cristão, enquanto as primeiras não têm nenhuma. Os discípulos de esquerda, na maioria das vezes, têm um nervo religioso exposto. Sua política tende a inflama-lo, e seu ativismo manifesta um comportamento de culto religioso.

Simplificando: os direitistas vão à igreja. Os esquerdistas são religiosamente ligados, sem seguir nenhuma religião. Sua religião se torna política e ativismo.

Foucault é uma dessas figuras “religiosas” na ideologia de esquerda. Ele detém um espaço sagrado como um santo da libertação sexual e dos oprimidos forasteiros.

O motivo disso é simples: conservadores e filósofos classicamente liberais afirmam, há décadas, que as ideologias LGBT de “libertação” estão relacionadas a comportamentos sexuais seriamente criminosos, convergindo para o abuso de crianças. Além disso, eles foram punidos por apontar o estado moral desses estudiosos e como isso se aplica às suas idéias.

Muito desse material “acadêmico” é a justificativa intelectual de uma psicopatia profundamente degenerada moralmente, camuflada em algum tipo de cruzada moral por uma posição ética elevada.

Em “Intelectuais”, Paul Johnson colocou um holofote cegante sobre essas figuras. Roger Scruton seguiu com “Fools, Frauds and Firebrands”.

Quando um homem adulto abre o crânio de uma competidora em um ringue de MMA, os moderadores do fórum “trans” são presos por pornografia infantil ou os ativistas estão destruindo a vida das pessoas por não quererem tocar seus órgãos genitais, algo está terrivelmente errado.

A lista desse comportamento predatório continua crescendo.

Se você é discípulo de um estuprador predador de crianças, precisa reavaliar suas idéias. Se o seu herói acadêmico é um pedófilo em série, não há razão para ninguém ouvir uma palavra do que você tem a dizer.

Foucault é citado 1,14 MILHÕES de vezes por nossos “acadêmicos”: https://scholar.google.com/citations?user=AKqYlxMAAAAJ&hl=en

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise

O que Guia a Sociedade.

O perfil verificado da Turma da Mônica deu a entender – via Twitter – que Felipe Neto pode virar personagem de gibi. A palhaçada não

Leia Mais »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *