iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Atenção:

Esse artigo desempenha papel meramente informativo. Consulte sua autoridade médica local para receber aconselhamento apropriado.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site: .
Autoria do texto: .
Data de Publicação: .
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Por Nancy Bristow. Leia o artigo completo no Jewish World Review.

Se a história é um guia, nada mudará na sequência da pandemia da covid-19. Durante o flagelo da gripe de 1918, a desordem estava por toda parte: como sugeriu um escritor de cartas americano: “O mundo inteiro parece de cabeça para baixo”. Aproximadamente um em cada quatro americanos contraiu a doença e 2,5% deles morreram.

Quase metade das mortes foram de pessoas entre 20 e 40 anos, exatamente os adultos com que se contava como pais, chefes de família e líderes. Desesperadas para controlar a pandemia, as autoridades de saúde pública proibiram reuniões públicas e fecharam escolas, igrejas e outras instituições. Elas até colocaram restrições em funerais. Muitas comunidades proibiam a participação de outros membros que não a família imediata e, rotineiramente, impedia-se que os corpos dos mortos fossem levados para igrejas ou capelas.

Quando a pandemia cessou, as pessoas correram para recuperar seu senso de equilíbrio e normalidade: embora os americanos se mostrassem notavelmente em conformidade com as demandas iniciais das autoridades de saúde, eles relutaram em manter essas restrições em suas vidas, mesmo quando muitas comunidades enfrentaram uma onda subsequente de doença.

Certos hábitos mudaram. Os americanos nunca retornaram ao copo comum, proibido durante a crise e antes comum em escolas, escritórios e vagões; desaprovavam o ato de cuspir em público. Os líderes da saúde pública comemoraram seu sucesso em fornecer educação básica sobre saneamento e higiene pessoal. Mas a morte de 675.000 americanos não estimulou a recriação do sistema de saúde. Os esforços dos reformadores da era Progressista não conseguiram criar um programa nacional de seguro de saúde e, apesar da pandemia, enfrqueceram na década de 1920.

Enquanto a gripe saqueava suas comunidades, muitos americanos se apegaram ao familiar, aderindo a formas estabelecidas de fazer as coisas. Homens e mulheres enfrentaram pressão para responder à pandemia de acordo com as normas de gênero.

Em cartas e diários da época, as mulheres discutiam abertamente seus medos e suas experiências de perda; porque se supunha que elas são naturalmente altruístas e tinham habilidade em cuidar, as mulheres eram chamadas para serem enfermeiras.

Enquanto isso, esperava-se que os homens exibissem apenas força e estoicismo; eles expressavam culpa e vergonha quando a doença exigia que eles ficassem em suas camas. Pessoas de cor continuavam enfrentando cuidados de saúde segregados. Eventualmente, um médico negro local organizou seus cuidados.

A pandemia não perturbou as desigualdades sociais e econômicas que tornara visíveis. No entanto, embora o conhecimento do passado seja essencial para a compreensão do presente, a história raramente é um vaticinador confiável. Não precisamos repetir os erros dos que vieram antes. Eis algumas maneiras pelas quais nossa cultura pode mudar.

 The Touring Life, de Roseanne Cash, cantora e compositora premiada com o Grammy

Terminei a recepção pós-show, no início de março. Todo mundo se reuniu nos bastidores e me espremeu num pequeno grupo, durante 10 minutos de fotos. Três semanas depois, terminei a turnê sem nenhum aperto de mão ou abraço. Problemas que nunca foram problemas começaram a se cristalizar. Meu gerente de turnê começou a limpar obsessivamente meus microfones com álcool: antes da verificação do som, depois da verificação do som, antes do show, depois do show. Chega de saladas para o almoço.

Quanto a assinar álbuns, fotos e coisas estranhas que as pessoas trazem para mim depois dos shows, esse gerente de turnê mantém um pelotão de canetas no bolso do paletó para que eu não precise pegar emprestada a caneta de ninguém. Parece egoísta parar completamente de autografar as coisas. Sempre pensei que, se alguém usa sua renda para comprar algo que eu fiz, e eles me pedem para a assinar, é uma coisa agradável de se fazer, mas limpar com álcool as capas de álbuns não é uma má ideia.

Colocaram uma placa na porta do meu camarim avisando todos, menos a equipe de limpeza, para ficar de fora, o que foi tranquilizador. Comecei a olhar os pratos abertos de nozes, batatas fritas e guacamole na sala verde como se fossem placas de Petri de proto-vírus. Depois que isso acabar, banirei totalmente, em turnês, tigelas de comida abertas.

Muitos músicos de renda média já se encontram em circunstâncias terríveis, com dificuldades, graças a turnês, festivais e sessões de gravação cancelados, além de aulas de música suspensas, onde muitos músicos complementam sua renda ensinando. Se o governo federal oferecer assistência, esperamos que músicos e artistas sejam incluídos.

Não consigo deixar de pensar que está ocorrendo uma redefinição darwiniana, mas resta saber qual é a vantagem evolutiva primordial – um sentimento de comunidade e compaixão, espero. Os artistas se tornam telas nas quais as pessoas projetam suas necessidades, e talvez a reflexão que oferecemos possa ser mais “nós” e menos “eu”.

 Mais melodrama político, por Liz Mair, fundadora, proprietária e presidente da Mair Strategies

Entre 2008, quando construí a divisão de comunicações on-line do Comitê Nacional Republicano, e hoje, a tecnologia se tornou uma parte cada vez mais importante das campanhas. Em uma América pós-pandemia, quem investir e se adaptar à tecnologia focada na comunicação terá sucesso; quem não puder ou não quiser, fracassará.

Quanto mais local for a disputa, mais isso será provável. Em uma campanha presidencial, os candidatos podem contar com uma certa quantidade de cobertura automática da mídia, mesmo que os debates sejam cancelados devido à necessidade de distanciamento social. Mas se você é um político desconhecido que desafia, digamos, um membro efetivo do Congresso, terá que gerar cobertura, entusiasmo dos eleitores e dinheiro por conta própria, provavelmente sem meios de comunicação, que não dão a mínima a você. Distanciamento social significaria que você não poderia, simplesmente, aparecer em uma igreja local ou feira para pressionar as pessoas. A captação de recursos em mansões chiques seria substituída por videoconferências com doadores ricos. 

Mais entrevistas na TV acontecerão via Skype. Mais entrevistas de rádio serão por telefone, não em estúdio. Campanhas que dominam a tecnologia se impulsionam.

A má notícia é que, para se destacar sem se encontrar com os eleitores, os candidatos deverão ser o mais interessantes (leia-se: extravagante) possível. Políticos legais, mas chatos, serão mais difíceis de se vender em um ambiente político dominado pela Internet. Os tuítes mais atraentes, não as ideias mais sólidas ou as personalidades mais amigáveis, geralmente ganharão o dia. Quem quiserm menos bobagens e mais gravidade dos líderes terá que se ajustar. Se uma vacina contra o coronavírus não chegar em breve, a política, especialmente algemada à Internet, será mais melodramática do que nunca.

 Encontro cara-a-cara com o médico, de Kimberly Gudzune e Heather Sateia. diretores e professores da Faculdade de Medicina Johns Hopkins

Para reduzir o risco de transmissão do coronavírus, os sistemas de saúde estão se esforçando para mudar para a telemedicina. No Johns Hopkins, e em outros lugares, isso está acontecendo quase da noite para o dia: plataformas tecnológicas foram lançadas, provedores treinados, pacientes educados e consultas convertidas em visitas em vídeo. Os pacientes podem falar com seu médico em tempo real, com segurança, do seu smartphone ou computador doméstico.

É uma ferramenta extraordinariamente útil: muito tempo depois que a pandemia desaparecer, sua adoção pode significar coisas boas para a prestação de serviços de saúde.

Pesquisas documentaram desigualdades no acesso aos cuidados por raça, gênero, peso, renda e localização geográfica, entre outros fatores. A telemedicina, que torna a conexão entre pessoas e profissionais de saúde menos atritosa, não é uma cura para todos esses problemas, mas pode melhorá-los e há muito tempo é subutilizada. Uma razão, além da falta de plataformas e treinamento técnico, é que as seguradoras de saúde se recusaram a cobrir consultas médicas “virtuais”. Mas elas estão fazendo isso agora, e esperamos que continuem.

Os médicos tradicionalistas também foram levados a tentar um modelo de tratamento desconhecido por esse choque no sistema de saúde. A longo prazo, a revolução da telemedicina pode reformular a maneira como ajudamos os pacientes a gerenciar doenças crônicas e a praticar cuidados preventivos, facilitando muito o contato. A mudança também pode tornar menos difícil para os médicos chegarem a pacientes em áreas remotas.

A pandemia também pode mudar a medicina de outras maneiras. Os pacientes têm compartilhado conosco suas profundas ansiedades – e médicos, enfermeiros e outros estão retornando às raízes da profissão, reconhecendo novamente como é importante ouvir e sentir empatia com essas preocupações. A medicina é um empreendimento clínio, mas também exige compaixão, que pode se perder em meio ao foco nos tratamentos mais recentes. O coronavírus também aumentou a preocupação com o esgotamento entre médicos e funcionários nas linhas de frente dos cuidados de saúde.

É difícil confortar um médico exausto e chorando quando você não deve se tocar, por causa do distanciamento social, mas milhares de médicos estão encontrando maneiras de se conectar e compartilhar nossas experiências – seja nas mídias sociais, por meio de relatos em primeira pessoa sobre médicos – podcasts focados ou outros meios. Após a pandemia, manter vivo esse espírito de colaboração e conexão e utilizar a tecnologia para atingir esse objetivo, produzirá uma melhor experiência de assistência médica para todos.

 Trânsito não tão massivo, por Joel Kotkin, diretor executivo do Urban Reform Institute

As pandemias sempre foram inimigas da vida urbana densa. As cidades, onde as pessoas moram em locais próximos e se misturam com pessoas de outros lugares, são criadouros ideais para contágios. Até agora, por outro lado, houve relativamente poucas infecções por coronavírus no vasto meio dos Estados Unidos, particularmente nas áreas rurais. Quando a peste bubônica devastou a Europa, os centros cosmopolitas da Itália renascentista tiveram um desempenho muito pior do que os da Polônia ou de outras partes da Europa Central. A elite que pode, como alguns nova-iorquinos contemporâneos, fugiu para suas casas de campo, onde a chance de infecção era menor.

Mesmo antes do covid-19, os grandes centros urbanos como Nova York, Los Angeles e Chicago estavam perdendo população; mais de 90% de todo o crescimento populacional desde 2010 ocorreu nos subúrbios ou arrabaldeos.

É provável que a atual pestilência acelere essas mudanças, que têm grandes implicações na maneira como os americanos começam a trabalhar. O número de passageiros no trânsito estava era ruim antes da crise, declinando em todo o país, enquanto o transporte e a condução individual continua a crescer. Com o espectro do contágio, os moradores da cidade são instruídos a evitar metrôs lotados, removendo um elemento crítico que faz as cidades ultradensas funcionarem. Em Nova York, o tráfego de metrô diminui vertiginosamente, pois muitos passageiros agora trabalham em casa. Toronto está eliminando grande parte de seu serviço de trem no centro. O metrô de Washington também está diminuindo.

Assim como progressistas e ambientalistas esperavam que a era do domínio automotivo e da expansão suburbana estivesse chegando ao fim, um mundo globalizado que espalhe pandemias rapidamente empurrará os trabalhadores de volta para seus carros e para o interior.

 Saudações pessoais, de John Scalzi, romancista

Há duas semanas, eu estava em um cruzeiro. Todos nós estávamos discutindo sobre um dos tópicos mais importantes da discussão a bordo: como nós dois mil iríamos nos cumprimentar. Apertar as mãos obviamente não era uma ótima idéia, muito menos abraços, seja nas variantes “corpo inteiro” ou “abraço lateral estranho”. Todos nós tínhamos acabado de entrar em um navio de cruzeiro; queríamos sair dali a uma semana e não ficar em quarentena em nossos beliches.

Consideraram-se muitas opções. Era um cruzeiro temático, com artistas e passageiros nerds, então algumas pessoas tentaram fazer as saudações de Vulcano e Wakanda. Outros tentaram sapatear, mas isso foi rapidamente abandonado porque você precisa estar em terreno estável. Soquinhoos eram apenas apertos de mão modernos: você ainda está se conectando com uma parte do corpo de alguém que está ocupado tocando o rosto. Curvar-se parecia formal demais para nerds em camisetas escuras e sarcásticas.

Em um dia, surgiu um vencedor: bater cotovelos, quando duas pessoas empurram os cotovelos para a frente e os tocam brevemente. Satisfez a convenção de algum contato físico, mas com uma parte do corpo tão isolada é improvável que se aproxime de zonas de perigo bacteriano.

Fora do navio, acho que as pessoas procurarão maneiras de se cumprimentar se os apertos de mão forem considerados falta de educação. Talvez seja o romancista de ficção científica em mim falando, mas podia ser pior do que a saudação vulcana.

No final, porém, suspeito que um simples aceno de “olá” será o suficiente: um reconhecimento e um sinal de potencial amizade e um entendimento de que, às vezes, um pouco de distância é gentil, não rude.

Aviso Legal

O CONIPSI acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a salvar vidas. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito do novo Coronavírus, a fim de difundir somente aquelas que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Psicanálise

Como Ser Autêntico?

  “Você poderia, por favor, ​indic​ar uma boa literatura sobre a fala autêntica? Ouvi você falar sobre sua importância. Mas não tenho certeza de como fazer

Leia Mais »