iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Efeitos do lockdown na auto-imagem.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Plataformas virtuais, denominadas coletivamente “Zoom”) […] podem estar afetando a maneira como as pessoas se vêem. Os autores notaram um aumento no número de pacientes citando sua aparência no Zoom como motivo para procurar atendimento, principalmente em relação à acne e rugas.

 Uma análise recente das tendências de pesquisa do Google durante a pandemia mostrou que os termos “acne” e “queda de cabelo” estão aumentando nesta nova realidade virtual. […] Eles atribuíram essa tendência à associação de acne e queda de cabelo com ansiedade e depressão, condições psicológicas comuns durante a quarentena. Suspeitamos que a tendência também pode surgir de pessoas que se vêem constantemente em vídeo e se tornam mais conscientes de sua aparência. Antes que o Zoom assumisse como métrica usada para valorizar a aparência, os pacientes usavam selfies e um arsenal de aplicativos de edição de fotos para criar versões filtradas de si mesmos. Chamado de “Dismorfia do Snapchat”, o influxo de pacientes que esperam se parecer mais com seus eus editados tem causado preocupação generalizada com seu potencial de desencadear o transtorno dismórfico corporal. […] Em 2019, 72% dos membros da Academia Americana de Cirurgia Plástica e Reconstrutiva Facial relataram ter visto pacientes procurando procedimentos cosméticos para melhorar suas selfies. […] Além disso, níveis mais altos de engajamento nas redes sociais mostraram se correlacionar com o aumento da insatisfação corporal.[…]Ao contrário das selfies estáticas e filtradas das mídias sociais, o Zoom exibe uma versão não editada de si mesmo em movimento, uma autorretrato que poucas pessoas estão acostumadas a ver diariamente. Isso pode ter efeitos drásticos na insatisfação corporal e no desejo de procurar procedimentos cosméticos.

Então, por que as webcams são tão perturbadoras para os usuários? Durante conversas na vida real, não vemos nossos rostos falando e exibindo emoções, e certamente não comparamos nossos rostos lado a lado com os outros como fazemos em chamadas de vídeo. Além disso, as câmeras podem distorcer a qualidade do vídeo e criar uma representação imprecisa da verdadeira aparência. Um estudo descobriu que um retrato tirado a 30 centímetros de distância aumenta o tamanho percebido do nariz em 30% quando comparado com aquele tirado a 1,5 metro.[…] As webcams, gravando inevitavelmente em distâncias focais mais curtas, tendem a produzir um rosto mais arredondado, olhos mais largos e nariz mais largo.[…] É importante que os pacientes reconheçam as limitações das webcams e entendam que elas são, na melhor das hipóteses, uma representação falha da realidade.

Para desconstruir ainda mais as motivações por trás desse influxo de pacientes na era do Zoom, nos voltamos para a hipótese do feedback facial. A teoria explica que o tratamento de rugas que parecem tristes pode reduzir a depressão, fazendo com que o paciente pareça menos triste para os outros, o que, por sua vez, faz com que eles se sintam melhor consigo mesmos.[…]Talvez haja um aumento recente de pacientes que procuram procedimentos cosméticos simplesmente porque agora vêem suas imperfeições na câmera diariamente, ou porque as rugas que vêem na tela os fazem parecer mais deprimidos para os outros e se sentirem mais deprimidos. A teoria no contexto do Zoom é particularmente interessante, pois o paciente também é o observador. Eles podem se sentir tristes por causa das rugas que veem, o que afeta ainda mais negativamente suas emoções, levando a um ciclo perigoso de auto-depreciação. Isso se torna uma grande preocupação quando um indivíduo se torna excessivamente preocupado com defeitos reais ou imaginários. Uma vida desproporcionalmente gasta em Zoom pode desencadear uma resposta comparativa autocrítica que leva as pessoas a correrem para seus médicos para tratamentos que eles podem não ter considerado antes de confrontar uma tela de vídeo, um novo fenômeno da “Dismorfia do Zoom”.



Imagem:
Mulher Fragmentada, por Daniel Popper, Cape Town.

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise

Luto Infantil

1. Utilize circunstâncias do cotidiano para descrever o ciclo de vida que podemos observar nas plantas, animais e pessoas – nascimento, crescimento e morte. Enfatize que

Leia Mais »
Psicanálise

Dismorfia de Vídeo Chamadas

Plataformas virtuais, denominadas coletivamente “Zoom”) […] podem estar afetando a maneira como as pessoas se vêem. Os autores notaram um aumento no número de pacientes citando

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *