iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Dra. Deanna Wilson Adkins

Por Ryan T. Anderson. Leia o artigo coompleto no Heritage Foundation.

[…]

Vivemos em uma era pós-moderna que promove uma metafísica alternativa. Como explico em ” Quando Harry se tornou Sally “, no coração do momento transexual há idéias radicais sobre a pessoa humana – em particular, que as pessoas são o que afirmam ser, independentemente de evidências contrárias. Um menino trans é um menino, não apenas uma menina que se identifica como menino.

É compreensível por que os ativistas fazem essas afirmações. Um argumento sobre identidades transexuais será muito mais persuasivo se se referir a quem alguém é, não apenas como alguém se identifica. Assim a retórica do momento transexual transborda afirmações ontológicas: as pessoas são do gênero que preferem ser. Essa é a afirmação.

Ativistas transexuais não admitem que essa seja uma afirmação metafísica. Eles não querem ter o debate no nível da filosofia, então o mascaram como uma alegação científica e médica. E eles cooptaram muitas associações profissionais para a sua causa.

Assim, a American Psychological Association, em um panfleto intitulado ” Respostas às suas perguntas sobre pessoas trans, identidade de gênero e expressão de gênero “, nos diz: “Transexual é um termo genérico para pessoas cuja identidade, expressão ou comportamento de gênero não está em conformidade àquela tipicamente associada ao sexo ao qual eles foram designados no nascimento. “

Observe a linguagem politizada: o sexo de uma pessoa é “atribuído ao nascimento”. Em 2005,  até mesmo a Campanha de Direitos Humanos se referia  ao “sexo ao nascer” e ao “sexo físico”.

A expressão “sexo atribuído ao nascimento” é preferível, agora, porque abre espaço para a “identidade de gênero” como a base real do sexo de uma pessoa.

Em uma declaração de um especialista a um tribunal federal da Carolina do Norte sobre o HB 2, a Dra. Deanna Adkins declarou: “Do ponto de vista médico, o determinante apropriado do sexo é a identidade de gênero”. Adkins é professora da Duke University School of Medicine e diretora do Duke Center for Child and Adolescent Gender Care (inaugurado em 2015).

Adkins argumenta que a identidade de gênero não é apenas a base preferida para determinar o sexo, mas “o único determinante do sexo com suporte médico”. Todos os outros métodos são ciência ruim, ela afirma: “É contrário à ciência médica usar cromossomos, hormônios, órgãos reprodutivos internos, genitália externa ou características sexuais secundárias para substituir a identidade de gênero com o objetivo de classificar alguém como homem ou mulher”.

Essa é uma afirmação notável, principalmente porque o argumento recentemente foi de que o gênero é apenas uma construção social, enquanto o sexo é uma realidade biológica. Agora, os ativistas afirmam que a identidade de gênero é o destino, enquanto o sexo biológico é a construção social.

Adkins não diz se ela aplicaria essa regra a todas as espécies de mamíferos. Mas por que o sexo deveria ser determinado diferentemente em humanos e em outros mamíferos? E, se a ciência médica sustenta que a identidade de gênero determina o sexo nos seres humanos, o que isso significa para o uso de agentes medicinais que têm efeitos diferentes em homens e mulheres? A dosagem adequada do medicamento depende do sexo ou da identidade de gênero do paciente?

Mas o que exatamente é essa “identidade de gênero” que deveria ser o verdadeiro determinante médico do sexo? Adkins define como “o sentimento interno de uma pessoa pertencer a um gênero específico, tais como homem ou mulher”.

Observe que a pequena expressão “tais como”, implica que as opções não estão necessariamente limitadas ao homem ou à mulher. Outros ativistas são mais abertos ao admitir que a identidade de gênero não precisa se restringir à escolha binária de homem ou mulher, mas pode incluir ambos ou nenhum. A American Psychological Association, por exemplo, define “identidade de gênero” como “o sentimento interno de uma pessoa de ser homem, mulher ou outra coisa”.

Adkins afirma que ser transexual não é um distúrbio mental, mas simplesmente “uma variação normal do desenvolvimento”. Além disso, ela afirma que os profissionais de saúde médica e mental especializados no tratamento da disforia de gênero estão de acordo com essa visão.

Catecismo Transexual

Agora, essas noções sobre sexo e gênero estão sendo ensinadas a crianças pequenas. Os ativistas criaram gráficos para crianças com esse fim, como a “ Pessoa do Pão de Gengibre”. A pessoa que interpreta o gênero ensina que, quando se trata de sexualidade e gênero, as pessoas têm cinco características diferentes, cada uma delas caindo em um espectro.

Há a “identidade de gênero”, que é “como você, em sua cabeça, define seu gênero, com base no quanto você se alinha (ou não) com o que você entende serem as opções de gênero”. O gráfico lista “4 (de infinitas)” possibilidades de identidade de gênero: “feminilidade”, “masculinidade”, “espírito duplo” ou “não-binário”.

A segunda característica é a “expressão de gênero”, que é “a maneira como você apresenta o gênero, por meio de suas ações, roupas e comportamento”. Além de “feminino” ou “masculino”, as opções são “machão”, “femme”, “andrógino” ou “neutro em termos de gênero”.

O Terceiro, é o “sexo biológico”, definido como “as características físicas do sexo com as quais você nasce e se desenvolve, incluindo genitália, forma do corpo, tom da voz, pêlos do corpo, hormônios, cromossomos etc.”

As duas características finais dizem respeito à orientação sexual: “sexualmente atraído por” e “romanticamente atraído por”. As opções incluem “Mulheres / Females / Feminilidade” e “Homens / Males / Masculinidade”. O que parece bastante binário.

A Pessoa do Pão de Gengibre tenta localizar essas cinco características no corpo: identidade de gênero no cérebro, atração sexual e romântica no coração, sexo biológico na pelve e expressão de gênero em todos os lugares.

Genderbread-Person-3.3.jpg

A Pessoa de Pão de Gengibre adota a mais recente iteração da ideologia transexual. (Foto: Sam Killerman / É Metrossexual)

A pessoa de Pão de Gengibre apresentada aqui é a versão 3.3, incorporando ajustes feitos em resposta às críticas de versões anteriores. Mas mesmo esta viola o dogma atual. Alguns ativistas queixaram-se de que a Pessoa Pão de Gêngibre parece excessivamente masculina.

Uma falha mais séria aos olhos de muitos ativistas é o uso do termo “sexo biológico”. A revista Time recebeu críticas pela mesma transgressão em 2014, depois de publicar um perfil de Laverne Cox, a “primeira pessoa trans” a sair na capa.

[…]

Mas a Time foi considerada culpada de usar “um entendimento simplista e desatualizado da biologia para perpetuar algumas idéias muito perigosas sobre mulheres trans” e não reconhecer que o sexo biológico “não é algo com que realmente nascemos, é algo que os médicos ou nossos pais nos designam no nascimento. ”

Hoje, os “aliados” transexuais em boa posição não usam a Pessoa Pão de Gengibre em suas salas de aula, mas optam pelo “ Unicórnio de Gênero ”, criado pela Trans Student Educational Resources. Ele tem uma forma corporal que não parece masculina ou feminina e, em vez de um “sexo biológico”, possui um “sexo atribuído ao nascimento”.

Essas são as mudanças significativas na Pessoa de Pão de Gengibre foram feitas para que o novo gráfico “retrate com mais precisão a distinção entre gênero, sexo atribuído ao nascimento e sexualidade”.

De acordo com a Trans Student Education Resources, “Sexo biológico é uma palavra ambígua que não tem escala nem significado, além de estar relacionada a algumas características sexuais. Também é prejudicial para as pessoas trans. Em vez disso, preferimos ‘sexo atribuído ao nascimento’, que fornece uma descrição mais precisa do que o sexo biológico pode estar tentando se comunicar. ”

O unicórnio de gênero é o gráfico que as crianças provavelmente encontrarão na escola. Esses são os dogmas que provavelmente serão catequizados para se professar.

GenderUnicorn.jpg

O Unicórnio de Gênero é usado para evitar o uso de um corpo masculino ou feminino como padrão. (Foto: Landyn Pan e Anna Moore / Recursos Educacionais para Estudantes Trans)

Embora os ativistas afirmem que as possibilidades de identidade de gênero são bastante amplas – homem, mulher, ambos, nenhum – eles também insistem que a identidade de gênero é inata ou estabelecida em uma idade muito jovem e, posteriormente, imutável.

O Dr. George Brown, professor de psiquiatria e três vezes membro da Associação Profissional Mundial para a Saúde Transexual, afirmou […] que a identidade de gênero “geralmente é estabelecida cedo na vida, com a idade de 2 a 3 anos.”

Dirigindo-se ao mesmo tribunal, Adkins afirmou que “as evidências sugerem, fortemente, que a identidade de gênero é inata ou fixa em tenra idade e que a identidade de gênero tem uma forte base biológica”. (Em nenhum momento de sua declaração de especialista ela citou fontes para qualquer uma de suas afirmações.)

Contradições dos transexuais

Se as alegações apresentadas neste ensaio lhe parecerem confusas, você não está sozinho. O pensamento dos ativistas transgêneros é inerentemente confuso e cheio de contradições internas. Os ativistas nunca reconhecem essas contradições. Em vez disso, eles, oportunisticamente, confiam em qualquer afirmação que seja útil num dado momento.

Aqui estou falando de ativistas transexuais. A maioria das pessoas que sofrem de disforia de gênero não é ativista, muitas delas rejeitam as afirmações dos ativistas. Muitos deles podem ser considerados vítimas dos ativistas, como  mostro no meu livro .

Muitos dos que sofrem com o sexo corporal sabem que não são realmente do sexo oposto e não desejam “fazer a transição”. Eles desejam receber ajuda para se identificar e aceitar o seu próprio corpo. Eles não acham que seus sentimentos de disforia de gênero definem a realidade.

Mas ativistas transexuais sim. Independentemente de se identificarem como “cisgênero” ou “transgênero”, os ativistas promovem uma visão de mundo altamente subjetiva e incoerente.

Por um lado, afirmam que o eu real é algo diferente do corpo físico, em uma nova forma de dualismo gnóstico, mas, ao mesmo tempo, adotam uma filosofia materialista na qual apenas o mundo material existe. Eles dizem que o gênero é puramente uma construção social, enquanto afirmam que uma pessoa pode estar “presa” no gênero errado.

Eles dizem que não há diferenças significativas entre homem e mulher, mas confiam em rígidos estereótipos sexuais para argumentar que a “identidade de gênero” é real, enquanto a personificação humana não é. Eles afirmam que a verdade é o que a pessoa diz que é, mas acreditam que há um eu real a ser descoberto dentro dessa pessoa.

Eles promovem um individualismo expressivo radical, no qual as pessoas são livres para fazer o que quiserem e definirem a verdade da maneira que desejarem, mas tentam, impiedosamente, impor a aceitação da ideologia transexual.

É difícil ver como essas posições contraditórias poderiam ser combinadas. Se você se insistir demais em qualquer tópico [thread] da ideologia transexual, toda a tapeçaria se desfaz. Mas aqui estão algumas perguntas que podemos fazer:

Se o gênero é uma construção social, como a identidade de gênero pode ser inata e imutável? Como a identidade de uma pessoa, em relação a uma construção social, pode ser determinada pela biologia no útero? Como a identidade de alguém pode ser inalterável (imutável) em relação a uma construção social em constante mudança? E se a identidade de gênero é inata, como pode ser “fluida”?

O desafio para os ativistas é oferecer uma definição plausível de gênero e identidade de gênero, independente do sexo corporal.

Existe um gênero binário ou não? De alguma forma, existe e não existe, de acordo com ativistas transexuais. Se as categorias de “homem” e “mulher” são objetivas o suficiente para que as pessoas possam se identificar como – e ser –  homens e mulheres, como o gênero pode ser também um espectro, onde as pessoas podem se identificar como, e ser, ambos, ou nenhum, ou em algum lugar no meio?

O que significa ter um senso interno de gênero? Qual é a sensação de gênero? Que significado podemos dar ao conceito de sexo ou gênero – e, assim, que “sentido” interno podemos ter de gênero – além de termos um corpo de um determinado sexo?

Além de ter um corpo masculino, como é “sentir-se como” sendo homem? Além de ter um corpo feminino, como é “sentir-se como” sendo mulher? Como é sentir-se ser ambos, homem e mulher, ou ser nenhum dos dois?

O desafio para o ativista transexual é explicar como esses sentimentos se parecem e como alguém poderia saber se ele ou ela “se sente” com o sexo oposto, ou com nenhum, ou com ambos.

Mesmo que os ativistas trans pudessem responder a essas perguntas sobre sentimentos, isso ainda não abordaria a questão da realidade. Por que se sentir como um homem – o que quer que isso signifique – torna alguém um homem? Por que nossos sentimentos determinam a realidade na questão do sexo, mas, além disso, pouco? Nossos sentimentos não determinam nossa idade ou nossa altura. E poucas pessoas cmpram com a afirmação de Rachel Dolezal de se identificar como uma mulher negra, já que ela evidentemente não é.

Se quem se identifica como transexual é o sexo com o qual se identifica, por que isso não se aplica a outros atributos ou categorias de ser? E as pessoas que se identificam como animais, ou pessoas saudáveis ​​que se identificam como deficientes? Todas essas identidades independentes determinam a realidade? Se não, por que não?

E essas pessoas deveriam receber tratamento médico para transformar seus corpos de acordo com suas mentes? Por que aceitar a “realidade” transexual, mas não a realidade trans-racial, transespécie e trans-eficiente?

O desafio para os ativistas é explicar por que o sexo “real” de uma pessoa é determinado por uma “identidade de gênero” interna, mas idade e altura, raça e espécie não são determinadas por um senso interno de identidade.

Claro, um ativista transexual poderia responder que uma “identidade” é, por definição, apenas um senso interior de si. Mas se for esse o caso, a identidade de gênero é apenas uma revelação de como a pessoa se sente. Dizer que alguém é transexual, então, diz apenas que a pessoa sente que é do sexo oposto.

A identidade de gênero, assim entendida, não tem nenhuma relação com o significado de “sexo” ou qualquer outra coisa. Mas ativistas transexuais afirmam que a “identidade de gênero” autodeclarada de uma pessoa é o “sexo” dessa pessoa.

O desafio para os ativistas é explicar por que o mero sentimento de ser homem ou mulher (ou ambos ou nenhum) torna alguém homem ou mulher (ou ambos ou nenhum).

A identidade de gênero pode parecer muito com identidade religiosa, que é determinada por crenças. Mas essas crenças não determinam a realidade. Alguém que se identifica como cristão acredita que Jesus é o Cristo. Alguém que se identifica como muçulmano acredita que Muhammad é o profeta final. Mas Jesus é ou não é o Cristo, e Muhammad é ou não é o profeta final, independentemente do que alguém acredite.

Da mesma forma, uma pessoa é ou não é um homem, independentemente do que alguém – incluindo essa pessoa – acredite. O desafio para os ativistas transexuais é apresentar um argumento sobre por que as crenças transexuais determinam a realidade.

Determinar a realidade é o cerne da questão, e aqui também encontramos contradições.

Por um lado, os ativistas transexuais querem a autoridade da ciência enquanto fazem afirmações metafísicas, dizendo que a ciência revela que a identidade de gênero é inata e imutável. Por outro lado, negam que a biologia seja o destino, insistindo que as pessoas são livres para serem quem elas querem ser.

Qual deles é? Nossa identidade de gênero é biologicamente determinada e imutável, ou auto-criada e mutável? No primeiro caso, como explicamos as pessoas cuja identidade de gênero muda com o tempo? Essas pessoas têm o senso errado de gênero em algum momento ou outro?

E se a identidade de gênero é auto-criada, por que outras pessoas devem aceitá-la como realidade? Se deveríamos ser livres para escolher nossa própria realidade de gênero, por que algumas pessoas podem impor sua idéia de realidade a outras apenas porque se identificam como transexuais?

O desafio para o ativista transexual é articular alguma concepção de verdade como base de como entendemos o bem comum e como a sociedade deve ser ordenada.

Como eu documento em profundidade em ” Quando Harry se tornou Sally “, as afirmações dos ativistas transexuais são confusas porque são filosoficamente incoerentes. Os ativistas confiam em afirmações contraditórias, conforme necessário, para prosseguir em sua posição, mas sua ideologia continua evoluindo, de modo que até aliados e organizações LGBT podem ser deixados para trás à medida que o “progresso” avança.

No âmago da ideologia está a afirmação radical de que os sentimentos determinam a realidade. A partir dessa idéia, surgem demandas extremas para que a sociedade entre no jogo com afirmações de realidade subjetiva. Os ideólogos trans ignoram evidências contrárias e interesses concorrentes, depreciam práticas alternativas e visam abafar vozes céticas e calar qualquer desacordo.

O movimento tem que continuar consertando e reforçando suas crenças, policiando os fiéis, coagindo os hereges e punindo os apóstatas, porque assim que seus esforços furiosos esmorecem, por um momento, ou alguém se levanta com sucesso, toda a farsa fica exposta. É o que acontece quando seus dogmas são tão contrários às verdades óbvias, básicas e cotidianas.

Um futuro transexual não é o “lado certo da história”, mas os ativistas convenceram os setores mais poderosos de nossa sociedade a concordar com suas demandas. Embora as alegações feitas sejam manifestamente falsas, será necessário um trabalho real para impedir a disseminação dessas idéias prejudiciais.

Esta peça apareceu originalmente no The Daily Signal

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *