iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

As pessoas com mais simpatia por criminosos são as com maior probabilidade de serem suas próximas vítimas.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: .
Autoria do texto: .
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Quando se suprime o raciocínio e se se deixa levar apenas pela emoção, eventualmente a realicade falará mais alto. É quando, então, tragédias acontecem. Abaixo dois exemplos. Um individual, de uma ativista, e o outro coletivo e involuntário, das encarceradas.

A CEO da EcoMap Tech, Pava Marie LaPere, uma autodenominada “anti-racista” e apoiadora do BLM, que se manifestou contra a “criminalização de corpos negros”, teria sido espancada até a morte, em sua própria casa, em Baltimore, por um homem negro que fora libertado mais cedo da prisão.

Pava Marie LaPere, ativista antiracista, assassinada por criminoso negro.
Imagem: Screenshot do InformationLiberation.

Jason Dean Billingsley, 32 anos, fora condenado a 30 anos de prisão, em 2015. O registro de criminosos sexuais o classificou em “nível 3”, que inclui as acusações mais graves e exige que os infratores se registrem por toda a vida.

Billingsley teve redução de pena por bom comportamento” pela procuradora estadual, financiada por Soros.

Pava Marie LaPere, antiracista morta por negro criPava Marie LaPere, ativista anti-racista, assassinada por criminoso negro.
Imagem: screenshot do InformationLiberation, 26-09-2023.

Artigos estão sendo escritos sobre pesquisas que estão sendo feitas sobre se há diferenças entre criminosos sexuais violentos e criminosos sexuais violentos que se identificam com mulheres trans quando são presos. Excerto de artigo de Jo Phoenix, no Information Liberation:

[…]

Se [grifo nosso] as mulheres trans presidiárias, como categoria, mantiverem o que poderia ser chamado de “delito de padrão masculino” (isto é: cometer mais crimes violentos e sexuais do que as mulheres), isso introduziria três problemas inter-relacionados nas prisões femininas: a necessidade de reforçar a segurança para lidar com prisioneiros de maior risco; o aumento do risco de violência sexual contra presidiárias; e tirar a prioridade das necessidades biológicas das reclusas no que diz respeito à segurança e à possível re-traumatização – especialmente entre aquelas que já sofreram violência doméstica ou sexual. Portanto, conhecer o perfil ofensivo das mulheres trans é fundamental para a segurança tanto das presidiárias quanto das funcionárias penitenciárias. Este relatório descreve exatamente isso.

[…]

Para mim, este relatório indica algo mais fundamental: o fato de os reclusos canadenses com diversidade de género terem perfis criminosos que se assemelham mais aos seus respectivos sexos biológicos significa que a abordagem de confundir identidade de género com sexo biológico envolve, necessariamente, negar meio século de investigação sobre as diferenças entre as necessidades, riscos e histórias de homens e mulheres que acabam nos nossos sistemas penitenciários.

Jo Phoenix é professora de Criminologia na Universidade de Reading, onde pesquisa sexo, gênero, sexualidades e justiça, justiça e punição juvenil, produção de conhecimento criminológico e ética em pesquisa. Ela estudou e escreveu sobre uma ampla variedade de assuntos, incluindo modelo gerencial e ética na produção de conhecimento criminológico, prostituição, reforma da política de prostituição, exploração sexual infantil, penalização juvenil e práticas e políticas de justiça juvenil. A sua investigação mais recente diz respeito à liberdade académica, ética política e investigação e sexo, género, identidade de género e política de justiça criminal.

Manchete do Daily Wire.
9 em 10 mulheres trans, nas prisões do Canadá, são violentos, quase a metade condenada por crimes sexuais.

A defesa psicológica de indivíduos que apoiam ou simpatizam com criminosos pode ser atribuída a diversos mecanismos e fatores psicológicos. De forma geral, aqui estão algumas possíveis explicações psicológicas:

Dissonância Cognitiva: As pessoas podem se envolver em dissonância cognitiva para reduzir o desconforto causado por crenças conflitantes. Nos casos em que alguém apoia o comportamento criminoso, pode racionalizá-lo minimizando a gravidade do crime ou convencendo-se de que o criminoso tinha uma razão justificável.

Empatia e identificação: Alguns indivíduos podem identificar-se com criminosos devido a antecedentes, experiências ou injustiças percebidas. Eles podem simpatizar com as dificuldades do criminoso e ver as suas ações como uma forma de resistência contra um sistema opressivo.

Viés de confirmação: as pessoas muitas vezes buscam informações que confirmem suas crenças existentes e ignoram ou descartam evidências contraditórias. As que defendem os criminosos podem concentrar-se seletivamente em fatores que apoiam o seu ponto de vista, ao mesmo tempo que ignoram as provas de irregularidades.

Teoria da Identidade Social: Os indivíduos podem alinhar-se com grupos que compartilham das suas opiniões, mesmo que esses grupos apoiem criminosos. Este sentimento de pertencimento e de identidade partilhada pode reforçar a sua defesa do comportamento criminoso.

Relativismo Moral: Alguns indivíduos subscrevem o relativismo moral, acreditando que a moralidade é subjetiva e pode variar dependendo de fatores culturais ou situacionais. Esta perspectiva pode levá-los a justificar ou defender ações que, de outra forma, considerariam inaceitáveis.

Projeção Psicológica: Em alguns casos, os indivíduos que projetam os seus próprios desejos, raiva ou impulsos reprimidos nos criminosos podem levá-los a defender esse comportamento como uma forma de lidar com os seus próprios conflitos psicológicos não resolvidos.

Preconceito intragrupo: as pessoas tendem a favorecer membros de seu próprio grupo social, racial ou cultural. Se um criminoso pertencer ao mesmo grupo, é mais provável que alguns indivíduos o apoiem ou defendam. Falta de informação: Alguns defensores podem não ter informações completas sobre as ações, antecedentes ou motivações do criminoso. Esta perspectiva limitada pode levá-los a fazer julgamentos desinformados ou a interpretar mal a situação.

Falta de informação: Alguns defensores podem não ter informações completas sobre as ações, antecedentes ou motivações do criminoso. Esta perspectiva limitada pode levá-los a fazer julgamentos desinformados ou a interpretar mal a situação.

Desejo de Mudança: Os indivíduos que defendem criminosos podem acreditar genuinamente no potencial de reabilitação e mudança social. Podem defender segundas oportunidades e programas de reabilitação como forma de abordar o comportamento criminoso. Influência da mídia: A representação da mídia e o enquadramento narrativo podem impactar significativamente as percepções do público. Aqueles expostos a representações simpáticas de criminosos nos meios de comunicação poderão ter maior probabilidade de os defender.

As pessoas com mais simpatia por esses criminosos são as que têm maior probabilidade de serem suas próximas vítimas.

Scott Greer 6’2” QI 187

Imagem:
Compilado de pessoas assassinadas, que não acreditaram que estavam colocando suas vidas em risco.
Fonte: Twitter de Unbiased Crime Report, 27-09-2023

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise
Editorial

O Sentido da Vida

We need another great flood. pic.twitter.com/LyE4Ryrmg5 — Ian Miles Cheong (@stillgray) July 8, 2024 – Que tal ser um gato? – Humm…bom, eu sei exatamente

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *